PARA QUEM NÃO VIU…

…o “Conexão Repórter” do Roberto Cabrini na semana passada, o SBT avisa que colocou o vídeo no ar aqui. É que tiraram do YouTube, então eis aí nova oportunidade para assistir.

Comentários

  • Legal ver um Senna descontraído, piadista, falando palavrão. A Globo faz uma lavagem cerebral tão grande, que parece que o único palavrão que o Senna disse na vida foi quando ganhou o primeiro GP no Brasil.

  • Sem comentários…
    Flavio Gomes espero que vc possa um dia colocar novamente o texto contando sua visão dos fatos que ocorrerão naquele fim de semana, o periodo que vc ficou na Europa atras de informações sobre acidente etc os relatos do fotografo amigo seu que jamais publico a foto do senna no chão etc… vc tinha esse relato no seu aqui no seu blog eu lembro eu li… nunca entendi pq vc retirou.

    abr,

  • “Façam o que Ayrton quer porque se ele tiver um acidente, vocês estarão em um grande problema”. Frank Williams…

    AGORA A PARTE QUE ME CHAMOU ATENÇÃO! Detalhe, essa reportagem do Cabrini foi mostrada anos atrás em canal aberto.

    Diretor esportivo da Goodyear:

    “Eles(Williams) estavam tentando obter alguma VANTAGEM, um jogo extra de pneus, pedindo que DECLARÁSSEMOS que determinados pneus tinham problemas.

    Equipe Williams:
    “Se os pneus não servirem para nós, vocês podem troca-los?”

    A discussão era sobre isso…

    Os pneus eram bons(iguais pra todos), mas o carro Williams destruía mais os pneus(caso semelhante as Mercedes até 2013), então a trapaça foi dizer que determinado jogo estava com problemas…mas não estavam!

    A Goodyear facilitou a vida da Williams…

    Cabrini continua:

    “Naquele ano de 94, pra equilibrar a F-1, a FIA tinha estipulado que cada equipe só poderia usar 7 jogos de pneus por carro em cada final de semana de corrida. Com a Williams desequilibrada, esse número era impraticável para Senna. O diretor esportivo da Goodyear admite que os pneus extras foram entregues a Williams.

    É isso, satanizaram tanto a Benetton em 94, mas a casa caiu, a Williams também estava TRAPACEANDO, no mínimo com um jogo a mais de pneus! Lembrando que, dentro da F-1, muitos apontaram que a perda de direção na Tamburello poderia ter sido causada pelo novo sistema de direção(eletrônico)da Williams. Sistema eletrônico que burlava o regulamento! Senna foi bem cara de pau em dizer que ‘suspeitava’ que a Benetton poderia estar trapaceando. Prova em vídeo, o diretor esportivo da Goodyear entregou, quem estava trapaceando era a Williams. Não é a toa que Senna rodou no GP Brasil, largou mal em AIDA, e rodou nos treinos em Imola, o carro tinha sérios problemas de aderência. E só se mantinha na disputa porque estava jogando sujo com número a mais de jogos de pneus.

    Alguém lembra que Senna foi desclassificado no GP da Austrália 87, por usar freios irregulares?

    Claro que não…de “santo” Senna não tinha nada!

  • Simplesmente espetacular. Sem exageros e trazendo informações relevantes. Me fez rememorar os sentimentos vividos à época do fato. Não há muito o que dizer… ahh, grato por compartilhar essa reportagem conosco.

  • Achei leal, como falaram é díficil trazer algo novo, 20 anos depois da morte do Senna.

    Eu sempre vou achar, que ele sabia que “Algo” iria acontecer naquela prova, talvez não sua morte, mas de outro piloto. Talvez lhe faltou a “coragem” ou ter sentido na pela a sensação de ter sua vida em risco, e ter desistido da prova, como o Lauda desistiu, após aquele acidente trágico que teve, que ele quase morreu.

    Vendo aquela imagem do Cabrini, me vem aquele dia inesquecível, apesar de ter apenas 8 anos naquela época, eu senti a mesma coisa que a Galisteu, “O Senna deu uma porrada, mas na próxima ele já vai tá legal”. Esperei o fim da prova e fui andar de bicicleta, quando minha Vizinha me chama por causa do “Plantão” da Globo (E a gente sabe, qdo tem plantão é pq deu MERDA). Dito e feito, comecei a chorar, fui pra casa e fiquei me remoendo na cama aos prantos… Não tinha muita noção das coisas, mas de uma coisa em tinha certeza, eu adorava carros e gostava de ver ele pilotando e detonando todo mundo.

    Triste…

    Também não gosto desse papo de herói, de isso, de aquilo… Coisas que a mídia criou para ganhar dinheiro…

    Gostava e ainda gosto de ver as provas dele, pq ele sentava no carro e queria passar por cima de todo mundo, custe o que custar, coisa que se perdeu no tempo e talvez esteja voltando a F1, com o duelo Nico e Comandante Amilton!

  • Ué??o piloto que bateu na sexta feira não tinha nome?puts, sempre pensei que era um tal Rubens Barrichello, vai ver, me enganei!!!!……………mais um trabalho ufanista, sinistro (como sugerem sempre esses fundos sonoros que insistem em usar), bem a marca de Roberto Cabrini.

  • achei bem legal o documentário! já ouvimos e vimos de tudo em 20 anos, não é facil trazer algo novo. você pensa por um momento que tem aquele drama “ultimo jantar”, “ultimo quarto”, mas depois ele mostra o porque do quadro e isso ficou sensacional.

  • Muito legal, Flavio. Sempre tive o Cabrini na conta dos melhores repórteres, mas não me lembrava de entrevistas tão à vontade do Senna diante da canopla do SBT. O que a Galisteu disse parece ser mesmo verdade: o Senna gostava do Cabrini, talvez pelo mérito, e isso é legal.

  • Flavio,

    O que eu achei de engraçado e um pouco irônico é que o Roberto Cabrini desmitifica a figura de “único” amigo-jornalista do Galvão Bueno. Mostra que o Cabrini acompanhou muito a rotina do Senna. Chega a ser irônico.

  • Realmente, excelente. Sem aquele ufanismo de “Senna herói” que estamos acostumados. Emerson o chama de herói. Eu refuto isso. Enfim…

    Aliás, um “senão”: as entrevistas com os médicos poderia ter mais detalhes, sem mais longa.

    9,5 com louvor!

  • Torrent pra quem quiser baixar pra guardar. O meu eu já baixei:

    magnet:?xt=urn:btih:8d5df7b6adae7c2afe54107aa27f04588edadead&dn=conexao-reporter-Senna-2014-editado.mp4&tr=udp%3A%2F%2F11.rarbg.com%2Fannounce&tr=udp%3A%2F%2Ftracker.torrentbox.com%3A2710%2Fannounce&tr=http%3A%2F%2Fwww.torrent-downloads.to%3A2710%2Fannounce