SOBRE ONTEM À TARDE

Pérez em êxtase: bonito de ver

ITACARÉ (mas demora tudo…) – A alegria de Sergio Pérez com o pódio ontem no México merece a honrosa escolha de nosso júri como sendo a “imagem da corrida”. Terceiro colocado, ele foi mais festejado no autódromo Hermanos Rodríguez do que o vencedor Max Verstappen. O que seria óbvio. É assim mesmo quando se vem de um país do Terceiro Mundo, latino, sem grandes conquistas na categoria, e ainda mais com a história recente de Checo: demitido no ano passado depois de vencer seu primeiro GP, contratado pela Red Bull aos 45 do segundo tempo, início ruim de temporada, volta por cima nas últimas provas, um troféu em casa.

Foi bonita a festa, claro que foi!

MÉXICO BY MASILI

E também é claro que nosso cartunista oficial Marcelo Masili captou o clima e mais uma vez nos brindou com arte pura. E espero que alguém no México veja, reproduza, amplie, coloque numa moldura e mande para Checo, que se tornou o primeiro mexicano a subir ao pódio na F-1 correndo em seu país.

Pérez já tinha assumido o quarto lugar no Mundial, deixando Lando Norris para trás. Mas, agora, se distancia do inglês da McLaren, equipe que deu uma apagada nas últimas provas. O mexicano foi a 165 pontos, contra 150 de Landinho. Ele vem de seis corridas seguidas nos pontos, as três últimas no pódio. Finalmente engrenou, parece.

Também graças a ele a Red Bull marcou 80 pontos nas últimas duas etapas, contra 45 na Mercedes. Resultado: as duas equipes estão virtualmente empatadas na classificação, com os alemães liderando o Mundial de Construtores por apenas um ponto.

Quem também reagiu foi a Ferrari, que começou a despachar a McLaren na luta pelo terceiro lugar. Desde a inesperada dobradinha de Monza, os ingleses perderam performance sem maiores explicações. Foram 40 pontos em quatro corridas, contra 67 dos italianos. O placar aponta 268,5 para os vermelhos contra 255 dos papaias.

Gasly, 86 pontos: carregando a AlphaTauri nas costas

Outra briga boa está sendo travada pelo quinto lugar. Alpine e Alpha Tauri estão empatadas com 106 pontos. A grande temporada de Gasly, claro, tem tudo a ver com isso. Ele ficou em quarto ontem e já marcou 86 pontos, 81,1% do total da equipe. No time azul, Alonso está se virando. Pontuou em 12 das 18 etapas disputadas até agora. Ocon, depois da vitória na Hungria, não fez muita coisa: sete pontos, contra 22 do espanhol.

E agora vamos falar da largada, e da ultrapassagem dupla de Verstappen sobre Hamilton e Bottas, e sobre o que disseram sobre ela alguns dos personagens envolvidos depois da prova.

A FRASE DO MÉXICO

Eu achei que pegaria o vácuo de Valtteri. Só que, quando vi, ele estava do meu lado. Então fiquei procurando qualquer Red Bull pelo retrovisor e cuidei do meu lado da pista, por dentro. Mas Valtteri deixou a porta aberta para Max por fora…

Lewis Hamilton
Verstappen passa as duas Mercedes: críticas veladas

Não foi só Hamilton que achou estranha a largada de Bottas. Toto Wolff também fez reparos ao espaço que o finlandês deixou à sua esquerda, puxando o carro para o centro da pista e permitindo que Verstappen freasse lá no deus-me-livre para, com enorme controle de seu veloz automóvel, contornar a curva 1 por fora e na frente dos dois.

Claro que teve gente que insinuou que foi de propósito, que o rapaz está demitido, já, e não vai escalar o Everest para ajudar o companheiro de equipe. Acho maldade. Na minha visão, Bottas tentou esperar Hamilton, para deixá-lo fazer a primeira curva na frente. Aí não sabia se acelerava ou se tirava o pé. Se foi essa a intenção, falhou miseravelmente.

Mas talvez o resultado não fosse muito diferente se Lewis assumisse a liderança na primeira volta. “Acho que a gente não ganharia mesmo se ele estivesse na frente na primeira curva. Eles estavam muito mais rápidos e conseguiriam reverter a situação nos pit stops”, admitiu o chefe mercêdico. Andrew Shovlin, estrategista do time, foi fatalista: “Tudo que podia dar errado deu nos primeiros vinte segundos da corrida”.

O jeito é juntar os cacos e tentar um milagre em Interlagos. “Uma pista da Red Bull”, como definiu Wolff.

O NÚMERO DO HERMANO RODRÍGUEZ

3

…vitórias tem Verstappen no México. As outras foram em 2017 e 2018. Não é, porém, a pista onde ele mais venceu. Max ganhou quatro vezes na Áustria (uma dessas corridas com o nome de GP da Estíria).

Toto disse que Interlagos é pista da Red Bull, mas não tem sido assim nos últimos anos. OK, Verstappen venceu em São Paulo em 2019, última prova disputada na cidade — no ano passado o Brasil ficou fora do calendário por causa da pandemia. Mas das cinco provas anteriores a Mercedes ganhou quatro: em 2014, 2015, 2016 e 2018. Em 2017 deu Ferrari. Num passado um pouco mais distante, aí sim, a Red Bull estourou a banca na capital de todos os paulistas (coisa mais brega…): ganhou em 2009, 2010, 2011 e 2013. Mas eram outros tempos, os motores não eram híbridos e Vettel era o cara.

O que está levando todo mundo a dizer que o time austríaco é favorito, na verdade, é seu desempenho recente neste ano, com as últimas vitórias em Austin e no México. Ambas sem grandes sustos. Ambas com a Mercedes arfando atrás. O momento dos rubro-taurinos é melhor. Está na cara.

GOSTAMOS & NÃO GOSTAMOS

GOSTAMOS de ver os três velhinhos Vettel, Raikkonen e Alonso nos pontos. Um atrás do outro, em sétimo, oitavo e nono. Foi a segunda vez no ano que isso aconteceu. No Azerbaijão, Sebastian foi o segundo colocado, com Fernandinho em sexto e Kimi em décimo. Sempre é bom lembrar: juntos, esses três aí têm sete títulos mundiais. Nâo é pouca coisa.

Alonso, nono: veteranos mandando bem

NÃO GOSTAMOS do desempenho da McLaren, que fez apenas um pontinho com Norris em décimo. Ricciardo terminou em 12º depois de se envolver num toque com Bottas na largada. O resultado só não foi pior do que na Hungria, a única prova neste ano em que o time cor de laranja não pontuou.

Comentários

  • Sei não, mas as vezes tenho a impressão de que o melhor piloto da Red Bull no campeonato é o Gasly. Reconheço o talento do Max e tenho certeza de que ele será o campeão esse ano – apesar de acha-lo mau educado muitas vezes – mas o que o francês está fazendo esse ano é algo fora do comum, principalmente pra um piloto que já teve um revés tão grande na carreira.

  • A única ação mesmo na corrida foi a largada. Se Bottas bobeou ou não, não acredito que o resultado seria diferente. Mas essa era a estratégia da Mercedes. Impedir a ultrapassagem de Verstappen, para Hamilton tentar abrir e jogar com a estratégia. Como a equipe alemã tentou em Austin. Verstappen fez uma corrida sólida. Hamilton lutou o quanto pode. E aqui cabe uma observação importante. Verstappen realmente teve problemas com a asa traseira no terceiro treino livre, talvez por atacar demasiadamente as zebras das curvas. Em um certo momento desse treino pediu para a equipe verificar o bargeboard do carro para ver se não havia algum dano. E para a corrida, trocaram a asa traseira do carro do holandês. Como não havia peça de reposição, pegaram a asa traseira do carro de Perez, e o mexicano teve que correr com a asa traseira remendada.
    Gasly em quarto correu sozinho. Mclaren vive um apagão, típico de final de campeonato. Deve estar direcionando seus esforços para 2022. Ferrari graças às novas especificações na parter híbrida do motor vai se consolidando em terceiro. Mas a distãncia para Red Bull e Mercedes ainda é enorme.
    Boatos de que Audi e Porsche podem aportar na F1 a partir de 2026. Ou com equipe própria ou em parceria. A ver.
    E agora olhos em Interlagos.

  • Verstappen vence e entra na festa do parceiro mexicano Pérez levantando a bandeira mexicana com ele, nessa o Verstappen se torna um piloto mexicano por uns 15 minutos.
    Hamilton só lamentação no pódio por tudo ter dado errado em relação a vitória, e já o Bottas é melhor nem comentar, nem parece que o Bottas largou na Pole.
    No Brasil deve ser uma guerra de nervos entre o Verstappen e o Hamilton, basta o Verstappen chegar na frente ou logo atrás do Hamilton mantendo a calma para ser Campeão.
    Mazepin chegou a andar em décimo primeiro com sua carroça Haas, mas logo a realidade do carro ruim vem à tona com sua chegada em décimo oitavo e último na pista.
    Vestappen acabou batendo o recorde do Senna em vitórias numa Temporada com o motor Honda que era de oito com sua nona vitória no México esse ano.
    Gostamos: Os três velhinhos Vettel, Raikkonen e Alonso apareceram nos pontos foi legal, mas a festa do Verstappen com o torcedor mexicano ao lado do Pérez foi mais bacana.
    Não Gostamos: A McLaren foi ruim ficando com um mísero pontinho do Norris, enquanto isso a Ferrari agradece conseguindo 18 pontos na disputa do terceiro lugar com a McLaren.

  • Também gostei de ver Vettel, Raikkonen e Alonso com boas colocações e pontuando no último GP do México. Sete títulos mundiais representados. O mesmo número conquistado pelo Lewis Hamilton. Tomara que a nova geração de pilotos tenha o carisma e talento desses “veteranos”.

  • Palavras do Toto: “Eles estavam muito mais rápidos…”
    Era no mínimo obrigatório o Pérez ultrapassar o Hamilton, tamanha a superioridade do carro.
    Pela enésima vez estão maximizando o talento dele, não é essa Brastemp não, o injustiçado Gasly por exemplo, é mil vezes melhor.

  • Prezado F&G : O Campeonato ficou incrível com uma disputa real, por dois talentosos pilotos Max e Hamilton, os três mais experientes ex-campeões mostram para as novas promessas que precisam comer muito mingau e Toddynho pra disputar com os pilotos veteranos . A disputa do maior clássico da F-1, Maclaren X Ferrari, teve uma virada de jogo ( mesmo com a crise intra-muros da Ferrari ), ainda acredito que a Equipe Maclaren pode reagir devido a consistência do garoto Fantástico Lando Norris ( aposto as fichas contra a banca nesse piloto ) , bem como em uma melhor adaptação por parte de Daniel Ricciardo . Os dois maiores destaques da temporada de 2021 , o primeiro sem sombra de dúvidas ” Max e sua força mental e excepcional evolução será o eventual possível campeão pelo critério meritocracia “. O segundo destaque foi a forma assombrosa que “Checo ” , calou a boca de Hemut Makro . O Piloto Sérgio Perez, tem o carisma fantástico da torcida internacional, a imprensa especializada já ponderou a favor sobre o estilo de pilotagem que busca e conquista resultados positivos . Na minha opinião a Equipe Red bull Racing tem a melhor dupla de Pilotos e poderá conquistar mais títulos.

  • O tal ponto de bônus para a volta mais rápida está trazendo estratégias estranhas… o Bottas parou duas vezes e o Max em determinado momento da corrida diminuiu o ritmo pra atrapalhar o Bottas! Já pendou o título sendo decidido pelo Bottas ou Perez dessa forma?

  • Alo Flavio, a ultrapassagem do Max na primeira curva nao foi ato kamikase ( sei que voce nao falou isto, mas eh so um comentario ), foi pensada e treinada, pela ultima vez durante a volta de apresentacao! Ele sabia exatamente o que estava fazendo… O Horner quase teve um ataque cardiaco, achava que o Max nao conseguirira fazer a curva, mas ele tinha a situacao totamente sob controle! E sobre Bottas: ele nao ajudou o Max deixando uma avenida aberta, ele estava muito mais preocupapado com o Lewis, que estava ao seu lado, por isso tirou o pe antes. Ross Brawn disse que o modo de agir, e planejar as corridas que o Max faz, lembra a ele o Schumacher, super meticuloso. Abracos ( e desculpe a falta de acentos, crases, tils, etc. )

  • O que leva o Toto a falar sobre pista “RedBull” é o melhor desempenho do motor Honda em altitudes mais elevadas. É apenas uma questão de arquitetura dos turbos e subsistemas da Mercedes

    O resto é resto