Palmas para eles

SÃO PAULO (grandes homens, grandes máquinas) – Recebo, através do Sérgio Berezovsky da 4R, o seguinte bilhete:

Caro Flávio,
Fantástica a sua homenagem ao Norman na Clássicos 12. Anexo provavelmente a última fotografia dele e, se não a última, a única a reunir os dois únicos recordistas mundiais, ambos com mecânica DKW e assessoria do Jorge Lettry: o Norman no Carcará e eu com o Eduardo Scuracchio nos 1.000 km de Interlagos em agosto 64, foto tirada em 22/09/05 no sítio do Paulo Scali em Itaipava.

Assina Roberto Dal Pont, figura adorável, um dos grandes (no caso dele, enorme!) pilotos da Vemag. O recorde ao qual ele se refere é da única vitória de um motor DKW em prova de longa duração, algo que nem na Alemanha os Auto Union conseguiram.

Reverenciemos esses rapazes…

Comentários

  • “Por causa de boato, Dal Pont ganhou de fato”
    Este (ou algo bem parecido) foi o título da matéria de 4 Rodas sobre a corrida, à epoca. Eu tinha 8 anos de idade, mas isso ficou marcado na minha memória. Dal Pont foi o último a largar (largada estilo Le Mans) e chegou em primeiro. Ano passado perguntei ao Bob Sharp sobre essa corrida e ele me contou que não participou mas disse:
    “O Dal Pont e o Eduardo Scuracchio contaram com o apoio do Jorge Lettry, que lhes cedeu um motor e conduziu o box, inclusive tendo levado o Crispim e outros mecânicos da equipe. A Vemag não correu porque havia começado um surto de quebra de anéis e preferiu ficar de fora enquanto uma solução não fosse encontrada. Mas o fato é que essa foi a prova mais longa vencida por um DKW, na classificação geral, em todo o mundo.”. Depoimento histórico.
    Nesse mesmo 1964, um mês antes (10/07), meu pai tinha comprado seu primeiro carro, uma Vemaguet 64 1001, que tenho até hoje.

  • Sérgio Berezovsky, um incansável defensor da cultura automobilística brasileira. Pode-se ver bem pelos seus primorosos e cuidadosos testes que faz para sua 4R. Curiosamente hoje, dia 23 de junho o Sergio foi lembrado por um amigo que temos em comum qdo. fui apanhar meu carro em sua oficina, Beto da Sustentécnica e comentamos algumas passagens…esse é um grande cara. Obrigado pelo belo presente que vc Sergio nos proporcionou com essa grande lembrança…abs

  • Uma das grandes falhas na minha “formação automobilística” é que vi poucas vezes o Norman correndo. Uma delas foi nos 500 Km de Salvador de 68 (creio), onde ele correndo com um Puma em dupla com o piloto baiano Lulu Geladeira (tinha que ser baiano, com esse nome…) andou se enredando com um piloto de Brasilia e acabaram nos tapas nos boxes, ao final da corrida. Outra, nos 1000 Km da Guanabara, em 1969. Já o Roberto dal Pont sei que andou de DKW e por último de BMW, mas não recordo de tê-lo visto correr. Uma pena…

  • Mais dois galáticos, principalmente o Norman.
    É incrivel como esse blog vai se tornando a cada dia um verdadeiro Arquivo Real de fatos, fotos, histórias, causos, biografias, engenharia e principalmente amor ao mundo do automobilismo e motociclismo.
    É um orgulho enorme para mim poder contribuir para esse acervo continuar a crescer e também fazer novos amigos, mesmo que sejam tecnologicamente virtuais.
    Essa foto do Casari e do Dal Pont deveria ilustrar essa nossa união virtual em prol da cultura automobilística e motociclística.
    Muitos já partiram, nós também iremos embora daqui um dia, mas esse acervo continuará para as próximas gerações de apaixonados como nós e servirá, como sempre serviu a cultura e o conhecimento de quem já viveu, para balisar as atitudes e direcionar as ações em pról sempre de um mundo menos ruim, e de uma volta à valorização do homem, do seu talento e sua virtude de sonhar realizando e amar fazendo.

    Parabéns Gomes, sei que você sabe da importância do que fêz, e conte conosco para continuar fazendo.
    Grande abraço.