SOBRE ONTEM DE MANHÃ

Alonso e a volta ao pódio depois de sete anos: alegria geral

ITACARÉ (pronto) – Sei que Hamilton venceu, sei que teve mais uma atuação impecável, sei que a disputa pelo título está linda de morrer, mas me desculpem. Para mim, o nome do fim de semana no Catar foi Fernando Alonso, que eu adorava chamar de El Fodón de Alguma Coisa e, ontem, mostrou que ainda é. El Fodón del Coche Azul.

São 98 pódios na carreira. É o sexto maior colecionador de troféus da história da F-1. Só perde para Hamilton (180), Schumacher (155), Vettel (122), Prost (106) e Raikkonen (103). Todos esses têm estantes maiores e, claro, taças que lhes são muito caras — a primeira vitória, o título X, a corrida Y. Mas tenho certeza que esse cilindro dourado aí embaixo vai para um lugar muito especial na prateleira de Fernandinho Paz & Amor. Tinha sete anos que ele não levava nada parecido para casa.

É isso aí, sete anos, três meses e 21 dias longe do pódio na F-1. O último fora na Hungria, um segundo lugar com a Ferrari, em companhia do vencedor Daniel Ricciardo, então na Red Bull, e do terceiro colocado Lewis Hamilton, já na Mercedes. A foto está na pequena galeria aí em cima. Desde aquele 27 de julho de 2014 muita coisa já aconteceu. Alonso passou pela McLaren, tirou um ano sabático, disputou as 500 Milhas de Indianápolis, não se classificou para outra, venceu as 24 Horas de Le Mans pela Toyota e participou de um Dakar.

É, rapaz, o mundo capota, não gira.

A FRASE DE LOSAIL

“Quando voltei, queria lutar para ser campeão de novo. Mas cheguei a me perguntar se conseguiria voltar ao pódio na minha carreira…”

Fernando Alonso
Espanhol é o que mais fez ultrapassagens no ano: 114

Alonso, com as ultrapassagens que fez ontem no Catar — e nem foram tantas assim –, tornou-se o maior passador da temporada, com 114 posições ganhas na pista em 20 corridas. Deixou para trás outro veterano que vem se divertindo à beça neste ano, Sebastian Vettel. “Ele é um cara que pensa fora da caixinha”, disse o companheiro Esteban Ocon. “A gente aprende muito com sua visão de corrida, as estratégias que coloca em prática. Trabalhar com um bicampeão como ele é muito bom.”

Com o terceiro lugar de Alonso e o quinto de Ocon, a Alpine praticamente garantiu o quinto lugar entre as equipes. A briga estava parelha com a AlphaTauri, que chegou empatada em 112 pontos com os franceses ao Catar. Mas, agora, a ex-Renault abriu 25 de vantagem. Dificilmente Gasly (o único que pontua na filial da Red Bull) vira o jogo.

CATAR BY MASILI

Nosso cartunista oficial Marcelo Masili também ficou encantado com o pódio de Alonso e cometeu a arte acima. Masili anda numa fase particularmente excepcional. Suas ilustrações deste ano bem que poderiam virar um livro. As do ano passado também. Será que ele tem todas guardadas? Olha…

Falemos de Hamilton, agora. E recuperemos a frase dita ontem por Toto Wolff, que tem lobo no nome: “Cutucaram a onça com vara curta”. Coloquei no Google Translator e ficou assim: “They poked the jaguar with a short stick”. Nunca perguntei a ninguém versado no idioma de David Beckham como se diz onça em inglês. Jaguar? Bom, que seja. Na verdade, Toto, aka “Pebolim”, falou que “acordaram o leão em Interlagos” naquele sábado da perda da pole na Sprint. Prefiro a onça e a vara curta. Um leão tirado de seu sono real no Simba Safari no máximo dá um bocejo e espanta as moscas da juba. Agora, experimenta cutucar uma onça braba com uma vara curtinha. A bicha te dá uma riscada que tu não vai esquecer nunca, vira tatuagem.

Lewis está numa fase verdadeiramente esplêndida. E a Mercedes, depois de dois tocos nos EUA e no México, se recolocou no campeonato graças a ele e, claro, à competência coletiva do time. O inglês está emocionalmente muito preparado. Não se abalou com as derrotas. Tampouco saiu saltitando com as vitórias. “Gosto dessa batalha. Mas não há tempo para celebrar. Foi importante diminuir a vantagem que tinham. Mas eles ainda são muito rápidos.”

O NÚMERO DO CATAR

30

…circuitos diferentes já viram vitórias de Hamilton na F-1. Ele é o piloto que venceu no maior número de pistas em todos os tempos. Essa lista tem, depois dele, Schumacher (23), Prost (22), Vettel (21), Mansell e Alonso (19). Senna é o brasileiro que ganhou no maior número de circuitos diferentes, 17.

Acho que faltou dizer, nos textões do fim de semana, que Hamilton não usou no Catar o motor novinho estreado em Interlagos. A Mercedes não achou necessário. Colocou em seu carro a unidade um pouquinho mais cansada que fora usada na Turquia. Mas não fez muita diferença. Para as últimas duas provas da temporada, o motor de São Paulo volta ao carro do heptacampeão. Ajuda.

E cadê as notas policromáticas?

PNEU FUROU – Lando Norris era um dos mais chateados ontem em Losail. Conseguiu, com uma estratégia de uma parada e poupando pneus, levar o carro até a quarta colocação até o finalzinho. Mas, aí, um pneu furou e ele teve de fazer um pit stop extra. Acontece. Terminou em nono. A McLaren, na briga com a Ferrari pelo terceiro lugar, já era. Tem 258 pontos, contra 297,5 dos italianos.

SÓ OS PATRÃO – Acho que todos notaram antes da largada a presença do presidente da FIFA, Gianni Infantino, junto de Stefano Domenicali, CEO da Liberty, e Jean Todt, presidente da FIA. O Catar, como se sabe, é sede da Copa de 2022, que começa daqui a exatamente um ano. Levaram os troféus do futebol e da F-1 para a pista. A foto ficou meio ridícula.

DE CINEMA – Já Hamilton, assim que terminou a corrida, foi cumprimentar o grande cineasta George Lucas, que vira e mexe aparece em um GP.

13 NA CABEÇA – Com a visita de Alonso ao pódio, já são 13 os pilotos que, neste ano, levaram para casa algum trofeuzinho: Hamilton, Bottas, Verstappen, Pérez, Leclerc, Sainz, Ocon, Alonso, Vettel, Gasly, Norris, Ricciardo e Russell. Mazepin, Schumacher, Giovinazzi, Raikkonen, Latifi, Stroll, Tsunoda e Kubica não ganharam nem medalha de honra ao mérito.

MALBA TAHAN – Lewis não pode ser campeão na próxima etapa, em Jeddah. Mas Verstappen, sim. A matemática do título está aqui em detalhes. Mas, resumidamente, se Max vencer e Hamilton ficar em sétimo, babau. Se for segundo e o inglês não pontuar, também. Considerando o ponto extra da melhor volta, as combinações se multiplicam e estou com preguiça de fazer essas contas.

Hamilton x Verstappen: duelo épico

GOSTAMOS & NÃO GOSTAMOS

GOSTAMOS do sexto lugar de Lance Stroll, sua melhor posição numa temporada especialmente ruim dele e da Aston Martin, a ex-Force India/Racing Point etc. — de quem se esperava tanto depois da ótima campanha do ano passado. O canadense largou em 12º e fez uma corrida muito bonita. Daí o sorriso ao final.

NÃO GOSTAMOS de Pierre Gasly e da AlphaTauri, que até agora não entendeu como, tendo dois pilotos entre os dez primeiros no grid, chegou fora dos pontos. Pior: o francês largou na primeira fila graças às punições para Verstappen e Bottas. Sumiu na corrida.

Comentários

  • Quando eu digo que só tem “Maria vai com as outras” nos comentários das redes sociais não é exagero. Obviamente que sua opinião sobre Bottas ter dificuldades em escalar o pelotão é totalmente baseado no que disse Reginaldo Leme durante o a primeira meia hora de corrida. Reginaldo Leme não havia percebido que o plano A de Bottas era uma parada, portanto a estratégia era conservadora, preservando pneus e escalando o pelotão mais lentamente. Pérez que era a referência para Bottas, escalava mais rápido porém estava lixando seus pneus deixando claro que o plano A do mexicano era a estratégia convencional, duas paradas. Na volta anterior do furo de pneu de Bottas, a diferença para Pérez era na casa de 16 segundos, o finlandês voltaria muito perto de Pérez que seria forçado a trocar sua estratégia para apenas uma parada na tentativa de segurar Bottas, isso já estava fácil de perceber pois Pérez com pneus novo duros, não conseguia diminuir sua diferença para Bottas com pneus de mais de 30 voltas médios. Ele já estava cuidando dos pneus por conta da demora do finlandês em trocar.
    Se não fura o pneu de Bottas, ele faria sua troca e fatalmente passaria por Pérez. Não é achismo, são fatos. Um deles a diferença grande dos pneus de cada um, o segundo motivo Bottas é mais piloto e o motivo mais importante é o fato da Mercedes ser o melhor carro do fim de semana. Bottas também passaria Alonso, porque o espanhol infelizmente não tem carro pra brigar com a Mercedes. Fácil de entender, extremamente fácil. Basta ter uma leitura de corrida, basta deixar de ficar ouvindo opinião de comentaristas que podem estar certos, mas ultimamente são mais torcedores (quase uma obrigação para atrair mais audiência) do que tecer um comentário sensato. Assista a corrida novamente sem comentários, com certeza sua conclusão de que Bottas fez uma corrida muito ruim vai mudar rapidinho.

  • Caro Chagas:
    Menos, por favor. É só uma troca de opiniões.
    Olha, o que eu falei diz respeito ao desempenho na corrida de domingo, não à carreira do Bottas. E o tal posicionamento em que ele estava na pista por ocasião do furo de pneu não é garantia da posição que chegaria. Acho otimista a sua avaliação de que chegaria no pódio. Porém, jamais saberemos. O que temos de concreto é que fez uma largada não muito feliz e sofreu mais do que outros pilotos para fazer ultrapassagens.
    Você tem razão: a comparação com Hamilton “diminui” os companheiros de equipe (e exalta o Roberg, que ainda será muito destacado no futuro por tê-lo vencido). E, se é para falar em carreira, parece-me que Bottas é como Coutlhard, Webber. Não são virtuoses, e sim pilotos corretos (médios) e que tiveram oportunidade que outros não tiveram e, por isso, ostentam os números que têm de vitórias, pole etc. E, como tal, fizeram corridas muito boas e outras bem ruins ou em que chegaram em posições bem aquém do potencial do carro e das circunstâncias de largada. Caso do Bottas, no domingo.

  • Sr. Dr. Juruna excelentíssimo advogado do CRSJ: Bottas que foi péssimo na largada e caiu para 11º lugar, se aproveitou de ter o carro mais rápido do fim de semana e recuperou as posições perdidas a ponto de um pouco antes do estouro de pneu estar em 3º com 17 segundos de vantagem para o 5º Pérez.
    Voltaria dos boxes à 6 segundos do mexicano e um pouco mais de Alonso. O pódio era certo.
    Corrida do Bottas estava OK. Longe de ser “muito ruim” ou “absolutamente ruim”. Sua síndrome é muito comum, achar que um piloto que não tem a genialidade de Lewis Hamilton não prestar para nada.
    Se a F1 girasse ao redor de opiniões sem sentido como as tuas, MOSS, CEVERT, PETERSON, REUTEMANN, BARRICHELO, COUTHARLD, WEBBER, MASSA seriam pilotos “muito ruins” ou “absolutamente ruins”. Falta entendimento para você ou simplesmente capacidade para acompanhar este esporte. Aconselho procurar outro, sábado tem a final do futebol. Tente isso.

  • Meu caro Chagas:
    A corrida do Bottas foi muito ruim, sim. Na largada e depois, até abandonar. Ele corre de Mercedes, não de Alfa Romeo (mas vai correr, aí veremos). Em condições normais, um 6o lugar já é ruim.
    E a liderança da Mercedes não mostra a qualidade do Bottas, só exalta a fragilidade do Perez.

  • Ao fim e ao cabo, foi uma corrida bem morna, mas com um domínio surpreendente de Hamilton. E uma das grandes ironias dessa prova foi a punição imposta a Verstappen por não obedecer a sinalização de bandeira amarela no final da classificação. Precedente criado pela própria equipe dos energéticos ao pedira revisão de uma situação semelhante na classificação do GP da Áustria em 2020. Justamente Hamilton foi o penalizado. Feitiço virando contra o caçador.
    Outra das ironias é o fato de que, após tanto acusar a Mercedes da irregularidade de sua asa traseira, a Red Bull, teve que mudar a peça no carro de Verstappen, pois o flap oscilava em grandes velocidades. Tiveram que usar uma asa traseira que gerava mais downforce. O que causou um enorme desequilíbrio no carro do holandês.
    No mais, muito bom ver Alonso voltando ao pódio, depois de gerenciar, e muito, o desgaste dos pneus. Logo após a largada, uma bel fechada de porta sobre Verstappen, e na sequência a ultrapassagem, por fora, sobre Gasly o levaram ao segundo lugar. Ocon em quinto mostrou uma Alpine sólida e consistente nessa corrida. Assim como Aston Martin, com Stroll e Vettel. Stroll inclusive á frente das Ferraris de Sainz e Leclerc. Norris ainda salvou um nono lugar para a Mclaren, depois do furo no pneu. Curioso foi o caso de Ricciardo. O piloto disse que o software que gerencia o funcionamento do carro apontava um alto consumo de combustível. Assim, no início da prova, fizeram voltas muito lentas, mas em um certo momento, o engenheiro do australiano pediu para ele simplesmente acelerar e tentar recuperar o tempo perdido. Mas já era tarde. A equipe desconfia de um mal funcionamento de algum sensor.
    Ferrari sofreu um revés, ao anunciar que a Philips Morris renovará o patrocínio à scuderia, mas os valores serão menores. Tudo isso para ostentar a marca mission winnow, seja lá o que isso for.
    Mario Isolla, diretor da Pirelli para a F1, disse que a partir da próxima temporada, os aros das rodas que equipam os carros da categoria serão padronizados, evitando o descarte dos pneus que não são utilizados durante as corridas.
    Mais alguns dias e o GP em Jeddah, que aliás, é uma pista horrível.

  • Perguntas bestas ao companheiro CRSJ.
    Primeira pergunta. Uma coisa é largar mal, outra é fazer uma corrida ruim.
    Dito isto, onde Bottas estava fazendo uma corrida “absolutamente ruim”???
    A segunda pergunta é a mais idiota de todas. Abrindo aspas para o sábio CRSJ “Verstappen trás Pérez junto e Hamilton não pode contar muito com o companheiro” O que faz a Mercedes liderar o mundial de construtores, sendo que Hamilton está perdendo para Max???

  • Lewis Hamilton já é apontado como favorito depois da vitória no Catar colocando pressão em cima do Verstappen que vai ter que trabalhar com a precisão de um relógio suíço para ser Campeão, nisso trazendo junto até o parceiro Pérez para dança.
    Hamilton já supera o Brasil (101) em vitórias com 102, quem diria que isso um dia ia acontecer.
    Gostamos: Fernando Alonso com o seu terceiro lugar pela Alpine que estava longe de ser previsível fez o pódio ficar um pouco diferente da escala prevista, nisso até o Prost elogiou o Alonso.
    Não Gostamos: Valtteri Bottas por fazer uma corrida absolutamente ruim, Hamilton não vai poder contar muito com ele nas duas últimas corridas para tentar o Octa.

  • Alonso brilhante, Hamilton (zebra pra maioria dos entendedores) agora é favorito.
    Verstappen tentando diminuir os prejuízos.
    Alpine nessa corrida, comeu com farofa a Mc Laren e Ferrari.
    E a “nhaca” que Hulkemberg tinha passou pro Bottas. Oh piloto azarado.