Já que é feriado…

SÃO PAULO (tempo não faltará) – O Anderson Andrade mandou toda sua coleção particular, divido. Este aqui é um vídeo de quatro minutos com vários momentos dos duelos entre Senna e Prost, de 1988 a 1993.

Eram dois gênios geniais. Faltam gênios geniais hoje em dia, em tudo. Está cheio de gênio nada genial.

Comentários

  • Prost apesar de ser chamado de professor não era um piloto espetacular. Cometeu muitos erros na carreira. Sem querer causar polemica com as viuvas pois acho que números não dizem muita coisa mas estatisticamente ele é o segundo melhor piloto da F1, perde apenas para Schumacher. Além de ter um titulo a mais que Senna e Piquet ele tinha o record de vitórias. Acho que ele também tem o record de vice-campeonatos.

  • Ao VELOZ-HP
    Bom tê-lo de volta à este espaço,como sempre com seus comentários ponderados.
    Espero conhecê-lo no próximo dia 15 de Julho no Segundo Farnel em Interlagos,pois vc é o Matuza que faz falta.
    Abraços…

  • Ao Bruno M.Said
    Este video apresenta diversos circuitos,como Silverstone,Estoril,Suzuka,Monaco.O que o faz pensar no oval éo circuito Hermanos Rodríguez no México,onde a curva Peraltada tem um raio bastante longo,parecendo um ovalnsendo precedida por uma longa reta.Foi nesta curva que o Senna sofreu um acidente,capotando após entrar na caixa de brita.
    Abraços…

  • Bem amigos do Blog do Gomes, essas imagens me fizeram voltar no tempo em que respeitava a F1 e acompanhava com paixão todas as corridas e os acontecimentos.
    Era sempre muito divertido ver os “nós” que o Senna dava no “nano nazone” que para mim não foi tudo isso de piloto não, apesar dos títulos, vitórias, etc., era um notório covarde e bun.dão, e a maioria disso foi conquistado mais na politicagem rasteira e mafiosa do que no braço, sendo tão kid vigarista quanto o alemão atual, só que nos bastidores e não na pista como o tedesco queixada.
    As ultrapassagens do Senna não eram o principal, mas o clímax do conjunto da obra que começava na sexta-feira e ia até o fim da corrida.
    Dentre todas as ultrapassagens que ele fêz, a mais bonita para mim foi a de Suzuka 1988 sobre o “nano”, onde, espremido pelo lado interno no fim da reta, totalmente fora do traçado e na parte suja, freou prá lá do fim do limite dando duas ou três mini atravessadas de lado até a última e magistral corrigida na saida da curva, que além de tudo, saiu mais rápido e veloz que o “nazone” que a fêz pela trajetória ideal, e rumou para a vitória e o primeiro título. Sensacional, kartismo puro.
    São detalhes muito difíceis de perceber pelas imagens, mas que me fizeram acreditar no que ele disse depois da corrida, onde afirmou que viu Deus por lá.
    Só mesmo Ele para fazer o Senna quebrar tantas leis da física num curto pedaço de asfalto e sair vivo e campeão para contar a história depois e provando para o “nano nazone” e todos os pilotos que :
    “Só deve ser o que pode ser, e só pode ser o que se move dentro das condições do que é.”
    Com ajuda de Deus ou não.

    Ao Anderson, muito obrigado pelas imagens, elas alegraram o meu feriado e me deram vontade de assistir a vários documentários dessa época que tenho gravados e que mostram um tempo que não voltará jamais, infelizmente e principalmente, para o pezar dos atuais personagens envolvidos nesse lixão que virou a F1 “moderna”.

  • Tenho um imenso respeito pelo Alan Prost, justamente por ele ter sobrevivido com dignidade e força a fantástica pressão que Senna colocava sobre os adversários. Basta saber que Prost sempre se considerou rápido e veloz nas poles (ele terminou a carreira como 3º ou 4º nessa estatística), e viu, de repente, uma de suas qualidades ser “pulverizada” pelo Senna. Ainda assim ele teve serenidade para enfrentar o brasileiro com bastante competência, só sucumbindo (depois de muita pressão) no Japão em 1989. Nenhum – repito, nenhum – piloto de hoje em dia resistiria a pressão que Senna colocou sobre o grande Alan Prost em 1988/1989.
    Grande Senna, grande Prost. Não foi a toa que os dois disseram que só respeitavam um ao outro, nesse mundinho da F1 … bons tempos !