FD01, FD04

SÃO PAULO (quem me dera ao menos uma vez) – Filipe W, o Misterioso, descobriu dois vídeos sobre uma história que merece nossas homenagens. A história da Copersucar, ou da equipe Fittipaldi, ao gosto do freguês.

No primeiro, a restauração do FD04 pela Dana, trabalho concluído neste ano. No segundo, a epopéia da reconstrução do FD01, este até já andou de novo.

Anos atrás meio que encontrei o FD01 jogado numa oficina em Interlagos. Fiz uma grande matéria para o Lance! e para os jornais para quem escrevo. Meio que acho que a restauração teve algo a ver com aquela descoberta. Meio que gosto de acreditar nisso.

Comentários

  • Lembro até hoje a sensação que tive ao ver o FD01, num anúncio da Goodyear: foi de puro deslumbramento. Meus Deus, eu pensava, um carro de F1 pode ser bonito assim, baixinho assim, aerodinâmico assim, e ainda por cima ser côr de alumínio, e com aquelas faixas verde-amarelas-azuis ajudando a completar um beija-flor estilizado. Os outros carros não eram assim. Claro, havia o Shadow DN5, derivado do maravilhoso DN3,
    por sua vez um desenvolvimento do não menos bonito DN1, mas não era exatamente um FD01. Não tinha aquele cheiro de coisa nova, quase como quando lançaram a Lotus 72 e os carros de 1970, mesmo os novos,
    ficaram imediatamente velhos, como
    se o tempo tivesse passado rápido demais para eles. O FD01 era uma lufada de ar fresco e – imaginem só –
    vinha lá do Brasil, aquele lugar de
    índios e cobras nas ruas. E o FD01 rodou na 13ª volta do GP da Argentina de 1975, na famigerada curva Umbu, pegou fogo e nunca mais se soube dele. Depois veio o FD02, que ainda conservava uma certa pureza, um certo DNA do FD01, correu em Interlagos (eu vi, meninos), correu na Africa e virou o
    FD03, o irmão (muito) feio. No ano seguinte olha eu de novo levando um susto, e duplo: o FD04 – e pilotado pelo Emerson. Era lindo. Não lindo como o FD01, que aí já é pedir demais, mas lindo como os mais lindos carros da época. E eu vi, meninos, correr em 76 no Brasil com um sobrebico à maneira dos Hesketch.
    E, engraçado, em 1977 ele virou amarelo e perdeu a graça.
    Na sequência veio o desastre do F5, o arranjo que deu no F5A – 2º lugar no Rio, eu vi meninos – fazia um calor de fritar ovo. Depois, outro susto, o F6. Quase tão bonito quanto o FD01, e também um fracasso, que quase me levou a pensar na hipótese de que Copersucar bonito não andava. Veio o F6A, e de repente tudo acabou.
    Se existe alguma coisa que verdadeiramente eu sinto, mas entendo, é o fato de não terem pintado “Copersucar” no carro. Claro, a homenagem de pintar “Fittipaldi” é pra lá de justa, são dois
    heróis brasileiros, Wilsinho e Emerson, mas…cadê o “meu” Copersucar de 30 anos atrás?
    Trinta anos depois, eu velhinho, ele novinho, vejo o FD01 correr no site da Dana. Me deu a impressão de ser
    digitalizado, um game para computador, como se o meu passado tivesse sido remasterizado. Porém ainda lindo, como nos velhos, e bota velho nisso, tempos.

  • Caro caíque..

    acho que o importante de tudo, por mais que tenhamos visões diferentes de um mesmo contexto, é que conversamos aqui de modo civilizado e educado, não partindo pra livre-agressão.

    Respeito muito tua cultura automobilistica ( varias mostras aqui no blig).

    vamos conversando!

    Forte Abraço.

  • Caro Thiago,

    A ansia pelo sucesso do Emerson é uma coisa, agora a ansia por detonar a Fittipaldi, com certeza não partiu da *esquerda* ou socialistas, isto eu tenho certeza e eu as vezes converso com o Lemyr sobre um projeto que tenho de Livro. Em 75 o Presidente era o Geisel e a abertura política se iniciou em finds de 78 e os exilados começaram a chegar de volta em 79/80 . A Skol assumiu o Patrocínio da Fittipáldi em 1980 e o PT surgiu em 198. Até 1980 só existiam dois partidos: MDB e ARENA e a esquerda era super mixuruca para aquela época. Por isso tenho na lembrança aMidia chamando o Copersucar de *Tartarugar*, *Açucareiro* e *Caterpilar* entre outros nomes, sempre numa transmissão de Futebol. Quanto ao Jô, me lembro também dele no *Viva o Gordo* sacaneando o Emerson, fazendo uma imitação da voz dele (Eu RRRecomêiiindo, alguém se lembra?) e também sacaneando o Rato e o Irmão.

  • Caíque..

    Me da só uns dias que eu vou reler alguns trechos do livro do Lemyr Martins, sobre os Fittipaldi, que eu posto aqui.
    Não acho que houve um complô, claro, explícito.
    O que eu acho, é que existiu sim, uma ânsia de todos quererem associar o Emerson com o projeto de Brasil-Grande, juntamente com o tri de 70. Isso no começo dos anos 1970…
    depois da copersucar, ( no livro do lemyr, fala como foi conseguido o patrocinio da copersucar, em detalhes),ficou fácil chutarem nos irmãos….

    Jô Soares fazendo chacota nos humorísticos da Globo também te diz alguma coisa né….

    Enfim, deixa eu reler o livro do Lemyr, q daqui uns dias eu refresco a memória….

    Forte Abraço.

  • Aí Caique… falou tudo como quem viu, viveu e torceu. Tirando os erros estrategicos, os carros F1 dos Fitti tinham um que de modernidade e evolução aerodinamica nas linhas que não se viam nos outros concorrentes, basta comparar o lindo F6 com outros, pena que foi problematico demais, o F8 que tbem não andava nada, coloque ele lado a lado com JS Ligier Matra do lafitte por exemplo,em 1980, o JS era horrorendo, mas era vencedor e tinha o motorzão MATRA né, Laffite quase levou o titulo ano seguinte, então nem sempre carro bonito vence e vice versa, mas os FITTI tinham “ar’ modernos, pra epoca; infelismente os motores não acompanhavam, e quem metia o pau na Equipe jamais teve compreensão real de um projeto ‘nacional ‘ de F1 naqueles tempos, os FITTI estavam a frente de sua epoca num ainda obscuro pais de terceiro mundo, grande e ignorante culturalmente (Raras exceções) falando, onde a linguagem pertinente era a do Futebol, fuzo por sinal, pois o tetra só veio em 94, 24 anos depois, neste intervalo vencemos 06 campeonatos mundiais de F1, mas a visão provianciana , idiota e pastelão reinava nas midias locais e fizeram de tudo pra denegrir a imagem dos Irmãos Fittipaldi que lutaram muito para construir e vencer num mundo de alto nivel, e apesar de tudo não fizeram feio, estes sonhadores, idealizadores e vencedores merecem nosso respeito e gratidão. Tenho orgulho do nome FITTIPALDI F1, sinônimo de coragem, vitória e gloria. valeu.

  • Thiago,
    Outra coisa e a mais importante: Quem detonou os Fittipaldi foi a mídia futebolesca que nos anos 70 era muito mais forte do que você pode pensar. Se voce acha que esta ano a Globo exagerou, você não imagina os repórteres esportivos que em 99% dos casos só conheciam FUTEBOL. Etes caras foram os que mais detonaram a Fitti F1. Numa transmissão de Futebol onde se dava o resultado da F1, os caras desciam a ripa, sacaneando geral, pena que você não ouviu isto.

  • Thiago,

    Gostaria de saber de onde vem a sua teoria sobre a queda da Fitti F1. O que realmente aconteceu foram erros de Estratégia: a) ao quererem montar a fábrica aqui e ter em Londres uma mini-fábrica; b) depois da saída do Divila, os Projetistasz erraram a mão, foi assim com o Baldwin e o outro que agora me foge o nome (Belammy???); c) depois da compra da Wolf e sua equipe técnica (incluindo o Projetista Posttlewaith) a Fitti fechou um belo patrocínio com a Skol por um período de 2 anos prorrogáveis por mais um; d) desta maneira passaram a contar com dois pilotos Keke Rosberg e Emerson ; e) Depois a Skol avisou que estaria saindo da F1 por que estava sendo vendida para a Brahma e os Fittipaldis, aí sim, entraram em parafuso, pois tinham contas a pagar e o dinheiro tinha acabado. Foi isso que aconteceu. Por favor para com essa babaquice de levar para os lados políticos porque de 74 a 81 vivíamos numa Ditadura e se alguém ousasse falar o que você escreveu, tava preso, além disso nem o Lula tinha ainda iniciado as greves no ABC. É simples…é História do Brasil também no automobilismo.

  • Muito FDP que enfiou areia dentro do tanque dos Copersucar-Fittipaldi, foi gente que queria respirar ares mais socialistas, gente muito boa, da esquerda-esportista-intelectualóide-de-mierda, que via no Copersucar um projeto de propaganda ( e de dinheiro) do governo à época. Afinal, associaram o Emerson ao projeto de Brasil-Grande do saudoso Médici no começo dos anos 70.
    Portanto, toooda essa gente boa aí que metia o pau no Emerson e Wilsinho, tinha um viés de quem queria esculhambar com os caras, que tinham apoio oficial.

    Tenho nojo dessa gente que tem esses vieses socialistas, até mesmo dentro da esfera esportiva.

    30 anos depois percebemos que fizeram uma K-Gada enorme detonando os irmãos.

    Quero ver algum abilio diniz da vida construir um Formula 1 hoje, no peito e na raça!

  • O Caíque falou lá embaixo que a Matra é hour concurs. Eu não posso ler isso e ficar calado, afinal não é todo dia que se houve esse nome Matra. Eu assino embaixo, também acho a Matra, não só o carro como o barulho, o mais bonito que ouvi , desde sempre, na F1. Acho também o Eagle Weslake um dos F1 mais bonitos de todos os tempos, assim como o UOP Shadow, a Ferrari 312T , o Mclaren M23, a Brabham BMW do Piquet e a primeira Jordan verde 7up, lindíssima!

  • O monocoque do FD01 ficou anos jogado na oficina do Darcy, porque rolavam umas demandas, por contas em aberto da equipe.
    Mas o trem traseiro estava bem guardado ! Hehehehh…
    Um advogado do interior de SP chegou a conseguir o arresto de um dos carros, e que me foi oferecido.
    Mas nunca mais ouvi falar dele !
    Outros que ficaram pela Europa tiveram relativo sucesso na Boss Series.

  • Sobre o F9 ,dificil dizer, a equipe já tava sem grana e ai fica dificil,acho que nunca saberemos até que ponto o carro poderia ir.
    Quanto ao site o F7,F8 e F9 vc vai achar pelo nome Fittpald lá no site,como é o caso dos Arrows e Footwork.

  • Grande JONNY’Ó, arrebentou ! Vou me deliciar. Sobre o F9, o que vç deduz do carro ? lembrava um pouco o Williams da epoca, já li por ai que até a Ferrari copiou ideias, como a frente (Bico) e asas do F9, aquele carro com um motor mais forte e melhor desenvolvimento, não ia vencer! mas uns pontos aqui outro ali, quem sabe o podio, podia ser, podia … Valeu.

  • Quem projetou o F5, que depois virou F5A, eu disse em outro post que foi o Ralph Belamy, alquem confirma? ou seria o Harvey postlewayt (é assm q se escreve), a verdade éque o projeto era ousado, audacioso, sobrava grana no caixa, eu mesmo vendo uma bela seção de fotos do carro na revista Manchete pensei: vai ser esse… não foi, passamos perto no RIO com o 2º do Emmo, depois os resultados sumiram . Alguem tira minha duvida sobre o criador do F5(A), pra mim, da época dos COPERSUCAR, o mais belo de todos. Lá na frente,(82) o F9 que prometia ser a redenção do team, chegou tarde demais, dois ou mais anos de retardo no projeto mataram de vez a equipe, soma-se a isto o patrocinio que já não era a fartura da Copersucar e Skol, ai foi o fim triste e melancolico. Lembro bem em LAS VEGAS (81) última gp do ano, N.PIQUET com a mão na taça era o contraste com o semblante do EMERSON, o KEKE ROSBERG, já de malas prontas pra WILLIAMS escondia um misto de decepção e alegria, CHICO SERRA, despontava como uma promessa, o que se viu foram varios fracassos na classificação do grid, era terrivel ver o Chico sofrer tanto pra entrar no grid, e, lá atras, na rabeira mesmo, o carro todo branquinho era de dar dó,eu ficava na expectativa pro proximo GP, só na expectativa, ainda ssim valeu Emerson. Podiamos falar mais da Equipe FITTIPALDI e sua epopeia, vale a pena. By

  • Acho que o unico dos Fittipald que nunca vai voltar é o F6 original, ele foi todo modificado na époco para virar o F6A ,que também não fez muita coisa .Mas se o F6 (que não existe mais ) foi um fracasso ,com certeza foi o carro de F1 mais bonito da historia.

  • Caro Caique

    Ah, se eu tivesse uns tostões (quantos???)… Aquele carro era (é) belíssimo e demonstra o quanto o sonho dos Fittipaldi era viável. O Brasil não mereceu a equipe que teve. Como disse o Juca Kfouri ao comentar o email que recebeu na ESPN, se o Zico não ganhou uma Copa, azar da Copa. Mutatis mutandis, se a equipe dos brasileiros não deu em nada, azar o nosso.

  • Romeu, Claudio e Matuzas amigos,

    Me lembro bem da estréia do Emerson na Copersucar, em 76. Fez o 5º tempo de Grid e todo mundo esperava que ele chegasse lá na 1ª corrida. Quando a Quadriculada baixou (talvez a moçada mais nova não saiba, mas até início da décad de 80, a largada era dada através de Bandeirada e em cada país a bandeira de largada tinha as cores nacionais, sendo a daqui um quadriculado verde e amarelo . A de chegada é a convencional) ele arrancou bem, o que não era seu padrão, mas quando chegou na curva 1 começou a ficar e no retão já estava lá pelo 14º, foi uma ducha de gelo na arquibancada. Lamentavelmente teve que abandonar…ano passado li uma entrevista do Divilla dizendo que o problema foi um parafuso ou arruela de alumínio, nada além disso. Na segunda-feira quando peguei o Jornal do Brasil, fui direto ler o caderno de esportes, meu pai tava enchendo o saco por causa da quebra do Copersucar e dizendo que não sabia como eu tinha saco para ir na sexta, chegar em casa lá prá meia-noite e estar as 6:00 lendo sobrea corrida. Realmente naquele dia eu estava me abastecendo de ojeriza ao Sr. Fernando Calazans (seu companheiro de ESPN Flávio, um Rubro-negro que acha que futebol pode ser tratado como algo intelectual), o que o Fernando que não sabe nem o que é um volante estava falando sobre o FRACASSO do Carro me encheu a tal ponto que resolvi escrever para ele diretamente pedindo que ele se contentasse em comentar as peladas do Maracanã, pois nem de bicicleta ele tinha condições de
    falar. A pancada que levou foi tão forte que me respondeu via coluna, dizendo que tinha gente irritada porque ele tinha dito que o Emerson foi um fracasso. Hoje, 30 anos depois, posso dizer sem medo que profissionais como ele, e em quantidade razoável, foram os responsáveis pelas brincadeiras de mau gosto que se ouvia na época. Hoje, eles têm que ficar calados, pois como disse o Paulo,Scaglione, temos 8 títulos sem receber nada do COB e ainda tem prefeito/corretor de imóveis doido para acabar de vez com tudo, pelo menos aqui no Rio.

  • Ser fã, não é ser suspeito, é ser loucamente apaixonado quando se
    toca no assunto. Lembro-me do teste do Emmo na apresentação da Mclaren em 73, ele escreveu na tomada de ar após pilotá-la: Little Jewell (Joinha). Deveria ter escrito nos FD : Great Rare Jewell (Joiona Rara)

  • Cláudio
    Ai pessoal da Juventude Senna, essa historia a gente não conhecia, bom saber Cláudio, imprensa é isso ai, elege presidente e afunda vencedores, já disse e digo de novo, Flavio, P.u.t.a responsabilidade que você tem meu amigo, fala um Azinho meio torto você acaba com a carreira de um esportista, temos visto isso com o Gordinho Ronaldo, não é?

  • Salve Ceregatti!
    Você falou tudo, foi brilhante.
    Só acrescentando que alem da imprensa (parte dela), o povinho brasileiro entrou na onda, e como tambem não entendia nada, embarcou nas cobranças, pessimismo, chacota, e piadas de gosto duvidoso.
    O que você comentou da Ferrari, se fosse aqui na nossa terrinha, talvez tambem não aguentasse a pressão.
    E quero lembrar tambem de alguem que junto com os Fitti, foi desmoralizado, injustiçado estuprado moralmente.
    O grande Ricaro Divilla, que tambem deu a volta por cima.
    Hoje mora no Japão onde é respeitadíssimo trabalhando na Equipe Nissan, tendo sido vitorioso em varias competições, inclusive Le Mans e é parte importante no desenvolvimento do modelo 350 Z.
    O cara sabe tudo.

  • Sem ser puxa-saco, aqui vai minha opinião, nada modesta:
    Estou convencido de que o responsável, o cara que acendeu o estopim da restauração foi o FG, e fim.
    Foi o cara que deu o primeiro passo. E não tem esse negócio de “meio isso, meio aquilo” que ele postou.
    Foi sim o cara que achou, que levantou a lebre, que publicou – o tal “Indiana Gomes”. E isso tem um pusta mérito !!!
    Alem disso, ironicamente contribuiu para que se fechasse o círculo do drama “Imprensa versus Fittipaldi”.
    Vivi esses dias, e por muito pouco não trabalhei na Fittipaldi Empreendimentos (um dia conto essa história).
    Quem DESTRUIU o sonho do F1 brasileiro foi a Imprensa.
    Erros se cometem, claro.
    A tradicionalíssima Ferrari ficou 20 anos sem título, mas permaneceu de pé.
    Quem jogou a pá de cal, e demoliu o sonho ainda no início, e até a possibilidade da busca de patrocinadores (por ser tachado de ridículo) foi a imprensa.
    Quase toda ele. Aquela parte que o Piquet não suporta até hoje, os imbecis que não entendem nada e acham alguma coisa.
    O homem que trouxe a F1 para perto de nós, que foi duas vezes campeão e duas vezes vice, o homem que empenhou seu próprio nome nessa empreitada (e não aventura) foi ridicularizado por todos.
    Foi triste e revoltante.
    Amplificaram desmesuradamente a realidade. Ninguem viu os diferenciais, os méritos, as iniciativas.
    Só se publicavam os problemas, os defeitos, os erros.
    No lugar de apoio e entendimento, piadas de gosto duvidoso. Eram vistos como idiotas sonhadores, e estavam muitíssimo além disso…
    No fim, a família gastou quase tudo que havia amealhado, o Emerson foi andar de Superkart e depois re-começar e se re-consagrar nos EUA.
    Lá ele é ídolo, tem nome de rua, é admirado. Aqui, foi escorraçado.
    É uma longa e triste história, e o FG tem o mérito da parte boa, do resgate e da volta desses carros.
    Ainda falta escrever essa história, de forma desapaixonada.
    O Brasil jogou fora um bilhete premiado.
    Nenhuma novidade, somos especialistas em fazer as escolhas erradas.

  • A História da COPERSUCAR FITTIPALDI é regada a milhões de dolares,adrenalina,amor,lagrimas,astucia,coragem, nobreza, é pura paixão pra quem nasceu com gasolina nas veias e fez disso sua vida, sua Historia, Historia de Campeão, alias, mais que campeão.Inesquecivel.

  • Os Fittipaldi´s F1 têm uma coisa que somente eles podem ser realmente diferenciados: Em 56 anos de Campeonatos, apenas os FD01/02/04/ 05 e 06 tiveram seus chassis fabricados fora da Europa, nem o Eagle, o Maki, o Penske e outras marcas foram fabricados fora de França, Reino Unido, Itália, Alemanha e Suiça. Pena que na época a Imprensa não deu destaque para isso (também só se pensava e ainda só se pensa em futebol), pelo contrário, a Imprensa descia a Ripa nos Fittipaldi chamando-os de Açucareiros, Caterpilar, entre outras bobagens.

    Quanto ao FD-01, prá mim o mais bonito F1 feito até hoje, junto com a Lotus 49, também belíssima. A MATRA não entra no meu concurso porque a considero *Hor Concour* (é assim que se escreve?).

  • Gomes, eu não tenho dúvidas que o resgate e a restauração dos “FD’s” tem a ver com a tua descoberta…lembro ter ficado apavorado e muito, muito triste ao ver o destino dos fórmula 1 brasileiros…Acho que foi uma grande colaboração que tu deu ao automobilismo nacional, e eu agradeço a ti por ter feito aquela matéria…

  • Apenas um comentário… já que a Dana fez um vídeo, poderiam ter filmado toda a recuperação do carro e feito uma espécie de documentário, contando a sua história, a reforma e o retorno as pista com o Emmo pilotando novamente o carro em interlagos…