CategoriaTecnologia

DICA DO DIA

D

RIO (fica mais bonito!) – Oxe que não lembro quem me mandou isso. Acho que foi pelo Instagram, mas não tenho certeza. Tudo bem. O que vale é o conteúdo. Esse filme foi inteiramente feito em Super-8 num evento da Ferrari em Mugello no ano passado. Super-8, Gomes? Eram câmeras que rodavam filmes de 8 mm cuja maior novidade era seu acondicionamento em cartuchos em vez de rolos. Por isso elas...

MAN ON THE MOON!

M

RIO (eu iria) – Essa frase aí do título eu leio todos os dias, porque está num quadro na parede da minha sala que traz também a data: July 20, 1969. Já devo ter contado algum dia aqui que sou doido pelas histórias do espaço, estudei astronomia, consigo identificar meia-dúzia de constelações e posso passar horas olhando para o céu sem dizer uma palavra. Meu filho mais novo se chama Yuri por...

NADA DE NOVO

N

RIO (alguma novidade?) – Em 1974, João do Amaral Gurgel foi ao programa de Silvio Santos mostrar o primeiro carro elétrico brasileiro, o Itaipu. Nunca vingou. Mas é uma boa história, contada no livro de Lélis Caldeira “Gurgel. Um brasileiro de fibra“.

WILLIAMS ELÉTRICA

W

RIO (morreremos antes?) – Uma coisa é certa. Por bem ou por mal, equipes de F-1 que se transformaram em empresas de tecnologia vão acabar surfando na onda da eletricidade. Ao menos por um tempo, até as grandes montadoras engolirem todo mundo depois de concluídas as fusões inevitáveis dos maiores grupos, que formarão no futuro a Grande Fábrica Universal de Automóveis — que vai dominar...

PARAÍBA ELÉTRICA

P

SÃO PAULO (boa sorte) – O Hygor Mathaeus, da Universidade Federal da Paraíba, me mandou a seguinte mensagem: Sou um leitor do seu blog e faço parte de um projeto de construção de um monoposto elétrico na Universidade Federal da Paraíba. Nosso projeto, o Fórmula E UFPB, participa da competição organizada pela SAE, que envolve diversas universidades brasileiras e tem o objetivo de avaliar os...

CAFÉ ELÉTRICO

C

SÃO PAULO (quando estiver duro em Paris…) – A Nissan abriu um café em Paris onde você paga a conta com eletricidade. Isso mesmo: pagamento com a energia que o cliente puder produzir — seja pedalando numa espécie de bicicleta ergométrica, seja “caminhando” sobre um tablado elétrico.
Não sei onde fica. Mas vamos procurar, porque de graça, até injeção na testa.

MC(APPLE)LAREN

M

SÃO PAULO (e por que não?) – Hoje foi o dia todo gente me perguntando o que eu achei de a Apple ter comprado a McLaren. Primeiro, a Apple não comprou a McLaren, caríssimos leitores de manchetes. “Teria” feito uma oferta para ter alguma participação na McLaren. Segundo, a McLaren negou, dizendo que pela natureza de sua empresa, conversa com muita gente e sempre em termos...

ASSIM SERÁ

A

SÃO PAULO (não sei se gosto disso) – O que mais me impressionou no release que a Ford mandou foi a premência nos prazos. Os caras estão falando em começar a produzir carros autônomos em larga escala, para uso comercial, em 2021. Daqui a cinco anos! E, em 2025, de acordo com a montadora, eles começarão a ser vendidos para o público em geral. Dei uma editada, mas vale a pena ler, para...

NADA COMO A VIDA

N

SÃO PAULO (aprendam, crianças) – Sou um ácido crítico de quem acha que tudo que se faz no mundo virtual é espetacular e fantástico, que diante de uma tela, um teclado, um mouse, um controle de videogame, consegue-se reproduzir a realidade. Às vezes troco umas farpas com a galerinha de corridas virtuais, a turma que acha que, de verdade, um sujeito capaz de se sair bem num simulador pode...

FUTURO SOMBRIO

F

[bannergoogle]SÃO PAULO (não quero ver isso) – Outro dia falamos aqui da Roborace. O pessoal da Fórmula E pretende colocar os carros sem piloto na pista ainda neste ano. Por enquanto, só exibição. Mas a ideia é criar um campeonato em breve, muito breve. OK. É o futuro, talvez. Um carro sem motorista, guiado pelo Waze ou pelo Google, cheio de sensores, câmeras, com WiFi, telas de led...

PROS VELHINHOS

P

SÃO PAULO (vou baixar) – Não, não estou ganhando nada para fazer propaganda do serviço, e se estivesse não ia ter nada demais. Só que achei legal, principalmente para cabras como eu que, por andar só com carros antigos, de vez em quando se veem em apuros — nossos brinquedos são muito suscetíveis. Criaram um aplicativo para guinchos. Bichinho resolveu parar de andar, entra na bagaça...

SAFADJENHO

S

[bannergoogle] SÃO PAULO (vale, como não?) – Robert Doornbos, lembram dele? Holandês, correu pela Minardi e pela Red Bull em meados da década passada. Depois, foi para a Indy. Teve uma carreira interessante de 11 GPs na F-1 e nos EUA chegou a ser terceiro colocado na Champ Car em 2007. Andava sumido. Agora, apareceu. Doornbos abriu uma empresa que fabrica vibradores. Isso aí, vibradores...

SUPER NOTÍCIA

S

SÃO PAULO (que bom) – Ontem vi na Fnac uma nova área para venda de discos de vinil. Semanas antes, uma Polaroid repaginada — achei cara, mas é muito bonita. Hoje vejo na página do Eugenio Chiti no Facebook que a Kodak vai retomar a produção de câmeras de Super 8, com novos design e tecnologia, para comemorar os 50 anos do lançamento do primeiro equipamento. A notícia foi festejada...

HERE, THERE AND EVERYWHERE

H

SÃO PAULO (quero meu Mapograf) – Confesso que algumas coisas estão andando rápido demais para este pequeno cérebro. Acabo de saber, via press-release, que Audi, Mercedes de BMW se juntaram para comprar a Here, empresa que pertencia à Nokia (de quem é a Nokia?) especializada em mapas e tal. Pelo que diz o release, essa Here é uma gigante do ramo e 80% dos carros americanos que têm sistemas...

A IMPRESSORA QUE FEZ

A

SÃO PAULO (inacreditável) – O carrinho aí em cima, uma réplica em escala 1:2 do Auto Union Type C que dominou as corridas de Grand Prix na segunda metade da década de 30, foi impresso. Isso mesmo, impresso numa impressora 3D. Em metal. A Audi está desenvolvendo máquinas capazes de imprimir peças metálicas em 3D, como mostra o vídeo abaixo. Foi o Ricardo Divila quem mandou o link. Às vezes...

NO MUNDO DA LUA

N

SÃO PAULO (caramba) – O Tiago Oliveira mandou a dica aí nos comentários e fui ver do que se tratava. E se tratava de uma história inacreditável. O protótipo de uma espécie de buggy que a Nasa desenvolveu em meados da década de 60 para ser levado à Lua foi encontrado num ferro-velho no Alabama. Ele tinha desaparecido havia anos, até que em 2014 um sujeito que fora da US Air Force o viu no...

Perfil


Flavio Gomes é jornalista, dublê de piloto, escritor e professor de Jornalismo. Por atuar em jornais, revistas, rádio, TV e internet, se encaixa no perfil do que se convencionou chamar de multimídia. “Um multimídia de araque”, diz ele. “Porque no fundo eu faço a mesma coisa em todo lugar: falo e escrevo.” Sua carreira começou em 1982 no extinto jornal esportivo “Popular da Tarde”. Passou pela “Folha de S.Paulo”, revistas “Placar”, "Quatro Rodas Clássicos" e “ESPN”, rádios Cultura, USP, Jovem Pan, Bandeirantes, Eldorado-ESPN e Estadão ESPN — as duas últimas entre 2007 e 2012, quando a emissora foi extinta. Foi colunista e repórter do “Lance!” de 1997 a 2010. Sua agência Warm Up fez a cobertura do Mundial de F-1 para mais de 120 jornais entre 1995 e 2011. De maio de 2005 a setembro de 2013 foi comentarista, apresentador e repórter da ESPN Brasil, apresentador e repórter da Rádio ESPN e da programação esportiva da rádio Capital AM de São Paulo. Em janeiro de 2014 passou a ser comentarista, repórter e apresentador dos canais Fox Sports no Brasil. Na internet, criou o site “Warm Up” em 1996, que passou a se chamar “Grande Prêmio” no final de 1999, quando iniciou parceria com o iG que terminou em 2012. Em março daquele ano, o site foi transferido para o portal MSN, da Microsoft, onde permaneceu até outubro de 2014. Na sequência, o "Grande Prêmio" passou a ser parceiro do UOL até maio de 2019, quando se uniu ao Terra por um ano para, depois, alçar voo solo. Em novembro de 2015, Gomes voltou ao rádio para apresentar o "Esporte de Primeira" na Transamérica, onde ficou até o início de março de 2016. Em 2005, publicou “O Boto do Reno” pela editora LetraDelta. No final do mesmo ano, colocou este blog no ar. Desde 1992, escreve o anuário "AutoMotor Esporte", editado pelo global Reginaldo Leme. Ganhou quatro vezes o Prêmio Aceesp nas categorias repórter e apresentador de rádio e melhor blog esportivo. Tem também um romance publicado, "Dois cigarros", pela Gulliver (2018), e o livro de crônicas "Gerd, der Trabi" (Gulliver, 2019). É torcedor da Portuguesa, daqueles de arquibancada, e quando fala de carros começa sempre por sua verdadeira paixão: os DKWs e Volkswagens de sua pequena coleção, além de outras coisinhas fabricadas no Leste Europeu. É com eles que roda pelas ruas de São Paulo e do Rio, para onde se mudou em junho de 2017. Nas pistas, pilotou de 2003 a 2008 o intrépido DKW #96, que tinha até fã-clube (o carro, não o piloto). Por fim, tem uma estranha obsessão por veículos soviéticos. “A Lada foi a melhor marca que já passou pelo Brasil”, garante. Por isso, trocou, nas pistas, o DKW por um Laika batizado pelos blogueiros de Meianov. O carrinho se aposentou temporariamente no início de 2015, dando o lugar a um moderníssimo Voyage 1989. Este, por sua vez, mudou de dono em 2019 para permitir a volta do Meianov à ativa no começo de 2020.
ASSINE O RSS

Categorias

Arquivos

TAGS MAIS USADAS

Facebook

DIÁRIO DO BLOG

dezembro 2020
D S T Q Q S S
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031