Fim

SÃO PAULO (que fiasco…) – Está no “Estadão”. A Audi anunciou que pára de fabricar o A3 no Brasil daqui a duas semanas. Mais um fracasso estratégico num país estranho. A Mercedes e a Chrysler fizeram fábricas enormes e modernas por aqui, para atender não se sabe bem quais mercados, e também não deram certo. Aos poucos, vão picando a mula. (De onde vem a expressão “picando a mula”?)

Faz-se necessário dizer, no entanto, que montadora abrir fábrica aqui é a maior mamata do mundo. O BNDES financia a juros camaradas, ninguém gasta nada, há incentivos fiscais bárbaros… A contrapartida é que ninguém cobra.

A nova versão do A3, esse aí debaixo, que é lindo, será importado.

E como tem assunto de montão para o fim de semana, me voy. Afinal, como diz o filósofo, hoje é sexta, amanhã é sábado e depois é domingo. E neste fim de semana não vou correr de nada. Fazia tempo que eu não tinha um fim de semana de folga…

Comentários

  • Oi Pessoal!!!!

    Estou a mais de 2200 km em ferias aqui no interior da Bahia(de casa e inspirado pelas aventuras do Joaquim, vim dirigindo,mas nao achei o Lampião..) Arrumei uma lan house para 2 coisas:
    1-matar a saudade de todo mundo aí no Blig!!

    2-perguntar (para o Joao), o que diabos motiva uma pessoa a entrar no blig e mandar (diga-se de passagem)um infeliz comentario destes??
    Amigão, pudera todos os jornais e veículos associados darem oportunidade a jovens talentos como o Grande Premio está oferecendo, coisa bem rara neste país. Quanto as nossas confraternizações em Interlagos (acho que voce nao deve ter ido a nenhuma), desculpe mas o que MENOS OU NUNCA se vê por lá, seja por parte do Flavio ou o pessoal que frequenta este blog, é estrelismo, egocentrismo e outras neuras como vc comentou. A opiniao de todos deve ser respeitada e este espaço é livre mas pelo amor de Deus, escreva algo de produtivo…

    Blogaiada, a BMW Esquife tá quase pronta…

    Um abração!

    Ricardo

  • Já que o A3 é tão terrível assim, vou fazer uma caridade e aceitarei todos os DUTs de Audi A3 devidamente preenchidos em meu nome, só para livrar vocês desses carros tão desagradáveis… Se alguém tem que fazer, eu faço esse sacrifício.

  • Ingo:
    Nem sempre o BNDES tem este rigor na execução dos projetos que não dão certo. Ao contrário, como os empréstimos são precedidos por um detalhado estudo de viabilidade tecnica, econômica e financeira, elaborado por seus técnicos, na maioria das vezes o banco acaba transformando a dívida em ações societárias (se o estudo dos técnicos do banco é tão bem feito, como os projetos podem virar dívidas sem a menor possibilidadede pagamento). No caso da Audi acredito que foi apenas uma maneira que a Volks encontrou de obter facilidades fiscais com o mínimo de investimento. Já a Mercedes tinha a melhor das intenções. Havia inclusive um projeto de construir o Classe A na China como um autêntico carro popular. O tal Teste do Veado (ou Alce) acabou com o carrinho. Aí a Mercedes, pra reparar o erro da engenharia alemã, foi obrigada a despejar eletrônica embarcada de última geração. Afinal ela não poderia assumir publicamente um erro tão grosseiro no projeto de concepção do carro.

  • Quem não gostar do que lê por aqui pode utilizar uma tecla importantíssima do seu teclado. Esta se localiza à direita da tecla “enter” e foi denominada “delete”.
    Pode também fazer o favor de não aparecer mais por aqui, espalhando azedume, inveja e ignorância.
    Vistam suas carapuças, idiotas.

  • Como tem gente invejosa hein !!! Se o cara tem dinheiro pode comprar o carro que quiser e ninguém (ao não ser o banco que financiou) tem nada com isso.

    A VW foi a maior no Brasil por muitos anos, mas fizeram tanta besteira que acabaram perdendo mercado e agora ate falam em fechar fabricas. Mataram a Brasília ao invés do Fusca, fazem a Saveiro a tantos anos e nunca fizeram com a carroceria fechada e deixam a Fiat mandar neste mercado, o Gol é campeão de vendas e vivem lançando carros para substitui-lo custando bem mais caro, e vai por ai a fora. Se fecharem a Audi vai ser por um erro destes em não enxergar que nosso mercado não comportava a fabricação de um carro tão caro e ligado a imagem de jovens. Se fosse um carro para concorrer com Vectra, Civic ou Corolla com certeza venderia mais pois quem tem dinheiro é o pai e não o filho na maioria das vezes.

  • Sem ser mensageiro do mau agouro, mas existe outra fábrica que esteja indo no mesmo caminho desta da Audi?
    Pq ultimamente virou moda essa coisa de abrir uma fábrica onde se tenha mais vantagens e quando a operação começa a dar prejuízo, põe a viola na sacola e vai embora sem nem dizer adeus…
    Será que o panorama do mercado nacional daqui uns anos será o de marcas japonesas dominando tudo?
    Se ser pobre é ter grana pra comprar um carro pelado e raquítico por quase 30 mil reais…então eu posso me considerar um miserável…

  • A comparação de Uno e Celta face ao A3 foi uma brincadeira de alguém utilizando o meu apelido no blog…ainda bem que com grafia errada…mas mesmo assim, não aprecio o A3 apesar de conhecer in loco suas capacidades dinâmicas no asfalto, plaboys ou jogadores de futebol…..talvez seja essa a minha reserva com a imagem do carro, não com seu conteúdo!!!

  • O BNDES não é casa de caridade, é um banco que tem como função emprestar dinheiro para projetos de investimentos de empresas. Não é mamata nenhuma, é a função dele. Se a empresa não der certo, e não pagar o empréstimo, o banco executa as garantias. nengum empréstimo está isento de risco, só o criado pelo Lula consignado com a aposentadoria, esse sim é uma mamata, mas para os bancos.

  • Puxa, acho que nunca vou ter um A3. Se ele atrai mulheres, que tipo de mulheres atrai?
    Jamais sairia com uma mulher que me escolhesse pelo meu carro. Tenho meu orgulho, não me humilhiaria assim.

  • A Audi foi construída perto de onde nasci, na Roseira de Campo Largo, distrito da cidade de São José dos Pinhais.
    Lugar era lindo, um bosque de árvores velhas, região de importância ambiental…
    em em frente ao cemitério onde foi enterrada minha avó…
    Derrubaram tudo, construiram uma caixa cinza quadrada, criaram um buraco, a doce estrada que levava ao sítio de meu pai, passando pelo cemitério, ganhou uma rotatória enorme, agora até acidente de carro acontece ali.
    Não que o movimento tenha melhorado. A venda ao lado do cemitério não ganhou um novo cliente, nenhum emprego indireto foi produzido na região, mas muitos vieram pela imensa propaganda produzida, e a criminalidade, nula até então, virou regra.

    Não me venham falar que é coisa de empresa, que só visa lucro, etc… A Renault, na mesma cidade, fez um belo complexo, um tanto espalhado mas protegendo boa parte da natureza, até alguns sítios arqueológicos foram identificados e protegidos, antes da construção. Os trabalhadores da Renault são garotos aqui de Curitiba, passa um ônibus todo dia para eles irem trabalhar. A Região, que era desértica, com povoados poluidores, melhorou,a Renault trouxe um bom ambiente para lá.
    O Resultado empresarial de tudo isso, desconheço, não tenho formação administrativa, apenas verifiquei que na prática a Renault sabe que sem a qualidade de vida o lucro de nada adianta. Já os caras da Volks parecem que pouco se lixam…
    Mas, todos sabem qual fábrica vingou, e qual vai acabar fechando (e espero que quando fecharem aquela mer da, reflorestem a região, reconstruam a estradinha.
    Não vão fazer isso, me tira lágrimas pensar nisso, espero que os alemães, junto com o sócio da epoca sr Leonardo Senna, queimem no inferno pelo que fizeram lá.
    Além disso, a cagada enorme que se verifica ao terem dois carros de igual tamanho, para diferentes nichos, porém limitados, com padrão construtivo tão deslocado de nossa realidade (na mesma época que a Volks achava que o Polo poderia substituir o Gol, custando 30% a mais), não se teve uma preocupação, nessa fábrica, de abrir novos modelos para nichos mais amplos, Como um Sedã médio (preferiram importar!), meu deus, na época achava óbvio, hoje acho idiota, como cometeram tantos erros em tão pouco tempo?

  • Só para completar minhas críticas, cadê o “Pró Caminhoneiro”? Como representante desta classe (apesar de ter uma kombi pick-up), fala-se que o dinheiro está no BNDES e aguardando os bancos e as multimontadoras se pronunciarem.Enquanto isso, nas ruas e estradas podemos ser as próximas vítimas de caminhões em péssimo estado de conservação; porque os fretes estão muito baixos e não sobra quase nada para reformar estes veiculos(reforma hoje em dia não compensa mais, está tudo pela hora da morte, seria mais facil trocar o caminhão ou rodar até se desmanchar num acostamento qualquer). Trocar caminhão é facil para as grandes transportadoras, pois tem leasing,créditos sem consultas ao SPC e sem contar as que recebem “na faixa” os modelos para testarem enquanto trabalham e ganham com seus fretes abusivos.
    Só por curiosidade pesquisem o preço do frete para a Bahia (Ford/Camaçari) nas grandes transportadores(com caminhões novos e próprios) e vejam quanto um motorista agregado (autônomo com aquele caminhão de 20 anos) recebe de frete por esta mesma viagem. As montadoras subsidiadas pelo BNDES pagam um preço absurdo de frete e os autônomos não conseguem sequer um aceno sequer para conseguir este tal crédito. É revoltante! Quanto ao Audi A3 parar de ser fabricado aqui no Brasil, bem, A VW pode dizer que os custos estão muito aquém, mas eu garanto que não é por culpa do meu frete, pois foi de apenas R$ 350,00 minha ida de SP ao Paraná com o preço da gasolina do jeito que está.

  • Concordo também com o “EU”. Deveríamos estar criticando os aproveitadores governamentais que só de uma multinacional falar em abrir uma filial aqui no Brasil,correm para facilitar o derrame de dinheiro do BNDES. E Quando esta se vai, alegando falta de mercado, ninguém fala nada do nosso dinheiro que se foi e não houve como retornar, pois os prejuízos foram enormes para a multi. E os nossos ex-trabalhadores, será que serão obrigados a cortar o dedo para conseguir um indenização afim de terminar de pagar SFH e esperar uma oportunidade de se candidatar a presidente e quem sabe receber uma “bola” de alguma outra multi?

  • Para o Evanclaudio. A expressão “carro de baiano” surgiu há alguns anos em alusão aos penduricalhos que há em trios elétricos. Tal imagem fora lembrada ao associar algum apelido àqueles carros cheios de frescuras como aerofólios, saias laterais, extratores traseiros, cores berrantes, tapetes “chão de busão” pela aparência dos mesmos, entre outras firulas. Não é nada pessoal à baianos, é apenas alusão aos trios elétricos e que foram empregados em carros tunning que infestaram as ruas depois dos filmes Velozes e Furiosos. Pelo menos foi essa explicação que achei ao vasculhar a net.

  • Onde foi que o Flávio Gomes criticou o Audi A3? Em momento algum. Só disse que a Audi, Mercedes e Chrysler erraram em algum momento no estudo de mercado para seus modelos aqui no Brasil. Criticou foi o Brasil que pra deixar instalar uma fábrica dá milhões de incentivos e quando a fábrica sai, não faz nada(causando danos aos funcionários que nada tem haver). Até chamar o novo modelo de lindo, ele chamou e tem gente aqui crucificando ele falando que tá “agredindo” o modelo em si. Por acaso vocês realmente leram a coluna dele ou já foram entrando nos comentários e pegaram o bonde andando?

  • EU PEGUEI O BONDE DA BAIXARIA AI EMBAIXO EM MOVIMENTO E VI UM COMENTARIO DE ALGUEM DIZENDO \\” MAIS QUE É CARRO DE BAIANO É\\” OU ALGO SEMELHANTE GOSTARIA DE SABER A QUE SE REFERE ESSE COMENTARIO POIS SOU BAIANO E FIQUEI MUITO CURIOSO DE SABER. OBRIGADO

  • Flavio Gomes, antes e hoje:

    1) Antes: Comentarista de F1 na radio Bandeirantes. Hoje: “Comentarista” de noticias da Folha de S. Paulo em seu blog.

    2) Antes: Produzia as noticias da F1 direto da pista, o que criava o grande diferencial do site “Grande Premio”. Hoje: Comanda a distancia um bando de estagiarios, “jornalistas de release” devido a propria inexperiencia.

    3) Antes: Comandava o site pessoalmente.
    Hoje: Julga-se o proprio Roberto Justus da F1, escolhendo os coitados que vao escolher os releases para publicar no site atraves de um concurso, “O “Grande” Estagiário”.

    3) Antes: Acompanhava in loco todos os GPs da temporada.
    Hoje: Assiste as corridas em casa, deitado na cama, enquanto os estagiarios estao na redacao fazendo o “ao vivo” do site. Apos a corrida, levanta-se e se da ao trabalho de escrever alguma coisa no blig, paa os leitores terem um motivo para se xingar a vontade.

    4) Antes: Tinha como foco os pilotos de F1, e seus egos inflados.
    Hoje: Infla o seu proprio ego, sendo ele o “piloto” em foco, atraindo “fa-clubes” e bajuladores para suas corridas de DKW.

    Amanha ???

  • Que mal há em gostar de carros alemães de qualidade e de mulheres ? Se o carro ajuda, isso é positivo. Prefiro ser chamado de Playboy por ter um A3 e pegar mulheres bonitas do que ter um Uno Mille e andar com mulher feia só pra ser respeitado no Blig do Gomes por meia duzia de marmanjos invejosos.

  • Juvenal, Juvenal… Eu poderia processá-lo, meu querido, por acusações infundadas. Mas como não gosto muito de advogados, vou deixar para lá. Como vês, este espaço é tão livre que permite até que sujeitos como você venham aqui dizer tolices.
    O mais engraçado é que acha tudo isso de mim. E bate ponto aqui.

  • Oh Juvenal,

    Vc por algum acaso lê o que rola aqui no blig? Aliás, é blig sim pelo simples fato do Flavio tê-lo feito no IG. Se fosse no blogger/blogspot, seria blogspot e por aí vai. Cada um tem a sua marcação. Any problem with that?

    Bom, quanto a defender e fazer lobby por certas empresas… eu francamente nunca senti essa vibração por essas bandas não. Esse espaço é simplesmente um lugar onde o dono do mesmo dá uma ventilada no que anda rolando por aí, dá a sua opinião sobre alguns assuntos que muitas vezes difere da opinião de outros blogueiros inclusive da minha e até expõe para Deus e o mundo o que para muitos é uma vergonhosa predileção automobilística. Eu duvido muito que o Flávio receba algum por fora por essa ou aquela ventilada que dá. Ainda mais num blig… Ganharia dinheiro sim se colocasse os tais banners… algum à vista?

    E se ele ganha pra falar bem da Ferrari então nunca, jamais, e em tempo algum ousaria falar mal da mesma, sua dita provedora mor. Engraçado, pois já o vi sentando o pau na vermelhinha algumas boas vezes. Mas como assim então?

    Acho que antes de ir em cima da digamos ventilada alheia, vc deveria dar uma olhada na sua pra ver se ela de fato tem fundamento ou é só uma dorzinha de cotovelo básica que com uma dose de Dorflex passa. Em tempo: não ganhei nenhum centavo por mencionar o nome do medicamento!

    By the way… Suzana é sua namorada ou o seu alter-ego?

  • Prezado amigo:
    Aqui tudo acontece e as pseudos autoridades não fazem nada. As montadoras deitam e rolam.
    Aconteceu também com o Classe A.
    Somos um país de terceiro mundo sem perspectiva de melhoras!

  • Se o Uno ou o Gol pé de boi são caros para nossa realidade imaginem o A-3.

    Não me preocupo se vai sair de linha ou não, isto é problema de quem acabou de comprar um 0 km, pois virou um mico, se bem que depois recupera um pouco. Chato e deixar pessoas desempregadas.

    Ele não é um carro de plaiboy, e sim de quem tem muito dinheiro. Se o cara pode comprar e usufruir do carro, da mulherada que vai entrar nele, do status, enfim se ele pode deixa gastar a grana que esta sobrando, o que não pode é neguinho que não tem como comprar um 147 anos 70 ficar criticando por pura inveja.

    Aprendam uma coisa macacada, rico não dá gorjeta e talvez por isso seja rico, pobre para tirar onda economiza o mês todo para ir cortar cabelo naquele salão chique que cobra 8 vezes mais caro que o barbeiro da esquina pelo mesmo serviço e na saída ainda dá uma gorjeta que vai fazer falta para o ônibus.

  • Não sei Daniel, mas esfregam. E meu Lada Samara Azul calcinha está sempre aromatizado com essência de eucalipto , daquelas de sauna. É outro macete que faz a diferença na balada. Eu nem deveria estar falando essas coisas aqui pra não dar luz a cego.

  • Flávio,

    Dá nojo ver que jornalistas agora são comerciantes. Vejo aqui nesse teu blog, o que circula de empresas e jabás. Para mim jornalista tem que ter ética e não se associar a empresas. Blig ao invés de Blog, será que é por causa da IG? Vejo que você questiona alguns profissionais da tua área, mas conhecendo o caráter do José Trajano e do Juca Kfouri eles devem ter vergonha de jornalistas como você. Você ainda recebe dinheiro para falar bem da Ferrari. Eles ainda pagam as tuas viagens?

    Pense que jornalista não é comerciante.

  • Bom dia moçada!!!
    Ae, um camarada aí disse preferir celta, uno a um A3.
    Pois bem, eu tenho um uno, me leva a todo lugar, mais ñ acharía nada ruim trocar num A3, Golf, … Vectra, Corola, Civic… e por aí vai.
    Celta, Uno e similares, são bons carros, são de pobre, mais são bons. E essa é a realidade de uma grande maioria brasileira, somos pobres.
    Assim penso eu..
    Abçs a todos.

  • O que tem de ex-funcionário da Audi aqui tá danado…
    Um carro com a mesma mecânica do Golf…mais caro, menos espaço, mais pesado…fora umas histórias que o motor abre o bico façim, façim…
    São pagos pela empresa? Defendam,se não, ponderem, mas não fiquem nesse despeito de lavadeira de classe média vislumbrada sem educação alguma de que quem critica um carro bom em alguns aspectos (bom pra não se ter um, por exemplo) ser o símbolo de uma escória elittista e imbecil que forma esse país, alguns filhinhos e papais com certeza postaram aqui.
    Defendam suas marcas, que com certeza depois de mortos ninguém mais se lembrará nem de seus nomes, e muito menos a empresa que vcs amam e defendem.

  • Algum de vcs já dirigiu um A3 em uma estrada sinuosa? Já teve o prazer de fazer isto ou estão falando tudo isto por puro despeito? Quem quiser experimentar sugiro o trecho que liga a BR 116 a São bento do Sul aqui perto de Curitiba, vcs vão ver como é divertido. Quanto as ponderações sobre ser carro de playboy me desculpem mas parece que a inveja está matando alguns….pode até não ser o melhor disponível, pode não ser o mais moderno, pode não ser o mais atual mas comparar com Celta!!!!! Me desculpem, mas não dá!

  • Luffe…
    Ter, ostentar e ser…são verbos que têm sua diferença na base…
    Na era do Ter é o que basta para Ser e com isso Ostentar.
    E precisar de carro pra pegar mulher…ô povinho fraco…