Erros, culpas, culpados, errados

SÃO PAULO (só para constar) – Minha opinião todos aqui já sabem, mas de qualquer forma segue o link da Warm Up de hoje, dando uma zerada no tema “Schumacher em Mônaco”.

Comentários

  • Eu sinto muito mas discordo de você, neste meio jornalístico, a pessoa tem que estar preparada para ouvir sugestões, reclamações e critícas, ainda mais com fundamentos.

    Todos sabem a tendência que o Flávio Gomes tem em relação ao Schumacher, não importando o que ele faça, sempre será justificada a atitute por este jornalista.

    o Flávi Gomes sendo um jornalista que escreve para o público, ele deveria aceitar estas críticas, não fazendo o uso da prerrogativa de estar em veículos de informação de massa e querer propagar a sua opinião mesmo ela sendo incoerente.

    O bom profissional nesta área ele deve ser imparcial, se o Schumacher errou, ele foi culpado e ponto final, foi público e notório, mas acontece que este jornalista Flávio Gomes quis desvirtuar as coisas, querendo justificar a atitude do Schumacher, chamando todos os brasileiros de hipócritas, sensacionalista e aproveitadores, dizendo que caso fosse um brasileiro que tomasse esta atitude todos nós estaríamos aplaudindo a atitude.

    O Flávio Gomes tem que entender que caso ele queira dar esas opiniões, que ele dê para os seus amigos em conversa informal, não usando estes meios de comunicações para impor estas afirmaçõe estúpidas.

    Não apoei a atitude de Senna em relação ao Prost, portanto, eu não sou hipócrita, sensacionalista e aproveitador como este jornalista está querendo me expor.

  • Carlos Roberto,

    O Controle de Tração pode (e deve) funcionar a partir do momento em que o carro anda, pois o que se espera de um CT é que ele não deixe patinar as rodas e procure fazer com que a potencia transmitida pelo motores via bengalas de transmissão, seja a mais uniforme e distribuída possível,assim sendo começa a funcionar a partir da Bandeirada de Largada e provavelmente o dispositivo de largada está inserido no Controle de Tração.

    abraço,

    Caíque.

  • Ele pode ter parado propositadamente.. mas suponhamos que não foi intencional e apenas e só para não ter 1 acidente. Neste caso, mais valia ter ido contra o muro.. assim já não era penalizado! Estas regras não estão lá muito bem definidas. LOL

  • Os comissários tinham prova sim, e a confirmação verbal do alemão que parou propositadamente, o que vai contra as regras.

    A telemetria deixou claro o que aconteceu depois do suposto erro do alemão. Se ele errou de propósito ou não, não importa, o que importa é que o que ele fez depois foi proposital, todos sabem que um F1 andando à 16 km/h é fácil de concertar.
    ALém disso, como visto na coluna do Reginaldo, a freada dele antes do erro aponta comportamento diferente em relação as suas antigas voltas.

    É como no futebol, eu dar um carrinho em alguém, e depois alegar que não tive a intenção.
    Lógico que ninguém vai provar o que se passou pela minha cabeça, mas isso não interfere no julgamento do ato em si.

  • Ao Caique,

    Obrigado pelas informações. Mais uma pergunta: Qual a diferença entre controle de largada e controle de tração? São sistemas complementares ou são independentes? Ou seja, o mesmo sistema que faz largar rápido, otimiza a tração nos momentos criticos?

    Abraços

    Abraços

  • Nunca ninguém vai saber a sua verdadeira intenção. Schumacher foi acusado sem provas! E cada um vê aquilo que quer ver. Quem gosta, defende, quem não gosta, critica. Sempre foi assim e sempre há-de ser! Se tivesse sido um piloto de menor estatuto, seria um grande erro mas no dia seguinte, já ninguém se lembrava. Agora com o heptacampeão mundial, nem pensar! Nem sequer se fala que deixaram uma decisão destas ao cargo de um comissário espanhol, de que não aceitaram as provas levadas pela Ferrari e todos sabemos que caso a FIA não o castigasse, seria condenada por todos em geral. Sempre se disse que ela defendia a Ferrari! Decisão difícil para eles.. Mas Schumacher mostrou que mesmo partindo de último consegue fazer uma grande corrida. Subiu 18 lugares.. claro que poderia ter ganho se não fosse aquele episódio. Resta esperar que tais cenas não se repitam!

  • Será que alguém vai ler este tópico? Em todo caso, quero dizer que me ocorreu que o personagem Dick Vigarista e seu fiel escudeiro Ross Brawn, digo Muttley, foram criados lá pelo final dos anos 60, início dos 70. Depois o personagem Dick Vigarista e seu fiel escudeiro Muttley foram inseridos na tal Corrida Maluca, em que vários personagens de outros desenhos participavam. Alguém reparou que o personagem Dick Vigarista existia há tantos anos e nunca ninguém havia sido associado de forma tão categórica a um piloto? Não sei em relação aos outros, mas alguém já tinha conhecimento de outro piloto que tivesse recebido este apelido carinhoso? A coisa foi pesada. Comentaristas e jornalistas que mantinham uma certa sobriedade com relação a esta história de Dick Vigarista não perdoaram. Como já disse, uma esmagadora minoria se colocou em defesa do alemão. Muitos apelando para a Lei de Gerson, cérrrto?

  • Pior que é verdade, o Schummi sempre que seu viu ameaçado utilizou os meios mais sujos para conseguir se sobressair, mas como já falaram aqui ninguém é santinho na F1, Senna e Prost também já fizeram das suas. São comportamentos lamentáveis e anti- esportivos e nada justifica tais atitudes , nem usar o mau exemplo de outros campeões. A punição é o caminho. E o choro fica para as viúvas .

  • “A história mostra, o alemão deu blecaute todas as vezes que vivenciou duas situações: 1) um carro ligeiramente inferior e 2) as chances de título escorrendo entre os dedos. Foi assim em Macau-90, ainda na F-3, jogando Hakkinen nos pneus. Foi assim em Adelaide-94, em Jerez-97, em Mônaco-seis dias atrás. Schumacher é esse homem, sempre foi. Genial, talentoso, determinado, maníaco por vitórias. Mas dono de um ponto fraco vexaminoso. Polêmico. E capaz de gerar saudades até naqueles que hoje o detestam. Duvida? Espere o ano que vem.”

    ———————————————–

    Ótimo comentário ! O que me assusta é existir gente competente que não perceba isso. O mundo esportivo já caminha nessa direção !

  • FÁBIO SEIXAS

    Blecaute
    Não se pode ignorar o que Schumacher tem a dizer, assim como é errado afirmar que ele foi punido sem provas

    NICE, FRANÇA, segunda-feira. Um café expresso, o principal jornal esportivo italiano e o mais bem-acabado diário inglês. Primeiro, a “Gazzetta dello Sport”. Nas páginas rosas, manchete para o escândalo no futebol, destaque para o fim da Volta da Itália, chamada para a F-1: “Alonso rei, Schumi show”. E um artigo, “Fórmula suspeita”, assinado por Umberto Zapelloni, velho colega de paddocks por aí. E que, por sinal, não esteve em Mônaco. Para ele, Schumacher foi “condenado sem provas”. Escreve que “no direito, em caso de dúvida, o réu é absolvido; na F-1, é condenado, naturalmente com a pena máxima”. Brada que não se pode punir ninguém por “achar que cometeu propositalmente um delito ” e que o caso pode abrir um precedente grave. Um gole no café e o “Guardian”. Foto do papa em Auschwitz, o número atualizado das mortes em Java, a nota curiosa sobre um alpinista australiano tido como morto no Everest e encontrado dias depois, sem camisa, delirando. Acreditava estar num navio. Dentro, um longo artigo, “Schumacher mostra sua habilidade suprema, mas a mancha é indelével”. O autor, Richard Wil-liams. Que, sim, foi ao principado. O inglês classifica a manobra no treino de sábado de “a mais espalhafatosa trapaça já cometida por um esportista desse porte”. Mas logo volta atrás e aponta, sim, um paralelo. “Foi como ver aquele desesperado Tyson arrancar com os dentes um pedaço da orelha de Holyfield”. Traduzido em papel e tinta, era esse o cenário na sala de imprensa, no sábado, durante as sete horas e meia de investigações. Italianos atônitos, ingleses sentindo cheiro de sangue. A certa altura, 22h30, por aí, Schumacher resolve falar. Aviso um inglês. “Não me interessa o que esse pulha tem a dizer”, retruca. Mais tarde, punição anunciada, mesa de jantar com 15 italianos. Todos silenciosos. Comem, bebem, vão embora. Refletidas até nos instintos de quem deveria se manter imparcial, a imprensa, foram essas as reações de quem tem todo o direito de ser parcial, o público. Uma encruzilhada de amor ou ódio, de defesa ou ataque. Para esta coluna, há excessos dos dois lados. Não se pode ignorar o que Schumacher tem a explicar, assim como não se pode afirmar que ele foi condenado sem provas. É leviano acusá-lo de trapaceiro, como é inadequado colocá-lo num pedestal. A história mostra, o alemão deu blecaute todas as vezes que vivenciou duas situações: 1) um carro ligeiramente inferior e 2) as chances de título escorrendo entre os dedos. Foi assim em Macau-90, ainda na F-3, jogando Hakkinen nos pneus. Foi assim em Adelaide-94, em Jerez-97, em Mônaco-seis dias atrás. Schumacher é esse homem, sempre foi. Genial, talentoso, determinado, maníaco por vitórias. Mas dono de um ponto fraco vexaminoso. Polêmico. E capaz de gerar saudades até naqueles que hoje o detestam. Duvida? Espere o ano que vem.

  • Ok FG… Os comissários que analizaram todos os vídeos disponívieis e a telemetria do carro do MS por não sei quantas horas, interrogaram o piloto, chefe de equipe, mecânico, fachineiro e erraram!!!
    Nenhum deles entende nada…
    Fazer o q né… Opinião cada um tem a sua…
    T+

  • Carlos Roberto,

    O nome do MESTRE dos controles de tração na F1, desde os tempos da Benneton e hoje está na Renault com o MONGE da PUREZA Ching Ling Briatore é TAD CZÁSPIK , Engº Polonês. Por isso DOM ALONSO larga tão bem.

  • Para o Carlos Roberto,

    O engenheiro que desenvolveu o Controle de tração nunca trabalhou na Ferrari. Ele tem um nome esquisito pacas e é polonês…adivinha em que equipe ele está? RENAULT com o MONGE Ching Ling Briatore, o PURO. Se tens dúvidas, vá até o site GP Total e acesse as ferramentas de busca e achará o nome e a equipe em que trabalha. O Ross Brown é o Eng. de Campo e o Byrne era o Projetista, aliás todos dois muito bons. Se juntarem mais o Polones e o Adrian Newey, pode botar quem quiser nas outras equipes, que eu serei mais o Ricardo Rosset se ele for o piloto destes caras.

  • Não se esqueçam que aquele staff da Benetton de 1994/1995 foi integralmente “CHUPADO” pelo Schumacher quando ele foi pra Ferrari. Lembram-se do controle de largada? Aquele sistema automático que funcionava ao apagar das luzes vermelhas? As outras equipes e a FIA, nunca conseguiram provar nada. Sempre li em diversas publicações especializadas, que o trio Byrne/Brown/Schumacher levou essas e outras maracutaias pra Ferrari. Falar que outros pilotos são vigaristas? Tudo bem. Mas com o Schumacher o negócio é totalmente institucionalizado. E eu continuarei aqui, lendo e aprendendo com os senhores

    Abraços

  • Aproveitando as descabidas comparações feita pelo bravo defensor Flavio Gomes, imaginemos Ayrton Senna fazendo isso: o próprio FG estaria CRUCIFICANDO o brasileiro !
    Não tem jeiro, a grande maioria dos profissionais consultados condenaram a atitude do alemão. Quer dizer que todos fizeram isso por detestar o alemão ?! Conta outra ! Jornais ALEMÃES esculhambaram Schumacher ! Teoria da conspiração ? Perseguição contra a família Schumacher ? …. rs ….

  • Vou repetir: O Flávio não está defendendo o Schumacher, ele está defendendo a si próprio, pois um dia elogiou o caráter do alemão e agora não consegue dar o braço a torcer.

    Sinceramente, dizer que o carro “escapou de traseira” e ele não conseguiu corrigir a 16km/h é querer fazer os outros de palhaço.

    Defendia até aquele momento a permanencia do alemão na F1. Agora gostaria que ele fosse expulso, antes da próxima. Não sou otário para ser feito de idiota assim, na minha humilde posição de espectador.

    E sinceramente, se o Alonso, o Massa, ou outro qualquer tivesse feito isso, no momento que defende a pole e o maior rival vem atrás, seria igualmente criticado, ao contrário das especulações de “perseguição” ao Schumacher que o FG defendeu.

    E dizer que ele não seria idiota para fazer tal manobra tão óbvia é um argumento que mostra em fato que a manobra foi óbvia, e as velocidades e situações envolvidas não deixam dúvidas.
    Se foi idiota fazer isso na frente das câmeras, foi pela rapidez da decisão, não defende o alemão.

    Por fim, vamos com calma, julgar daquele jeitos genericamente, dando voz aos demais que não concordam consigo é péssimo.

    Adoro o GrandePrêmio, o blig, etc, mas a coluna “Warmup” anda de mal a pior, devido aos arroubos de opinião.

    Flávio, em cima do que o alemão fez não há espaços para dúvida de ninguém que faça uma análise racional, e não passional, do caso. Não só não conseguiu convencer ninguém, como não convenceu a si próprio.

  • Na verdade o Schumacher se deu bem… ele devia ter perdido os tempos só da 3a sessão e largado em 10o, pra fazer 2 paradas.

    Chegaria atrás do Fisichella…

    Ninguém vai comentar a maneira vergonhosa com que o Massinha deixou o alemão passar entre a curva do Cassino e a Mirabeau???

    Ah, se fosse o Rubinho…

  • Aquele “É AMIGO…” é em referencia ao Galvão Bueno?

    Acho que corrida sem a narração do Galvão não é legal. Não que eu goste dele, mas depois de 12 anos assistindo F1 na globo fiquei condicionado.

    Este Behaviorismo funciona mesmo.

  • Sr Flavio Gomes, respeito suas opiniões porém notei alguns pontos controversos em algumas de suas observações anteriores

    Primeiro – o Sr. disse que é perfeitamente normal alguém errar na Rascasse como errou o Schumacher, o que eu concordo, mas completou logo em seguida dizendo que o o Alonso não foi atrapalhado naquela curva em que ele fazia a sua volta mais rápida, mesmo com o Schumacher parado alí no meio dela, ou seja num esporte onde os milésimos de segundos podem fazer a diferença entre uma vitória ou uma pole position só o susto visual e uma pequena tirada de pé ou retardada na retomada da aceleração já seria suficiente para ser atrapalhado nesta volta

    Segundo. Voce disse que só quem estava dentro do capacete do Schumacher poderia saber se ele foi ou não mal intencionado, o que eu concordo , porém da mesma forma só que estava dentro do capacete do Alonso poderia ter a certeza se ele foi ou não atrapalhado.

    Julgaram e puniram o Schumacher baseado em um fato. A hipotética boa ou má fé dele não é o que importa nesta punição

    É assim que eu enxergo.
    Meus cumprimentos pelo seu blig e +brilhante trabalho como jornalista esportivo.

    Segundo_ Voce diz que que só o

  • Independente de ter sido proposital ou não, como alguém já disse aí, não tem Santo na F1. Lembro do Senna andando devagarinho na Lotus pra ninguém alcançar o tempo dele. Tb foi punido, mas não houve essa profusão de canalha, Dick Vigarista etc. Aliás, pegando o retrospecto das carreiras, Prost, Senna e Schmacher fizeram em momentos diferentes as mesmas coisas. Um é professor, outro Santo e outro canalha.

  • O alemão foi punido como qualquer outro deveria ser. Se ele teve má fé ou não pouco importa. Isso ele guarda com ele. A punição foi porque ele prejudicou um colega. O Japa da Super Aguri não foi banido da F1 por barbeiragem ? O Schumacher teve seu dia de japa e de Super Aguri. Ele tem mais é que aguentar as consequências da sua barbeiragem.
    Ninguém é perfeito e todos podem errar, mas os erros devem ser punidos. até mesmo o Schumaccher
    é simples.