VÃO SE CATAR (4)

Hamilton na pole: brigando até o fim

ITACARÉ (praia hoje?) – Lewis Hamilton está impossível, a caçada é implacável e o homem não desistiu de ser campeão, não. (Oh, que grande conclusão! Oh, que texto horrível!)

Depois de vencer o GP do Brasil com uma atuação de gala, domingo passado, o inglês da Mercedes, 14 pontos atrás de Max Verstappen na classificação do campeonato, fez a pole-position para o GP do Catar, em Losail. Como o jogo só acaba quando o juiz apita, é claro que a posição não é garantia de nada para a corrida. Verstappen ficou com a segunda colocação no grid e, salvo alguma surpresa, a prova de amanhã, a partir das 11h de Brasília, será entre os dois. O resto que assista de camarote.

O dia começou com preocupações para a Red Bull. A asa-móvel de Verstappen estava com tremedeira no primeiro treino e a equipe não conseguiu consertar. Quando abria, a lâmina superior oscilava para cima e para baixo, movimento que não só prejudicava a aerodinâmica do carro como, também, configuraria um irregularidade. O time mudou o conjunto inteiro para a classificação, colocando uma nova asa que, segundo informações de Helmut Marko, era um pouco mais carregada, com mais “downforce”. Max não gostou muito. “É o que temos pra hoje” — foi o que ouviu da equipe.

Já na primeira volta do Q1, Hamilton fez o melhor tempo do fim de semana até ali: 1min22s019. Na outra ponta da tabela, o pobre Mazepin, que estourou o monocoque ontem numa zebra e teve o chassi trocado, sofria mais um pouco com o bico do carro solto. Não faria muita diferença, claro, porque ele largaria em último com carro, a pé ou de foguete. Mas chegou a dar pena do russinho riquinho.

Bottas: ameaçou no início, terminou em terceiro

Bottas baixou o tempo do companheiro em 0s003 na sua segunda volta rápida, colocando-se como candidato à pole. Aliás, tem sido assim nas últimas corridas, desde que foi avisado de que não permaneceria na Mercedes. Está guiando mais leve e solto, alegre e contente, aliviado e sem pressão, cheio de amor pra dar. Verstappen deu o ar da graça a pouco menos de cinco minutos do fim da sessão, virando em 1min21s996 — o primeiro a baixar da casa de 1min22s no circuito catariano. O troco de Hamilton veio quando a bandeira quadriculada já estava sendo agitada: 1min21s901, 0s095 mais rápido que o holandês. A foice da degola passou para alguns cativos da rabeira: Raikkonen, Latifi, Giovinazzi, Schumacher e Mazepin.

Os pneus médios foram a escolha da turma da frente e de alguns outros pilotos no início do Q2, dando a letra: muitos não querem nem pensar em começar a corrida com macios, estratégia que está longe de ser novidade, mas sempre merece um registro. Como se sabe, e se você não sabe fique sabendo, o tipo de pneu usado na melhor volta do Q2 é aquele que deve ser montado no carro na largada, amanhã. Essa regra vale para os dez primeiros no grid, os que passam ao Q3. Quem fica de 11º para trás pode escolher o pneu que quiser, de bicicleta, moto, avião ou patinete. (Estou sendo didático porque me disseram que temos um público novo por aqui, que chegou da Netflix e do Tik Tok. Mentira, ninguém disse nada.)

Lewis saindo dos boxes: domínio na classificação

1min21s682 foi o primeiro tempo anotado por Hamilton no Q2, com os pneus médios. Nada mau. Nessa hora, ninguém se esgoela muito, exceto aqueles que lutam para ficar entre os dez. E tinha gente lá atrás suando sangue. No finalzinho da segunda parte da classificação, quem estava com a corda no pescoço, entre os habitués de Q3, eram Leclerc, da Ferrari, Pérez, da Red Bull, e Ricciardo, da McLaren.

Os três decepcionaram redondamente. Charlinho ficou em 13º, e quando estacionou seu carro na garagem da equipe italiana disse que não tinha “a menor ideia” do que estava acontecendo com seu carro. Pérez terminou em 11º, um vexame e um aborrecimento a mais para o time rubro-taurino, que precisa muito de um segundo piloto ativo na reta final do campeonato. E o mexicano fez essa esse tempo ridículo com pneus macios. Ficou 0s664 atrás de Hamilton, líder do Q2. A lista dos eliminados teve, pela ordem, Pérez, Stroll, Leclerc, Ricciardo e Russell. Gasly em segundo e Alonso em terceiro foram as surpresas.

Leclerc eliminado: “Que que tá acontecendo aqui?”

A dupla da Mercedes foi a primeira a fechar voltas no Q3: 1min21s262 para Hamilton, com Bottas 0s216 mais lento. Max abriu bem sua volta voadora, fez a melhor primeira parcial do dia, mas fechou 0s162 atrás de Lewis. Pelo menos roubou provisoriamente o segundo lugar do #77. Gasly e Alonso seguiam com o bom trabalho, em quarto e quinto.

A segunda saída de Hamilton começou com uma primeira parcial promissora, a segunda mais ainda, e a volta foi fechada em 1min20s827, baixando 0s4 seu tempo inicial. Nem com reza brava Verstappen conseguiria chegar perto. Bottas, da mesma forma, estava longe. Para piorar a vida dos adversários do inglês, Gasly furou o pneu na última curva, a bandeira amarela foi acionada, e mesmo se alguém estivesse operando algum milagre seria impossível desbancar Lewis.

Assim, o inglês fez a 102ª pole de sua carreira, quarta do ano. Verstappen ficou em segundo a infinitos 0s455 de distância, deixando Bottas em terceiro, 0s651 atrás do companheiro de equipe. Gasly, Alonso, Norris, Sainz, Tsunoda, Ocon e Vettel fecharam os dez primeiros.

O grid em Losail: Gasly e Alonso, as boas surpresas

Hamilton e Verstappen na primeira fila. Poderíamos pedir mais nessa altura do campeonato? Acho que seria exigir demais. Para a largada, nenhum dos dois sabe exatamente o que esperar. A pista é nova no calendário, faltam referências, experiências, jurisprudência. “A gente nunca correu aqui, tudo é novidade, tenho de pensar numa boa largada e ver o que vai acontecer”, disse Max, acrescentando: “Estamos tendo algumas dificuldades, Checo nem passou para o Q3, vamos ver…”

Hamilton falou que de ontem para hoje tudo melhorou para ele, inclusive seu estado geral. Andou tendo dor de estômago desde quarta-feira, seus últimos banquetes com brócolis, acelga e abobrinha podem ter caído mal, mas hoje tudo funcionou direitinho. Principalmente o carro. “Trabalhamos muito forte, mexemos no carro, peguei uma volta limpa, a última foi muito boa. A pista é gostosa, rápida, mas não temos muita experiência aqui e não dá para falar muito sobre a corrida. Parece meio difícil seguir alguém de perto, vamos ver…”

Vamos ver, vamos ver… Vamos ver Max, Vamos ver Lewis. E vamos ver Alonso, que estava feliz da vida com o quinto lugar no grid. Coadjuvante para a prova, claro, mas é sempre legal ver um piloto como ele feliz. Ainda pelo rádio, o espanhol da Alpine não escondeu sua satisfação: “Foi uma delícia, eu poderia ficar aqui guiando a noite toda, obrigado por este carro!”, agradeceu.

Alonso feliz: “Posso ficar aqui a noite toda!”

Com a mesma alegria juvenil de Alonso, estaremos às 19h ao vivo no meu canal iutúbico para mais um “Fórmula Gomes”, falando muitas verdades. Apareçam! E fiquem ligados porque pode haver mudanças no grid. No fim da noite Sainz, Verstappen e Bottas foram chamados à torre porque não tiraram o pé nas bandeiras amarelas acionadas quando furou o pneu de Gasly. Isso pode mudar a história da corrida. Decisões serão anunciadas amanhã de manhã. A ver. Mas como é lance de bandeira amarela, normalmente vem toco pesado em quem desrespeita…

Comentários

  • Parece que Lewis Hamilton voltou a ser o senhor absoluto na F-1, cabe agora ao Verstappen e Red Bull quebrarem essa escrita ao menos numa das duas corridas finais da Temporada 2021 para serem Campeões.

  • Putz, bacana demais as opiniões dos “torcedores entendidos, fiscais da FIA enrustidos”. Já chegaram à conclusão, segundo fontes das próprias cabeças, que o carro da Mercedes é irregular e que Lewis deveria já ser 12 vezes campeão (13, segundo o raciocínio do rapazinho, que se esqueceu de 2007), e que por isso ele não é tão bom assim e que, seguindo essa lógica, Raikkonen, Button e Vettel seriam melhores do que o Patrão, afinal foram campeões dirigindo carros piores do que os dele, que não fez nada nessas temporadas.

  • O fato é um só. A mercedes tem o melhor carro disparado (possivelmente irregular).
    Não é que o Hamilton não seja bom piloto, é que Bottas é um piloto mediocre isso sim.
    Basta ver o baile que levou do Russel ano passado em uma única corrida. O cara não precisou nem de adaptação com o carro para andar na frente de todos disparado.
    O hamilton com a mercedes parece eu jogando F1 no modo facil, pode sair até em último que passa todo mundo.
    Se o cara fosse tão bom assim, deveria ter ganhado também nos anos de 2009 a 2013. Por que será que nesses anos não fez nada?
    Só ver o comentário que um conterrâneo dele fez no final do ano passado.

    https://www.record.pt/modalidades/motores/formula-1/detalhe/ronnie-osullivan-minimiza-os-7-titulos-de-hamilton-e-como-conduzires-a-fumar-um-charuto

  • Na sexta-feira, durante o segundo treino livre, a Mercedes foi para a pista com Hamilton e Bottas com diferentes configurações. Enquanto Bottas estava com pneus médios e provavelmente mais combustível, Hamilton utilizava pneus macios e uma quantidade menor de combustível. Fizeram simulações de corrida e de treino no horário da classificação e da corrida. Ainda mais em um pista nova, e completamente desconhecida como essa do Catar. E um fator importante, a temperatura. Menor no horário do treino de classificação, e, principalmente, em boa parte da própria corrida. Verstappen e Perez novamente enfretaram problemas com a asa traseira, a exemplo do que ocorreu nas provas anteriores. Pode-se ver o flap da asa traseira oscilando, e muito, quando o DRS era acionado. Fadiga de material, seja do flap em si, ou do sistema hidráulico que aciona o DRS.
    Enfim, hoje, Mercedes e Hamilton encontraram seu ritmo, e o piloto inglês pode cravar a pole com certa facilidade. A vantagem de Hamilton para Verstappen era em torno de 0,2 a 0,3 s, mas quase meio segundo deve ter deixado a garagem da Red Bull em polvorosa. E mais uma vez, os carros da equipe alemã não foram os que anotaram as maiores velocidades no circuito de Losail. Mazepin (!!!!) com a Haas marcou 333 km/h. Só para efeitos de comparação, Hamilton anotou 1m20,827s. Em março desse ano, a MotoGP correu nesse mesmo circuito e, Francisco Bagnaia, de Ducatti, marcou o melhor tempo na classificação com 1m52,772s.
    Alpine com Alonso e Ocon, Alpha Tauri com Gasly e Tsunoda também se destacaram. Alonso, quinto no grid à frente de Ferrari e Mclaren. Após o treino, a Ferrari descobriu uma quebra no chassi de Leclerc, provocada provavelmente pelas zebras do circuito. Que vitimaram vários pilotos ao longo dos treinos.
    E a FIA com seu festival de voltas deletadas ao longo dos treinos, e pós treino, na manhã da corrida convocou Verstappen, Bottas e Sainz para explicarem o motivo de não reduzirem a velocidade após as bandeiras amarelas no final do treino. Punição? Mais uma vez poderemos ser brindados com a famosa falta de coerência da entidade, e particularmente, de Michael Masi.
    Aparentemente, Hamilton não utilizou o motor da corrida do Brasil. Montaram um outro motor, dos já utilizados por Hamilton. Isso poderá ser um trunfo grande para a Mercedes. As duas últimas provas com um motor totalmente novo.

  • Qual é a surpresa, pessoal?
    Pérez sendo Pérez, simples assim.
    Já cansaram as mesmas desculpas de sempre.
    Verdade seja dita, ele é sobrevalorizado, não é essa Brastemp toda não.
    Só para ficarmos intramuros, Gasly deveria ser o “02” da Red Bull, por merecimento.
    Mas “forças ocultas” garantem o mexicano na equipe.

  • A asa da Red Bull mexeu, mas a do Patrão no Q1 trepidou até na super câmera lenta. Isso ainda contando com a barbatana no fundo da carenagem envergando para dentro nas curvas, parecendo um leme, e ainda com a asa dianteira parecendo que tem DRS de tanto que se move. Mas é óbvio que ninguém vai reparar nisso e a Mercedes segue de vento em polpa de tomate para rechear a pizza em Abu Dhabi com um carro que obviamente é irregular, que começou do nada a voar na pista de novo.
    Essa briga deveria ser apenas entre os pilotos, e que se batam, se fechem, se estapeiem. Sem tramoia.

  • Veremos qual vai ser a sacanagem, a falcatrua, a maldade anti esportiva que o mau caráter do mimado Verstappen vai fazer desta vez, para prejudicar Hamilton e causar mais uma polêmica, se não for penalizado.

  • Flavinho Gomes !!! saudações… !
    Nós, veteraníssimos na F1 , que acompanhamos desde 1972, já vemos um Verstappen jogando a toalha…Ninguém pode com os eng. de Hitler, documentário da Disc. Channel, que mostra o quantos anos luz, eles estão frente…
    Abs e vamos comemorar …
    Lewis Carl Davidson Hamilton na cabeça… O melhor e fodam-se o resto…