BSB

SÃO PAULO(esperando) – E dá tempo também de pingar aqui o trailer de “Rock Brasília – Era de Ouro”, que estreia em outubro. O documentário vai contar a história do último fenômeno musical brasileiro digno de nota, a explosão do rock nacional no final dos anos 70 e início dos 80, que teve Brasília como epicentro. Vai ser muito legal rever bandas como Legião, Capital Inicial, Paralamas e outras que desmentem essa história de que foi perdida, a década de 80. Que nada. Foi riquíssima.

Comentários

  • A Década de 80 é perdida por questão econômica então tudo que ela produziu na parte esportiva e cultural tambérm perdida o que não é verdade incluindo o rock nacional mesmo tendo marcando a década. Ou seja é uma idéia errada que se tornou verdadeira. Na parte cultural ela é bem positiva. E um exemplo disso é refilmagem de filmes e festas temáticas desse período incluindo músicas, roupas e objetos.

  • A década de 90 não foi tão perdida assim.
    Alguns nomes que, PRA MIM, devem ser lembrados…
    O Rappa
    Raimundos
    Planet Hemp
    Chico Science & Nação Zumbi

    Tem até algumas outras, mas não vou citar pra não criar contenda atoa.

    Mas fica registrado minha indignação com um preconceito que considero, no mínimo, infudado.

    Paz a todos.

  • Falar que isso é rock é brincadeira, se hoje vemos bandas rídiculas no “rock” nacional, devemos tudo a esse pseudo-rock forçado, mal tocado e chato criado em Brasília.

    Até agora ninguém citou Made In Brasil, Joelho de Porco, Ratos de Porão, Sepultura, Língua de Trapo, Sexo Explícito, Sacórfago, Cólera, Olho Seco, Casa das Máquinas entre outras? Todas são dos anos 80

    • casa das maquinas com o netinho dos incriveis na bateria, meio aparecido, mas ótimo musico.
      não fossem os escandâlos em que se meteram, agresões e muitas outras coisas. teriam sido uma das melhores bandas nacionais.
      a tudo isso que hoje aí está, prefiro dani carlos e emerson nogueira.

  • O ultimo fenômeno musical brasileiro de relevância internacional foi o mangue beat, sendo chico science um de seus grandes nomes, ela era o lider da banda chico science e naçao zumbi. Mas o rock nacional é digno sim de nota, sendo para mim relevante até hoje, pois ainda para para ouvir.

  • E para os fans de carteira da Legião Urbana, “Que pais é esse?” é muito igualzinha a “I don´t care” dos Ramones, “Cedo” é igualzinha a “Transmission” do Joy Division. Na boa, a Legião era bem a cópia tupiniquim do Joy Division, até o modo do Renato Russo dançar e cantar nos show era muito parecida com o Ian Curtis, vocalista do Joy Division que morreu em maio de 80.

  • Pois é Galileu, acompanhei de perto o movimento do rock aqui em Brasília desde o início.
    O Renato Russo com sua craviolla na área de lazer do lago norte desfilando um monte de músicas que se tornariam sucesso nacional posteriormente e juntava um monte de gente. Depois, sempre um lider no meio de toda esta galera, ele formou o Aborto Elétrico e surgiram também outras bandas como o XXX que se tornaria depois o Capital Inicial, a Plebe Rude, o Escola de Escândalos, que não chegou a fazer sucesso nacional entre tantas outras bandas. O rapaz que diz que esta época foi perdida mesmo está confundindo as coisas: o Flávio está falando de rock nacional e ele vem comparando com as maiores bandas do mundo. QUeiram ou não o rock dos anos 80 foram muito importantes para a história do rock brasileiro, apesar que as décadas de 60 e 70 também surgiram grandes bandas. O Paralamas por exemplo, faz um rock jenuinamente brasileiro quando eles fundem elementos do Pop Rock com elementos da música popular brasileira, como ritmos nordestinos como o baião e até influências de ritmos caribenhos. Isto é a cara do rock brasileiro. Jovino

  • Flavio,

    Já que se falou muito sobre a “década perdida”, aqui vai uma sugestãozinha para a radio blog:

    http://www.youtube.com/watch?v=1_XVJ-4V-Ek

    Uma crítica ácida feita pelo Genesis na voz de Phil Collins, com ironia, humor e musicalidade aos religiosos que são movidos a grana e que se aproveitam das pessoas…
    Qualquer semelhança com alguma igrejinha “de esquina” ou cultos televisivos não é mera coincidência…

    IMPERDÍVEL.

  • Galera,
    A expressao década perdida refere-se, que eu saiba, aos indicadores socio-econômicos. A renda per capita brasileira, por ex., caiu ao contrario dos demais paises em desenvolvimento. Culturalmente aí são outros quinhentos.

  • peralá, Flávio! nada contra – pelo contrário – o rock nacional dos anos 80, mas “último fenômeno musical brasileiro digno de nota”, aí não. lembremos do mangue beat, nos anos 90 (nação zumbi, mundo livre s/a, eddie), que até hoje influencia várias ótimas bandas – como o cidadão instigado. abraço!

    • Acho relevante você levantar a questão do Mangue Beat… Mas, , vamos combinar que só o Nação Zumbi marcou época. Tanto que hoje ao se fazer qualquer lista é preciso alguém vir nos comentários e lembrar das bandas que você citou.
      Fenômeno de amplitude e relevãncia (com qualidade) como o citado no post realmente não se repetiu consideranado os grandes meios de comunicação.

      Fosse de um meio com maior acesso à veiculos nacionais e comercialmente mais rentável o mangue beat teria marcado época, sim.

      Já os de baixa qualidade… é o que não falta vide, a onda do funk, axé, rap melody, brega e cia ilimitada. Chega doeu meu estômago só de lembrar.

    • quem faz ou fazia os arranjos para o marcelo nova do camisa de venus é o pite, irmão do paulinho calazans tecladista do djavan que ainda tem o eduardo calazans excelente guitarrista, a familia é toda de musicos e o pai deles tocava na noite em jundiai.
      o eduardo alem de tudo era preparador de carros de corridas na extinta copa corsa da gm.

  • EM SPA O FELIPE MASSA DEMONSTROU SER CARTA FORA DO BARALHO, INFELIZMENTE POIS TORÇO DEMAIS PARA ELE E ACHO QUE NOS ANOS EM QUE HAIKKONEM E HAMILTON FORAM CAMPEÕES ELE O DEVERIA SER, MAS ALGO ACONTECEU…ainda bem que ele tem contrato para 2012 mas, sei não, torcia para ele ir para red bull mas se continuar assim o caminho será a Indy, infelizmente…

  • Acho toda esta discussao de decada perdida um bobagem… Tudo e bom no seu devido tempo e nao acho esta decada melhor ou pior que qualquer outra. Quanto a comparar as musicas atuais com as musicas da decada de 80 tambem nao concordo. Se vc comparar com que o toca na radio com o que tocava na radio na epoca , sim nao ha comparacao. Mas cuidado, porque na decada de 80 nao tinha Restart mas tinha Menudo… Existem muitas boas bandas e muitos sons bons atualmente, que nao estao ai nos grandes meios de comunicacao, mas com a internet vc pode encontrar milhares de sons e bandas que fazem grandes sons. Por exemplo a musica O Inimigo de As Vespas Mandarinas.

  • Realmente, foi uma década bastante agitada e com grandes bandas de rock puxadas pelo movimento Punk que estourou aqui em Brasília com esta galera maravilhosa comanda pelo saudoso Renato Russo.
    Concordo com o rapaz que diz que as décadas de 90 e a atual é que foram perdidas, vejam o ritmos musicais que existem hoje e os das décadas passadas.
    Jovino

    • é isso mesmo que voce comentou jovino, prefiro ouvir aquelas bandas, (grupelhos como as chamaram), que tocavam o tal poperô, (nunca ouvi essa palavra), do que ouvir o que temos hoje, e que todo, idiota resolve tocar em alto e ruim som nos nossos ouvidos pelos auto-falantes de seus carros tunados, é forró, é axé, é funk, é rap, é breganejo, uma miscelândia de coisas ruins que ofendem o nosso gosto musical.

  • Ivan, discordo. Eu ouvia Beatles, Pink Floyd, Yes, Marillion, heavy/trash metal mas gostava do rock brazuca. Se não tivemos bandas de “nivel internacional” foi simplesmente por que não venderia nada. E esses musicos sabiam disso. Progressivo brasileiro? Até dava pra fazer, mas quem ia comprar? No fim, foi muito divertido e marcou parte de nossas vidas.

    Minha opinião, ok?

  • Se depender do que ficou conhecido como “Rock Nacional” (eram chamados de “Grupelhos”) a década foi perdida mesmo, pois de rock mesmo não tinha nada, a não ser para quem não conheça Stones, Hendrix, Led Zeppelin, só prá começar. Como MPB e poperô tinha coisa boa (ou ruim no caso do poperô) como os Paralamas e os Titãs por exemplo. Rock mesmo, ZERO (tinha uma banda muito ruim que chamava ZERO). Como analista musical você é um ótimo jornalista de automobilismo.

    • Também não consigo enxergar nada de Rock nessa melecada dos anos 80, principalmente quando você se lembra que existiu Zeppelin, Hendrix, Stones, Who, Beatles, Cream, Jethro, Cactus, Humble Pie, Alvin Lee e etc… até aqui mesmo no Brasil um pouco antes com Mutantes, Peso… prá mim, o que se fazia no Brasil nos anos 80, relacionado a música, era um xarope bem brabo e algumas bandas tinham péssimos instrumentistas… e mais, sempre achei o Renato Russo uma puta de uma bicha depressiva… podem me apedrejar… mas, pra mim, o cara era um porre.

    • Eu gosto muito do Zero até hoje.
      Discordo de sua opinião, acho que eram boas bandas. Ouvi muito todas elas, além de Violeta de Outono, Plebe Rude, Garotos da Rua…

      Aliás, o sul também “forneceu” muitas bandas boas para o rock nacional. Dessas todas citadas, acho a Blitz mais fraca, por ser mais “humor” do que musica mesmo.
      Mas muitos levam para o lado do gosto pessoal…

      Eu não curto bandas brasucas dos anos 70. Assim como não curto Barão Vermelho, nem com e nem sem o Cazuza… Quanto as outras, ainda vou ouvir muito os meus vinis e fico contente quando pintam na programação da KissFM.
      Verdade seja dita, depois dos anos 80, nenhuma banda de rock ou pop rock nacional de qualidade apareceu.

      Ou alguém acha que daqui a 25 anos farão um filme sobre os “NX Zeros” de hoje????

    • Acho que você não ouvia a antiga 97FM de Santo André, que tocava bastante Golpe de Estado. Procura nos vocetube da vida algumas músicas do Forçando a Barra e Nem polícia, nem bandido. Hard rock brasileiro cantado em alto e bom português. Pena que a grande mídia no Brasil só valoriza os “roqueiros” de trilhas de novela da emissora-mor.

  • Como as vezes digo, pra alguma coisa presta ficar velho. Vi todas elas no Circo Voador nos 80. Mais Barão Vermelho, Celso Blues Boy, Blitz, Kid Abelha, Vid e Sangue Azul, Seguei, gente que nem se ouve falar hoje. Ouvir a Fluminense FM, a “maldita”, nossa porta voz do rock nessa epoca, andar de patins, soltar fumaça por aí numa FBM ou Harley Motovi… Ô tempo bom. Meus patins ainda estão comigo e quero revisá-los e levar uns tombos por aí. E soltar fumaça pelo cano da Montesa. Long live, rock’n’roll!

  • Quem disse que a década de 80 foi perdida?? pelo amor de Deus: Paralamas, Kid Abelha, Capital Inicial, Titans, Camisa de Venus, Lulu Santos, Rita Lee, Sergio Malandro, Almir Rogério (fuscão preto) entre tantos outros. Vai me dizer que nunca ouviram fuscão preto pelo menos uma vez?

  • Pelo amor de Deus. É a primeira vez que vejo um comentário de que existe alguma pessoa que acredite a década de 80 foi perdida. Não estou me referindo a você Flávio, mas confesso que nunca ouvi tal consideração.
    Existe mesmo alguém que pensa assim? Não seria a década de 90 ou outra mais recente (inclusive a atual) que foi(foram) completamente perdida(s)?
    A música dos anos 80 representou todo um mote político, cultural e social do Brasil naquela ocasião. O movimento da década de 80 pode ser considerada tão rica quanto a tropicália e até mesmo a bossa nova.
    Sem dúvida, este será um filme imperdível.