VÃO SE CATAR (2)

Pebolim e Buziner: assunto encerrado

ITACARÉ (e chega disso) – Vou resumir, porque a ginástica verbal que eu achava que seria utilizada em caso de punição a Verstappen em Interlagos foi aplicada para justificar a não-punição.

Os comissários do GP do Brasil e a direção de prova — o educadíssimo Michael Masi — decidiram negar o pedido da Mercedes de “direito de revisão” do incidente na volta 48 da corrida de Interlagos. A equipe alemã considerou que as imagens on-board do carro de Verstappen eram uma “nova evidência” de que ele espalhou demais na Curva do Lago, jogando Hamilton na área de escape. Os comissários não tinham essas imagens na hora do “julgamento”, domingo.

Verstappen sem punição: segue o jogo

Depois de assistir ao vídeo, os comissários e Masi disseram que a filmagem pode até ser relevante, mas não mostra “nada de excepcional que seja particularmente diferente dos outros ângulos disponíveis na hora, ou que mude sua decisão baseada nos vídeos originalmente disponíveis”. Diz o texto: “Os comissários muitas vezes devem tomar decisões rapidamente com base em um conjunto limitado de informações. Naquele momento, eles sentiram que tinham informações suficientes para tomar uma decisão. Se tivessem achado que as imagens de dentro do carro 33 eram cruciais, simplesmente teriam mantido o incidente sob investigação — para ser analisado após a corrida — e emitido uma decisão após este vídeo estar disponível. Eles não viram necessidade de fazer isso.”

Toto Wolff e Christian Horner estavam numa coletiva assim que a decisão saiu. “Era totalmente esperado”, disse o chefe da Mercedes, acrescentando que só pediu a revisão do episódio “por questão de princípios”. “Queríamos abrir uma discussão em torno disso, porque provavelmente será um tema nas próximas corridas. Acho que nosso objetivo foi alcançado. Realmente não pensamos que iria adiante”, falou. O rubro-taurino também não esticou muito o assunto, separado do rival apenas pelo distanciamento social: “É obviamente a decisão certa, porque uma punição teria aberto a caixa de Pandora em relação a muitos outros incidentes que aconteceram naquela corrida”.

Não deu em nada, e é melhor assim. Como escrevi ontem, se tivessem de punir o rapaz que o fizessem na hora.

Comentários

  • Como punição? o Hamilton nem chegou a dar uma panca de 50gs… esse pessoal deve estar brincando. Não sei o porque que sempre a Mercedes reclama eu me lembro de Silverstone. Quero ver o que a rapaziada vai falar se Hamilton ganhar o campeonato por causa dos 25 pontos de Silverstone contra o ZERO apurado pelo Verstapen… isso sim foi punição para o Holandes.

    Obs.: A Band esta “Galvanizando” com essa narrativa pró-Hamilton… cheirinho de novo Senna no ar.

  • Inacreditável! Olhe na mesma curva em qualquer outra volta o quanto o Moleque Vacilão do Gado Vermelho o quanto ele vira o volante. Vira muito mais do que na volta 48. A meu ver, a intenção nunca foi de fazer a curva (porque a velocidade estava alta demais para quem estava por dentro – Lewis que estava por fora, já tinha iniciado a fase de desaceleração do carro), mas sim, de jogar o carro para cima do adversário e tirá-lo da prova. Ele já tinha feito dois pontos na corrida classificatória e se ambos saíssem sem pontos da corrida principal ele levariam vantagem de dois pontos a mais e uma corrida a menos. Lembrando que o Moleque Vacilão foi tomar conselho com outro integrante do gado brasileiro cujo filho sabe muito bem como bater um carro.

    Por muito menos, o Norris foi punido numa ocorrência semelhante no GP da Áustria deste ano contra o outro carro do Gado Vermelho. O que dá a entender que, contra o Gado Vermelho não pode, mas, a favor, pode tudo e mais um pouco. Esta FIA, como sempre, é hipócrita!

  • Verstapen: tiro esse raopaz da prova e garanto minha folga! Roberto Moreno: não houve contato, então não vejo motivos pra punição! Minha estória: atirei no vizinho ele abaixou a cabeça e a bala passou…O juiz: não vejo motivo pra condenar, pois não houve ferimento!!!

  • Esses dramas de bastidores Mercedes x Red Bull/Lewis x Max são um belíssimo pé no saco, isso sim. É o efeito colateral da era Netflix e redes sociais, muito drama, muito dirigente gostando do holofote, muito moleque praticando a mais pura impertinência online e torcendo feito os eleitores bovinos do bolsonalha: Sem qualquer apego aos fatos, apostando no maniqueísmo tacanho, a mais pura infantilidade.

    Toda essa mudança foi boa para manter a categoria viva, mas, convenhamos, virou uma novela mexicana.