Ingo, 300

SÃO PAULO (andou de tudo) – Ingo Hoffmann completa domingo, em seu Interlagos, a 300ª participação em uma corrida de Stock Car. O Alemão ganhou 25 vezes em Interlagos e venceu 74 provas na categoria, informa a incansável Meg Cotrim. Fez ainda 48 segundos lugares, 33 terceiros, 60 poles e 54 melhores voltas.

A estréia nas corridas aconteceu em 1972 de Fuscão. Esse 22 aí da foto. Ingo largou em 47º (o grid era por sorteio) e chegou em sétimo.

Parabéns ao Alemão, uma lenda viva.

Comentários

  • Oi Cláudio !
    Putz ! Opala 84 ? Não lembro disto !!!
    Bem…já não lembro nem o que comi no almôço ontem…e nem hoje…
    Hehehehhh…
    O PV foi grande companheiro !
    O melhor da festa era no domingo a noite !
    Depois das corridas, a casa dele e da Gigi (outra saudade…) era o ponto de encontro – Era dalí que saíamos para jantar !
    A grande me-rda de relembrar estas épocas, é constatar que uma parte da patota já não está mais entre a gente !
    Dá-lhe Cacó (Quartim de Moraes), onde quer que vc esteja !

    Não tenho fotos de nada ! Não curtia !
    As poucas que ganhava, distribuia entre os filhos dos amigos.
    Hoje me arrependo !
    E agora ? Não tem mais jeito.
    Será que o Pé-Frio ainda respira ???
    Ou o Sidney ?
    A história do automobilismo está nas gavetas deles !

    Não vejo o PV há mais de 20 anos ! Só tive notícias pela irmã Gisela.
    Bird, há uns trocentos anos.
    O Omelete, não vejo desde que ele caiu do telhado ! A estória é cômica !
    Encontrava o Peroba em Jarinu.
    E ainda vejo o Anísio de vez em quando.

    Não poderei encontrar com vcs no dia 15 !
    Infelizmente ainda vou estar longe.
    Mas vcs não perdem por esperar !
    Quando der, aparecerei com novidades !

    Abraços !!!!

  • Cláudio !
    Concordo com você !!!!
    Esta foto é prova cabal e irrefutável !
    A D1 era a categoria mais divertida e barata do automobilismo brasileiro.
    Além do Ingo, andavam por lá os amigos Pimentinha, Brasolin, Manduca, Júlio Caio, Luiz André, Lovecchio, Teleco, Heitor, Beto Mansur, Josil, Hiroshi, Fannuchi, Mogames, Jean Dufaux, Formigão, Lara Campos, Lofti, Elvio, Jotta, NeyFradinho. E até eu…

  • Ai GOMES, honra a foto que o CAIQUE te enviou e posta ai pra gente matar a saudade, valeu caique. Aquele F5A que o Ralph Bellamy (Creio que foi ele) projetou era lindo, pena que não deslanchou,(não me lembro o ano exato) eu ficava babando nas fotos, as linhas aerodinamicas era de dar inveja na concorrencia, um avanço digno das LOTUS e do genio Colin Chapman ,sem contar o designer das cores.Snif, snif … Gracias

  • Grandes PAblo ( o cara é grande mesmo, parace espanador da lua) e Claudião , concordo com tudo o que vocês disseram. Até acho que poderia começar de jeito mais simples , assim : porque não fazer como Nurburgring e cobrar pro cabra dar uma volta ? Acontece que tem um lobby nojento das seguradoras que vetaram a idéia. Acho que foi o Edgard Mfilho que contou. Até a promotoria da cidadania se meteu, eles queriam um atendimento tipo FOCA, com mercedes de resgate e tudo o mais.
    Concordo que só sendo teimoso conseguiremos algo. abraços

  • Em primeiro lugar o Gomes poderia abrir um novo post para esse assunto que tá pegando fogo(um bom fogo).
    Em segundo lugar o Claudio Ceregatti ,acho,falou tudo.
    O que neste mundo é mais perigoso que vôo livre?

  • Queria saber me expressar só 10% do que sabe o Ceregatti…

    Se o autódromo liberasse aos blogueiros uma volta de carro na pista, já é um excelente começo!! Tem gente que depois de uma experiência dessa nunca mais sai do autódromo… Corrida de velotrol e tá lá o carinha sentado assistindo.

  • Escrevo depois de ler o post do Pablo:
    Sabe com o é o resumo da bagaça?
    Categoria multimarca, qualquer carro, qualquer ano, em bom estado, acessível a qualquer um, só carro original, como era antes.
    Leiam o livro do Paulo Scali “Interlagos”… Tem foto de cara correndo de conversível e chapéuzinho na cabeça… Prova feminina com a mãe do Emerson e a esposa do Bird Clemente… Corrida de gasogenio… Corrida de Romi-Isetta… Corrida com o circuito invertido… Corrida de moto sem macação… Nada de santantonio, nada de segurança…
    É simples: Bateu, amassou, estragou, machucou… E daí, cara-pálida? É carro de corrida, caramba…
    TODOS NÓS somos testemunhas de barbaridades no transito, em qualquer cidade desse país. A garotada acelera onde não pode., se mata e leva inocentes em seus carros ou nas ruas..
    Porque não libera o circuito de forma controlada, e deixa a molecada ser feliz?
    Eu fui feliz, o Ingo, o Guaraná, o Hisgué e centenas de pilotos que começaram assim…
    De repente, pára tudo e vem esa babaquice tutelada, só a molecada que tem muito andando de kart…
    E nós, meninos grandes, babando na gravata, cheios de vontade de acelerar e sem poder…
    Tem que permitir ao gajo dizer pro pai que vai namorar no Domingo de manhã, e aparecer no início da noite rebocado, com uma história cabeluda que “roubaram o carro e demoliram… voces nem queiram saber…”
    Tem que voltar a alegria, tem que voltar o público, tem que aparecer caras novos…
    Como disse o Pablo, eu que não vou torrar uma nota preta só pra perceber que não dou mais pra coisa, ou que não é a minha…
    Escolinha de Pilotagem… Desculpem todos, isso é brincadeirinha de criança… Quando o Emerson foi pra Europa, frequentou a Jim Russel Drivers Scholl DEPOIS de um longa e variada carreira no Brasil… Tô falando de um Campeão Mundial… Quantos será que não estão escondidos por aí, brasas adormecidas?

  • La Fontaine:
    Sobre mamatas de comprar com desconto por causa de corrida… Sei de cada história, de outras montadoras e categorias…
    Isso não funcionou, é uma pena. Sempre aparece a Lei de Gerson e lá se vai pelo ralo mais uma oportunidade…Sempre uns poucos detonam a alegria de muitos…
    Bem Brasil, tristemente e infelizmente…

    Thiago:
    Não acredito em incentivos, sempre alguem vai querer se dar bem…
    Não precisamos das benesses de político nenhum, nem de esmolas do tipo toma lá, dá cá.
    Tambem não acredito em depender de governo nenhum, de nenhuma esfera de poder.
    Temos que fazer um movimento de baixo para cima, como o iniciado no dia 10 de junho.
    Acredito sim em revoluções, em evoluções e em inteligencia.
    Precisamos apenas de nós mesmos, para criar novas formas, novas alternativas.

    Johnny:
    Os matuzas, mais o pessoal da administração do autódromo e o FG estão muito empenhados em trazer público para as etapas do paulista.
    Breve o FG vai postar as novidades, aguardem.

    A todos:
    Sou teimoso como poucos.
    Adorava as provas de Estreantes e Novatos, e nem podia ser diferente, começei ali, no meio dos anos 70…
    Continuo acreditando num equacionamento das variáveis que permita baixo custo, facilidade de acesso, democratização dos meios e apoio das partes.
    A quem interessa o status quo?

  • Valeu CAIQUE pela dica, agora bem que o GOMES poderia postar uma fotos do INGO nos tempos do COPERSUCAR F1, 7º no Brasil com Emerson em 4º, fantastico em 77, não me lembrava mesmo. Gracias, Carlos

  • Também pedindo licença ao Alemão, (que além de tudo o que já foi falado manda muito bem com um 4×4 como pode ser visto no Sertões de 2004) vou entrar no mérito dos custos para os iniciantes.

    3.000 pra fazer o curso, 1200 pro macacão, 300 pra sapatilha, 500 pro capacete, carro preparado, pneus, 900 por ano de federação, quase 700 de inscrição por etapa… Apaixonados como eu tem aos montes por aí, mas quem pode bancar isso hoje em dia? Quem tá começando a trabalhar agora não vai ter chance nunca!
    Colocando um carro original na pista, o cidadão não esquece que se acontecer alguma coisa o prejuízo é dele, é ele que se machuca…

    A falta de bom senso do poder é muito maior que a do indivíduo.

    Risco existe em qualquer lugar, mesmo andando na rua, e é muito maior que num autódromo onde você conhece pelo menos de vista quem está no carro ao lado.

  • grande Claudião, só apra dixar claro: concordo com você, só que o custos e exigências para os carros de competiçào hoje inviablizam o “double shif’- uso familiar durante a semana e corrida no domingo” . Sem contar restriçòes das seguradoras também. O melhor seria que as fábricas vendessem carros com isençào de impostos – sem bancos, radio, vidro elétricos, essas coisas, para pilotos. Ocorre que , tudo neguinho “ëxxxperto”, os caras compram os carros com isençào, colocam bancos e acessórios e viram carros de rua.
    Quando a Fiat vendeu os 147 para Rally, sem acabamento, venderam mais de 400 no Rio (Não sabia que carioca gostava tanto de correr atrás do pó; humm, melhor esquecer o meu comentário) e quse todo o mundo usou o carro como carro normal (serrava o santoantonio, essas coisas) . Com essa bagunça a receita federal fez uma lei e acabou com o incentivo. Essa é uma grave deficiência para formarmos pilotos em categoria escolas . Acho que o roteiro kart-formula muito pobre, e caro. Mas isto é tema para dia 15/07. abraços

  • Quero pedir licença ao Ingo pra entrar na discução estreantes.
    Acho eu , alguém tem que inovar,alguém que realmente ame automobilismo, se varias receitas ainda não deu certo ,ok ,que tente outra, vou dizer uma coisa ,naquele maravilhoso dia 10 em interlagos tirando tudo de bom que tanto eu como blogueiros aqui já citamos, sinceramente o resto vi com profunda tristeza ,”autodromo vazio”.
    Por que?O que tá afastando o povão das corridas ?Ora ,caro não era ,pois era gratuito.O automobilismo não encanta o POVÃO?Ou o POVÃO não sabe que é gratuito?O que está acontecendo?
    No proximo encontro ,minha sugestão é abrirmos esse tópico.

  • Claudio Ceregatti

    Tentaram fazer um campeonato de carros 1.0 aqui em Londrina há uns anos atrás, mas não deu certo.
    E a idéia era usar carros de rua mesmo. Basicamente, era rebaixar e tirar os bancos.
    Mesmo barateando o máximo, o negócio é caro. É complicado.

    Ó negócio é que, por se tratar de um esporte, deveria haver incentivo do governo. Talvez seja o caso de pressionarmos e tentar ao menos um incentivo fiscal para o automobilismo.
    Londrina tem uma lei de incentivo ao esporte, mas que privilegia somente esportes com modalidades olímpicas ou dos jogos pan-americanos. Não sei se há alguma lei estadual ou federal, mas acho provável que a maioria das outras leis municipais tenham esta restrição.

  • Ao LA Fontaine:
    Concordo em parte, camarada.
    É certo ter preocupações com segurança ativa e passiva.
    Ocorre que esse monte de fuscas do início dos anos 70 são infinitamente menos seguros que qualquer carro de linha de hoje.
    São mais de 30 anos de tecnologia automotiva, não dá pra comparar.
    Qualquer pancadinha nos carros da época era muito mais perigosa do hoje, certeza absoluta.
    Na época (basta ver as fotos) eram carros originais, baratos, fáceis e disponíveis.
    Mas era tão barato, tão fácil, tão simples que muitos começaram justamente nessa categoria, pegaram gosto pela coisa e continuaram, ou não.
    Existem centenas de histórias, várias delas contadas aqui, das maluquices e barbaridades que muitos pilotos famosos de hoje faziam apenas para correr.
    Da forma como está hoje o automobilismo tornou-se caro, sofisticado e distante do grande público, dos carros e das pessoas comuns.
    A sequencia de eventos necessários para qualquer iniciante correr é cara e trabalhosa.
    Eu próprio montei, sozinho e com amigos, mais do que um carro para correr em Interlagos.
    Essa categoria tinha que voltar. Novos interessados surgiriam, novos talentos apareceriam, e não veríamos Interlagos às moscas, com mais gente dentro do Box do que na arquibancada.
    O caminho mais curto é a Estreantes e Novatos.
    Bateu, amassou, estragou, machucou? E daí, SEMPRE foi assim.
    O que não DEVE SER ASSIM é esse automobilismo elitizado, distante de quem gosta e não pode.
    O pior é que não pode nem experimentar, tem que pagar MUITO caro só pra ver…
    Nossos grandes nomes do passado JAMAIS fizeram nenhuma escolinha de pilotagem, e não se pode dizer que não sabiam o que estavam fazendo…
    E o próprio Ingo, só para usar o exemplo do post? Dá uma olhada no carro dele… Veja os pneus, freios a tambor, sem para-choques… E todos os demais do grid?
    Será que essa atual geração de garotos ficou tão braço-duro, que não podem ter o mesmo direito dele?
    Precisam da tutela de alguem que pré-julga a todos e proíbe a mera tentativa?
    Vou discordar sempre e sempre.
    Que volte a Estreantes e Novatos. Vai ter muito mais gente feliz, e vão acelerar onde deve, e não pelas ruas das cidades….

  • Que saudades dos bons tempos em Interlagos.Lembro-me deste dia,o Ingo arrepiou!O locutor a todo instante avisava para prestar atenção no Fusca 22,que fazia um corridão.Estas provas eram disputadíssimase engraçadas,pois havia muito bração que rodava várias vezes em cada volta.
    Observem a arquibancada em primeiro plano à esquerda,antes da construção do prédio para convidados VIPs.
    Abraços…

  • Carlos, Se não estiver enganado, o Ingo fez 4 corridas pela Copersucar: 76 – GP Brasil e 77 GP Argentina, Brasil e um outro que não me lembro. Em 77 terminou em 7º e o Emerson em 4º o GP em Interlagos.

  • ALGUEM sabe me informar em que ano exato, temporadas, carro, e numero de GPs disputados, melhores colacações o Respeitavel INGO HOFFMAN debutou na F1 pela saudosa equipe COPERSUCAR F1.Grato

  • Atualmente, o Ingo é um dos pilotos que mais progride em posições, durante uma corrida.
    A Stock tem grid cheio, ele normalmente larga no meio da fila e, chega naquelas posições regulares.
    -comparando com outros pilotos, que largam na mesma faixa
    mas não chegam entre os 10primeiros

  • Hugo,

    O Paulão já parou e o Ingo, o Chico, o Raul, o Adalberto Jardim e mais alguns estão começando a parar. É a ordem natural das coisas. Agora estão tomando posse o Giuliano, o Hoover, o Greipel, o Thiago Camilo, o Thioago Marques e o Cacá, que tem como unico problema ser Filho do GB, mas é muito bom piloto de Turismo.

  • Claudio, o problema da categoria estreantes e novatos é que o pessoal usava o carro de rua, sem muitas medias de segurança (santoantonio de plástico, etc). Como houve uma grande preocuapação com segurança, passou a exigir mais equipamentos, o que tronou inviável o carro de rua ser usado em competição, e o depto. de transito ficou mais em cima , proibindo rebaixamento da suspensão, etc. Portanto, o cara ttinha que ter dois carros, um para correr e outro para usar. Então se você vai fazer um carro de corrida, que seja com todos os requisitos, e assim foi feito.

  • Pois é, pessoal…
    Estreou numa prova de ESTREANTES E NOVATOS, que era pouco mais de um santantonio “seja o que Deus quiser”, mais uns adesivos nos faróis e retirada de para-choques…
    Muitos outros grandes pilotos brasileiros começaram assim…
    Porque será que essa categoria, democrática e acessível não existe mais?
    Alguem aí poderia responder?

  • No começo dos anos 80 ,passava na Band a Stock, foi ai que comecei a acompanhar a categoria ,lembro ainda da etapa no velho interlagos ,ô época boa,Ingo,Paulão,os irmãos Giaffone,Reginaldo Campelo,Alencar Junior………….
    Pena foi ele pegar o carro errado na hora errada na F1, fico imaginando se fosse em 1978 com o F5A.Não tem problema,ele é o recordista da Stock.
    Parabéns Ingo!

  • Cheguei a participar das mesmas corridas que o Ingo, nos dois primeiros anos no Brasileiro de Marcas e nos cinco posteriores de Stock Cars. Fui vice-campeão das
    Mil Milhas Brasileiras em parceria com o Walmir Benavides (Hisgué), quando o Ingo foi terceiro terminando a prova com um diferencial emprestado por nossa equipe. Em todo esse convívio ficou gravado para mim que o Ingo é disparado o melhor piloto de Turismo que esse país já teve.