¡TEQUILA! (2)

Bottas na pole: Mercedes vira o jogo e surpreende

ITACARÉ (inacreditável) – Surpresa! Não deu Verstappen, não deu Pérez. Apesar de todo favoritismo da Red Bull no autódromo Hermano Rodríguez, quem larga na frente no GP do México é Valtteri Bottas. E em segundo, Lewis Hamilton. A Mercedes deu a volta por cima e conseguiu a primeira fila numa corrida que pode ser decisiva para o campeonato. Era uma pista para Max. Agora, não dá para dizer nada.

Os rubro-taurinos dominaram os treinos sem grandes dificuldades e acompanharam, satisfeitos, as dificuldades do time alemão que, ontem, afirmou: eles estão rápidos demais para a gente. Mas que nada. Na hora H, sabe-se lá de onde, Bottas e Hamilton saíram do pântano em que pareciam estar se afundando. Quando precisaram, acharam a velocidade que não tinham conseguido encontrar até então.

Fica a lição: não se deve, nunca subestimar a capacidade de uma equipe como essa. E outra: piloto demitido, sem pressão, guiando tranquilo, melhora. É o caso claro de Bottas.

Verstappen: favoritismo no México arranhado

O público no Hermanos Rodríguez estava animado quando começou a classificação e já tinha ido ao delírio depois do último treino livre do fim de semana, poucas horas antes da definição do grid. Checo foi o mais rápido da sessão, enchendo a torcida de esperança. Antes mesmo que ele abrisse sua primeira volta voadora no Q1, porém, as atividades foram interrompidas com bandeira vermelha por conta de uma batida forte de Lance Stroll na entrada da reta dos boxes. Faltavam pouco menos de 11 minutos para o encerramento da primeira parte da classificação e ninguém da turma da ponta tinha fechado volta rápida. Na verdade, apenas sete pilotos tinham tempos registrados e todos voltaram para os boxes.

Quase meia hora depois, com a pista varrida e os pedaços do carro de Stroll recolhidos às caçambas de lixo reciclável das redondezas, a luz verde foi acesa novamente e foi todo mundo para a pista. De cara, drama para Carlos Sainz: seu carro ficou lento na pista, perdeu potência, o câmbio entrou em neutro e, pelo rádio, o engenheiro começou a orientá-lo: “Dá um reset, coloca o botão verde na posição 4 e aperta o botão vermelho do lado esquerdo!”. Não deu. “Dá três pulinhos e faz o sinal da cruz!”. Não deu. “Tira da tomada, conta dez segundos e liga de novo!”. Deu. O carro pegou e o espanhol seguiu em frente.

Mas a Ferrari estava longe de ser protagonista. Todos os olhos estavam nos carros da Red Bull, e na primeira volta rápida que fechou, Verstappen fez um temporal: 1min16s788, colocando nada menos do que 0s663 em Pérez, que tinha acabado de fazer o melhor tempo — a comemoração da torcida durou menos de cinco segundos. Bottas e Hamilton tomaram mais de 0s7 na primeira tentativa, mas conseguiram se aproximar um pouco na segunda, principalmente o finlandês. Lewis, discreto desde os primeiros treinos, na sexta, seguia atrás do companheiro de equipe. Pérez também melhorou e foi para terceiro.

Mas o final do Q1 foi interessante. De repente, do nada, Bottas superou o tempo de Verstappen e Leclerc, também. Gasly, da mesma forma, foi lá para cima. O demitido Valtteri fechou a primeira parte da classificação em primeiro, com 1min16s727. O monegasco da Ferrari foi o segundo. Lá atrás, a degola mandou Alonso, Latifi, Schumacher, Mazepin e Stroll mais cedo para os vestiários.

Público lotou o autódromo: 30 mil só no Foro Sol

No Q2, todo mundo vestiu pneus médios na primeira saída, exceto Tsunoda — que já estava punido e largaria lá atrás, de qualquer forma. Verstappen virou o melhor tempo do fim de semana até ali já na primeira volta, 1min16s483. Hamilton andou perto: 0s016 atrás, apenas. E, depois, acordou: 1min16s474, 0s009 mais rápido que o holandês. Uma pulguinha apareceu atrás da orelha da turma da Red Bull. Vettel, Raikkonen, Russell, Giovinazzi e Ocon foram os eliminados.

Pérez fez 1min16s342 na primeira volta rápida do Q3 mas, de novo, nem deu tempo de jogar o sombrero para o alto. Verstappen superou seu tempo imediatamente e, de repente… Bottas faz 1min15s875 e Hamilton vira 0s145 mais lento que ele. E os dois carros negros vão para primeiro e segundo! Que diabos fizeram nesses carros? Estavam andando com um cilindro a menos? O tempo de Max era 0s350 pior que o do #77. Virar o jogo com menos de cinco minutos para terminar a classificação?

Dizer que o autódromo ficou de pé não seria um exagero. Os dois carros da Red Bull abriram suas voltas decisivas antes que a Mercedes, com Pérez puxando Verstappen no vácuo. Mas Checo errou sua volta atrás de um carro da AlphaTauri, Max se atrapalhou atrás deles e nenhum dos dois melhorou seus tempos. A dupla da Mercedes também não, mas já tinha feito o que precisava: primeira fila, Bottas na pole, quase inacreditável.

Hamilton chocado: “Não sei o que aconteceu”

Verstappen e Pérez ficaram em terceiro e quarto, com Gasly, Sainz, Ricciardo, Leclerc, Tsunoda e Norris fechando os dez primeiros — lembrando, mais uma vez, que o japonês terá de pagar uma punição e será deslocado para o fundo do grid. Verstappen fechou a cara. Reclamou do equilíbrio do carro ao longo da classificação, que foi piorando, e dos dois que escaparam à sua frente na segunda volta rápida. “Tirei o pé e não melhorei. Mas terceiro é melhor que segundo”, conformou-se, porque pelo menos larga do lado mais limpo da pista.

Hamilton chegou à entrevista pós-classificação sorrindo e elevou Bottas às alturas. “Ele está pilotando muito bem. Não sei direito o que aconteceu, mas foi muito bom. Estou tão chocado quanto todo mundo”, disse. E Valtteri, que depois da demissão é outro homem, mandou: “Fiz uma volta espetacular. Na segunda não consegui melhorar, mas a primeira foi muito boa”. Foi sua 19ª pole na carreira, terceira no ano.

Ninguém esperava.

O resultado da classificação: protagonistas nas duas primeiras filas

Comentários

  • Bom dia Flávio!
    Sobre minha dúvida anterior, houve uma confusão: não foi a Ferrari que usou motor de outro fabricante , foi a BMW (arrendando a Sauber) que usou motor Ferrari em 2010.
    Valeu, bom domingo e boa corrida pra nós hoje

  • A boa e velha soberba da Red Bull fazendo seus estragos.
    Mercedes, por outro lado, trabalhou em silêncio. Tanto Hamilton como Bottas não utilizaram pneus médios ao longo dos três treinos livres. Só o foram fazer no Q2. Estratégia para a corrida, pois agora contam com três jogos novos desse composto. Os carros da Mercedes levavam vantagem nas retas, tinham o mesmo desempenho nas curvas de alta e perdiam muito terreno nas curvas de media e baixa velocidade. O terceiro setor do circuito mexicano era o calcanhar de Aquiles. Tanto no Q2 como no Q3, Bottas e Hamilton igualaram as parciais da Red Bull nesse setor. Ajustes no motor para compensar as perdas com a altitude, trabalho com a aerodinâmica do carro e suspensão. As temperatura, no horário do treino classificatório estavam mais altas, cerca de 5ºC, o que pode ter ajudado também. Mas o fato é que Bottas fez uma volta incrível, e Hamilton conseguiu completar a primeira fila para a Mercedes.
    Verstappen teve problemas com a asa traseira no terceiro treino livre. Ao final do mesmo, o piloto holandês ao treinar procedimento de largada, na saída dos pits, viu-se claramente partes da asa traseira se soltarem. E no treino classificatório, parte da asa traseira apareceu coberta com fita adesiva. Problemas que a REd Bull já tinha enfrentado em Austin, devido as ondulações da pista.
    Coitado do Tsunoda, vai pagar o pato pelos erros da equipe mãe. Ele praticamente parou o carro para que Perez e Verstappen passassem. Mas as parciais já mostravam que seria impossível tomar a primeira fila.
    Ferrari se firmando definitivamente como a terceria força nessa altura do campeonato. Ótimo sexto lugar para Sainz e oitado para Leclerc. Ricciardo um bom sétimo, mas Norris graças a punição larga do fundo do grid.
    Agora é esperar pela corrida.

  • Bottas foi o único que rodou na casa de 1’15 e fez isso duas vezes, ou seja as duas voltas do Q3 de Bottas o faria largar em primeiro e segundo. O finlandês sobrou contra a rapa.
    Recebeu de presente o capacete da lenda Fangio (pentacampeão) das mãos de Stewart (tri) uma foto que seria sensacional se o blog publicasse.
    Bottas sempre será piloto de ponta. Fará uma breve passagem na Alfa Romeo e em 2023 vai para o lugar de Pérez vencer corridas.
    Em tempo: Pérez segundo a Band é “o grande astro” do fim de semana. Melhor ouvir do que ser surdo. E pra quem ainda acha o mexicano mais piloto que Bottas vai um aviso, deixem de ser ridículos e mudem logo de opiniao urgentemente.

  • Belo texto e excelente análise. Ficamos todos sem entender essa reviravolta. Acredito que amanhã a largada definirá muita coisa. Só espero que a Mercedes não bata cabeça na estratégia.

  • Nikita Mazepin vai largar em décimo quinto na frente de vários penalizados, depois da primeira volta deverá cair para último com sua carroça Haas.
    Verstappen xingou o Mundo por ter sido atrapalhado na sua volta final na tentativa da Pole.
    Bottas que aproveite essa nova chance de vencer, mas a ordem de equipe deve falar mais alto se a Mercedes estiver com o Bottas liderando com o Hamilton logo atrás.

  • Prezado F&G : GP do México será uma grande surpresa , a equipe Mercedes- Benz fez a lição de casa . Bottas encaixou uma volta fantástica e assim poderá ajudar a reação de Lewis Hamilton no decorrer da corrida. A pressão trocou de lado. MAX vai usar todas as medidas táticas para superar a Mercedes- Benz. Danel Ricciardo e Carlos Sanz respondem as críticas da imprensa especializada com uma boa performance na classificação. A Equipe Alpine fracassou na classificação com os dois pilotos aguardando milagres . Sebastian Vettel , ficou bem próximo dos dez primeiros e com certeza vai tentar buscar um bom resultado, acredito que Sérgio Perez poderá dar um show durante a corrida.