N’ANIVERSÁRIO (2)

N

RIO (tentando viver) – Quem diria que em agosto de 2020 eu iria escrever “Hülkenberg foi o cara do dia em Silverstone no GP que celebra os 70 anos da Fórmula 1!”, com ponto de exclamação e tudo?

Pois lá vai.

Hülkenberg foi o cara do dia em Silverstone no GP que celebra os 70 anos da Fórmula 1!

Como pode? Como assim? Cadê todo mundo?

Tá todo mundo batendo palmas para o alemão. Merecidos aplausos. Nico foi chamado às pressas semana passada para substituir Sergio Pérez, que testou positivo para o novo coronavírus. Fazia nove meses que não sentava num carro de corrida. No fim da última temporada, foi avisado pela Renault que seu contrato não seria renovado.

Hulk chegou aos solavancos à Inglaterra, nem macacão tinha, gastou um tempinho no simulador, classificou o carro e, no domingo, o diabo do motor não funcionou.

Piloto com mais GPs disputados na história sem ter conseguido um pódio sequer — são 177 largadas e zero troféu –, Nico é considerado por muita gente um dos mais azarados de todos os tempos. Pombas, até Maldonado ganhou corrida!

Bem, é preciso ver se o copo está meio cheio ou meio vazio. Verdade, Hülkenberg não tem nenhum pódio, coitado. Tantas corridas, puza, que azar. Mas ser convocado de repente para cair num carrão dos melhores quando já se julgava aposentado não pode ser chamado de sorte, não?

Sortudo!

E competente. Se tudo der certo, o incrível Hulk levanta uma tacinha amanhã com o não menos incrível — e protestado, e contestado, e demonizado pela concorrência — carro da Martin Point, que simplesmente larga, com ele, em terceiro no GP dos 70 Anos da F-1.

É sua melhor posição no grid desde o igualmente incrível segundo lugar na Áustria com a Force India em 2016. Mas não a melhor, porque ele fez uma incrível pole com a Williams no Brasil em 2010. Por isso seu time postou a imagem abaixo no Twitter.

Ao menos nos últimos dez dias, tudo parece incrível na vida desse moço, de quem ninguém mais se lembrava. Só que agora, diante do que vem fazendo nos últimos dois finais de semana, ele se recoloca com força no mercado como candidato a alguma vaguinha que porventura possa sobrar em 2021. Haas, Alfa Romeo e talvez AlphaTauri são times que, no ano que vem, terão de mexer no seu elenco. Do jeito que estão, não dá. Giovinazzi é fraco e Raikkonen está apagando na Alfa. A dupla da Haas serve para seriado da Netflix, não muito mais que isso. E Kvyat, putz… Falo dele mais adiante.

E o resto neste sábado ensolarado e ameno de Silverstone?

Nada de muito especial. A Mercedes fez 1-2 de novo, desta vez com Bottas na frente. O finlandês marcou a 13ª pole de sua carreira e segunda no ano. As outras três da temporada foram de Hamilton, que ficou em segundo no grid. Tempo de Valtteri: 1min25s154. De Lewis: 0s063 pior. “Ele mereceu”, resumiu o inglês, líder do Mundial com 30 pontos de vantagem sobre o parceiro. Não estava muito satisfeito, não.

Sapattos renovou seu contrato esta semana e ficará mais um ano na Mercedes. Aí crava a pole dias depois. É muita felicidade, né? Nada como guiar um carro imbatível. Hulk, o terceiro, ficou 0s928 atrás de Bottas. Verstappinho, quarto no grid, foi 1s022 mais lento. A Mercedes, em média um segundo por volta mais rápida que suas adversárias mais próximas, tem a chance de ganhar todas as corridas deste ano — o campeonato, por enquanto, tem 13 etapas confirmadas. Que aproveite.

A prova de amanhã vai ser um pouco diferente da da semana passada porque todo mundo deve fazer duas paradas para troca de pneus, já que a Pirelli baixou um grau na moleza da borracha. O resultado é que os pneus macios, letrinhas vermelhas como na foto de Ricciardo aí em cima, degradam rapidamente e quem largar com eles vai dar meia dúzia de voltas, se tanto.

Por isso que no Q2 Verstappen fez questão de registrar seu tempo com pneus duros (que foram os médios na prova de domingo), para não correr o risco de ver sua borracha esfarelando no início. A dupla da Mercedes vai de médios — aliás, seus tempos no Q3 foram feitos com estes, também, porque os macios terminaram depois de dois terços de volta.

São estratégias diferentes, mas que ninguém se anime muito. A tendência é ver os dois mercêdicos disparando na frente, se largarem sem problemas, e Max brigando pelo terceiro lugar com Hülkenberg — se este conseguir um ritmo bom de corrida, algo que a Aston India ainda não conseguiu encontrar neste ano, ao contrário do que faz nas classificações.

E vamos falar dos demais, então. Começamos com o garoto acima, todo sorridente atrás da máscara. É Pierre Gasly, sétimo no grid com a AlphaTauri. E sétimo é para comemorar desse jeito? Sim, se você tiver ficado à frente de uma Ferrari, uma Red Bull e uma McLaren, por exemplo. Foi o que Gasly conseguiu.

Eu tinha dado o grid até Verstappen, em quarto. Ricciardo foi o quinto e Stroll, o sexto. O australiano foi também uma boa surpresa com a Renault, que vem andando bem desde ontem. O canadense, normal — embora tenha ficado meio contrariado por levar um cacete de Nico, que não sabe nem o nome do porteiro da fábrica.

E aí veio Gasly, 1s380 atrás da pole, mas com uma performance das mais impressionantes. Ainda mais quando se compara seu trabalho com o de Kvyat, que nem passou do Q1. O russo, desconfio, só fica na equipe se tiver mesmo sete vidas. Nada justifica sua manutenção diante de tanta instabilidade. E não dá para reclamar de falta de chances. Pierre, rebaixado no ano passado pela Red Bull para a equipe satélite, deixou Leclerc, Albon e Norris para trás no Q3. Não é de se desprezar, não.

Charlinho ficou 1s460 atrás de Bottas. Essa é a Ferrari neste momento. Uma força intermediária, incapaz de brigar com Mercedes, Red Bull e India Martin, e suando para andar junto de Renault, McLaren e AlphaTauri. Vejam Vettel hoje. Com pneus macios, não conseguiu passar do Q2. Ficou em 12º e só vai largar uma posição à frente porque Ocon, igualmente decepcionante com o outro carro da Renault, perdeu três posições por atrapalhar Russell na classificação. Esses três, mais Sainz Jr. e Grojã, foram os limados na segunda parte da classificação.

Por fim, os degradados do Q1: Kvyat, Magnussen, Latifi, Giovinazzi e Raikkonen. A Alfa Romeo conseguiu a proeza de fazer um carro pior que a Williams este ano. A Haas está ali na ruindade. São três times figurantes e melancólicos. Patinam, patinam e ficam no mesmo lugar. O que é uma pena — pelo nome da Williams, pelo charme da marca Alfa Romeo, pelas expectativas que a Haas criou quando chegou à categoria.

Vocês devem estar se perguntando onde está Gola Profonda, né? Bom, meu informante mandou mensagem dizendo que mais tarde tem coisas para contar. Aguardemos.

Sobre o Autor

Flavio Gomes

Flavio Gomes é jornalista, mas gosta mesmo é de dirigir (e pilotar) carros antigos.

55 Comentários

  • As duas Mercedes irão reinar novamente amanhã, desta vez com o Mirtão Gostosão em primeiro e não adianta chororô das demais equipes!
    Já era o campeonato! É só correr para o abraço, digo, para o pódio!

    • O teu gostosão só conseguiu chegar em segundo porque o Bottas, ao chegar na reta, “tirou da reta” e não ofereceu a menor resistência.
      Um contrato com cláusulas pétreas faz milagre…

  • Ricciardo é o cara……Ele e Hamilton são os melhores do Grid disparados. Ele sim tira leite de pedra na Renault e lembremos que os carros ali são identicos, não como na RBR que prioriza tudo pro merdinha holandês, kkkk……….Sei não se o Ricciardo fez bom negócio assinando com a Mclaren, putz!

  • Bottas mais uma vez supera Hamilton.
    E quais as manchetes???
    1) Hamilton domina fim de semana inteiro mas perde na última volta pole pra Bottas. O Globo esporte.com viu que no qualify 1, 2 e 3 Hamilton foi batido????
    2) Hulk é destaque no qualif. Então Bottas bater Hamilton é normal??? Ue mas Bottas não é medíocre???
    A verdade é que não dá pra ser grande se você tem uma mídia inteira e formadora de opinião, desprezando feitos extraordinarios como o de hoje.
    Se for dar ênfase na pole de Bottas ficar a difícil menosprezar o piloto mais pra frente.
    Bottas hoje acabou com a festa de Hamilton, no GP de 70 anos garantindo a pole.
    Adivinha quem fez a pole no GP 1000 da Fórmula 1 na China? BOTTAS.
    Bottas é um Zé Ninguem pra quem não sabe o que é um volante.
    Pra quem sabe o que é F1, é um piloto de primeira linha, Mercedes que o diga.

  • Que q a ferrari está ruim todos sabemos, mas o que Vettel faz com um carro ruim? Nada. Eu se fosse da Racing Point fechava com Hülkenberg, muito mais negócio que um piloto alemão decadente. Vettel teve q colocar pneu vermelhos no Q2 pra tentar avançar pro Q3, e msm com a borracha mais macia levou mais de meio segundo do Leclerc, de dar dó.

    • Só mesmo uma boa notícia (volta do espanhol trapaceiro) para tirar você da Matrix, meu caro Allez Francisco!
      Você, pelo visto, ainda não digeriu os quatro vareios que Vettel aplicou em Alonso. Continua, juntamente com teu parceiro de lágrimas, a destilar o rancor de sempre.
      Coloque uma certeza na cabeça de uma vez por todas (e pare de fantasiar o que não existe): ele não vai passar de bi.

      Ah, sim! Lembranças à Alice.

  • Eu chuto que o menino Charlinho vai ganhar um boneco do incrível Hulk de presente como prêmio pra colocar o carro no Q3. Mas ele vai pedir um Hulk com a cara do Hulkenberg. E vão se virar pra arrumar.
    Raikkonen tá tão desanimado que nem uma dose dupla de Corote vai animar o fim de carreira dele.
    E parabéns pela pole-position do Hulk. Pole da F-1. Porque da F-Mercedes foi o Bottas, com Mirtão Campeão em segundo.
    Ao que se desenha aí, Hulk não fica a pé em 2021. Mas tomara que seja num carro minimamente competitivo, não nesse sexteto aí do fundão do qual o Kvyat insiste em se infiltrar e o Russell tenta desesperadamente sair.

  • Ter um bom piloto sempre será fundamental. Hulk nem é um gênio, mas na segunda corrida com a RP já está à frente de Bebê Stroll (que não é tão ruim quanto dizem, mas não enche os olhos de ninguém além do papai). Que o diga a Ferrari que tem dois pódios mesmo com um carro bem mais ou menos. Até nisso a Mercedes é melhor que as outras já que Bottas, se não faz frente ao Hamilton, sempre pontua e vence ocasionalmente. Ter dois bons pilotos faz muita diferença.

  • Já da pra prever as desculpas para o Vettel andar atrás do Stroll ano que vem. “A equipe esta claramente sabotando ele…” “privilégio claro ao stroll…” A conferir.

    • Já dá pra prever as desculpas para o Alonso andar atrás do Vettel ano que vem, pela 11ª temporada. A equipe não está entregando o equipamento adequado ao seu talento… “motor de GP2!”
      A conferir.

  • 1 segundo por volta é muito. Alerta Vermelho na Formula 1. Ainda mais sabendo que Bottas só foi contratado para não ofuscar o brilho reluzente do inglês companheiro de equipe. Ao menor sinal de disputa a Mercdes fará o que sempre fez….dá aquela “afrouxada” naquele parafusinho mágico no carro do FinlandÊs. Já vimos isso antes. VEttel se deu bem para 2021 ? PArece que sim. Já pensou ele dando pau no Leclerc de Aston MArtin? Vingança. Vingança é um prato que se come frio. Resta saber se o papai do Stroll vai deixar ele brilhar mais que o “meu garoto”. Deve ter garoto chorando hoje no ombro do pai.

    • Ed! sudações…
      Talves você tenha o pior dos apelidos derivados de EDSON,
      Edmota…Edmatar…É delonge… É foda…é o inglês!!!
      Se meus pais me dessem esse nome, eu mudaria de acordo com alei 3.450. art. 1, alínea 8 do e mudaria para Hamiltom…
      Grande abraço!!!

      • Vexame é roubar a vitória do companheiro de equipe (Alemanha/2010) e mesmo somando esses pontos a mais, não conseguir superar o alemãozinho…

    • Gostaria de lembrar que as únicas equipes que não tiveram problemas com os pneus na semana passada foram Renault e RBR………e amanhã a temperatura será maior que no GP passado.

  • É claro que o grande destaque é o 3º lugar do Hulk.
    Chega na semana passada, anda pouco com o carro e agora consegue qualificar-se em 3º, melhor é impossível.
    Acho que estamos todos a torcer para que amanha, o alemão consiga chegar ao pódio.
    Vamos ver amanhã como vai ser a corrida entre os dois Mercedes, pode ser que ainda dê uma bela corrida.

    Abraço

    visitem: https://estrelasf1.blogspot.com/

  • Também fiquei feliz pelo Hulk.

    Acho que ele será a “Lusa” amanhã na corrida, só que na versão piloto, aquele que entra na disputa e todos torcem para que tenha sucesso.

    Ele e o seu desempenho de hoje confirma a possibilidade que o Checo pode ser sim substituído no ano que vem, dessa forma ganha força a possibilidade do tetra campeão assumir um lugar na Mercedes Rosa. Acho que a fabrica de motores também ficaria feliz. O carro anda bem, será o mesmo no ano que vem e um piloto que sabe ganhar corridas pode colocar a equipe em um outro patamar

    Que a prova de F-1 seja boa do principio ao fim, acho que teremos muita disputa por colocações. Já para os dois carros da Mercedes fica a torcida para que o Bottas ganhe do melhor pilota da F-1 para dar um pouco de brilho na disputa entre eles.

  • O locutor da Globo/ SporTv hoje bateu todos os recordes de babaquice, se é que isso é possivel. Além de se referir ao Leclerc como Charlinho (pensei que a babaquice fosse parar por aí), êle se superou, chamando Russel de Jorjão e Norris de Landinho . É duro de aguentar. A babaquice impera, reinando soberana!!

  • Albon de Red Bull andando atrás da Alpha Tauri do Gasly, igual ano passado Gasly de Red Bull andando atrás da Toro Rosso de Albon. Esse segundo carro da RBR deve ter tantos demônios dentro dele, que tornam o carro mais pesado, e por isso, lento, só pode!

    • Não é fácil ser parceiro do Verstappen, vi o segundo ano da serie da NETFLIX, a RedBull quer apenas o máximo do máximo desempenho, o Vertappen faz isso de forma natural e a Equipe cobra isso de seu parceiro. O Gasly ruiu psicologicamente no ano passado, a pressão era colossal na RedBull, as fonias, os takes da série, as entrevistas, a pressão, o Verstapen voando, ele se comparando… pressão… pressão… pressão. Não é facil.

      Albon pode estar vivendo o mesmo roteiro, com o agravante da RedBull ter um bom carro, mas não tão bom carro em relação aos outros como tinha no ano passado, sendo assim tudo fica complicado… e o Verstapen nem ai… tirando leite de pedra do carro.

      • Sério que vc vive nessa Matrix que o merdinha holandês tira leite de pedra? kkkkk…………ele pilota outro carro, o Albon é cobaia nesse lixo de equipe! Amanhã vai tomar pau de Ricciardo de Renault e então vc vai dizer o quê Verstappete??

        Verstappen é outro Fake, aguardem e aceitem!!

      • Vou dizer que Verstappen venceu a prova, deixando as duas Mercedes para trás! E nem tomou conhecimento do Canguru Atolado.

        E o que você vai dizer agora, sua viúva rancorosa?

  • Tá bom. Hulkenberg foi bem e tudo mais. MAS: Vamos lembrar aqui que o campeonato começou a três corridas atrás, Hulk ficou 9 meses sem pilotar, mas os outros pilotos ficaram 8 meses então também não é essa façanha toda, lembrando que esse carro é a Mercedes do ano Passado pintada de rosa, que já era um foguete.
    Sobre Vettel, repito meu argumento. O alemão vai fazer corpo mole pra vingar a demissão imoral que o Birutto lhe impôs. Com só um carro Vermelho marcando pontos, a equipe Rosa vai chegar na frente da Ferrari no final do campeonato, o que significará alguns milhões de dólares a mais na futura equipe de Seb.
    Além de quê a escolha de Sainz pro lugar do alemão foi uma enorme cagada (mais uma) do Mattia Birutto. Tem pelo menos uns 5 pilotos melhores no grid que aceitariam correr por Maranello só pela fama dos caras, além de quê, em que planeta Sainz é mais piloto que Vettel?
    Não vejo sentido em Hulkenberg na Alpha Tauri, Kvyat já uma aberração numa equipe que deveria descobrir novos talentos.

Por Flavio Gomes

Perfil


Flavio Gomes é jornalista, dublê de piloto, escritor e professor de Jornalismo. Por atuar em jornais, revistas, rádio, TV e internet, se encaixa no perfil do que se convencionou chamar de multimídia. “Um multimídia de araque”, diz ele. “Porque no fundo eu faço a mesma coisa em todo lugar: falo e escrevo.” Sua carreira começou em 1982 no extinto jornal esportivo “Popular da Tarde”. Passou pela “Folha de S.Paulo”, revistas “Placar”, "Quatro Rodas Clássicos" e “ESPN”, rádios Cultura, USP, Jovem Pan, Bandeirantes, Eldorado-ESPN e Estadão ESPN — as duas últimas entre 2007 e 2012, quando a emissora foi extinta. Foi colunista e repórter do “Lance!” de 1997 a 2010. Sua agência Warm Up fez a cobertura do Mundial de F-1 para mais de 120 jornais entre 1995 e 2011. De maio de 2005 a setembro de 2013 foi comentarista, apresentador e repórter da ESPN Brasil, apresentador e repórter da Rádio ESPN e da programação esportiva da rádio Capital AM de São Paulo. Em janeiro de 2014 passou a ser comentarista, repórter e apresentador dos canais Fox Sports no Brasil. Na internet, criou o site “Warm Up” em 1996, que passou a se chamar “Grande Prêmio” no final de 1999, quando iniciou parceria com o iG que terminou em 2012. Em março daquele ano, o site foi transferido para o portal MSN, da Microsoft, onde permaneceu até outubro de 2014. Na sequência, o "Grande Prêmio" passou a ser parceiro do UOL até maio de 2019, quando se uniu ao Terra por um ano para, depois, alçar voo solo. Em novembro de 2015, Gomes voltou ao rádio para apresentar o "Esporte de Primeira" na Transamérica, onde ficou até o início de março de 2016. Em 2005, publicou “O Boto do Reno” pela editora LetraDelta. No final do mesmo ano, colocou este blog no ar. Desde 1992, escreve o anuário "AutoMotor Esporte", editado pelo global Reginaldo Leme. Ganhou quatro vezes o Prêmio Aceesp nas categorias repórter e apresentador de rádio e melhor blog esportivo. Tem também um romance publicado, "Dois cigarros", pela Gulliver (2018), e o livro de crônicas "Gerd, der Trabi" (Gulliver, 2019). É torcedor da Portuguesa, daqueles de arquibancada, e quando fala de carros começa sempre por sua verdadeira paixão: os DKWs e Volkswagens de sua pequena coleção, além de outras coisinhas fabricadas no Leste Europeu. É com eles que roda pelas ruas de São Paulo e do Rio, para onde se mudou em junho de 2017. Nas pistas, pilotou de 2003 a 2008 o intrépido DKW #96, que tinha até fã-clube (o carro, não o piloto). Por fim, tem uma estranha obsessão por veículos soviéticos. “A Lada foi a melhor marca que já passou pelo Brasil”, garante. Por isso, trocou, nas pistas, o DKW por um Laika batizado pelos blogueiros de Meianov. O carrinho se aposentou temporariamente no início de 2015, dando o lugar a um moderníssimo Voyage 1989. Este, por sua vez, mudou de dono em 2019 para permitir a volta do Meianov à ativa no começo de 2020.
ASSINE O RSS

Categorias

Arquivos

TAGS MAIS USADAS

Facebook

DIÁRIO DO BLOG

agosto 2020
D S T Q Q S S
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031