Arquivosexta-feira, 29 de julho de 2016

NA MANHA N’ALEMANHA (1)

N
SÃO PAULO (preocupante) – Não sei se consigo fotos, mas se conseguir vocês saberão porque elas estarão aqui.

(Consegui. Peguei uns frames que o Grande Prêmio publicou durante a transmissão dos treinos livres. Dá para ter uma noção.)

Vou dizer o que mais me chamou a atenção no primeiro dia de atividades do GP da Alemanha, agora há pouco em Hockenheim. O vazio. O vazio me chamou a atenção. O vazio onde deveria haver gente.

Pode ser que não tenha reparado no passado, mas acho difícil, porque noto essas coisas. Assim, assumo que pela primeira vez ao menos uma seção inteira das monumentais arquibancadas do Estádio, trecho histórico e emocionante para quem gosta e conhece a história da F-1, será usada neste fim de semana como outdoor. No caso, de uma marca de relógios. No caso, Rolex. No caso, como se faz há tempos, desde sempre, suponho, no gigantesco e sem sentido autódromo de Xangai, na China — há arquibancadas inteiras lá, enormes, cobertas por lonas com inscrições incompreensíveis.

Coh3pN2VUAIjWRi
Foto enviada pelo blogueiro Fernando

Fechar um pedaço do Estádio é a derrota definitiva de uma categoria que precisa, urgentemente, rever um monte de coisa para chamar as pessoas de volta. Sem público, um esporte como esse não se sustenta. É diferente, sei lá, do judô, ou da natação. Essas modalidades podem ser praticadas para ginásios e piscinas vazios, porque seus custos não chegam nem perto do que gasta uma única equipe em um único dia de competição. Há muitos esportes, a maioria, eu diria, que sobrevivem sem a necessidade de atrair multidões. Em grandes competições, como Mundiais e Olimpíadas, aparecem os torcedores e todo mundo fica contente. Ainda assim, depende do esporte. Arco e flecha jamais vai encher uma arquibancada. Iatismo, também não. Nem maratona aquática. É assim, sem juízo de valor nenhum sobre cada um deles.

[bannergoogle]Mas a F-1, não tem jeito. Ou junta gente para ver, ou acaba. Porque ela depende de patrocinadores fortes e perdulários, que só irão gastar seus cobres se tiver gente pacas olhando suas marcas expostas. Nos autódromos e na TV. Quando há pouca gente num autódromo, significa que menos gente do lado de fora, na TV, está se interessando. A relação é direta. Eu, se estivesse depositando dinheiro num time hoje, desconfiaria dos resultados se olhasse para o Estádio nesta sexta-feira de Hockenheim.

Ah, mas é só sexta-feira, dirão. Verdade. Em geral, às sextas os autódromos não ficam cheios, exceções feitas a Canadá, Monza e ou ou outro mais. Aliás, a F-1 talvez seja a única modalidade no planeta que cobra ingresso para ver neguinho treinar, para passar um dia inteiro vendo carro andando sem valer nada. E tem gente que paga, porque corrida de F-1 não é todo dia, os carros são bonitos e barulhentos, as pessoas pagam, sim, para ver, apenas.

(Mentira, agora corrida é quase todo dia, um calendário de 21 etapas banaliza todas, e os carros não são mais nem bonitos, nem barulhentos.)

Só que aos sábados, também estão sobrando lugares. E aos domingos. No caso específico de Hockenheim, se estenderam lonas verdes gigantescas com Rolex em amarelo em trechos grandes das arquibancadas, é porque ali não haverá ninguém. Nem amanhã, nem domingo. E eu vi, com estes olhos azuis que a terra há de pedir que sejam colocados num pote como bolas de gude, aquela porra cheia até a tampa de quinta, sexta, sábado e domingo. E não faz tanto tempo assim, na escala de evolução da humanidade. Uns 15 anos, no máximo.

O crescente desinteresse por carros e corridas, especialmente entre os mais jovens, é visível a olho nu. Qualquer pesquisa chegará a essa conclusão. Não tenho números, nem base científica, mas no olhômetro (usei também o chutômetro) posso especular que de uns anos a esta data — de novo, uns 15 — coisa em torno de 40% do público de F-1 se extinguiu. São pessoas que ou morreram, ou começaram a meditar, ou viraram veganos, ou passaram a andar de bicicleta, ou não conseguiram pagar o IPVA, ou tiveram suas carteiras cassadas, ou abriram pousadas em São Miguel do Gostoso e na Pipa, ou estão fazendo pilates.

[bannergoogle]Somos sobreviventes teimosos, nós que insistimos nesse negócio, porque gostamos dele e somos, por definição, contestadores e politicamente incorretos — qualquer um que não se incomoda com gasolina, borracha e dinheiro sendo queimados sem objetivo nenhum, sem nenhuma responsabilidade fiscal ou ambiental, sem sentido algum, é, hoje, um transgressor da nova moral e dos novos bons costumes. Não sei como, juro, a F-1 se mantém de pé torrando tanta grana para gerar não mais do que indiferença no povão. Não sei como, nem até quando.

Bom, à pista. Primeiro dia normal, com Rosberguinho fazendo P1 nas duas sessões. Na vespertina, virou 1min15s614 e colocou respeitáveis 0s394 sobre Hamilton, o segundo. Vettel, em terceiro, ficou a 0s594. Verstappinho, Ricardão e Raikkonen fecharam os seis previsíveis primeiros. Button em oitavo e Alonso em décimo selam de vez uma certeza: a McLaren voltou a ser uma equipe, deu um belo salto do ano passado para cá, e seus horizontes se abriram de vez.

Massa foi o 15º, a 2s072 do líder. Péssimo. Bottas ficou em 13º a 1s811 do platinado alemão mercêdico. Nasr terminou em último, a 3s681 do melhor tempo da tarde. Péssimo. Ericsson ficou em 18º, a 2s516. Não é um ano bom para os brasileiros. Muito pelo contrário.

A grande atração do fim de semana é saber se Nico-Nico no Fubá reage. Se não reagir agora, já era.

Perfil


Flavio Gomes é jornalista, dublê de piloto, escritor e professor de Jornalismo. Por atuar em jornais, revistas, rádio, TV e internet, se encaixa no perfil do que se convencionou chamar de multimídia. “Um multimídia de araque”, diz ele. “Porque no fundo eu faço a mesma coisa em todo lugar: falo e escrevo.” Sua carreira começou em 1982 no extinto jornal esportivo “Popular da Tarde”. Passou pela “Folha de S.Paulo”, revistas “Placar”, "Quatro Rodas Clássicos" e “ESPN”, rádios Cultura, USP, Jovem Pan, Bandeirantes, Eldorado-ESPN e Estadão ESPN — as duas últimas entre 2007 e 2012, quando a emissora foi extinta. Foi colunista e repórter do “Lance!” de 1997 a 2010. Sua agência Warm Up fez a cobertura do Mundial de F-1 para mais de 120 jornais entre 1995 e 2011. De maio de 2005 a setembro de 2013 foi comentarista, apresentador e repórter da ESPN Brasil, apresentador e repórter da Rádio ESPN e da programação esportiva da rádio Capital AM de São Paulo. Em janeiro de 2014 passou a ser comentarista, repórter e apresentador dos canais Fox Sports no Brasil, onde ficou até dezembro de 2020. Na internet, criou o site “Warm Up” em 1996, que passou a se chamar “Grande Prêmio” no final de 1999, quando iniciou parceria com o iG que terminou em 2012. Em março daquele ano, o site foi transferido para o portal MSN, da Microsoft, onde permaneceu até outubro de 2014. Na sequência, o "Grande Prêmio" passou a ser parceiro do UOL até maio de 2019, quando se uniu ao Terra por um ano para, depois, alçar voo solo. Em novembro de 2015, Gomes voltou ao rádio para apresentar o "Esporte de Primeira" na Transamérica, onde ficou até o início de março de 2016. Em 2005, publicou “O Boto do Reno” pela editora LetraDelta. No final do mesmo ano, colocou este blog no ar. Desde 1992, escreve o anuário "AutoMotor Esporte", editado pelo global Reginaldo Leme. Ganhou quatro vezes o Prêmio Aceesp nas categorias repórter e apresentador de rádio e melhor blog esportivo. Tem também um romance publicado, "Dois cigarros", pela Gulliver (2018), e o livro de crônicas "Gerd, der Trabi" (Gulliver, 2019). É torcedor da Portuguesa, daqueles de arquibancada, e quando fala de carros começa sempre por sua verdadeira paixão: os DKWs e Volkswagens de sua pequena coleção, além de outras coisinhas fabricadas no Leste Europeu. É com eles que roda pelas ruas de São Paulo e do Rio, para onde se mudou em junho de 2017. Nas pistas, pilotou de 2003 a 2008 o intrépido DKW #96, que tinha até fã-clube (o carro, não o piloto). Por fim, tem uma estranha obsessão por veículos soviéticos. “A Lada foi a melhor marca que já passou pelo Brasil”, garante. Por isso, trocou, nas pistas, o DKW por um Laika batizado pelos blogueiros de Meianov. O carrinho se aposentou temporariamente no início de 2015, dando o lugar a um moderníssimo Voyage 1989. Este, por sua vez, mudou de dono em 2019 para permitir a volta do Meianov à ativa no começo de 2020.
ASSINE O RSS

Categorias

Arquivos

TAGS MAIS USADAS

Facebook

DIÁRIO DO BLOG

julho 2016
D S T Q Q S S
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31