Contando os dias…

SÃO PAULO (e tem muito mais) – Repasso, do jeito que recebi. Até porque a assessoria do nosso eventão está trabalhando direitinho…

Quem viu, não esquece. O Maverick Berta Hollywood é o carro que causou mais furor nas pistas pelo seu desempenho sensacional e constante. Provocou muitos protestos e discussões de regulamento e normas por ser agressivo demais nas corridas. O Maverick V8 74 rodou até a Argentina para iniciar sua conversão para a Divisão 3 Brasileira e arrebentava a cada exibição. É memorável a corrida 500 km de Interlagos (1974) que venceu com 8 voltas de diferença para o segundo colocado, a uma velocidade média de 173 km/h. Apesar da suspensão do patrocínio em 1976, o Maverick continuou conquistando títulos quando voltou à ativa, no ano seguinte. Mesmo com a conhecida agressividade, ele mantém o equilíbrio em retas e curvas de alta velocidade. Quem conheceu, garante que a restauração valeu a pena.

O Maverick Berta Hollywood é um dos carros que marcaram época e estará no Clássicos de Competição, no Autódromo de Interlagos, de 25 a 28 de janeiro de 2007.

Comentários

  • É um belo carro…quase brega e por isso marcante…uma pedra no sapato do meu pai.Mesmo assim…fazendo grandes apresentações era inconstante e com isso quem faturava era a equipe Mercantil Finasa-Greco.

  • Pelo amor dos meus filhinhos!!! Quem viu e ouviu jamais esquece ja dizia o samba. Mas tem que convocar os adoradores de botinhas ortopedicas cheias de penduricalhos para saber o que é um carro de competição de verdade!!! Parabens pra quem refez essa obra!!!

  • A trinca de Mavericks das equipes Hollywood, Mercantiil-Finasa-Ford e Lobo tinha uma mecânica muito bem elaborada e caríssima de restaurar ou até mesmo de obter peças originais. O motor Ford 302 tinha um par de cabeçotes Gurney Weslake, coisa que é praticamente impossível de ser conseguida nos dias de hoje, e se for, é bom separar um caminhão de dinheiro. Pelo que soube, o carro da foto está equipado com tais cabeçotes, os 04 carburadores Weber 48 IDA, o câmbio Saenz argentino, etc..

  • O texto apaixonado do Escriba Mor não traduz a realidade histórica. O Mavercik-Berta era belo, veloz mas pouco confiável. Senão, vejamos:
    Estreou em 74 pelas mãos de Tite Catapani e só conseguiu a vitória dos 500 Km de Interlagos. Campeão do ano, Edgar Melo Filho com o Opala da Itacolomy.
    Em 75, nas mãos de Luisinho Pereira Bueno, vence a prova de abertura do campeonato, quebrando nas quatro restantes. Vence também a última prova do ano, mas o campeão foi Paulo Gomes que nem chegou a correr, sendo substituido por Bob Sharp. Isto porque o único a ameaçá-lo com o título seria o gaúcho Júlio Tedesco, que acabou quebrando na corrida. Em 76, nem correu, campeonato nas mãos de Bob Sharp com um Maverick da Equipe Greco.
    Sim, o Maverick-Berta era belo, potente, grandioso, mas pouco eficiente nas pistas. A história é quem o diz….

  • Aos apaixonados de plantão, preparem-se…
    Esse evento, além de tudo que mostra o site, tambem proporcionará a oportunidade tão sonhada de andar em Interlagos com seu carro…
    Vai ser uma festa, e definitivamente inesquecível para aqueles que terão o privilégio de dirigir por todas aquelas retas e curvas do Templo Sagrado.
    Preparem-se para a emoção real.
    O bicho vai pegar…

  • Apesar de ser amigão dos Greco,sou obrigado a admitir a beleza e a preparação absurda de sse carro,que foi um dos mais lindos carros de turismo já construidos no mundo…
    Tive a grande sorte de ver o “debut” desse carro em São Lourenço,MG quando ele saiu do guncho-plataforma que o transportava pro chão,e ouvi o motor rugindo forte,nas mãos do seu atual dono,revigorado e pronto após longos anos no ostracismo do esquecimento…
    Gostaria muito de ver os Mavericks da equipe Greco restaurados do mesmo jeito,imagina como iriam fazer bonito ao lado do Berta…

  • Que droga!
    Esse carro era lindo e não tinha prá ninguém, mas eu torcia pro Edgard Mello Fo, que andava no Opala da Equipe Itacolomy.
    Esse Maverick é das jóias do automobilismo brasileiro: um show!