MENU

quarta-feira, 7 de setembro de 2011 - 22:12Automobilismo brasileiro

MM EM 2012

SÃO PAULO (vamos a ver) - Recebo press-release sobre a criação de uma nova categoria no Campeonato Paulista, para o ano que vem. MM Cup é o nome, e serão usadas réplicas do Mini Morris/Cooper fabricadas em Minas Gerais, com motores 1.0. Se não me equivoco, esses carrinhos foram mostrados anos atrás aqui no blog, mas não encontrei o post. A ideia, se bem me lembro, não era exatamente fazer carros de corrida. Vamos às informações básicas do comunicado:

Está sendo lançada nesta semana em São Paulo a MM Cup, categoria promovida pelo ex-piloto de Stock Car Felipe Gama, que chega com a proposta de unir o apelo nostálgico de carros inspirados em modelos dos anos 1960 a um formato de competição que utiliza preparações únicas de chassis e motores realizadas, respectivamente, por Manuel Ferreira, o Manelão, e por Vinícius Losacco — alguns dos mais experientes profissionais do automobilismo brasileiro.

Inspirada em uma categoria criada há 40 anos no Reino Unido, lá batizada de Mini Miglia, a MM Cup está sendo formatada no Brasil com adaptações que visam aproximá-la da realidade do automobilismo nacional. “Nossa proposta é que a MM Cup torne-se a categoria de turismo de maior equilíbrio e competitividade do país e, ao mesmo tempo, a de menor custo”, declarou Felipe Gama. O responsável pelo motores usados na MM Cup será Vinícius Losacco, pai do piloto de Stock Car Giuliano Losacco e um dos mais conceituados preparadores do Brasil. A engenharia de pista ficará a cargo da estrutura comandada por Manuel de Jesus Ferreira, o Manelão, campeão das mais variadas categorias de turismo no Brasil e envolvido com o esporte a motor desde 1965.

Os carrinhos da MM Cup estão sendo desenvolvidos em Minas Gerais há cinco anos, com os testes de pista sendo realizadas no circuito Mega Space. Com apenas 550 kg de peso, o modelo atinge 175 km/h de velocidade máxima empurrado por um compacto e moderno motor Fiat de 1.000 cc.

“Montamos um supertime técnico para garantir aos participantes da MM Cup o máximo de equilíbrio e desempenho. O carro, inspirado em um clássico dos anos 1960, é produzido em Belo Horizonte sob o comando Manoel Rezende, piloto desde 1976, fundador do grupo de profissionais envolvidos na MM Cup e idealizador da categoria”, acrescentou Felipe Gama.

A temporada de 2012 do MM Cup terá dez rodadas duplas, todas em Interlagos nos mesmos fins de semana do Campeonato Paulista. O custo de participação é de R$ 4.750,00 por corrida, ou R$ 9.500,00 por rodada dupla. Neste valor já estão inclusos o aluguel do carro e do motor, toda a mão-de-obra de preparação e atendimento de pista, transporte e armazenagem dos equipamentos, gasolina, pneus e óleo, além de credenciais para visitantes e patrocinadores e um bufê completo para garantir maior conforto a pilotos e convidados.

Modelo: MM Cup
Motor: dianteiro, 4 cilindros
Cilindrada: 1.000 cc
Potência: 100 cv, a 6.000 RPM
Torque: 13,40 kgfm, a 4.250 RPM
Câmbio: Manual, 5 marchas à frente e uma à ré
Tração: Dianteira
Peso: 550 kg
Entre-eixos: 1,975 m
Bitola traseira: 1,170 m
Bitola dianteira: 1,180 m
Altura do para-lama: 0,585 m
Altura do chassi (dianteiro): 0,172 m
Altura do chassi (traseiro): 0,198 m
Altura da carroceria: 1,370 m
Comprimento do carro: 3,070 m

O custo é realmente baixo. A utilização de motores 1.0 é algo que me agrada. Tomara que dê certo. Tomara, também, que o carrinho seja devidamente homologado e tal. Boa sorte aos envolvidos.

ATUALIZANDO…

Achei o post, de 2007, apresentando o carrinho. Está aqui.

33 comentários

  1. Amaral disse:

    Pra quem estiver curioso sobre o primeiro post, de 2007, ele veio pra cá:
    http://flaviogomes.grandepremio.uol.com.br/2007/10/mini-mineiro/

  2. Jeovah Santos disse:

    Sou a favor de equilibrar as cicindradas dos carros populares e realmente tirqr os meninos das ruas, mas que cobrem um preço justo, e com certeza o público das arquibancadas ajudaria com ingressos. Tenho um mini tambem e estou colocando um motor 1.8 e vai ficar muito legal. E na verdade nem precisou aumentar o carrinho tudo se enciaxa legal afinal o espaço do motor te 60 X 80 COMO os unos fire etc…Vamos lá pessoal vamos entrar nesse forum e ajudar com boas idéias para o futuro do nosso automobilismo.

  3. Paulo F. disse:

    Sonho com a volta da Divisão 3! E muitos fuscas…

  4. Orlando Salomone disse:

    Seja muito bem vinda, sorte para todos, bom p’ra todos que amam o automobilismo.

  5. Arnaldo disse:

    Bom dia Flavio, uma duvida, qualquer um pode participar basta se inscrever em qualquer 1 das etapas e ter curso de piloto?

  6. Murilo Murr disse:

    Flávio, como faço pra correr ??? como faço pra me inscrever ???

  7. Pablo EP disse:

    Carai…

    Pq não descomplica? Faz uma categoria mil… Celta, Palio, Uno, Gol, Ka, Corsa e por aí vai.
    Dá chance pra molecada que gasta os tubos pra andar com “populares tunados” nas ruas – tira eles das ruas e poe pra correr onde se deve.

  8. Roberto Lacombe disse:

    Falem sério, essa categoria se cada um comprar o seu carro e com regulamento limitado não custa R$ 2.000,00 por corrida…

    Os caras alugarem carros por R$ 9.500,00 por etapa é brincadeira de mau gosto!

    A Copa Clio no primeiro ano custava menos que isso!

  9. Junior disse:

    Esse farol dianteiro não é o utilizado no Lifan 320, clone chinês dos Minis?

  10. Junior BH disse:

    Vc tem razão, Flávio. Os primeiros carros, também desenvolvidos e fabricados em BH pelo Vinícius Pimentel, não eram para pista. Ele chegou a fabricar um foguetinho Mini com motor AP central que ele mesmo usa em algumas provas no MegaSpace. O conhecimento técnico do Vinícius e a experiência de quem correu e ganhou vários títulos nacionais deve garantir um desempenho bem legal prá esses carrinhos.

  11. Flavio Rezende disse:

    Faltou falar que são gaiolas com bolhas. Além de todos os desafios para viabilizar uma categoria nova há que se preocupar também com o aspecto da segurança.

  12. jovino disse:

    Poderiam trazer esta categoria para Brasília que está carente de automobilismo.
    Jovino

  13. Al Unser Jr. disse:

    Tem coisas que não entendo… por exemplo, se estão metendo mecânica FIAT, porque não serem réplicas dos Fiat 500 dá época? Ou ter pelo menos como opção de carroceria? O carrinho é bonito, muiiiiiito mais bonito que os Scaninhas da Stock, apesar desse farol.

  14. Danilo Candido disse:

    Legal a iniciativa, pelo menos não tem caráter “corporativo” como estas categorias fake tipo Audi DTCC, Mercedes Grand Challlenge, Mini Challenge, Trololo Challenge etc…
    Pois que vingue. Mas chega de categorias de turismo, não ? De Fórmulas não surge quase nada, e quando aparece algo, parece já nascer agonizando (F-Futuro que o diga…).

  15. Valter Prieto disse:

    Qualquer nova categoria é benvinda.
    Mas essas rodas são horríveis e não tem nada a ver com o carro.
    Minilites neles já !

  16. André disse:

    Eu acho esses 9,5 mil por etapa muito alto ainda. Neste patamar, pode até formar grid, mas não terá mais acessibilidade do que um paulista de marcas.
    André / Piloto no http://www.f1bc.com

  17. Rafael Schelb disse:

    Legal isso, principalmente pelo fato de os carros serem feitos aqui em Minas. Espero que essa iniciativa sirva, também, para que se desenvolva o automobilismo por aqui, que anda fraquinho de tudo…

  18. Leandro disse:

    Lindos os carrinhos, mas tração dianteira é foda…

  19. Squa disse:

    Do automobilismo recente, a Formula Uno foi a categoria mais bacana, inclusivo o nome é muito forte, ótima sacada da Fiat. Ela podia resgatar com o Unos novos.

  20. André Mello disse:

    Eu acho o preço muito salgado, quase 5 paus pra andar em um carro de 100 HP?

  21. CarlonePapa disse:

    Carajo. Nao entendi nada. Mais esta agora..
    Saudades da época em que se fazia automobilismo no Brasil de forma direta e objetiva.
    Se o simples não é facil de dar certo, imagina o complicado.
    Boa sorte de qquer maneira. Espero que vingue. Apesar de estranho.

  22. Nilton Boca disse:

    acaba sendo uma oportunidade para a fiat lançar a copa uno, afinal, regulamento restrito, custo baixo e cada autorizada alinhando um carro, vão existir baterias classificatórias e grid cheio !!!

  23. Bruno Marques disse:

    É uma boa ideia, só acho estranho é a informação de um 1.0 de 100cv. Isso é muita potência para um motor tão pequeno, e pra chegar nisso provavelmente exige uma preparação que provavelmente não deverá ser lá muito barata. Poderiam ter usado como base as vezes o fire 1.4 que é uma variante do motor Fire 1.0 e já sai com 85 cvs de fábrica, e assim exigir menos preparação, ou mesmo um motor original “lacrado” como o rocam 1.6 flex que já sai de fábrica praticamente com essa potência. Fora isso (e esse visual meio “discutível” dos faróis) tem tudo para ser uma excelente categoria, parabéns para os idealizadores.

    • Pedro Jungbluth disse:

      Bruno, motores originais são chatos em pista. Torque em baixa, iguala bons e ótimos piltos.
      Uma preparação para 100 cv não é tão difícil, na verdade basta calibrar a admissão e o escape para um fluxo mais rápido.

      Isso faz com que o motor só trabalhe em alta, então na pista um piloto que faz uma boa saída de curva tem vantagem em relação a quem faz pior, coisa que mal acontece com motores originais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>