O Tempra e a coluna

SÃO PAULO (fora da ordem) – Edison Guerra, blogueiro que muitos aqui já conhecem, me enviou dois vídeos com um programa de mais de 20 minutos sobre o acidente que matou Senna em 1994.

Acho que esse documentário já foi apresentado no Brasil. É um bom resumo dos eventos daquele 1º de maio, com depoimentos importantes de Mauro Forghieri, Frank Dernie e Michele Alboreto.

Inconclusivo, porém. Há evidências de que a coluna de direção se rompeu antes da batida, por um extravagante movimento vertical do volante, mas a Williams alega que tal movimento era previsto e normal. A segunda tese remete à perda de pressão dos pneus com a entrada do safety-car, uma novidade naquela temporada, um carro completamente inadequado para a função, um Fiat Tempra.

Foi o Tempra ou foi a coluna? Acho que nunca saberemos. Mas é um bom documentário, que pode ser visto aqui, na parte 1, e neste outro link, para a segunda parte.

Comentários

  • Para mim, a maior prova de que foi a barra de direção que quebrou-se foi quando o carro do Senna contornando a chamada reta torta o carro tomou uma direção reta para o guard rail e o piloto tornou-se passageiro do carro, sem poder fazer nada para jogar o carro de lado para bater de traseira. O Senna vinha reclamando da direção que estava muito pesada e eles afinaram bastante a barra de direção e, acho, que em função disto, a barra quebrou-se. O resto é especulação sem sentido.

    Jovino

  • O acidente mais chocante da F1 foi o do Tom Pryce na Africa do sul, quando um bandeirinha atravessou a pista com um extintor de incêndio e foi atropelado, esmagando a cabeça do Tom… Estava indo ajudar o Lafitte…

  • Já dizia o Piquet: “Qualquer um que se sente a 30 cm do chão a mais de 300 km/h está arriscado a morrer.”. É isso.

    E sobre o Villeneuve, se vc observar com atenção o instante exato em que, no ar, voando, as costas dele ficam em direção à câmera, o banco NÃO está preso nele. Dizem que, na ânsia de botar tempo no Pironi no finalzinho do treino, ele saiu alucinado sem sequer apertar o cinto. Ele saiu voando pq estava sem cinto, acreditem.

  • Cocnordo com o Jung, acho de certa maneira justo que o Willians tente achar outra causa para o acidente, afinal ele não quer ir preso por causa do sensacionalismo.

    Vários pilotos saem para a brita em alta velocidade. Qualquer um deles pode quebrar um pedaço da suspensão que entre na viseira do capacete.
    Nenhuma viseira aguenta um impacto desses.
    Isso pode acontecer hoje em dia, não há nada em especial que impeça!

    O que aconteceu com o Senna foi uma fatalidade, podia acontecer hoje, em Montreal, com qualquer um! Todos que lá correm sabem do risco, e sabem que por mais segurança que tenham, naquelas velocidades tudo pode acontecer.

  • Concordo, Veloz.
    A ruptura da barra foi por fadiga de material, com a característica ruptura em forma de hélice.
    Não foi morto por ninguem: Ele morreu, e liderando a prova.
    Não se foi deste mundo dormindo, o que dizem ser a “morte dos justos”.

  • Cassio,
    Bom ponto, mas:
    1. Os ovais da IRL têm ZERO ondulações. Então, mesmo com o carro muito baixo, eles NUNCA batem o fundo no chão (coisa que teria ocorrido ao Senna)
    2. Aquele Williams, que eu projetei, foi concebido para suspensão ativa. Quando ela foi proibida, o carro ficou extremamente “duro” e com uma tendência patológica a bater no chão. Leia mais em http://blog.estadao.com.br/blog/index.php?blog=11&p=188&more=1&c=1&tb=1&pb=1#more188

  • Veloz – HP, falou tudo em !!! E eu te pergunto, hoje, sera que existe algum lugar nesse planeta onde esportes visto por uma grande massa populacional não é comprado, manipulado, corrompido, acho que não, quem quer apostar a Alemanha leva a copa, o Juca Kfouri já profetisou, o Brasil não leva a copa.
    Melhor ver nosso # 96 em Interlagos, ali pelo menos a gente sabe que é uma corrida honesta, feita com o coração, assim como o Senna gostava, acho que se ele estivesse vivo daria uma passadinha no box 21 dia 15 pra ver o que o Baixinho do FG (conforme está no Boto do Reno)está aprontando, é , o homem faz falta mesmo né? Abraço

  • é aquela história que nunca acaba.
    acho que a discussão sobre o que motivou o acidente sempre será pertinente, no mínimo para minimizar a possibilidade da reincidência. no entanto, a busca do “responsável”, o algoz, “aquele que matou ayrton senna”, cheira a sensacionalismo. o processo movido pela justiça italiana sempre me pareceu um despropósito, uma jogada de marketing mal pensada.
    a fatalidade ronda esse acidente, ele morreu na liderança, saiu da pista, bateu numa velocidade absolutamente suportável, e morreu atingido por um fragmento, de forma inédita. culpa de quem? amém.

  • Eu já vi e reví todos esses programas, depoimentos e vídeos. Estava assistindo ao vivo tb (pela tv). E no dia do acidente, ouvi vários depoimentos que foram ao ar. Bom, um dos depoimentos de que eu me lembro foi umdo Piquet, que disse que na opinião dele, alguma peça da suspensão teria quebrado.
    E foi exatamente isso que eu sempre achei, antes de conhecer a teoria da barra de direção. Tudo bem, os caras não são loucos, estudaram o caso, mas essa história sempre ficou na minha cabeça…uma quebra da suspensão traseira direita, que levantaria a roda dianteira esquerda, fazendo o carro guinar com tudo para a direita, batendo no muro…

  • Respeito a todos , mas tenho uma visão diferente dos fatos.
    Acho que a maneira como é encarado o acidente do Senna ,induz as pessoas a ficarem perplexas.
    Eu fiquei chocado quando morreu Villeneuve, claro , tinha 14 anos e como um heroi poderia morrer?Este acidente foi muito mais ridiculo, o cara morreu porque o banco se soltou, absurdo!
    Acho que a maneira como é colocado cada situação , o angulo por onde é observa muda o ponto de vista das pessoas .
    Até a maneira como autoridades reagem a cada circunstancia é sempre relativa á leis do momento , e as vezes um erro de avaliação ou uma decisão precipitada pode causar consequencias gigantescas.
    Gosado como a maneira de encarar as coisas da vida muda em uma velocidade absurda, quem teve a felicidade de ler A FORMULA 1 MODERNA, acho que de 1972 , vai entender.

  • Não sou piloto , mas esta história de “pressão baixa” nos pneus nunca me desceu bem .
    Se fosse assim , quantas porradas teríamos na IRL a cada brandeira amarela ???? Heim ???
    Lá o CARRO DE SERVIÇO ( fica melhor assim do que em inglês ) entra por diversas vezes , obrigando o piloto a reduzir a velocidade e teoricamente baixando a pressão dos pneus .
    Mas veja bem , estamos falando de um tri-campeão mundial , muito experiente . ok ???
    Concordam que ele saberia melhor do que ninguem manter os pneus aquecidos e com a pressão bem próxima do ideal ???
    Se fosse o IDE , ou o NAKJIMA , KATAYAMA ou DE CESARIS , ou ate o GILLES … mas o Senna eu duvido que tenha sido erro dele , ou baixa pressão nos pneus !

  • O carro não virou as rodas no momento do “escape” dos trilhos, nem saiu de traseira. Foi reto, não existe dúvida que o carro seguiu o que os pneus direcionaram.
    Assim, só duas possibilidades:
    Ou Senna não virou o volante, ou o volante não funcionou.
    O fato é que as rodas não viraram.

    Mas que o Frank Willians faça o que quiser, afinal, no lugar dele teria feito a mesma coisa: Apagava as imagens e destruia o carro.
    Se deixar acusar pela morte do Senna não o traria de volta.

  • Na semana seguinte ao acidente, a revista italiana Auto Sprint publicou a matéria completa da porrada, inclusive com fotos do capacete do Senna em cima de uma mesa, provavelmente na delegacia ou na sala do diretor do autódromo, que mostram as marcas da entrada da barra da suspenção do carro, aquela que saiu voando, acima do olho direito, na divisa entre a viseira e a moldura de borracha.
    São várias fotos de vários ângulos, mostrando inclusive a parte interna cheia de sangue e respingos do que creio, seja matéria encefálica.
    Todo esse relato mórbido é para dizer que nesse mesmo número da revista, uma semana após o ocorrido, eles já afirmavam que o que houve foi a quebra da barra da direção e muitas fotos dessa peça partida tirada quando ainda socorriam o Senna deitado no asfalto, comprovam o que eles afirmavam, pois tiveram acesso até ao capacete dele logo após o acidente e converçaram com várias testemunhas que estavam ao lado da pista e viram nitidamente o Senna com o volante quase fora do cockpit antes da porrada e mais ainda, o tipo de quebra apresentada na emenda da barra não é de choque e sim de ruptura por esforço, coisas totalmente opostas naquela situação.
    Como, a partir da alegada morte do Senna no hospital, também contestada pelas testemunhas que afirmam que ele morreu na pista, tudo correu sob segredo de justiça, tanto pelas leis italianas como pela solicitação das partes envolvidas, a revista então não pôde mais revelar novos detalhes, tendo que se limitar apenas aos fatos antes da declaração da morte da vítima.
    É isso aí galera, pura sujeira e canalhice na morte do último grande hérói da F1, pois ela já estava podre a muito tempo, apenas que ainda valia a pena assisti-la para vêr um piloto de verdade e limpo vencer em meio aquele chiqueiro humano.
    Entendem agora o porque do meu nojo para com a F1 ?
    Entendem agora o que é cerceamento de informação em pról do lucro, em pról da mídia, em pról do faturamento, em pról do “o show não pode parar” para os idiotas continuarem a pagar ?
    Não amigos, não sou idiota, a mim esses canalhas nunca enganarão.

  • Como o Henri observou, o carro é um Vectra GSI e não um Tempra !
    O Tempra foi usado na corrida do Brasil em 93, quando foi “resgatar” o Senna da multidão que tomou conta de Interlagos !

  • Já ouvi dizer que foi Senna que pediu para alterarem a barra de direção, e por ter sido feito as pressas aconteceu a tragédia. Alguém confirma isso ou é apenas lenda ? O motivo seria melhorar a posição para o piloto e também facilitar a leitura do painel.

  • Morreu, antes ele do que eu.

    Piquet falou no início da temporada de 82, depois de inúmeros acidentes: “O primeiro passa, o segundo passa, o terceiro fica”. E logo depois Villeneuve morreu.

    E assim foi com a Tamburello: Piquet e Berger passaram, Senna ficou.

  • Excelente documentário. Ainda falta a Williams explicar o motivo do corte na parte final do filme. Penso que essa parte seria o que desvendaria o mistério. Para mim, acho que foi mesmo a barra de direção.

  • Se alguem assisitr os vídeos dos acidentes do berger e piquet na mesma curva, verá que em todos os casos, a forma que o carro sai da pista é muito similar. Não acredito na tese de perda de pressão dos pneus, nem na quebra da barra de direção… acho que foi uma série de fatores que culminaram numa perda de aderencia e por consequencia, a saida da pista… isso é a minha opnião!

  • Eu acho a tese da barra de direcao a mais provavel. Afinal, se o problema fosse nos pneus, pq nao teria acontecido o mesmo com outro piloto? Pelo menos com o Hill, companheiro de equipe do Senna na epoca.

  • O carro que comboiava os f-1 era um Opel Vectra GSI de 150 cavalos – que ao final de 4 voltas – tinha os freios praticamente acabados. Tempra????…nada disso, na versão Turbo i.e. (inexistente na Itália), ele sofreria do mesmo mal quanto aos freios e as rodas aro 14. Mas o motor seria suficiente para andar em Ímola.