QUASE ESQUECI

SÃO PAULO (mas lembrei) – A coluna Warm Up de ontem, sexta, desce o malho na FIA e na F-1, insensíveis a tudo nessa história de remarcar o inaceitável GP do Bahrein. Está aqui.

Comentários

  • Vinícius, te recomendo o documentário de Oliver Stone “Ao Sul da Fronteira” onde ele mostra sobre essa ignorância de considerar a Venezuela uma ditadura.

  • A única equipe que vai ter condições, provavelmente, de fazer algo será a Red Bull, que terá dinheiro e já deverá ter ganho os 2 mundiais. Aí fica fácil fazer bonito pra arquibancada.

  • Bom…falar “boicotem…..não corram, sejam decentes, etc etc” é muito fácil…….se tiver corrida, vai todo mundo assistir do mesmo jeito, e os sites, os blogs e a tv vão cobrir do mesmo jeito……..

  • Venezuela ditadura? Se informe melhor, para um pouco de ler Veja e assistir Globo cidadão. Questione mais o que você absorve de informação. Deveria se perguntar por que nosso ex-presidente Lula, um dos maiores líderes do mundo, tinha relações cordias com Chavez e repudiava quando podia as pressões e interesses duvidosos dos EUA. Conhece algum cubano perseguido por Fidel? Por que uma llhota como Cuba sofre sanções a mais de 50 anos? Questione, questione sempre…

  • A única luz no fim do túnel foi um comunicado da Red Bull divulgado hoje, dizendo que pretende discutir a questão no fórum apropriado, que vem a ser a FOTA, a associação das equipes da categoria. Mas será que essa discussão será política ou logística?

    Até lá, Vettel e a Red Bull já serão campeões…. Só correm se quiserem…

    E vão correr…

  • Concordo plenamente que esse governo sufoca o povo e rouba sua riqueza desde muito tempo atrás. Mas se seguirmos a linha de não apoiar governos assassinos então nunca deveríamos ter corrida nos EUA, Inglaterra, Australia, os maiores sanguinários dos ultmos dois séculos. Uma democracia apoiada na riqueza de outros povos, a manutenção de sua paz que atende apenas a um interesse, torna essa nações muito mais perversas e contraditórias que essa pequena ilha do Bahrein e sua vizinha Arábia Saudita, que desde o inicio do século é usurpada e assim financia essa maravilhosa prosperidade que vemos no páis mais rico do mundo. Deveríamos ir a fundo e contestar os verdareiros bandidos da história…

  • olha Gomes..você tem razão? tem. mas é muita utopia isso..ou até hipocrisia, imagina “Não vamos correr no Bahen, pq massacram as pessoas é um absurdo”
    poderiam dizer “não vamos correr no Brasil, pq a míseria é demais e a corrupção também”….ué! vai ter F1 num país que a saúde pública é um lixo?

    não da pra ser super herói do mundo…ou vai pra uns e não vai ser pra outros?
    os pilotos acho que não estão muito preocupados com isso…morre dezenas lá todo dia, a gente mesmo vê na TV e já acostumou..nem liga mais…eles querem saber de correr….tem que correr, então vamos.

    • mas vc não pode comparar uma certa má administração histórica do Brasil com um governo absolutista massacrar pessoas que apenas querem uma constituição.

  • Discordo totalmente. Deixar de ter o evento lá por que protestos poderiam aparecer na TV pra mim é a maior hipocrisia. Tomara que corram lá, que tenha muitos protestos, que o mundo veja o massacre, e que pelo menos alguma comoção cause.

  • Eclestone e Mosley deixaram escapar em algumas ocasiões certa simpatia por governos autoritários, assim nada mais coerente para a atual F1 que apoiar a brutal repressão política vivida no Bahein – aliado dos EUA e da Arábia Saudita e por isto convenientemente deixado de lado na cobertura midiática sobre revoltas populares no mediterrâneo africano e no oriente médio.
    Além disto não podemos esquecer que são o petrodólares de ditaduras do oriente médio que sustentam a F1 já há algum tempo.