O choro de Schumi

SÃO PAULO (explica muita coisa) – Monza, 2000. Schumacher ainda não tinha conquistado o sonhado e prometido título pela Ferrari. Ganha a corrida, e chega a 41 vitórias na F-1. Logo depois da prova, os três primeiros colocados em cada GP têm de cumprir um ritual obrigatório. São entrevistados pela FOM TV num pequeno estúdio, com apenas um entrevistador, e depois seguem para a sala de imprensa, onde são sabatinados pela imprensa escrita.

Essa primeira entrevista se chama “unilateral”. É o material que a FOM é distribuído para as TVs do mundo inteiro.

Monza, 2000. Schumacher empata com Senna. Já escrevi muito sobre esse episódio, mas nunca tinha visto a gravação da unilateral. Vi lá, ao vivo. O entrevistador pergunta se empatar com Senna significa algo para Schumacher.

E Schumacher chora. E chora muito. E voltaria a chorar na sala de imprensa quando eu, me desculpando por repetir a pergunta da unilateral, lhe pedi algumas palavras sobre aquilo tudo.

Quem mandou o vídeo foi o blogueiro Diego Ximenez. Imagens vistas por poucos aqui no Brasil, mas que ensinam bastante sobre este veloz alemão.

Se interessar a alguém, a coluna Warm Up que escrevi na época está no link.

Comentários

  • Puxa, vim aqui falar do Schumacher, mas vi o pessoal ainda especulando como foi o acidente do Senna.
    Qualquer um que já dirigiu um carro de corrida sabe o que acontece quando se perde aderência. O carro sai do controle dos pneus, em verdade.
    Isso não aconteceu com Senna. O carro saiu do controle do piloto, não dos pneus, foi retinho para o muro.
    Cada um que julgue a teoria que melhor se encaixa, mas para mim não tem espaço para discussão não.
    Toda questão envolve a responsabilidade da Willians, se para se safar eles precisam dizer que o Senna errou, que o façam.

    Mas sobre o Schumacher, lembro de uma entrevista que ele fez para o Huck, na RG, e ele deixa bem claro que se esforça em não mostrar quem ele realmente é para a imprensa, e acredito que ele faça isso muito bem.
    Não me interessa também isso, nunca me propus a conhecer sua intimidade, nem a do Senna, nem de nenhum ídolo, acho isso de extremo mal gosto.

  • Eu detesto o Schumacher e a Fórmula 1 de hoje: tá sem graça, frio, gelado, abaixo de zero.
    Mas não imaginava que isso
    fosse possível: no dia em que Schumacher empatou em vitórias com o Senna, perguntado sobre o que isso significa prá ele, ele começa a chorar e não responde. Pano rápido, câmera no Mika Hakinem: ele se emociona e passa a palavra pro Ralf Schumacher.
    O Ralf segura a onda, mas preocupado com o irmão, do lado dele, chorando sem
    parar.
    Quando o Schumacher melhora, o jornalista pergunta de novo: porque essa vitória significa tanto e ele responde: “Por favor, pergunta outra coisa.”
    É bem legal. tem ‘x’ por cento de teatro, ‘y’ por cento de especulação sobre o que tocou os dois grandes feras dessa geração-sem-graça, ‘z’ por cento de outras razões.
    Mas o fato é que é um vídeo legal. E, nesse dia, Schumacher competiu com Barrichello pelo título de maior chorão.

  • Marcato,

    Sem essa de Viuva e Amante de Viuva. Gosto de Corridas de Carros porque me impressiona como alguns são bons nesse negócio. Tô me lixando prá nacionalidade dos caras. Gosto é de ver o quanto são bons e têm aquilo roxo, aí vejo Brasileiro, Alemão, Inglês, Francês, etc, se são bons pilotando, essa de ficar tentando esconder que um é santo para o outro se passar por malandro é ridículo. Além disso, em qualquer esporte que se pratica sozinho (Hipismo, Motos, Bikes, Carros, Natação, etc), o Ego desses caras querem é que os demais se danem, principalmente se forem companheiros de equipe. Na F1 NINGUÉM É OU FOI SANTO.

  • Oswaldo,

    Se tudo que voce escreveu fosse verdade e não muitas conjecturas, o Senna tinha um Carro para desenvolver, coisa que ele detestava. Talvez você também deteste que te lembrem disso. Além disso, em 1994 o grande DICK naquela época se jamava Ayrton Senna da Silva, que embora excepcional pilotando, também era excepcional usando truques sujos: Posso enumerar pelo menos 10 acontecidos, nos quais o Senna foi devidamente criticado e em alguns, levou uns sopapos.
    Viuva Oswaldo, pode tirar a roupa escura, o Senna também acha, pergunta a ele na hora de mimi. Vê se cresce também

  • É impressionante como o tempo passa e as histórias vão se distorcendo cada vez mais.
    O acidente do Ayrton foi causado pela quebra da coluna de direção, em serviço solicitado por ele e mal executado, provavelmente por pressa.
    Um velho ditado diz: “A pressa passa e a m.e.r.d.a fica”.
    Ponto final.
    Está faltando muito pouco para alguem “descobrir” que foi o Schumacher que tocou na traseira da Willians do Ayrton, jogando-a contra o muro da Tamburello.
    Que saco!!!

  • Os senhores saberiam dizer quantos pilotos de testes tinha a MacLaren no ano de 1993 ? Alguém aqui poderia me informar se o Senna gostava de treinar? Pergunto isso pois aquela Willians de 94 não era o carro excepcional de 92 e 93. Os senhores se lembram que por força do regulamento de 94, aqueles equipamentos eletronicos tiveram que ser banidos dos carros. Na verdade, o carro fantástico que o Senna se apaixonou, era do ano anterior. As minhas duas perguntas lá em cima revelam, a meu ver os problemas que o Senna estava enfrentando naquele inicio de campeonato. Ele não treinou adequadamente durante os testes de inverno (ele estava em Angra) e não se adaptou corretamente ao carro sem os apendices eletronicos. A Willians fez um ajuste na coluna de direção para que ele pudesse ver melhor o painel e houve uma emenda ou coisa parecida nessa coluna. E a ruptura deu-se nesse local, devido ao esforço natural nas curvas e ao “serviço” mal feito na coluna. Quanto a pergunta referente aos número de pilotos de teste da equipe Maclaren, é que isso demonstraria que ele não se ligava muito em testes pré temporada.
    Me corrijam onde estiver errado e um abraço a todos

  • Cada um sabe de seus pecados. Schumacher, Ross Brawn, Briattore, Rory Byrne, Bernie Ecclestone e aquele cara que bolava softwares sabem dos deles… Entretanto existe uma programa apresentado num dos canais da NET que analisa detalhadamente o acidente de Ímola e chega à conclusão que o acidente foi causado porque a Williams de Senna estava no limite extremo em relação ao piso para tentar obter vantagem na aerodinâmica, já que o contrôle de tração ilegal da Benetton fazia uma bela diferença. Após aquelas voltas com safety-car, os pneus da Williams perderam temperatura, tiveram redução de diametro. Próximo à Tamburello a traseira do carro ficou apoiada sobre o piso e não sobre os pneus, o carro desgovernou-se e babau! E o Dick ali atrás, assistindo tudo isso de camarote. Entre outras coisas que deixaram claro que a Benetton adulterou o sistema de segurança de reabastecimento, houve um incêndio no carro de Verstappen num reabastecimento. Não há ninguém em sã consciência que possa negar o festival de trapaças perpetrado pela Benetton em 94. Schumacher foi cúmplice, a FIA amenizou oficialmente as coisas, inclusive não cassando o título de Schumacher por cinduta anti-esportiva, coisa que só teve coragem de fazer em 97, mas aí foi um vice-campeonato. Como disse, A SOMBRA SABE o que vai na alma de cada um. Eu nem gosto mais de falar do Dick porque eu já tinha até superado um pouco a irritação que o trambiqueiro me causava, mas a PARADINHA de Mônaco deu na idéia. Quem sabe o Alemão não esteja planejando abrir uma rede de estacionamentos e não vá usar isso na campanha publicitária? Dick´s Vallet Service…

  • Oswaldo,

    O Ayrton não bateu porque tentava de todas as maneiras ganhar da Benneton. Ele teve o acidente, segundo TODOS os jornais do MUNDO, porque tinha solicitado à Williams que mudasse o desenho da barra de direção,deixando esta de ser uma reta e passando a ser em angulo,para que ele ficasse mais confortável na condução do carro (como você me parece uma viuvinha nova, lembro-lhe que todos os carros do Adrian Newey eram desconfortáveis -leia relatos do M. Gulgelmim na Leyton House), aí o serviço foi feito as pressas e a barra quebrou na Tamburello. Nesta corrida, bem como nas tres anteriores, o Senna liderava e o Michael venceu (sem falcatruas a bem da VERDADE), mas quis o destino que ele sofresse o acidente. Em Interlagos, ele RODOU sozinho na Junção e para complementar, gostaria de lhe informar que os motores Ford da Benneton tinham MUITOS HP´s a menos que os 10 cilindros da Renault da Williams.
    Cara, seja apenas Fã, mas não fica procurando pêlo em ovo. O Senna foi excepcional piloto e tinha o Recorde de Poles. O Michael também é excepcional e se parece demais com o Ayrton no que se refere a obstinação por vencer e por se utilizar de golpes para conseguir seus objetivos, assim como o Fangio e tantos outros. Por favor, deixe o Ayrton descansar em paz e fique com as boas lembranças dele, e reconheça, porque não é nenhum demérito à ninguém, que o Michael é uma estrela da MESMA grandeza do Ayrton.

  • O video é tocante, perfeito. Parece orquestrado pois ele tá rodeado de outro cara extremamente decente, Mika e ninguém melhor pra confortar que o irmão Ralf. Os três sabem quem foi Ayrton, e o que significa para Michael ou qualquer outro piloto ,uma vitória de numero 41. Por isso que sempre admirei e respeitei esse alemão. É campeão e ponto final.
    Agora, o que escrevem de baboseira aqui, é brincadeira. Flávio, seu bloq é legal demais pra deixar essas coisas. Apague os comentários inúteis que ficará melhor ainda.

  • Gostaria de rever um video de um post anterior, axo que da época do Gp da Italia desse ano, onde fazia uma especie de homenagem ao Ayrton, e ainda mostra um trecho desse choro do Michael…. alguem ai lembra ????

  • puxa vida !! o comentário deste Oswaldo foi a pior besteira que eu li na vida !! santa inteligencia !!
    “teoria da conspiração é pouco para ele” fique tranquilo a culpa não foi da Benetton .. foi do muro que tem atração por carros da Willians… lembra do Piquet ?

  • Aparentemente ele foi sincero.

    Gostaria apenas de lembrar um detalhe, Schumacher não quebrou o RECORD de vitorias de Senna, pelo simples fato do RECORD de vitórias na F 1 ate aquela época pertencer a Prost. Sei que as viuvas vão se irritar com este comentário, mas é a pura realidade, em números Schumacher é o 1º, Prost é o 2º e ai sim vem Senna na 3ª posição. Prost tem mais titulos que Senna, mais vitórias e ate mesmo vice-campeonatos, maior número de pontos, mais podios, mais voltas rápidas, etc… Senna só o supera em números de poles.

    Vejam que não estou dizendo que um é melhor que o outro, apenas me refiro aos números e só.

  • Olha , começo a perder o gosto por trocar idéias com alguns daqui… tem muito leigo dando opiniões muito tristes. mas , é assim ninguém agrada todo mundo.
    Lembro desse dia , já tinha visto esse VT , muito legal , até para muitos perceberem que se trata de um ser humano , eu mesmo chequei a pensar que não fosse , numa época em que ele não errava nunca ! Esse cara é incrível. Legal ver também o respeito do Mika , GRANDE PILOTO , que alguns dizzem que não foi nada. pelo menos aqueles que pregam a falta de adversários do piloto alemão… porque para quem ASSISTIU aos duelos dos dois , é fácil perceber a grandeza e importância do Finlandes. Infelizmente , ele competiu com o melhor , isso ofuscou-o um pouco , mas é um piloto do mais alto nível ! !

  • Os comentários referentes a esse tópico mostram muito como o mundo está hoje. Todo mundo vê maldade em tudo, ninguém acredita em ninguém.
    Uma cena de demonstração da humanidade de 2 dos maiores pilotos de todos os tempos e muitos vêem uma cena muito bem interpretada digna de um Oscar. Tenho toda a certeza de que não é bem por aí!.
    Primeiro o choro copioso e sincero de Schumacher. Em seguida o imediato apoio de Hakinen, levando o seu braço ao ombro do alemão.
    Na verdade, esses 2 monstros do automobilismo sempre deram mostra de que não fazem tanto parte assim da F1 robótica imposta pelas grandes somas de dinheiro que estão envolvidas hoje em dia. Hakinen, lá da fria Finlândia, já chorou até mesmo meio que escondido quando viu que não conseguia superar o seu rival teutônico. Mas as lentes das câmeras de televisão captaram tudo e mostraram para o mundo o seu lado mais humano, muito longe de ser considerado frio e calculista.
    Já Schumacher, não cansa de dar demostrações de que não é um robô programado apenas para vencer, a despeito dos seus incríveis resultados pelas pistas do mundo. Sua alegria ao reger o hino italiano nos pódiuns, sua contribuição às vítimas do Tsunami que arrasou a Ásia, e até mesmo os acidentes provocados contra Hill e Villeneuve mostram o seu lado humano.
    Quanto aos acidentes, não estou “dando” uma desculpa para ele ter os cometido. Muito pelo contrário. Sou contra qualquer atitude desse tipo, mas é mais um exemplo da humanidade de um piloto que mostra os seus sentimentos e reações, sejam bons ou ruins.
    Que outros pilotos mostrem mais esse lado também! Que mostrem a paixão que tem em pilotar esses maravilhosos carros ao lado dos maiores pilotos do planeta. Isso seria excelente, ainda mais em época de corridas de fila indiana como em Silverstone.
    Esse tipo de reação só tem a somar à F1, não é a toa que os releases da Red Bull fazem tanto sucesso atualmente. Mas essa é só a minha opinião…
    Um grande abraço a todos…

  • Alguém já ouviu falar em peso na consciência? Ou vai dizer que o Schumacher não sabia que Ayrton Senna se arrebentou tentando superar a Benetton cheia de trapaças? Mesmo aquela Williams meia-boca seria mais que suficiente para superar a Benetton, se não houvesse um arsenal de truques ilegais à disposição. O título de uma coluna publicada na Revista da Folha de 1994 foi A Benetton Matou Ayrton Senna… O prenuncio deu-se no GP Brasil, quando Schumacher ultrapassou Senna no pit-stop graças à vantagem obtida com a adulteração do sistema de reabastecimento da Benetton. Mas em Interlagos o resultado foi apenas a rodada sem maiores consequências. O alemão sabia muito bem que não teria colocado toda a pressão sobre Senna naquele início de temporada sem a caixa de ferramentas embutida na Benetton. Daí chorou quando igualou uma marca. Foi muito mais do que emoção, foi o sentimento de culpa aflorando mesmo. A revista MAD tinha uma seçãozinha legal, chamada A SOMBRA SABE.

  • Como diz o outro… negócios,negócios… amigos a parte, eu não sou fã do alemão, reconheço depois de muito tempo que ele é o melhor, mas nem ele merecia-apesar das suas mazelas- a insensíbilidade desse entrevistador que não deu bola para seu copioso choro. O mais interessante é que o entrevistador apostando que homem era um poço de ruindade no sentido de mal caráter , responderia com desdém, como se aquela vitória fosse mais uma, caiu do cavalo! Uma saia justa para Hakkinen e para o Ralf que foram pegos de calças curtas. Se não fosse cômico, seria trágico

  • Senna era o seu grande ídolo, o cara por quem ele se inspirava e igualar o recorde de vitórias deve ter sido marcante para ele. Hoje, talvez, não admitisse isto, com todos os títulos e recordes que tem, mas acredito que o Airton deve ter significado muito para ele, como ídolo e depois como adversário.

    Jovino

  • Acho que estamos analisando o momento também ,talvez isso seja o mais importante.
    Aqueles momentos em que é inevitavel deixar de lembrar de alguem que amavamos ou idolatravamos ou só respeitavamos.
    E nestes momentos somos todos iguais, não se consegue segurar mascaras ou qualquer outra coisa do tipo.
    Na minha opinião foi um momento onde ficou claro a lembrança viva de um homem, uma grande homenagem ,sem duvida!
    Por essas e outras a vida vale a pena.

  • Companheiros,

    Não sou Sennista, Piquetista, Ferrarista, Shumackerista, ou qualquer outro “ista”, sou “apenas” esportista / automobilista e fanático por corridas (qualquer uma, da F1 até corrida de autorama, basta ter rodas, não interessa quantas…). Isso posto minha opinião é:

    Quando vejo 2 caras (Mika e Michael) se emocionarem com a lembrança de alguém, que praticava mesmo esporte que eles, mesmo 6 anos após sua morte, significa que:

    Se entre os que praticam o mesmo esporte (e por consequencia conhecem o esporte muito mais que TODOS nós blogueiros/palpiteiros JUNTOS) o cara é reverenciado, então ele tinha “alguma coisa” de especial.

    Antes de me criticarem, por favor releiam o primeiro parágrafo do meu comentário….

    abs

    Marcelo Foresti

  • O alemão é fera.

    O problema são as víuvas do Senna que só tem olhos para ele, são cegos e não enxergam mais ninguém.

    Se vc diz a um Piquetista: o Nelson deu a bunda, capaz do cara rir e concordar.

    Se vc diz a uma viúva do Senna: Senna deu a bunda, aquela bichinha, o cara se revolta e tenta provar por a mais b que o Senna era o maior comedor de todos os tempos, que só pegava gostosas, etc.

    Isso é o que me irrita…

  • o que eh isso? hahahaha
    ninguem reparou? naum quero criar polêmica, mas… reparem nas mão dele.. estaum juntas no começo da entrevista… depois ele abaixa a cabeça e começa a chorar… eh obvio que ele estava descascando uma cebola!!!
    Esse cara eh um fingido!!!! hahahahahaha

  • Não sou daqueles que satanizam o alemão. É um ótimo piloto, com imensas qualidades e alguns defeitos. E acho que esse gesto demonstra o que Schumacher sentia pelo piloto Arton Senna. Ele tinha exata dimensão do que havia conseguido. Basta lembrar que quando perguntaram para ele, algum tempo atrás, quem havia sido o melhor piloto de todos. Ele disse que responderia o melhor que ele havia enfrentado: Ayrton Senna.

  • Chorar dá uma dimensão humana a quem é visto como sobre-humano.

    O cara tem mérito, sem dúvida.

    Veio de baixo, o pai era zelador do kartodromo. Teve uma ascensão social muito diferente do meio automobilístico em geral, onde a grana manda muito.

    Pena que mesmo sendo um grande piloto, mesmo se mostrando humano com seu choro, tenha esses comportamentos digamos… atípicos, meio desonestos, meio competitivos, meio agressivos, meio inexplicáveis.

    Meio-tudo isso aí escrito, mas completamente humano, nas suas idiocicrassias e comportamento contraditório.

    Respeito a dimensão humana desse Sr., assim como respeito profundamente seu desempenho como piloto.

    Apenas não respeito sua forma de agir. Uma pena, ser piloto completo e homem incompleto.

  • Ele admirava Airton, era um fã, era quem estava atrás dele exatemente quando houve a falha na Tamburello, ele estava botando muita, muita pressão, havia ganhado as duas etapas iniciais, viveu aquele inferno em Ïmola 94, para mim, sim, o alemão sente algum tipo de culpa, de responsabilidade. Ser um detonador de recordes é até uma homenagem, nunca um demérito, ao seu ídolo. Deixem-no chorar e que viva veloz.