Arquivoquarta-feira, 1 de junho de 2016

GRACIAS TOTALES

G

Por TALES TORRAGA*

torraga15Rato,

Desculpa a demora. Não sabia o que escrever. Sigo sem saber. Foda-se.

Não vou escrever sobre o lugar. Lugares me importam um caralho, você sabe.

Vou escrever com palavrão. Homenagem a você. Não os falo mais.

Quase não falo mais.

Quer que eu escreva da salinha? Gesso, carpete e tinta. Só.

Nossa história é do caralho, Anão. Fodida mesmo. Sei lá se é boa ou ruim, só sei que merece mais que um texto único. Talvez um livro. Pouquíssimos, põe poucos nisso, começaram a trabalhar descobertos e lapidados pelo ídolo.

Merece um livro. Não por mim ou por você. Pela generosidade. Só ela explica você parar qualquer coisa e cuidar de um caipira de 15 anos cuja habilidade única era lembrar a marca da luva do Pace em 1973 ou o acerto de câmbio do Hill em Adelaide 1994.

Alienado da porra, um puta retardado.

Treina com os profissionais, faz pré-temporada, amistoso, joga contra o time pequeno.

Os 19 anos me jogaram na cara a camisa 5.

Você, Pelé para mim, com a 10, Everaldo, um Didi, com a 8. Um fenômeno, El Cabezón.

11 de junho de 1996, te visitei pela primeira vez, catei o trem, 27 estações até chegar, metrô Brigadeiro, 27, Senna e Villeneuve. Deu certo, pensei. A gente não pensa só bobagem.

1997, andei à noitinha 6 km da República até você, sem um puto, não tinha nem pra voltar pra Mogi, nem RG eu tinha, jogava xadrez apostando grana com os velhinhos, eles me zeravam e eu saía na mão e apanhava de bengala, você, mijando de rir, me dava o cinzeirão cheio de moeda, “Pega tudo, vê se come, estuda final em vez de brigar.”

1998, sem avisar un huevo, “Toma, é teu”, me entregou o livro do Boy George. “Estava em Londres, lembrei de você, comprei”. Li em dois dias. Nem fui pra escola.

Quando quiser entender por que mudo tanto, taí a razão. Karma Chameleon. Boy George e Bobby Fischer. Camaleão e doidão. Así fue. Jajaja.

1999, começamos o site, você soube que eu tava sem geladeira, me deu cheque em branco, “Compra lá, para de beber, sua mãe está preocupada”, ela te ligava sem eu saber, sigo sem saber o que falavam, e se não sei é melhor não saber.

2000, escrevi besteira qualquer, estava na Paulista, você na Alemanha, sábado da primeira vitória do Barrichello, caguei numa estatística, sabia que os italianos e suecos liam a gente e publicavam nossas efemerdas, te liguei com o cu piscando, os caras já tinham fechado, “Relaxa, valeu avisar, falo com eles, cheque nas próximas.”

Esporro é para os fracos.

2003, quis sair, tinha 22 anos, não sabia o que estava fazendo, sigo sem saber, você me acompanhou até o elevador para se despedir, quase chorando, não dei bola, idiota e insensível, falei qualquer besteira, é sempre melhor ficar quieto, e a gente depois se viu vez ou outra, dois caras livres sem se encher, segui juntando letrinha, você também, no fundo o que a gente faz é um punhado de papel com tinta.

Hoje, nem papel nem tinta. Irrelevância total. O mundo está explodindo e a gente está apertando o botão.

Aprendi no 807 que era outro tempo e as pessoas teclavam menos e se viam mais, aprendi que a gente era mais gente, eu não parava de abrir a porta, abraçar e pedir um café para o Fábio Seixas, cara que adoro, você sabe, para o Cândido Garcia, para o Reginaldo Leme, para o Edgard Mello Filho, para o Claudio Carsughi, para o Téo José e para o Francisco Santos (!), digo que aprendi que abrir a porta, abraçar e servir café é muito mais importante que o pneu do Trulli ou a asa do Schumacher.

Apegou, aprisionou, Enano.

Gracias TOTALES y siempre, loco. Te quiero.

torraga14* Tales Torraga criou o Grande Prêmio.

MONZA 2017

M

monza17

SÃO PAULO (haja freio) – Bom, vamos ver se esse troço se confirma. Ao que tudo indica, o traçado de Monza será modificado no ano que vem. A primeira chicane será eliminada, e no lugar dela a reta será estendida, claro, chegando a 1,4 km. Aí, nada do Curvone: ela será substituída por uma curva de alta para a direita e uma chicane rápida para retomar o traçado em direção à Roggia e à Lesmo. Não sei se expliquei direito, mas está no desenho aí em cima.

Sou um tradicionalista para algumas coisas. As duas chicanes que conhecemos — Variante del Rettifilo e Ascari — foram inseridas no traçado original em 1972, porque a pista era rápida e perigosa demais. Assim, não vi Monza antes disso. Gosto do Curvone — ou Biassono, cada um que chame como quiser. Mas também não é nada de tão espetacular. Questão de hábito, mesmo. Mas não sei se mexeria, nem sei se vai mudar muito as coisas.

Só sei que as velocidades, que já são altas, serão ainda mais com a reta mais comprida.

JÁ DEU?

J

kiminbalotus

SÃO PAULO (já) – A pergunta se refere a Kimi Raikkonen. Quando ele voltou à F-1 em 2012, depois de dois anos correndo no Mundial de Rali, todos celebraram. Porque numa Lotus divertida e despretensiosa, o cara mostrou que não tinha perdido a mão.

Logo no primeiro ano no time preto e dourado, uma vitória, sete pódios, duas voltas mais rápidas, 207 pontos e nada menos do que um terceiro lugar no campeonato. Em 2013, mais uma vitória, mais oito pódios, mais duas melhores voltas, 183 pontos e um digníssimo quinto lugar na classificação.

Números e desempenho justificaram a volta à Ferrari, onde conquistou o título de 2007. Só que, aí, apagou a chama. Em 2014, o finlandês ficou em 12º, fez uma volta mais rápida em GP e mais nada. No ano passado, foi um pouquinho melhor: três pódios, duas melhores voltas, quarto colocado. Já igualou os pódios nesta temporada. Mas é pouco.

[bannergoogle]Pouco, porque a Ferrari exige mais. E talvez esse tenha sido seu erro. Retomar a trajetória interrompida em 2009 num ambiente já conhecido, quando talvez fosse melhor seguir em algum time “outsider”, fora do “mainstream”. Não saberia dizer qual. Hoje, certamente, seria algo como a Haas. Um lugar onde ninguém enche muito o saco e o deixa em paz. Na Ferrari, não se tem paz.

Ah, a propósito… Kimi foi perdoado pela chefia pela performance patética em Mônaco. “Ele não gosta da pista”, contemporizou Arrivabene.

Bom, o contrato termina no fim do ano. Duvido que seja renovado. Será um erro da equipe. E dele. Acho que se quiser continuar correndo, Raikkonen deve procurar algo que tenha seu perfil. Para 2017, uma Renault, por exemplo, pode ser interessante. Ou até a própria Haas, porque estou achando que Grosjean é um nome muito interessante para Maranello neste momento.

NO AR, “PADDOCK” #31

N

SÃO PAULO (cadê o Martins?) – Desculpem a hora. Fui chamado a fazer um check up, só porque passei dos 50. Muito preconceito. Por isso, o dia todo na rua. E nem comecei direito. Aff.

Bom, o “Paddock GP” de ontem, comigo, Juliana Tesser, Vinicius Piva, Gabriel Curty e Vitor Fazio, sob direção de Rodrigo Berton, falou de tudo que deu tempo para falar — especialmente Mônaco e 500.

Se não deu para assistir ao vivo, aí está.

O CAOS

O

SÃO PAULO (amo de paixão) – Faltou dar um pitaquinho aqui sobre as 24 Horas de Nürburgring, no fim de semana — deu Mercedes, domínio impressionante, mas isso não vem ao caso.

O que se viu no Nordschleife foi uma das corridas mais caóticas de todos os tempos. Porque não teve chuva. Teve chuva, granizo, tempestade de raio, neve, furacão, tsunami, tufão, erupção vulcânica, ciclone e, para arrematar, o apocalipse.

O Ricardo Divila mandou três vídeos. Esse aí embaixo é o que mais me impressionou — pela violência do clima e por ver os pilotos simplesmente estacionando na pista, apavorados. Mas tem mais estes dois aqui e aqui, igualmente divertidos.

Ninguém se machucou, que eu saiba.

Perfil


Flavio Gomes é jornalista, dublê de piloto, escritor e professor de Jornalismo. Por atuar em jornais, revistas, rádio, TV e internet, se encaixa no perfil do que se convencionou chamar de multimídia. “Um multimídia de araque”, diz ele. “Porque no fundo eu faço a mesma coisa em todo lugar: falo e escrevo.” Sua carreira começou em 1982 no extinto jornal esportivo “Popular da Tarde”. Passou pela “Folha de S.Paulo”, revistas “Placar”, "Quatro Rodas Clássicos" e “ESPN”, rádios Cultura, USP, Jovem Pan, Bandeirantes, Eldorado-ESPN e Estadão ESPN — as duas últimas entre 2007 e 2012, quando a emissora foi extinta. Foi colunista e repórter do “Lance!” de 1997 a 2010. Sua agência Warm Up fez a cobertura do Mundial de F-1 para mais de 120 jornais entre 1995 e 2011. De maio de 2005 a setembro de 2013 foi comentarista, apresentador e repórter da ESPN Brasil, apresentador e repórter da Rádio ESPN e da programação esportiva da rádio Capital AM de São Paulo. Em janeiro de 2014 passou a ser comentarista, repórter e apresentador dos canais Fox Sports no Brasil, onde ficou até dezembro de 2020. Na internet, criou o site “Warm Up” em 1996, que passou a se chamar “Grande Prêmio” no final de 1999, quando iniciou parceria com o iG que terminou em 2012. Em março daquele ano, o site foi transferido para o portal MSN, da Microsoft, onde permaneceu até outubro de 2014. Na sequência, o "Grande Prêmio" passou a ser parceiro do UOL até maio de 2019, quando se uniu ao Terra por um ano para, depois, alçar voo solo. Em novembro de 2015, Gomes voltou ao rádio para apresentar o "Esporte de Primeira" na Transamérica, onde ficou até o início de março de 2016. Em 2005, publicou “O Boto do Reno” pela editora LetraDelta. No final do mesmo ano, colocou este blog no ar. Desde 1992, escreve o anuário "AutoMotor Esporte", editado pelo global Reginaldo Leme. Ganhou quatro vezes o Prêmio Aceesp nas categorias repórter e apresentador de rádio e melhor blog esportivo. Tem também um romance publicado, "Dois cigarros", pela Gulliver (2018), e o livro de crônicas "Gerd, der Trabi" (Gulliver, 2019). É torcedor da Portuguesa, daqueles de arquibancada, e quando fala de carros começa sempre por sua verdadeira paixão: os DKWs e Volkswagens de sua pequena coleção, além de outras coisinhas fabricadas no Leste Europeu. É com eles que roda pelas ruas de São Paulo e do Rio, para onde se mudou em junho de 2017. Nas pistas, pilotou de 2003 a 2008 o intrépido DKW #96, que tinha até fã-clube (o carro, não o piloto). Por fim, tem uma estranha obsessão por veículos soviéticos. “A Lada foi a melhor marca que já passou pelo Brasil”, garante. Por isso, trocou, nas pistas, o DKW por um Laika batizado pelos blogueiros de Meianov. O carrinho se aposentou temporariamente no início de 2015, dando o lugar a um moderníssimo Voyage 1989. Este, por sua vez, mudou de dono em 2019 para permitir a volta do Meianov à ativa no começo de 2020.
ASSINE O RSS

Categorias

Arquivos

TAGS MAIS USADAS

Facebook

DIÁRIO DO BLOG

junho 2016
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930