E A F-1 VAI MUDANDO…

SÃO PAULO(vacina, cadê?) – A Comissão de F-1 se reuniu hoje e algumas deliberações merecem os comentários de vocês.

Primeiro, o calendário. Há uma data aberta no começo do campeonato e foi informado que ela deverá ser ocupada pelo GP de Portugal em Portimão. Estão negociando com os promotores. Ótima notícia. Por enquanto, o Mundial está confirmado com 23 etapas. Mas a situação da pandemia no mundo faz com que a categoria considere uma certa flexibilidade. Em outras palavras: pode ser que algumas provas sejam canceladas e outras tenham a data alterada. Eu ficarei muito surpreso se todas as provas acontecerem como previsto.

Depois, testes para os pneus de 18 polegadas de 2022. A Pirelli pediu para ampliarem de 25 para 30 dias de treinos. Todos aprovaram.

Terceiro, congelamento dos desenvolvimento dos motores no começo de 2022. Bom para Red Bull e AlphaTauri, que ficarão com os motores Honda com outro nome. A montadora japonesa já avisou que no final do ano tira o time de campo. Assim, por três anos — 2022, 2023 e 2024 — os motores ficarão como estão. Para 2025 está prevista a adoção de uma nova configuração, que ainda está em estudos. O que se sabe: serão motores mais simples, ainda híbridos, para atrair mais fábricas. E mais baratos e barulhentos.

Quarto, aprovaram para “algumas etapas” um formato diferente para o fim de semana. Já se sabe o que é: corrida curta sábado para formar o grid de domingo. Vão discutir como isso será feito. É provável que se atribua alguma pontuação a esses míni GPs. A ideia é fazer isso em três finais de semana. Não vejo mal algum. Acho que pode ser até legal.

Comentários

  • Essa de corrida sprint é a pior ideia de uma longa lista de piores ideias que a Formula 1 já cogitou. Felizmente a rejeição dos fãs nas redes oficiais está imensa. Porém, fico abismado de ver os brasileiros darem coro à proposta. Arrisco dizer, inclusive, que quem apóia uma sandice dessas nunca gostou de Formula 1, ou quis gostar de algo que ela simplesmente não é.
    Pode parecer arrogância afirmar isso – e peço sinceras desculpas se parecer – mas essa é uma medida que vai contra a essência da modalidade. Pontos no sábado, uma corrida antes da principal… Tudo isso, fundamentos que enfraquecem o peso do GP no domingo.
    E daí que vai ser um terço da corrida? E daí que vai ter metade pdos pontos? Só o fato de ser mais do mesmo em escala reduzida já vai afetar toda a expectativa e o peso da corrida. E pior; em troca de um formato de qualificação que é simplesmente eficaz!
    O pessoal do site falou em “sessões modorrentas” podendo ser resolvidas com essa medida. Então, temos um jogo ruim de futebol e botaremos pênaltis aleatórios a cada 20 minutos?
    A F1 precisa ser natural. E ela já ensinou inúmeras vezes que simplicidade e naturalidade é a chave.

  • A F-1 a se renovovar. Isso é muito bom.

    Os atuais motores são muito caros, complexos e estão a anos luz de qualquer possibilidade de serem aplicados em carros de rua. Dessa forma o congelamento chega a ser uma obviedade.

    Que venham motores mais simples, mais baratos, mais verdes, mais barulhentos e que sejam capazes de contribuir para a evolução dos carros de rua. A médio prazo o futuro ainda é para os motores hybridos… mas não com tanta tecnologia alienigena como os que temos na F-1 atualmente.

  • Sobre o calendário a própria Williams admitiu que é inviável um calendário dessa extensão. A alternativa seria uma alternância de circuitos. Por exemplo, uma corrida em Portimão, no ano seguinte Imola. Mas 23, ou mesmo 25 corridas como se chegou a cogitar é um exagero, E diante das incertezas que surgem devido a pandemia, é bom ter cautela.
    Congelamento de motores, no fundo, somente beneficiará a Mercedes. Ainda mais com um cenário de testes limitados. O sistema de tokens que a FIA implementou para regular e limitar o desenvolvimento dos carros não vejo como isso será benéfico para a categoria. Interesse da Red Bull para incorporar a tecnologia que a Honda desenvolveu, e, então, produzir seus próprios motores. Ferrari concordou com isso?
    Uma corrida curta no sábado? Será que isso é uma boa idéia? O que se deseja é que as corridas sejam movimentadas, com opções distintas de estratégias, ultrapassagens e por ai vai. Adicionar uma corrida curta no dia anterior talvez sejam mais problema do que solução. Imagine que durante tal corrida um carro sofra uma avaria qualquer. Haverá tempo hábil para consertar as avarias? E se for um problema de motor? Uma troca de motores, ou de câmbio, ou de qualquer outro componente relacionado a unidade de potência, isso acarretaria punições no grid da corrida de domingo?
    A experiência talvez seja válida.

  • O terceiro ponto é bem ruim pra Ferrari. Eu li nas últimas semanas aqui no GP que ela estava pensando em mudar completamente o motor pra 2022, o que deixa a equipe com 2 cenários:
    1) Faz esse motor novo e ou acerta ou acerta;
    2) Mantém o motor atual e já fica de 2021 a 2024 fora de qualquer disputa.

  • Minha opinião ( que ningue´m pediu…mas, vá lá)

    1 – Calendário – ótimo que tenha flexibilidade, ótimo que Portimão entre.
    2 – Congelamento de motores: acho uma merda manter esses motores hibridos complicados por mais 3 anos. Se fosse um ano só, ok, mas 3 foi muito.
    3 – Formato das corridas, corridas curtas, etc: não gosto, sou tradicionalista, preferia o formato antigo, treino extra oficial na quinta, treinos sextas e sábados, quantas voltas cada um quiser ou puder dar, vale para o grid o melhor tempo de cada piloto em qualquer dia.
    Ou seja, todos os dias todos os caras andam forte em algum momento, em condições de classificação. Logo, todos os treinos são igualmente importantes, e não só as 2 voltas finais de 10 pilotos (como hoje)

    Antonio

    OBS – obre o item 2 alguém vai dizer que que se vai gastar muito dinheiro de pneus….ora, pague-se menos aos pilotos e gaste-se mais de pneus. E piloto que quiser ganhar mais de 20 ou mais de 40 milhoes de euros por ano que não corra nessa categoria, vai jogar futebol no Barcelona.

    • Hahaha !
      Gostei da OBS.
      Também sou tradicionalista.
      Fui bandeirinha na época dos treinos na quinta e classificações na sexta e no sábado, valendo a melhor volta de cada piloto, independente do dia. Quando chovia no sábado, o grid já estava definido.
      Para evitar isso, eu só acrescentaria que a posição de largada seria a média das melhores voltas nos dois dias.
      Abraços.

    • Quanto ao Item 2 a grande questão é que mesmo um motor mais simples demanda tempo para que seja construido. o Rico Penteado (Engenheiro de Motor e de Pista da Renault) já falou em suas lives que o que vemos rodando nos dias de hoje é fruto de mais de 01 ano de trabalho, que os motores são tão sofisticados que nada é feito de um dia para o outro.

      Dessa forma pensar em 3 anos de congelamento me parece ser um tempo razoavel para que os grandes fabricantes consigam projetar e entregar motores novos com a potencia e confiabilidade esperada.

      • Ricardo, bastaria diminuir a influencia dos MGU, MGK, MG sei lá o que, e liberar um pouco mais de potencia do motor de ciclo Otto. Não precisaria ser uma “concepção toda nova”. Um ano bastaria pra isso.
        Certamente todos os fabricantes de motores já experimentaram essas variações, e estariam aptos a processa-lás em curto prazo.
        Além do que fazer isso poderia significar uma redistribuição de cartas, alterando o jogo de cada um, o que seria um ponto positivo.

  • Durante o ano, com certeza algumas corridas vão mudar de data, não descartando a possibilidade até de algum cancelamento.
    Esta Alpine esta em preto, mas acredito que vai passar mais para o “blue” francês.
    Li uma reportagem no teu site – Grande Prêmio – que a Mac Laren está com insegura com os motores Mercedes, só espero que o Riccardo não vá se dar mal.

    • Sou eu de novo, um assunto um pouco fora do contexto, como não postei nada em relação ao do Reginaldo, vou fazer aqui.
      Pelo menos ela não vai ter mais o Galvão não deixando ele falar ou interrompendo ou tentando induzir o que ele pretendia comentar.

  • Prezado F&G : Já pensaram em tudo, até o Grid invertido, acho de bom grado ter uma corrida combinada com treino de classificação com 100Km, seria entre 25 e trinta voltas com duração de 35 ou 50 minutos, ótimo, poderia até fazer duas baterias dessas no sábad, e com somatória de tempos das duas baterias e seria a classificação para corrida de domingo.