No comments


Foto EFE: máquinas trabalham no primeiro dia de
obras do monumento que será erguido no local onde
antes havia o World Trade Center. A inauguração está
prevista para 11 de setembro de 2009 (sobre o 11/9,
quem tiver paciência pode ler O planeta das baratas,
coluna escrita na ocasião).

Comentários

  • Isto é mais uma invenção dos Americanos: na verdade, as Torres Gemeas não foram derrubadas, isso foi truque de Hollywood. Como explicar várias filmagens ao vivo, em diversos angulos, se ninguém sabia? Se a casa de vocês cairem, vocês acham que alguém estaria filmando? Vocês sabiam que a maioria das pessoas que trabalhavam e morreram lá eram imigrantes ilegais ( os faxineiros, por exemplo, e os brasileiros que chegaram cedo para o trabalho, como é costume aqui…). Aquilo foi explodido pelos próprios americanos, pois os prédios já estavam velhos, condenados, com muitos andares abandonados que haviam virado cortiços e antros de prostituição de porto-riquenhos e cubanas…

  • Morreram muito mais pessoas em todas as ditaduras promovidas pelos Estados Unidos na América Latina, nas décadas de 50 e 60.
    Não tenho dó do povo americano. Não faz muito tempo bombardearam uma casa no afeganistão na hora do jantar e mataram mais de 30 mulheres e crianças, tudo isso para matar o número 2 da Al Qaeda. Não preciso nem dizer que o cara não estava lá…

  • Claro que o governo estadunidense sempre beligerante espalha horror pelo mundo, foram 10 guerras em 200 anos, afinal.

    Só que eu gosto muito do povo americano, se os patrícios aqui tivessem 10% da civilidade e educação dos yankees isso aqui seria beeeeeeeem melhor.

  • Parabéns pelo texto, Gomes!

    VIRGO, com todo o respeito, mas sua visão está distorcida. O Taleban recebia ajuda dos estadinidenses, que queriam criar um Vietnã para a URSS, de modo que os EUA armaram os afegãos para expulsarem os soviéticos. Um dos articuladores dessa união era Osama Bin Laden, que recebeu até mesmo treinamento da CIA (além de armas). Isso são fatos, que são, deliberadamente, omitidos pela mídia em geral. Assim como Saddan é cria deles. Há até uma foto que mostra o Rumsfeld (secretário de defesa dos EUA) cumprimentando o Saddan em 1983, quando apoiaram o Iraque contra o Irã.

    Procure saber sobre os contras na Nicarágua, sobre o Canal do Panamá, sobre o golpe no Chile em 73 (em um 11 de setembro também), bem como a participação dos EUA nos regimes militares da América do Sul.

    Henry Kissinger, então secretário de defesa dos EUA na época, declarou alguns anos depois: “O golpe no Brasil foi estratégico. Não poderíamos permitir um Japão em nosso continente”.

    Esse é o país que se intitula paladino e baluarte da liberdade… Tenha paciência!!!

    Sobre “os africanos terem expulsado os colonizadores e estrarem em guerra” revela, sobretudo, uma visão preconceituosa. Ou seja, quando eram dominados pelos europeus eram civilizados, mas agora, voltaram à barbárie… Faz favor!!!

    As guerras que existem hoje é, em grande parte, fruto das divisões feitas na neocolonização, onde os europeus dividiram a África ao bel-prazer, menosprezando as tribos e poderes então existentes. Após a independência dos países, temos tribos rivais em um mesmo território, o que fomenta a luta pelo poder. Leia sobre o “aparteid” na África do Sul para saber como os europeus tratavam de forma digna os africanos… E veja como os belgas agiam no Congo (Belga)… Depois venha me falar quem é civilizado…

    Em um encontro de países europeus (um tanto recente), os governantes disseram que “a África é um problema dos africanos”. Ora, então que devolvam as riquezas pilhadas…

    Não é possível que alguém ainda acredite que os EUA ajam em defesa da liberdade e democracia. Se assim fosse, teriam agido em Ruanda (94). Mas deixaram o genocídio ocorrer, mesmo diante do pedido de ajuda da ONU.

  • Zuquim,
    Eu nem gostei muito do livro do caçador de pipas. Mas achei interessante a descrição da barbárie que reinava no Afeganistão – de resto documentado em várias matérias do jornalismo tupiniquim, inclusive na Globo – antes da chegada dos estadunidenses.
    Sei que é cool posar de esquerdista festivo, mas não tem como negar que ruim com eles, pior sem eles.
    E, como disse, não gosto deles.

  • Não é chauvinismo esse negócio de embarcar nestes best sellers mundiais?
    Até na padaria tão vendendo o das Pipas (prá mim era papagaio, aqui no sul é pandorga), assim com foi o Da Vinci. Sei lá, entende?

  • Patrão,
    Se toda a unanimidade é burra, então vamos à visão do outro lado.
    Acabei de ler o livro “O caçador de pipas” sobre a vida antes e depois da revolução talibã no Afeganistão. O talibã, quando assumiu o poder, acabou de arrasar o que restava do Afeganistão depois da revolução comunista e da intervenção da URSS.
    Bom, se metade do que o autor conta no livro for verdade, fizeram muito bem os americanos em botar os barbudinhos de turbante para correr. Quando se critica os americanos porque se consideram a polícia do mundo, seria bom que olhássemos a quem estamos defendendo.
    Se os estadunidenses e seus aliados não existissem, o mundo seria uma sucessão de
    ditaduras que oprimiriam seus povos pelos mais diferentes motivos reais ou inventados.
    A espécie humana é bárbara e violenta. Os africanos que expulsaram os colonizadores europeus e agora se matam em guerras tribais e genocidas.
    O nosso mundo é extremamente violento.
    Não gosto dos estadunidenses. mas, se tiver que escolher entre o sistema deles e qualquer dessas ditaduras de esquerda, direita ou religiosas, prefiro sem pensar os hamburgueres e a coca-cola. Pro diabo que os carregue todo e qualquer tipo de fanatismo. Talvez os gringos sejam na verdade só mais realistas que nós.

  • Paulo Gomes e Marçal,
    A propósito do assunto de fanatismo, há um artigo interessantíssimo na Superinteressante deste mês: estudo realizado com membros dos dois maiores partidos americanos – republicano e democrata – detectou uma variação de comportamento quando se pediu aos voluntários dos dois partidos que analisassem declarações dos dois candidatos da última eleição americana.
    Ocorreu um fenômeno interessante: quando as pessoas tinham que analisar as contradições do discurso do oponente, os sensores ligados aos cérebros das cobaias humanas indicavam o funcionamento dos centros do raciocínio lógico.
    Quando, porém, os voluntários tinham que analisar as contradições presentes nos discursos do candidato de seu partido, eram acionados também as partes do cérebro responsáveis pela emoção, o que deturpava a capacidade de análise. A conclusão dos pesquisadores foi a de quê é impossível usar a razão quando se lida com assuntos pelos quais somos fanáticos.
    Se for verdade, explica, por exemplo, os paus aqui no blog entre sennistas e schumaquistas. Entre defensores dos árabes e dos judeus. Entre petistas e tucanos.
    Quando entra em cena o fanatismo, a razão se retira.

  • Com relação a coluna “O planeta das baratas”, só discordo com o chiclete no chão. É por isso que vivemos nesse lixão que é o Brasil, alguem começou jogando um chiclete no chão, viu que ninguem falou nada, agora joga lata de cerveja pela janela do carro, no bairro nobre da cidade, joga sofa no rio, que depois chove e alaga tudo, e culpa apenas o governo. Todos tem uma parcela de culpa pela baguça que é o Brasil.

  • ‘You reap what you saw”;
    Unluckly, for the poor people who was buried, for the soldiers who were and will be dead and all kinds of inoccent people around the world, this will be a monument to mark arrogance and war. Once more

  • Não posso ser contra o povo americano pelo que faz seu dirigente, tambem não posso ser idiota a ponto de achar que todos os americanos dos EUA sejam burros e sem cerebro a ponto de serem eternamente conduzidos pelos seus dirigentes.

    Não sei porque sempre que vejo a trilogia de Guerra nas Estrelas acho que o Lord Dart foi um dia presidente dos EUA…

  • Qualquer fanatismo é ruim, sendo ele religioso, esportivo (que é o q mais vemos nesse blog quando o assunto é o “deus” Senna), político. Só teremos um pouco mais de paz, quando as pesssoas começarem a respeitar os pontos de vista e opniões das outras pessoas.

  • O amor ao dinheiro e ao poder é raiz de todos os males. Não estou usando o clichê “dinheiro não traz felicidade”. O que estou dizendo é que as pessoas amam mais o dinheiro do que o próximo. E o resultado é isso daí. Quanto ao excesso de Deus, discordo. As pessoas são fanáticas e acham que têm Deus no coração. O que acontece é a falta mesmo. Pois Ele pode nos dá sabedoria e sanidade para fazer (ou deixar de fazer) as coisas.

  • IRRELEVANTE´, Flávio, irrelevante!!
    O ataque de 11/09 foi contra o Pentágono, o maior e mais importante edifício militar do mundo.
    Falar dos dois prédios de Nova Iorque é reforçar a idéia errada de que o ataque foi irracional e contra civis.
    11/09 foi a prova da incompetência bélica americana e da competência mediática deles.