Los coches dos hermanos

SÃO PAULO (vão parar nos tedescos) – Excelente dica de site sobre carros argentinos enviada pelo blogueiro juramentado Jonny’O, um painel completo sobre a indústria dos hermanos e suas curiosidades, como o Fissore deles (700 unidades produzidas), e o nosso Dodginho, que nos pampas era feito pela Volkswagen, esse aí da foto.

Já vi que vou perder um tempinho passeando nesse site. Tem coisas do arco da velha. Coisa velha é comigo mesmo.

Comentários

  • eu tenho um polara 78 vermelho com uma listra preta em cima ta com motor do gls com pistao maior ta com 2.200 cc da p dar luz p muito opala por ai tem ums videos no youtube [ dodge polara standard arrancando]

  • Caro amigo Coelho !
    Sinto muito, mas vc está enganado !
    Que milagre é este ????
    O Dodginho usava pistão de 86,14 mm, e o da Brasília é menor: 85,5 mm !
    A Metal Leve fez uma série de pistões de 88 mm para os amigos.
    Mesmo assim, ao abrir o bloco, as vezes dava água…

    • Pessoal, tenho um Polara com esta preparação citada. Utilizamos pistões 90,5mm para VW a ar 1800 e bielas de VW MD-270 com virabrequim retificado “fora de centro” em seu moente, aumentando o curso em 7mm e elevando a cilindrada para 2.160. Essa história que o bloco vai na água é mentira, com 90,5mm fica próximo, mas funciona sem problemas….. O motor está com um comando melhor, cabeçote feito, escape feito e 1 carburador Solex (francês) que era usado nos Corcel GT simultâneo (catraca) 36-36. Motor gira entre 7000 e 7500 RPM e anda na frente de muitos veículos fortes que existem por aí… O ideal seria arrumar um comando de válvulas Argentino ou Inglês com boa graduação e instalar dois Weber 40 horizontais que com certeza traria melhoras significativas…

      Abraço a todos!!!!!

      • Prezado Rodrigo
        tenho um polara 77 e estou retificando seu motor. Adquiri os pistões 90,5mm e gostaria de uma dica: posso usar as bielas originais nesses novos pistões? Apesar de eu ter as bielas do MD 270 eu não gostaria de alterar o curso do vira… mas em todo caso tem mais detalhes dessa usinagem fora de centro nos moentes?
        Obrigado;

  • Aí turma do tempo que o arco iris era preto e branco!!! Em Porto Alegre ainda tem um desses da foto rodando. Não sei de quem é. Entao no tempo que os animais falavam eu ja estava no terceiro 1800 e resolvi aloprar de vez depois de ler uma revista paulista. Pistao de Brasilia (passa pra 2300cc, flange pra colocar uma caixa alfa de 5 m, rodas maiores, amortecedores trabalhados, webber arrombado e outras traquinagens. Acredite se quiser! Tem gente procurando o Doginho ate hoje nas ruas e estradas daqui!!! A criaturinha fechava 230 no cronometro. Era divertidissimo deixar os 250s pequenos no espelho. Era um rojão!!Mas como dizia minha mãe: olho grande so serve pra criar remela! Fui inventar de turbinar e explodi tudo, ai faltou grana pra montar de novo e eu vendi, mas é um carrinho maravilhoso .

  • Cascata da grossa Felipe, o dodge usa monobloco e não chassi, seria impossível esticar o carro sem trabalho de funilaria. Mesmo tendo chassi, esticar o aço desse modo seria utopia….antes, o motor cairia dos coxins devido ao delicado método.

  • Grande Joaquim,

    Dizem que tinha uma lenda que o Fábio Souto contava que o Dodge 1800 (patrocinado pela revenda Arumã) tinha 5 cm a mais de distância entre eixos para fazer melhor as curvas pois segundo ele esse era o calcanhar de aquiles do carro, então o que fizeram para conseguir os tais 5 cm, amarraram um cabo de aço no chassi e passaram em volta da maior árvore que acharam e ficavam dando marcha ré a toda para esticar o bichinho na marra, com umas 3 porradas ele disse que ficou ótimo e com exatamente 5cm, ninguem percebeu o truque até a ultima prova quando protestaram o chassi, mais aí Inês é morta e eles já eram campeões.
    Alguem já ouviu falar dessa história ?

  • Tenho um conhecido meu, pouco mais velho (acho q ele tem 23 ou 25 anos) que tem um Polara amarelo, que era de algum parente dele, o carrinho faz sucesso aqui na cidade entre a “molecada”

    E um outro amigo, este mais novo (ele tem uns 19 anos) tem um 147, inclusive com aquelas rodas de epoca, um barato

  • Esse cidadão aí da foto, Dodginho 1800, foi um dos responsáveis pelo desaparecimento da classe B da Div-1 nos meados dos anos 70. Tiveram que “reduzir” a classe de 2500 a 3000 cc, para que o ilustre Dodge fosse incluido na categoria até 2.000. Tá certo que o grid da Classe B não era lá essas maravilhas, mas lá labutavam os Opala 4cilindros 2500, Mavericks 4 e 6 cilindros (2300 e 3000 cc, respectivamente) e as belas Alfas Romeo 2300 4 cilindros. Dos Dodge 1800 nas pistas, recordo de dois de absoluto sucesso: um, do Fábio Sotto Maior e outro do cearense Maninho Brígido, este campeão Norte-Nordeste de Div-1. Alguém mais?

  • Alô Henri Toivonen !
    O Falcon era um carro excelente !
    BBB – bom, bonito e barato !
    Mesmo assim, estava quase condenado a morrer de velhice, quando em 1963, um moço esperto resolveu repaginar o bicho !
    Dele nasceu o Mustang, e o moço esperto chamava-se Lee Iacocca.

  • Para quem não sabe:
    Alguns Dodginhos 2.0 encapetados andavam pelas nossas estradas, infernizando os Mavericks, Opalas 250S e empurrando os Porsche 911S 2.4.
    Eram preparados em Ourinhos pelo Marinho – ele mesmo, o parceiro do Bird na VEMAG; e pelo Euripedes – saudosa figura !

  • PARA REGISTRO:
    O nosso Dodginho 1800, bem como o argentino 1500, eram os Hillman Avenger ingleses, depois rebatizados de Sunbeam com o remanejamento e fusões da Simca e Chrysler na Europa.
    O Avenger Rallye GT detonava no europeu de Rallyes.
    Mas o interessante é que na SUDAM, os F3 VW argentinos usavam este motor, e davam um verdadeiro passeio nos F3 VW brasileiros, que usavam o motor AP.
    Com todos os créditos ao Mago de Alta Gracia, logicamente…

  • Algumas coisas são bem semelhantes com o Brasil, principalmente ficar recau-
    chutando carros que não existem mais no país de origem, foras-de-série com casca de super
    máquina e motor extremamente ra-
    quítico e o uso de marcas que não
    existem mais no país de origem.

  • Grande Henri , eu também gostava dos Fuego , além dos Torino e dos Sierra XR4 (o projeto era pra ter vindo para o Brasil, mas os hermanos armaram um fusuê em Dearborn e levaram o projeto na marra; isto daria um compendio em trapaças e golpe baixos corporativos)

  • em 2001 participei de um rally chamado Inca Trail de oraganização inglesa, que correu do Rio a Lima, Ushuaia e Rio de novo.
    Era muito engraçado ver a inglesada olhando para aqueles Hillmans com escudo VW na Argentina e depois devolta ao brasil, ainda topamos com uns dodge polaras. Deu trabalho pra explicar…
    Abraços

  • O meu soonho er ater um Torino, com motor 6 CC da American Motors. O carro era um rojão, e quase ganhou uma prova em Nurburgring, acho que eram as 84 (oitenta e quatro, se ficou alguma dúvida) horas de Nurburgring. No fim quebrou o escape e o motor foi pras cucuias.

  • Flavio , dizer que o doginho foi feito pela VW é uma simplificaçào. Ocorre que quando a Chrysler quebrou e saiu da America do Sul (Brasil, Argentina) a VW assumiu a produçào dos carros. Por questões contratuais e de custo, porque era melhor fabricar alguma coisa do que fechar a fábrica, eles continuaram a fazer o carro até ter projetos próprios. Foi um arranjo temporário, apenas.