Foto do dia

SÃO PAULO (oito canecos) – Cumprindo a promessa de campanha, lá vai a foto de hoje do incrível arquivo de Veloz-HP, que retrata uma época riquíssima do automobilismo nacional.

O Mavecão, de propriedade ainda desconhecida, veio acompanhado da legenda abaixo.

Interlagos, 1974 – Divisão 1: fim das tomadas de tempo no sábado.
Pelo estado da lataria do Maverick, a coisa era séria na pista.
O Chevette número 300 era do Vinícius Losacco, pai do atual campeão
da Stock Car, Giuliano.

Comentários

  • Esse Maverick Quadrijet, Gremafer/Condugel tinha cores vermelhas e faixas amarelas e de No. 7 era do meu irmão Roberto Di Loreto. Grandes duelos em Interlagos na Divisão 3, principalmente contra o Fábio Crespi.

  • VELOZ-HP:
    Obrigado pela foto ! ! !
    Me ver com a inseparavel prancheta, andando pelos boxes tentando organizar a bagunça foi “DEMAIS”. Você me fez voltar 32 anos no tempo. Ai que saudade desse tempo em que eu respirava e trabalhava com as corridas em Interlagos.

  • De fato, postar ladas quando tem Div. 1, Div. 3 e Div. 4 para postar é o fim da picada, ô Flavio.
    Embora não fosse minha predileta, você podia arrumar também um pouco de Fórmula Ford.
    Ironicamente, não pintou nada do torneio de F2 que teve aqui em 1971, com pilotos como Hill (o verdadeiro), Peterson, Reutemann.
    Sobre 84 Horas de Nurburgring, tem alguma da versão de 1969 coisa em http://homepage.mac.com/frank_de_jong/Races/1969%20Nurburgring%2084hrs.html

  • Quero chegar na idade de vcs.. com a 1/4 do conhecimento em corridas e carros de vcs…

    Que é isso, so de olhar o maveca e o numero vcs ja sabiam de quem era.
    SHow show show… parabens….
    Mais e aí esses irmaos eram bons?

    abraços

  • Os Di Loreto aqui ?!?!?!?
    Num credito !!!!
    Vi muita barbaridade desses (hoje) respeitáveis, comportados e centrados senhores…
    O que esse V Oitaço fazia, pesado e inclinando até quase raspar a roda era de arrepiar.
    Hoje, se der umas voltinhas de carrinho original 1.zero a nada por hora o povo assusta… E se bater?
    Ora, se bater afunda… Amassa… Detona… Moe todinho…Troca tinta com o guard rail… Qual o problema?
    Imaginem aquela torre da caixa d’agua crescendo rápido na tua cara na saída da curva 2, socado…
    Aí sim era pancão, daqueles pra não esquecer…
    Andar num desses, mesmo antigo no circuito novo deve ser bem divertido…

  • Sou suspeito para falar de MAVECOS…

    Até o nome soa lindo e simples “V-8″….ao mesmo tempo é forte…

    É o som preferido de todas as obras de arte da engenharia…

    Estes dias eu vi no youtube, o ronco do Mustang Shelby GT-500 ELEONOR… 450 cv, nitrado… a lenta dele é algo fora do comum…

    E depois vem o Sr. Flávio Gomes enchendo de linguiça o seu blog com o malditos desastres chamados LADA, da idiota da mãe RÚSSIA, que só sabe fazer ANTONOVS muito bem e VODKA…

  • Oi Flavio
    Legal essa foto,no volante meu irmão Roberto, que nesse ano ganhou um monte de corrida no Paulista, Eu era seu parceiro sómente no Brasileiro, já que eu
    fazia parte da Super Ve.
    Um abraço
    Ricardo Di Loreto

  • Mefistófeles:
    ” Já tinha quase uma volta de vantagem para o segundo, exageraram na tocada e as bielas foram procurar lugar mais fresco fora do bloco…”
    Hilário, camarada.
    Essa eu nunca tinha ouvido.
    E olha que vi muito motor abrir o bico…
    Abraço.

  • Mefistófeles:
    Essa frase “já tinha quase uma volta de vantagem para o segundo, exageraram na tocada e as bielas foram procurar lugar mais fresco fora do bloco…” é hilária, muito boa mesmo.
    Vou começar a usar. Mas conto de onde veio o Copyright.
    Abraço.

  • Baú da felicidade do Veloz HP. Div.1 boa idéia para custos baixos e boas disputas. Aqui em Portugal já vi BMW 320 diesel, mais Fiat Bravo 1.9 diesel correndo junto com Clio do ex Trotéu – 2 litros gasol -mais Civic Type R gasol – não lembro cilindrada e mais algum outro modelo , todos juntos. Resultados durante o ano todo, por 2 anos: Civic, um ou dois Clios balas, um BMW bala, os outros Clios e os outros BMW diesel e no final os Fiat Bravo – Marea sem bunda . Todos os diesel com fiabilidade e alguma fumaça claro mas pouca competitividade em relação aos modelos a gasolina

  • Ah, já ia esquecendo. o Ricardo e o Roberto tomaram outros rumos na vida que não foi só de guard-rails. O Ricardo, para quem ainda não sabe, é capelão da Stock Car e dá sempre uma palestra de estímulo no briefing de cada corrida.

    valeu
    ]Zampa

  • Flavinho, este mavecão era os irmãos Ricardo e Roberto Di Loreto. Corriam no Brasileiro mas se esta foto é de Interlagos, quem guiou foi o Roberto que, por sinal, venceu um monte de provas.
    abraços
    Zampa

  • Pelo que sei, as 24 (e não 84) Horas de Nürburgring existem até hoje, com carros de turismo, e realmente a BMW competiu com um Diesel lá, máquina que aguentava até 4 horas de corrida sem reabastecimento, Difícil era fazer o piloto suportar esse tempo todo… A VW também tentou por um Golf TDI lá, mas não foi muito bem sucedida.

  • Uma prova de 84 horas? Essa sim é pra fanáticos…
    Uma dúvida ou confirmação….das provas de resistência as que mantém características de competição com carros do Grupo 1 ou N, são as 24 horas de Spa e Nurburgring?
    Uma coisa que vi no Autoesporte no domingo passado sobre os 500km…que a Aldee está com novo protótipo…
    Abraços.

  • Caro Joa, Grão vizir da Ordem dos Matuzas, acho que vossa excelencia cometeu um engano. OS Torinos eram feitos pela IKA, hedeira da Kaiser dos USA, que foi incorporada na AMerican Motors, absorvida pela Chrysler , fundida com a Mercedes nos anos 90. A Ford fabricava os FAlcons, que tinham também um motorzão 6 em linha (e tiveram uma versão com V-8, coisa que poucos sabem, para homologação). Caro Mefisto, nobre barão da ordem dos matuzas, a última prova de 84 horas foi na década de 80. As provas de 24 horas continuam a ser disputadas todos os anos no inferno verde, sendo que, sim a prova de 98 foi vencida por uma beemevú 320 diesel, sendo a primeira vitória de um motor diesel em prova contra motores a gasolina. Sim, os Torinos (eita carro lindo) poderiam ter vencido, mas houve uma ruptura do cano de descarga e os mecanicos serraram o cano sob o assoalho, mas os organizadores exigiram a reposiçào completa do sistema.
    Todos juntos: ooohhmmmmm

  • a equipe argentina correu com os Ika Torino ( depois Ika – Renault, uma sociedade entre as industrias Kaiser Argentina e Renault).
    os argentinos não ganharam por pouco, um problema no escape os fez perder tempo no conserto que foi exigido pela organização. não lembro bem da história, mas a coisa teve cheiro de patriotada dos tedescos.

  • Concordo com o Joaquim, é o Maverick dos irmãos Di Loreto.
    Nas Mil Milhas o Opala de PV De Lamare e Cacó Martins quebrou na 9a volta, quando já tinha quase uma volta de vantagem para o segundo, exageraram na tocada e as bielas foram procurar lugar mais fresco fora do bloco. Creio que a última 84 Horas de Nurburgring foi vencida por uma BMW diesel.

  • Nelson, o pouco que sei sobre as 84 Horas ou Marathon de Nurburgring é que era uma prova de resistência para carros de turismo, GT e esporte , sendo realizada num circuito de 13 Km, com 322 voltas e perfazendo 9.119 km ininterruptos. Em 1969, a Ford argentina correu lá com três Torino preparados por Orestes Berta e conseguindo um quinto lugar na geral, salvo engano. Não é muito, mas é o que sei desta prova. Abs.

  • Sem dúvida, Edison. O Pedro Victor pilotando o Opalão da Eletroradiobraz disparou na frente mas quebrou logo na primeira hora, deixando o caminho livre para o Mavecão dos Clemente.
    Nelson, não tenho maiores informações sobre as 84 Horas de Nurburgring. Sei que era uma corrida de resistência para carros de turismo enquadrados no Grupo 1, ou seja, quase sem preparação. Alguém aqui poderia dar uma dica para nós? Abs aos dois.

  • Grande Mestre Joaquim,
    Só uma observação,na sua descrição das vitórias do Ford Maverick em 73,nas Mil Milhas o Dropgal-Ford dos irmãos Clemente já correram como Divisão 3.
    Abraços…

  • Em 73, com a criação da Divisão 1 – carros de turismo de série quase sem preparação – por Antonio Carlos Avallone para disputa das 25 Horas de Interlagos, prova esta inspirada nas 84 Horas de Nurburgring. Vitória de Bird Clemente (sempre ele!) /Nilson Clemente/Clóvis de Morais com Maverick V-8 depois de uma batalha feroz com o Opala de Bob Sharp/Jan Balder, vencendo por uma mísera diferença de 45 segundos depois de 25 horas de corrida!!. O Maverick ganharia também naquele ano os 500 km de Interlagos (Bird/Nilson); as 200 milhas de Interlagos (Luisinho/Tite Catapani); as 6 Horas de Tarumã (Tite/Alex Ribeiro) e as Mil Milhas (Bird/Nilson). Essas vitórias acachapantes levaram a GM a providenciar a versão 250S e a Ford contra-atacar com os Quadrijet. Mas isto eu conto numa coluna Retrovisor, já em poder do Mestre Brandão.

  • Foto tirada no estacionamento atrás dos boxes antigos. Ao fundo, as curvas 1 e 2 de Interlagos… Reparem na inclinação das duas. Estão lá até hoje, sujas e sem uso…
    Não sei não, FG e Veloz…
    Daqui a pouco me vejo em alguma foto com o Arturo Fernandez ou Álvaro Guimarães – o Bico, da Motorgirus…