Arquivoquarta-feira, 12 de março de 2014

CHEGANDO…

C

SÃO PAULO (vai logo!) – Mais um vídeo pré-temporada, este da Ferrari e da Shell. Bom, pelo menos nos vídeos as equipes estão caprichando… Mas é legal ver. Porque eles mostram, aqui e ali, a complexidade desses novos carros da F-1. Dá até medo tanta tecnologia. O que tem de coisa para quebrar é uma grandeza. Este filmete, divulgado hoje na Austrália, traz imagens interessantes da fábrica, do simulador, do trabalho para desenvolver as tais unidades de força das quais falaremos tanto neste ano.

Aliás, ainda não sei como chamar esse negócio. Unidade de força? Unidade motriz? Unidade de potência? Unidade de capeta? No fim das contas, vai ser motor, mesmo. Acho.

MINIGUIA

M

SÃO PAULO (serão muitos) – Em vídeo curtinho e cheio dos efeitos, as principais mudanças da F-1 para 2014 apresentadas pela Red Bull. Dica do Cesar Marin, Jr. Assim mesmo, com vírgula. Acho muito chique nome que tem vírgula.

OS CASCOS

O

SÃO PAULO (vamos votar) – O Leandro Guimarães mandou o link com todos os capacetes que serão usados em 2014 na F-1. Incrível como estão todos feios e poluídos. Vamos escolher melhor e pior? O que mais gostei é esse aí embaixo, de Marcus Ericsson, da Caterham.

cascomarcusO mais feio, para mim, é o de Maldonado, uma salada de cores, estrelas e sei lá mais o quê.

cascomaldonado

Notei que muitos copiaram caoticamente grafismos parecidos com os do modelo que eu uso, com pontas agudas que parecem espetar quem encosta no casco. Foi meu designer Thiago Amorim que inventou isso, anos atrás! Mas ele usa com elegância e moderação. Falando nisso, está na hora de dar uma atualizada no meu. Ainda hoje falaremos nisso. Por enquanto, vão votando aí: o mais bonito e o mais feio da F-1 em 2014.

NAS ASAS

N

SÃO PAULO (preguiça) – A Skymark, empresa aérea japonesa, está sendo criticada porque suas aeromoças usam vestidos muito curtos. A Federação dos Trabalhadores da Aviação acha a moda sexista.

Sinceramente? Acho que elas estão lindas e acho que as pessoas estão ficando chatas demais.

skymark

Perfil


Flavio Gomes é jornalista, dublê de piloto, escritor e professor de Jornalismo. Por atuar em jornais, revistas, rádio, TV e internet, se encaixa no perfil do que se convencionou chamar de multimídia. “Um multimídia de araque”, diz ele. “Porque no fundo eu faço a mesma coisa em todo lugar: falo e escrevo.” Sua carreira começou em 1982 no extinto jornal esportivo “Popular da Tarde”. Passou pela “Folha de S.Paulo”, revistas “Placar”, "Quatro Rodas Clássicos" e “ESPN”, rádios Cultura, USP, Jovem Pan, Bandeirantes, Eldorado-ESPN e Estadão ESPN — as duas últimas entre 2007 e 2012, quando a emissora foi extinta. Foi colunista e repórter do “Lance!” de 1997 a 2010. Sua agência Warm Up fez a cobertura do Mundial de F-1 para mais de 120 jornais entre 1995 e 2011. De maio de 2005 a setembro de 2013 foi comentarista, apresentador e repórter da ESPN Brasil, apresentador e repórter da Rádio ESPN e da programação esportiva da rádio Capital AM de São Paulo. Em janeiro de 2014 passou a ser comentarista, repórter e apresentador dos canais Fox Sports no Brasil, onde ficou até dezembro de 2020. Na internet, criou o site “Warm Up” em 1996, que passou a se chamar “Grande Prêmio” no final de 1999, quando iniciou parceria com o iG que terminou em 2012. Em março daquele ano, o site foi transferido para o portal MSN, da Microsoft, onde permaneceu até outubro de 2014. Na sequência, o "Grande Prêmio" passou a ser parceiro do UOL até maio de 2019, quando se uniu ao Terra por um ano para, depois, alçar voo solo. Em novembro de 2015, Gomes voltou ao rádio para apresentar o "Esporte de Primeira" na Transamérica, onde ficou até o início de março de 2016. Em 2005, publicou “O Boto do Reno” pela editora LetraDelta. No final do mesmo ano, colocou este blog no ar. Desde 1992, escreve o anuário "AutoMotor Esporte", editado pelo global Reginaldo Leme. Ganhou quatro vezes o Prêmio Aceesp nas categorias repórter e apresentador de rádio e melhor blog esportivo. Tem também um romance publicado, "Dois cigarros", pela Gulliver (2018), e o livro de crônicas "Gerd, der Trabi" (Gulliver, 2019). É torcedor da Portuguesa, daqueles de arquibancada, e quando fala de carros começa sempre por sua verdadeira paixão: os DKWs e Volkswagens de sua pequena coleção, além de outras coisinhas fabricadas no Leste Europeu. É com eles que roda pelas ruas de São Paulo e do Rio, para onde se mudou em junho de 2017. Nas pistas, pilotou de 2003 a 2008 o intrépido DKW #96, que tinha até fã-clube (o carro, não o piloto). Por fim, tem uma estranha obsessão por veículos soviéticos. “A Lada foi a melhor marca que já passou pelo Brasil”, garante. Por isso, trocou, nas pistas, o DKW por um Laika batizado pelos blogueiros de Meianov. O carrinho se aposentou temporariamente no início de 2015, dando o lugar a um moderníssimo Voyage 1989. Este, por sua vez, mudou de dono em 2019 para permitir a volta do Meianov à ativa no começo de 2020.
ASSINE O RSS

Categorias

Arquivos

TAGS MAIS USADAS

Facebook

DIÁRIO DO BLOG

março 2014
D S T Q Q S S
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031