ALONSO E AS BIKES

SÃO PAULO (tudo tenebroso) – A notícia veio hoje no meio da tarde e já senti um arrepio. Alonso teve um acidente de bicicleta na Suíça e foi internado “com suspeita de fraturas”. Faltam detalhes, e a Alpine Renault apenas confirmou o acidente, disse que ele estava consciente e que novos informações, só amanhã.

Impossível, na hora, não lembrar da queda de Schumacher de esqui. No início, as primeiras notícias davam conta de que não tinha sido nada grave e tal. Há precipitação, nesta era de informações instantâneas não apuradas e espalhadas numa velocidade assustadora, tanto para exagerar quanto para ignorar a real gravidade de certos eventos. Espero, sinceramente, que Alonso esteja bem e possa fazer a pré-temporada, começar o campeonato e seguir a vida. O suspense vai durar algumas horas.

Andar de bicicleta é perigoso. Menos pelo veículo em si, mais porque quem pedala, em geral, divide espaço com automóveis, ônibus e caminhões. Nicky Haiden, campeão mundial da MotoGP, morreu atropelado na Itália em 2017 enquanto dava um rolê de bike. Estamos falando de Suíça e Itália, Europa Ocidental, onde o ciclismo é cultural e as pessoas são civilizadas — a maioria obedece as leis de trânsito e respeita quem está pedalando. Mesmo assim, os acidentes são numerosos. E sempre quem está na bicicleta corre um risco enorme, porque está totalmente exposto diante de um veículo pesado e veloz.

Eu morro de medo de andar de bicicleta nas ruas, e só me sinto mais ou menos seguro em ciclovias. Às vezes vejo ciclistas na 23 de Maio, em São Paulo, na Américas, no Rio, e os carros passando a centímetros deles em alta velocidade. Qualquer choque pode ser fatal.

Não sei as circunstâncias, ainda, do acidente de Alonso. Parece que teve carro envolvido. O que aumenta as chances de ferimentos mais sérios. Espero estar errado. E não escondo que a noite será de certa ansiedade na espera pelas notícias de amanhã. Depois do que aconteceu com Schumacher, qualquer acidente assim me deixa meio cabreiro.

Comentários

  • Parabéns pelo novo layout do Blog, bem mais facil de navegar sem aquele monte de cliques! A fonte é um pouco grande demais na minha opiniao abrindo no PC.

    É bom separar ciclismo como meio de transporte, que quando as leis basicas de circulacao e EPIs sao respeitadas é bastante seguro, e ciclismo de esporte, em altas velocidades, subindo e descendo montanhas.. nao tem EPI que esteja a altura da protecao necessaria para as velocidades que esses caras alcancam, e sim é mais perigoso que moto.. nas montanhas.. no inverno.. saiu barato pro Alonso o maxilar fraturado.

  • Sou ciclista de estrada, tenho 47 anos e pedalo desde os 10 quando ganhei minha caloi 10 dourada em 1983. Ano passado vendi minha bicicleta de estrada, com a qual disputava acostamento de Br com carretas e veículos em alta velocidade. Hoje só pedalo de mountain bike, na cidade, em circuitos estratégicos e horários restritos. Muita gente não entende, mas se eu ficar 3 ou 4 dias sem pedalar meu corpo adoece, fico irritado, agrido todo mundo. é quase um vício uma droga. Quem pedala sabe o que falo.

  • Prezado F&G: Andar de bicicleta é um alto risco, eu tenho pavor, quando moleque ia de Caloi 10 para o colégio, meu Anjo da Guarda deu aquele recado depois de um pequeno atropelamento, roupa rasgada e corpo ralado. Recebi a orientação do Anjo da Guarda, fim de andar de Bicicleta, então fui para evolução aos 13 anos passei ir ao colégio com a fantástica HONDA ST-70, andar de moto é um vício pior que o tabaco, depois veio a Cicciolina Piagio 200. A notícia de que “El Fodon”, sofreu um acidente, já fiquei com tremor ( O gato subiu no telhado), a noticia continuou estava andando de bicicleta quando foi…..(Putaqueo pariu ) atropelado, sofreu lesões e fraturas . É aquela notícia de tragédia, eu esperando para ver a estreia da AlpineF-1 com Fernando Alonso , que azar monstro, fico na torcida para a recuperação de Don Fernando. Por outro lado temos a boa notícia que poderá haver corrida em Portimão ( Portugal) eu acho aquele circuito fantástico, bonito , equilibrado e com muitas opções de estratégias de corrida para as equipes. Fica a pergunta no ar, quem será o eventual substituto de “El Fodon “, agora sim haverá muita especulação.