MENU

sábado, 21 de março de 2009 - 12:59Automobilismo brasileiro

SÓ AS MOSCAS

SÃO PAULO (o de sempre) – Primeira medida do novo presidente da CBA: tirar de Toninho de Souza o direito de promover o Campeonato Brasileiro de Endurance. A história está aqui, na página do Américo Teixeira Jr. Parece que uma taxa não foi paga, sei lá. O campeonato é chinfrim, o Toninho faz a coisa na raça há um bom tempo, ouvi dizer que para a próxima etapa só havia nove carros inscritos, não é uma notícia relevante, em resumo. Seja lá quem fizer esse campeonato, ele não muda em uma vírgula a situação do automobilismo brasileiro.

O que é relevante é que Toninho é muito ligado ao ex-presidente da CBA, o rotundo Scaglione, e a medida do novo mandatário, Pinteiro, tem todo o jeito de só ter sido tomada por causa disso: a primeira retaliação, a primeira lapada nos aliados do adversário.

Ou seja, vai continuar tudo a mesma porcaria.

22 comentários

  1. Pedro Rodrigo disse:

    Rodrigo, vai organizar uma corrida primeiro antes de falar. Corrida no RS não custa 25 mil nunca. E promoção é dificil fazer sem dinheiro, mesmo assim fazemos, no GP São Paulo 2009 se vcs não sabe colocamos 10.000 pessoas (contagem policia militar) Vamos ver dia 5, se vcs faram pelo menos parecido com agente. Corrida Ao vivo na Net, VT SPORTV, Cronometragem Online, Trofeus de Qualidade, Se fizerem td bem se não não digam que não avisei. Embre novidades

    Tales e o resto que fala mal do seu Antonio de Souza lavem a boka para falarem dele, ele viveu para o automobilismo fez td para ele dar certo. Já levantou muita categoria. Procurem saber quem ele é antes de Falarem.

    Obrigado a Todos pelo apoio.

  2. Tales Ramalho disse:

    Toninho who???

    Aquele especialista em campeonatos com 8 carros no grid sendo 4 da sua “escolinha”? Ou aquele que nas etapas fora de Interlagos de seus campeonatos falidos sempre tratou os “nativos” como pura escória? (postura arrogante típica dos amigos do rei). Ou aquele que era c. e cueca com o rotundo ex-presidente?

    Talvez eu não esteja falando do mesmo cara…

  3. Danilo Gaidarji disse:

    O Eric deve ter recebido o mesmo comunicado que eu agora há pouco…
    Lamentável…

  4. marcelo disse:

    Entra ano e sai ano, tudo a mesma mer……..

    E por essas e outras que a vontade de correr existe, mas fico desanimado para entrar de novo nesse mundo……

    Fico no autorama..srsrsr

  5. Danilo Gaidarji disse:

    É, amigos…
    Agora, fodeu de vez…

  6. Hélio disse:

    Esqueci de comentar: conheço o Toninho. Ele já fez muita coisa bacana. Lembro dos tempos que ele enchia Interlagos com escolas, trouxe campeonatos de fora (esqueci o nome, aquelas motos com um cara que ia ao lado, foi um tremendo sucesso). Hoje, acho que ele precisava mais de apoio do que de chibatada, a culpa dos problemas não é dele. É de quem dirige o automobilismo, que pegou o volante e não direcionou para o lado certo. Deixem o cara trabalhar.

  7. Hélio disse:

    Quero só ver. Conheço o Toninho. Essa turma nova da CBA vai entrar na briga, ver que não é pequena, não vai conseguir mudar nada (pq colocar o Ingo e o Paulão não quer dizer nada. O nome deles não vai pagar a conta dos campeonatos). Depois, vai dexar tudo como dantes, vai enfiar a viola no saco e parar de cacarejar. A solução é profissionalizar, contratar gente de marketing, de promoção, fazer como as empresas, procurar profissionais gabaritados, pagar salário e cobrar deles resultados. Medalhões não resolvem nada. Já começou errado.

  8. Rodrigo disse:

    O Flávio Gomes não sabe mesmo o que diz, acha que corrida de automóvel é DKW correndo, me desculpe, pode até ser retalhação da CBA contra o TS, mas que foi um favor que a CBA fez para a endurance isso ninguém pode negar, a saúde do campeonato começa a melhorar, as incrições ja baixaram R$ 600,00 por piloto e a tendência é que o campeonato cresça cada vez mais, tendo em vista que agora as federações farão o papel de organizar as provas.
    O TS não fazia nada além de organizar a papelada e recolher o dnheiro, não existia nenhum esforço em divulgar a categoria, pelo menos isso não se via.
    E tem outra coisa, aqui no RS gasta-se para organizar uma prova com tudo uns R$ 25.000,00.

  9. Eric disse:

    Xiiiii….fud….acabou entao a “nossa” diversao…..regularidade agora so a da FASP…..tava muito bom para ser verdade….

  10. MRui disse:

    Excelente medida!!!
    O promotor do campeonato não vai ter prejuízo mais!!! Agora é a hora de virar as baterias para as outras categorias e começar a exigir a mesma quantia de forma proporcional. Então a STOCK por exemplo deve ter q pagar 10 milhões e assim por diante. Assim, a CBA poderá realizar seu grande sonho de fechar o automobilismo brasileiro.

    Continuo esperando os planos da CBA para as categorias de monopostos PREMIUM e de Base, para a reforma dos circuitos, para viabilizar campeonatos regionais….

    Só uma dúvida… O atual presidente não era aliado do ex??? Aiai.. o poder…!!!

  11. Claudio Ceregatti disse:

    Porque é que sempre piloto briga com piloto, promotor com promotor, federação com federação, piloto com federação, promotor com piloto, porque todo mundo briga com todo mundo?
    Como bem diz o Flavio Briatore (que de santo não tem nada): “Não entendo nada de F1, entendo é de gente…”
    A crise é de foco, de lederança, de bom senso.
    Começa pela excrecencia da existencia, dentro de uma lei imoral, da figura das “federações” e tudo que as cerca.
    Passa tambem pela luta de egos de pilotos, e termina na “corrida do cheque”.
    O quadro é simples: Una-se clubes de mala e sala dentro de uma lei ultrapassada. Adicine-se paixão de quem corre, misturada a espírito competitivo. Dá nisso.
    Um lixo completo do tôpo a base, verdadeira zona institucionalizada.
    Falta liderança natural, e não imposta.
    Falta lógica, e sobra bagunça.
    Falta profissionalismo e foco, sobram jogadas e rangwer de dentes.
    Pra mim, não adianta consertar o quye jamais funcionou.
    Tem que recomeçar do zero, reinventar o jeito de se fazer corridas.
    E só a iniciativa privada, um empreendimento completo tratado como empresa vingará. Tudo está errado. Os vícios, as pessoas, os procedimentos, as necessidades, a lei, a forma, tudo enfim.
    E nem me venham com discursos emproados e vazios.
    Nosso automobilismo é pífio, tutelado e ineficiente.
    Esse modelo falido no nascedouro precisa acabar. E renascer.
    E é possível, não é um sonho de bebado. É vontade de gente lúcida, que não faz do “automobilismo seu meio de vida”, frase lapidar que pincei em mais de uma declaração do rotundo ex-presidente.
    Pelo visto, a tradicional truculencia de quem detem o poder continua. Não defendo um lado ou outro.
    Defendo o exercício da democracia em sua plenitude.
    E não a lei não escrita de senhores feudais.
    Não tolero tutela, desmando, incompetencia.
    Quem tem que mandar no automobilismo são os pilotos, num desenho que propicie a evolução.
    Em função da história que temos e do modelo que nos habituamos, qualquer um que detenha o poder agirá como um ditador, e esse comportamento migrará para o resto da estrutura, minando novamente até mesmo as melhores intenções, os melhores nomes.
    A crise é conceitual e de valores. Trata-se de princípios, e não de fatos.

  12. Tortguo disse:

    É um disse me disse tão grande…
    A CBA alega não haver contrato. Se existe um contrato, basta que se apresente o dito cujo.
    Os pilotos dizem que a taxa era R$ 1.000,00 ou 1.500,00 por prova. Alguém tem algum RECIBO de inscrição? Se tiver, qual é o valor correto?
    E a taxa de inscrição dos carros? Quem bancava o combustível? Isso tudo não está incluso no valor da inscrição?
    Tudo muito mal explicado, tudo na base do boca a boca.
    Presidente sério, com vontade de moralizar, deve ser guiado por FATOS, e com bom senso, sem usar de TRUCULÊNCIA, pois estará apenas provando que também não é flor que se cheire.
    E mais. Ao invés de jogar a responsabilidade da organização das provas às federações, deveria assumir diretamente o campeonato até que ele possa caminhar com pernas próprias, tendo alguém com disposição e competência para tal.
    Seria o primeiro passo para moralizar e em seguida desenvolver o nosso tão combalido automobilismo .

    Um abraço.

    Daniel

  13. Pedro Rodrigo disse:

    Gente acho quevcs não conhecem o Toninho De Souza. Para começar ele tem mais de 40 anos de Automobilismo. Já foi mecanico, chefe de equipe, intrutor de pilotagem, piloto, Promotor de Campeonatos de F2, F3, SuperTurismo Sudam, Brasileiro de Marcas, Endurance, alem de ser a 4 anos o Promotor do WTCC no Brasil. A incrição nos ultimos 5 custava Mil Reais, tinha uma media de 40 pilotos mais ou mesno 20 carros inscritos por etapas fora de São Paulo e 40 carros no 500KM, é so fazer conta 40 pilotos é igaul a 40 mil reais, uma corrida em Londrina (local mais em conta) completa, com Aluguel Autodromo, Segurança, Bandeirinhas, Direção de Prova, Comissarios, Montagem de Pista, Resgate, Cronometragem, Assessor de Imprensa, Taxa das Federações, Aluguel de Instintores de Incendio, Parte Medica entre outras coisa que não me lembro agora, custa fazendo reduzindo quantidade de pessoas trabalhando uns 70 a 80 mil reais, do jeito para ser grande 150 mil reais, em SP 150 mil o que custa 80 mil em ontra cidades, se colocarmos mais TV , Produção de TV de 90 a 180 mil reais dependendo do tempo de prova, e espaço de TV ( SPORTV TRANSMITIA ). Agora o Campeonato nunca teve patrocinio, foi feito sempre com dinheiro de inscrição e apoios de alguns amigos(nunca fechava a conta). Quer dizer Ele sempre tirou dinheiro do bolso para pagar as contas das provas. Nunca ganhou dinheiro com o Endurance. Ele é um Campeão, Faz corridas por amar isso. Briga com amigos e a fámilia por essa paixão. O Flavio sabem bem como ele é. Pensem antes de falar dele. Obrigado Pela Atenção.

  14. Gabriel Maia disse:

    É bem como você disse no seu texto ‘ isso não vai mudar nada no automobilismo brasileiro’. Acredito que o Pinteiro tenha feito isso, mais para ganhar ibope.

    Na verdade eu só vou ‘idolatrar’ esse presidente se ele tiver respeito pelas categorias de Base e conseguir colocá-las na mídia , nem q ele use o dinheiro das inscrições e compre espaço nas transmissões. Daí sim conseguiremos dar retorno aos patrocinadores, e conseguir novos e consequentemnte grids lotados.

    abraços

    Gabriel Maia

  15. carlos alberto giacomello disse:

    Se quiserem saber a historia recente do Brasileiro de Endurance, visto pelo lado dos pilotos, é só acessar o http://www.racecarpress.com.br, e visitar o forum do site que fala sobre a endurance. Lá está a verdadeira historia dos ultimos campeonatos Brasileiros de Endurance e o motivo pelo qual o Flavio Gomes chamou de chinfrin. Como piloto e sabendo das dificuldades de participar de uma categoria que não tem nenhum tipo de mídia, fico chateado de ouvir estes termos,

  16. Paulo Franco disse:

    Se o organizador peitar, isso não dá em nada.
    Em 2002, o ex presidente da CBM, Lincoln não-me-lembro-o-sobrenome, mandou uma multa astronômica para a APSBK que desde 2000 organizava e ainda organiza, dez edições depois, um campeonato de Superbikes aqui no sul do Brasil, com oito etapas, duas baterias com pontuação independente e, na época, umas vinte motos no grid, em média.
    Tudo que depois o campeonato Brasileiro, na cara dura, IMITARIA!!
    O pretenso motivo era de que eventualmente corriam pilotos argentinos, uruguaios, chilenos por aqui e que isso ia contra a ULM (União Latino Americana de Motociclismo).
    E era verdade, os gringos começaram a vir mesmo.
    Conversa vai, bate boca vem e no final, a CBM se ligou que mais um campeonato é igual a mais pilotos bancando as taxas de carteirinha, inscrição, maior representatividade do esporte, etc… e ficou por isso mesmo.
    Ou seja, se existe alguma falha grave na realização desses eventos, eu acho que se deve acabar com um campeonato.
    Se não, para que matar um pouquinho mais do automobilismo brasileiro?
    Outra coisa, antes olhar só a receita desses eventos, é bom dar uma olhadinha nas despesas básicas. Aluguel de autódromos, cronometragem, segurança, UTIs móveis, alimentação de toda essa tigrada, bombeiros, taxinhas para a PM, município, alvará da prova… etc… e lucro do organizador, sim senhor!
    Porque senão o cara vai preferir ficar em casa, cuidando da vida e todo mundo por aqui reclamando que não tem mais empresários que banquem o esporte no Brasil, que o automobilismo está morto, ué?
    Tudo gira com dinheiro e, na minha opinião, cabe às confederações, federações e afins, regulamentar e fiscalizar o esporte.
    E não atrapalhar os infelizes que estão tentando realizar alguma coisa.
    Em tempo: Não tenho nem idéia de quem seja esse organizador e tampouco ouvi falar desse tal de Endurance, mas se “ele faz as coisa na raça”, como o Flávio aqui afirmou, já tem a minha simpatia.
    Chega desses eventos com o autódromo fechado a lá Maserati Cup, Porsche sei lá o que…!!!
    Paulo Franco

  17. Andre Benevides disse:

    Automobilismo brasileiro – Amadorismo – Sem exceção.

  18. Leonardo disse:

    O TS A F U N D O U a endurance brasileira. Passou de 1000 reais por piloto para 1500 por piloto a inscricao. Alem de tratar as equipes e pilotos igual se trata a escoria da sociedade.
    Pode perguntar para qualquer equiepe do Pr ou do RS qual a opiniao sobre o TS.
    Esse é um que já vai tarde.

  19. ALEX B. disse:

    Putz, tive a oportunidade de assistir o Regi entrevistando o “novo” presidente da CBA no SporTV! Se o homem fizer 10% do que ele falou, vai ser uma reviravolta no automobilismo tupiniquim!! Dise ele que o Ingo entrou no projeto e que o Paulão é o responsavel pelo marketing!! Não entendi, o Paulão Gomov marqueteiro???
    Hummmn…este presidente da CBA…sei não…

  20. Cesar Costa disse:

    É cobra comendo cobra? Ele não era vice do “rotundo”?

  21. disse:

    E o Scaglione disse que vai voltar ao automobilismo paulista……..
    Será que não tem um procurador, ninguém do ministério público que goste de corridas?
    Já pensou se a grana fosse depositada em juizo?

  22. Rodrigo Dias disse:

    Tenho amigos pilotos que disseram que o Toninho de Souza acabou com o Endurance. Reclamaram que a inscrição, por piloto, era alta (cerca de R$ 1.500, mas o Américo diz que era de R$ 1000), com média de arrecadação de R$ 75 mil por prova só em inscrições, com 1/3 sendo gasto em estrutura e em quase nada de divulgação. Ou seja, disseram que a grana era embolsada.

    Apenas repassando uma informação que, segundo o próprio Américo, tem alguns equívocos. Até porque nenhum deles me falou quanto que custa, mais ou menos, o aluguel de um autódromo, de hospitality center, etc.

    Não sei se é bom ou ruim. Não conheço o Toninho de Souza. Mas essa de dar um dia para pagar multa de R$ 160 mil é coisa de louco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>