HUNGARIANAS (3)

Ocon: 111º piloto a vencer na F-1

SÃO PAULO(inesquecível) – É muito legal quando a F-1 tem um novo vencedor. Aconteceu com Gasly e Pérez no ano passado, e hoje foi a vez de Esteban Ocon, da Alpine, na Hungria. Num GP fantástico, que virou de cabeça para baixo por causa da pista molhada no início graças a uma chuvinha marota que caiu na região do autódromo, e por conta de uma barbeiragem histórica de Valtteri Bottas que vitimou, vejam só, dois carros da Red Bull.

Este é, disparado, o melhor campeonato da era híbrida da F-1, inaugurada em 2014 e desde então dominada pela Mercedes. Que, incrivelmente, vai para as férias de verão de novo na liderança tanto entre os pilotos quanto entre as equipes, num ano em que a Red Bull tem um carro melhor. Não muito, mas melhor.

Tem muita coisa para falar deste GP em Hungaroring. Então, vamos começar do começo. Aliás, antes do começo. Com esta imagem aqui:

Vettel: protesto no hino, reprimenda da direção de prova

Hora do hino da Hungria, Vettel se ajoelha e não tira a camiseta LGBTQIA+. Sainz, Stroll e Bottas também não tiram as suas pedindo o fim do racismo. Os quatro, depois da corrida, foram chamados à direção de prova e levaram reprimendas por “não respeitar os procedimentos pré-largada”. Seb: “Que me desclassifiquem. Queria enviar uma mensagem ao governo, um governo que em vez de proteger as pessoas, as ameaça. Farei de novo. Estou pronto para enfrentar as consequências”.

Pausa para bater palmas. Além de tudo, Vettel chegou em segundo! Mas, cinco horas depois de terminada a corrida, foi desclassificado. Não por causa da camiseta. A Aston Martin não conseguiu tirar um litro de gasolina de seu tanque para as análises de praxe da FIA. É o mínimo exigido pelo regulamento. Apenas 0,3 l. Assim, o alemão perdeu aquele que seria seu segundo pódio pelo time verde. É possível que o equipe soubesse que tinha alguma coisa errada. Assim que recebeu a bandeirada, Sebastian parou o carro no meio da pista, por ordem de seu engenheiro. O consumo deve ter ficado acima do calculado. Um pecado.

Pena para Vettel, que acabou sendo protagonista do final de semana por conta de suas posições assumidas contra o governo do fascista homofóbico Jair Bols… digo, Viktor Orbán. Mas voltemos à corrida.

Protestos feitos, veio a largada. Todos com pneus intermediários, asfalto molhado, possibilidade de confusão na primeira curva. Batata. Bottas largou mal, foi ultrapassado por Norris, errou a freada, travou as rodas, encheu a traseira do inglês da McLaren e, junto, levou na batida Verstappen e Pérez, a dupla da Red Bull.

Bottas causa uma confusão dos diabos: prova interrompida

A prova foi interrompida no final da segunda volta. Hamilton, o pole, tinha largado bem e se livrou da confusão. Pérez e Norris abandonaram. Max ficou com o carro todo arrebentado e caiu para 13º. Um pouco mais atrás, Stroll fez algo parecido com Bottas na freada e tirou Leclerc da corrida. Também abandonou. Cinco carros fora da prova, todo mundo no box aguardando a limpeza da pista. Com Ocon em segundo e Vettel em terceiro. Eles, assim como outros que vinham do fundão, conseguiram evitar os destroços dos acidentados e ganharam muitas posições. Na bandeira vermelha, a ordem era Hamilton, Ocon, Vettel, Sainz (que ganhou 11 posições), Tsunoda (também 11), Latifi (12!), Alonso, Russell, Raikkonen e Schumacher nas dez primeiras colocações. O GP já tinha virado uma deliciosa maluquice.

Enquanto a prova não era reiniciada, os mecânicos da Red Bull remendavam o carro de Verstappen do jeito que dava, gastando rolos de fita adesiva, arame, cola Tenaz e pregadores de roupa. Ele tinha uma lateral completamente destruída e o assoalho quebrado. Bottas, antes mesmo da relargada, já dava entrevistas pedindo desculpas e dizendo mea culpa, mea maxima culpa: “Nao larguei bem, julguei mal a freada, travei as rodas e tirei um monte de gente da corrida”.

Registre-se: por terem causado os acidentes, Bottas e Stroll perderão cinco posições no grid da próxima etapa do Mundial, em Spa. As punições já foram anunciadas pela FIA.

Meia hora depois, os pilotos são orientados a alinhar para uma nova largada, e aí acontece o inusitado. Enquanto se dirigiam ao grid, eles perceberam que a pista estava praticamente seca. Como todos estavam de pneus intermediários, resolveram trocar para slicks antes mesmo de se posicionarem para a segunda partida. Só um não fez isso: Hamilton, o líder da prova. E, então, o que se viu foi, pela primeira vez na história da F-1, um grid de um carro só!

Lewis estacionou na posição da pole, olhou pelos retrovisores e deve ter se perguntado: cadê todo mundo? Será que estou no autódromo errado?

Hamilton sozinho no grid: imagem histórica

O procedimento de largada aconteceu normalmente, Lewis partiu sozinho com pneus intermediários e todos os outros, com pneus para pista seca, saíram em disparada dos boxes assim que o inglês passou e a luz verde de saída do pitlane foi acesa. Russell apareceu em segundo, mas imediatamente devolveu as posições que ganhara alinhando irregularmente. Ocon, Vettel e Latifi, vejam vocês, vinham atrás do piloto da Mercedes. Que, no fim da volta, foi para os boxes colocar os pneus apropriados e voltou à pista em 14º. Como Mazepin abandonou também, após bater em Raikkonen no box, Hamilton era o último colocado, com Verstappen em 11º. E a corrida mal tinha começado…

Os dois, claro, concentravam as atenções de todos porque, afinal, lutam pelo título. E ambos tinham enormes dificuldades para escalar o grid porque em Budapeste, como se sabe, ultrapassar é tarefa para contorcionistas experimentados. Max, para piorar, estava com o carro todo torto. Levou um ano para passar Schumacher. Lewis, atrás de Giovinazzi, também sofria como um condenado. E, lá na frente, Ocon e Vettel sumiam, com Latifi em terceiro puxando um trenzinho de pilotos desesperados por uma brecha que o canadense da Williams não iria oferecer sem luta.

Ocon e Vettel: resultado surpreendente na primeira vitória do francês

Cada um com seus problemas, é o que se podia dizer naquele momento. Depois de passar Giovinazzi, Hamilton empacou atrás de Gasly e então a Mercedes deu o pulo do gato para salvar a corrida de seu piloto. Na volta 20, chamou Lewis para os boxes e colocou pneus duros em seu carro. Todo mundo teria de fazer o mesmo, e ele conseguiria escalar algumas posições se enfiasse o pé com a borracha nova. Deu muito certo. Na volta seguinte, Ricciardo e Verstappen também pararam, mas voltaram atrás do britânico. Lewis, assim, partiu para buscar um objetivo difícil, mas que dava para alcançar: um pódio, pelo menos.

Com Max preso atrás de Ricciardo e fora de combate com um carro “impossível de guiar”, como disse, Hamilton foi abrindo caminho e, na medida em que os carros à sua frente iam parando para trocar pneus, subia degrau por degrau. Na volta 24, passou Schumacher. Na 28, deixou Latifi para trás. Na 32ª, já estava em quinto lugar, com Verstappen ainda atrás da McLaren, em 12º.

Vettel, o segundo, parou na volta 37. Ocon, na 38. Foi quando Fernando Alonso assumiu a ponta, deixando a Alpine temporariamente em primeiro e segundo. O espanhol não liderava um GP desde 2014 lá mesmo, na Hungria, com a Ferrari. Fez seu pit stop na volta 40 e voltou em quinto, partindo feito um louco para cima de Hamilton, então quarto colocado.

Alonso x Hamilton: duelo épico que ajudou Ocon

Lewis não conseguia passar Sainz e a Mercedes o chamou para uma nova troca buscando o sprint final que poderia lhe render um terceiro lugar redentor. Colocou pneus médios em seu carro na volta 48 e ordenou: acelera e vamos ver no que dá. E ele acelerou. Seus tempos eram quase 4s por volta melhores que os do líder Ocon, por exemplo. Não demorou muito e Hamilton já estava no cangote de Alonso. Foi quando começou a mais bela disputa da corrida, na volta 54.

Hamilton x Alonso, Alonso x Hamilton. Os dois que brigaram tanto em 2007 na McLaren se reencontraram na mesma pista onde a guerra entre eles fora declarada 14 anos atrás. Foram cerca de dez voltas de um duelo de altíssimo nível e beleza incomparável. Com pneus mais desgastados e duros, o espanhol se defendia com maestria, permitindo, inclusive, que lá na frente Ocon e Vettel, se distanciassem o bastante para não serem atacados por um Lewis ensandecido na parte decisiva da prova.

Latifi, sétimo: pontos para a Williams, com Russell logo atrás dele

Foi só na volta 65, cinco antes do final, que finalmente Hamilton conseguiu passar Alonso. O asturiano retardou a freada na curva 1 e não resistiu. Mas seu trabalho estava feito. Lewis passou Sainz logo depois, na volta 67, e assumiu o terceiro lugar. Só que não havia mais tempo suficiente para buscar Sebastian e Esteban. Estes, por sua vez, seguiam colados, com diferenças nunca superiores a 2s, mas sem que o alemão da Aston Martin atacasse o francês da Alpine, embora com o carro um pouco mais rápido. “Ele não cometeu um erro sequer”, elogiou Vettel.

E, assim, quando Ocon recebeu a quadriculada em primeiro já vendo Hamilton no retrovisor logo atrás de Sebastian, todos puderam respirar aliviados com o final daquele thriller eletrizante em que se transformou o GP húngaro depois da confusão da largada e das idas e vindas nos boxes, com pneus sendo trocados a granel.

Com a desclassificação de Vettel, assim ficaram os dez primeiros: Ocon, Hamilton, Sainz (quarto pódio na carreira, segundo sem que tivesse participado da cerimônia), Alonso, Gasly, Tsunoda, Latifi, Russell, Verstappen e Raikkonen. Gasly fez o ponto extra da melhor volta. E Max salvou um pontinho ao ultrapassar Ricciardo a dez voltas do final, para ganhar mais um após a punição ao alemão da Aston Martin, fechando o GP da Hungria em nono.

Vettel, Ocon e Hamilton no pódio: inglês passou mal com tonturas

Claro que Ocon não se aguentava de alegria. “Nem sei o que dizer. Tivemos momentos difíceis neste ano, e agora isso…”, falou o francês, que fez questão de agradecer a Alonso. “Se não fosse ele segurar Lewis, não sei se eu ganharia.” Vettel, por sua vez, festejou o segundo lugar, mas ficou com a sensação de que poderia ter vencido. “Eu tentei, tentei, tentei… Mas não deu. Poderia ter arriscado algo uma hora em que Esteban deu um pequeno espaço, mas seria uma tentativa meio no estilo de Maldonado, que poderia acabar mal para os dois”, contou. Disse isso tudo, claro, antes de saber da desclassificação.

Hamilton comemorou também, disse que estava exausto, que a equipe “tornou as coisas mais difíceis” ao não chamá-lo para trocar pneus antes da segunda largada, e depois quase desmaiou no pódio. Teve tonturas e mal-estar, e precisou ser atendido pelos médicos assim que recebeu seu troféu. Falou que ainda sente sequelas da Covid-19, que contraiu no ano passado. “Tem sido difícil me manter 100% saudável depois do que passei.”

Teve muito abraço e choro depois da corrida. As lágrimas, tocantes, de Russell — que, finalmente, fez seus primeiros pontos pela Williams depois de três anos no time. George chegou atrás de Latifi, ironia do destino, mas teve um gesto de grandeza na corrida. Em determinado momento, pediu ao time para priorizar Nicholas na estratégia de paradas, já que o canadense estava mais bem posicionado na prova.

Alonso, que esperou Ocon chegar no Parque Fechado para levantá-lo pela cintura, contou que sabia exatamente o que fazia enquanto segurava Hamilton. “Cada volta que ele ficasse atrás de mim era ouro para a nossa vitória”, disse. “Estou muito, muito feliz por Esteban!” “Alonso ganhou a corrida para ele”, concordou Toto Wolff. O chefe da Mercedes falou também que a decisão de não trocar os pneus de Hamilton foi dele, e que se responsabilizava 100% por ela. “Nossa garagem era a primeira dos boxes. Se a gente parasse com todo mundo entrando junto atrás, não conseguiríamos sair na liderança”, justificou. Depois, relatou que foi pedir desculpas a Christian Horner, da Red Bull, pela trapalhada de Bottas. O dirigente rubro-taurino não aceitou e saiu emburrado do autódromo. “São duas corridas em que nossos carros são tirados da disputa, e nas duas vezes por carros da Mercedes”, queixou-se.

Classificação antes da punição a Vettel: Hamilton volta à liderança

O resultado do GP da Hungria, 11º da temporada, reconduziu Hamilton à liderança do campeonato, agora com 195 pontos. Verstappen foi a 187. Os números já estão atualizados após a eliminação de Vettel. Norris (113), Bottas (108) e Pérez (104) ficaram onde estavam. Foi a primeira vez no ano em que Lando não pontuou. No Mundial de Construtores, a Mercedes também voltou à ponta com 303 pontos, 12 à frente da Red Bull.

Foi a primeira vitória da Alpine na F-1, marca escolhida pela Renault para assumir os trabalhos na categoria. A montadora francesa tinha vencido pela última vez em 2008, no Japão, com Alonso. Ocon se tornou o 111º piloto a ganhar uma corrida na história.

Primeira vitória da Alpine: franceses em alta

Silverstone e Hungaroring promoveram uma reviravolta inesperada no campeonato. A F-1, agora, tira algumas semanas de férias e volta na Bélgica no final do mês. Logo depois, Holanda. São duas corridas onde Hamilton terá uma torcida francamente hostil, como se viu hoje com as vaias e os insultos que o inglês recebeu do público tingido de laranja em Budapeste.

Claro que torcida não ganha corrida, mas colabora para criar um climão que já vem sendo alimentado também pela Red Bull com suas queixas sobre o comportamento de Hamilton nas corridas e reforçado pelo acidente de hoje envolvendo o outro piloto da Mercedes.

Está divertido e emocionante. Então, apareçam às 19h no meu canal no YouTube para conversarmos ao vivo sobre tudo isso!

Comentários

  • Boa noite!

    Não é possível responder, ao menos pra mim, usando chrome, edge, opera e firefox…talvez seja de propósito, nesses tempos estranhos, de muitos “benitos de bem”, abaixo do Equador.

    Respondendo ao Bruno: nenhuma e ainda bem que a retirada daquela vitória do Hamilton não foi suficiente para evitar seu primeiro título. É o ditado: são dois pesos e duas medidas

    “Boa noite Flávio,

    Esta corrida entrou para minha lista de melhores corridas já vistas.
    Porém, fiquei na dúvida ! Qual a diferença entre as duas ultrapassagens abaixo ? E por que o bibelot azul não tomou um gancho ?
    Os analistas dirão que Verstappen tinha um carro muito mais rápido e que iria passar de qualquer maneira. Mas, respondo, que Hamilton também tinha um carro melhor no final da corrida da Bélgica e que iria passar, com toda certeza.

    Verstappen vs. Schumacher (Hungria 2021)
    https://www.youtube.com/watch?v=S5eqnOX6GlI

    Raikonnen vs Hamilton (Spa 2008)
    https://www.youtube.com/watch?v=7njqB0G0-aE

    Forte abraço.”

  • Belíssima prova… engraçado o Hamilton questionar a postura do Alonso… fico apenas a imaginar se fosse numa curva a quase 300Km/hora… como na Inglaterra…

    Feliz pelo Ocon e triste pelo Vettel… mas como é bom ver o Vettel feliz e mais leve… esse cara merece.

  • Prezado F&G: Um GP movimentado, com algumas peripécias. Parabéns para o piloto Ocon da Alpine pela vitória com participação especial do fantástico El Fodon ( Fernando Alonso), não vi maldade no erro de Bottas, pisou no freio escorregou e fez um besteira que baita dor de cabeça para Max V. . Desclassificação de Vettel, foi uma maldade , porém são as regras do jogo. Equipe Willians, marcando pontos com dois pilotos, vai economizar uma grana de transporte para temporada de 2022. Os Campeões somando seus pontos (L.Hamilton,F.Alonso, K Raikkonen, Vettel fica de fora em razão da punição), então pilotos campeões e veteranos dando recado. Campeonato tomou novo rumo e tinha jornalista cravando título de Max, mordeu a língua.

  • As pessoas adoram uma teoria da conspiração, mas não acredito que Bottas tinha a intenção de fazer a cagada. Mesmo porque não era garantido que Verstappen seria atingido, mas era quase certo que o Finlandês iria quebrar.

    No mais, mais uma corrida competente de Hamilton, mostrando que são poucos os pilotos que fazem frente ao inglês, em termos de arrojo. Na minha opinião, Hamilton, Verstappen, Alonso e Leclerc (e Ricciardo, quando em boa forma) estão em uma classe à parte, nesse quesito.

  • Agora que li alguns comentários sugerindo que Bottas fez de propósito… Por favor… Como ele poderia calcular que socando a traseira do Norris, este acertaria o Max e não Lewis e ele próprio, com o carro descontrolado, acertaria Perez? Se foi isso, o cabra é bom pra carai…. Gênio da pilotagem strikeana….

  • Parabéns aos pilotos que protestaram contra esse governo de merda.
    Parabéns à Ocon, Vettel e Alonso. Parabéns à Hamilton, pela belíssima corrida em um bosta de pista. Bizarra a largada de um homem só. 48 anos acompanhando F1 e acho que foi a coisa mais inacreditável que vi. Bottas fez uma cagada fenomenal. Coisa de estagiário…kkkk
    Norris tinha feito uma largada brilhante e, provavelmente conseguiria o terceiro lugar e seria difícil tira-lo de lá. Pena, o garoto merece. Stroll fez outra cagada monstro. Corrida muito divertida. Bottas não teve a intenção, mas sem duvida foi o melhor trabalho dele no ano…….rsrsrsrs

  • Por ser no meio do nada, dá pra fazer pelo menos umas três modificações fáceis nesse circuito húngaro pra melhorar as disputas. Foi uma etapa boa por conta do acaso, mas a corrida em si foi uma merda. Ninguém passa ninguém nesse circuito, só se o cara tiver um carro MUITO superior. Antes melhorassem o circuito e eliminassem o DRS do que essa travasseira de hungaroring.
    Se o carro do Vettel estava realmente sem gasosa, então há algo de muito errado nesse medidor de fluxo de combustível, (fornecido pela FIA) teoricamente deveria ser 100% preciso e os dados indicam haver 1.74 litros no tanque. É matemática simples, quanto foi colocado e quanto saiu, o que sobra tem que estar lá.
    Interessante saber que até então o chassis do Ocon estava rachado. Dividir a garagem com um cara que nada sabia sobre o singapura-gate não é fácil. Ocon que fique “expertu”.
    Nem sei o que dizer sobre o Ricciardo. Será que tem o chassis trincado também?

  • Já que não consigo responder o Francês Azedão e nem o Guest…vai por aqui. O Bottas deve ter um emprego de astrofísico esperando por ele, se a Mercedes não renovar, porque, segundo a teoria do azedo, o cara é um gênio. Bater naquela meleca calculando o ponto exato para que o Norris batesse no Verstappen e por aí vai, e calculando a força também, para não existir mais chance. Esse pessoal parece que nunca viu corrida. Ah..e Hamilton não ser bem fora da bolha, segundo o Guest, o que o cara precisa fazer mais? Hoje ele é detonado dentro de uma bolha também…a bolha laranja. Essas teorias me lembram as teorias urnisticas auditaveis trogloditas…

  • Corridaça, em todos os momentos.
    Muito legal esse tipo de corrida que você vê um baita piloto como o Hamilton vindo de trás, babando, com um ótimo carro, mas numa pista difícil de passar. Aí topa com um tal de Alonso, que tá doido pra chegar ao pódio (numa corrida que um garoto com o mesmo carro, está liderando).
    A F1 esse ano está ótima mesmo. Tem havido corridas que simplesmente entrarão pra história. Um “VT” duma corrida dessas é legal de ver a qualquer tempo, como a foi a de Silverstone.

  • GOLPE baixo, 2 seguidos para virar o jogo. Assim não né. REDBULL vinha fazendo tudo certinho, estava bonito. Jogo sujo é feio. Nessa da Hungria se fosse o HAmilton e não o NORRIS, será que Bottas teria errado tb? DUVIDO. DUVIDO. Estragou o campeonato. Podem até estar na frente, mas foi de maneira feia e apelativa para Mercedes. Engraçado é que BOTTAs perde 5 posições na próxima largada, e Perez perde 10 por a Honda ter de trocar o seu motor destruído pela MErcedes. E Verstappen provavelmente troca o chassis tb. Enfim os caras deram 2 golpes baixos e ainda sairam por ciam. FIA = FEDERAÇÃO INGLESA DE AUTOMOBILISMO. Que pouca vergonha.

  • 1. um “erro” de Bottas que seria compreensível caso se tratasse do Mazepin, mas do Bottas? Muito suspeito.

    2. Não foi o Mazepin que bateu, o Raikkonen é quem bateu nele;

    3. Fora de certa bolha da mídia, é evidente que Hamilton não é bem aceito pela torcida (por suas atitudes, diga-se);

    4. A narração do Odinei Edson na BandNews foi das piores que ouvi na vida.

  • Ocon teve sorte junto com Sainz e Tsunoda de escolher o único caminho livre de contatos. Pilotou com muita capacidade e a tranquilidade de um tetracampeão, com um tetracampeão babando atrás dele.
    Vettel fez bela corrida, forçou Ocon, lutou pela vitória. Realmente uma pena perder o 2º lugar por falta de combustível para amostra.
    Sainz peitou a equipe (contrariando muito experts que comentam aqui que estratégia é só a equipe que decide) e seguiu na pista por mais voltas para evitar uma segunda parada. O espanhol segurou o compatriota e foi recompensado com o pódio.
    Gasly que após as barbeiragens alheias da primeira volta despencou no grid, foi escalando o pelotão com muito arrojo para voltar entre os primeiros. E ainda foi parado pelo Red Bull no fim para tirar o ponto extra de Hamilton. Sim você não leu errado, Gasly foi parado pela Red Bull, todo ponto conta para Verstappen ser campeão.
    O duelo de Alonso e Hamilton foi um verdadeiro espetáculo, sensacional. O espanhol segue calando a boca de muita gente, enquanto o comandante continua provando ser o melhor piloto do grid.
    Prova forte das Williams, que também aproveitaram o caos do início e fizeram ótimos pontos para a equipe. E com Latifi à frente do queridinho Russel.
    Agora soa irônico o blogueiro dizer que Russel pediu para priorizar Latifi nas paradas de boxes.
    Antes da relargada o cara entra nos boxes em oitavo e sai na frente de todo mundo?
    E a “malandragem” que o menino fez nos boxes (Inclusive encima de Latifi)??? Normal???
    Russel que largou pior que o companheiro, teve que entrar nos boxes e esperar Latifi trocar seus pneus o que o faria perder uns 5 segundos a mais e cair de 8º para fora da zona de pontos, então muito experto ele sai e vai passando todo mundo (Inclusive Latifi) que está parado aguardando Lewis largar. Depois na pista devolve posições até chegar onde ele estava quando parou. Uma vantagem glamorosa que a imprensa torcedora não teve coragem de mencionar e os comissários vergonhosamente viram, e não puniram.
    Na corrida fica metade dela sem ter a capacidade de ultrapassar a Hass de Mickizinho, vê seu companheiro colocar quase 20 segundos de vantagem, ae fica fácil falar para priorizar Latifi, aliás precisa falar alguma coisa? Sim, precisa jogar pra torcida. Compra quem quer né? Russel realmente é daquele que olha somente para o próprio umbigo. Um problemão.
    E quem compra é BAND, a imprensa torcedora oficial da F1? O narrador gritou euforicamente Ruuuuuusssseeellll em segundo senhoras e senhores. E ninguém tem o profissionalismo de se pergunta como ele foi parar lá??? A BAND é um verdadeiro QG das Russelletes.
    Bottas foi o grande trapalhão da corrida. O finlandês em pista molhada é um zero à esquerda. Acabou com a corrida de Norris e Pérez, e por tabela com a de Verstappen que só marcou pontos porque é um fora de série, o carro estava caindo aos pedaços.
    Stroll voltando a fazer merda. Nada de novo com o canadense.
    Ponto negativo para as Alfa Romeu. Que viram as Williams abrir vantagem no mundial.
    E Kimi mesmo pagando punição conseguiu a proeza de ultrapassar Ricciardo. Hoje na F1 Ricciardo só é mais piloto que Mazeppin, Latifi e Tsunoda. Mickizinho e Giovinazzi já pilotam no mesmo nível do Ricciardo de hoje. O que acontece com o australiano é daquelas coisas que ninguém pode responder, porém fato é que a Mc Laren já pode pensar em um substituto para o ano que vem. Pérez também tem que ser trocado pois não é piloto de equipe grande.
    GP nota 10.

  • O Bottas é um bosta! Botou emoção na corrida mas tirou a chance da torcida ver a briga entre Mercedes e Red Bull. Sem querer e com sua “mão grossa” atropelou os principais concorrentes ao pódio na Hungria. A Mercedes já merece um piloto do calibre do Noris no lugar do Bottas, é notório que ele só anda bem nos treinos livre. Parabéns ao Ocon e ao Fernando Alonso que fizeram uma baita de uma corrida pra quem tem um carro bem limitado.

  • Sobre punição de Vettel, melhor comentário que eu vi:

    “Trying to kill someone – 10sec
    Some fuel left in tank – Disqualified

    Great fucking sport”

    no mais, melhor corrida do ano.

  • Uma dúvida: pensei no que Wolff disse sobre a parada antes da largada: Hamilton para no primeiro box, não consegue ser liberado, e fica para trás no tráfego. Mas aí vi a informação que Russell teve que devolver posições após aparecer em segundo. Esse reordenamento que afetou Russell foi porque Hamilton largou da pista? Se todos fossem para o box, as posições teriam que ser todas retomadas conforme grid? Em resumo, era permitido ou não ganhar posições no box nessa condição?

  • Corrida maluca com dois ou três strikes na primeira largada que acabou derrubando a Red Bull e tirando o Lando Norris que acabou perdendo sua longa sequência de pontuação.
    Hamilton na segunda largada acabou ficando sozinho na Pole num mico tático da Mercedes, depois deu para recuperar parte do prejuízo ultrapassando todo mundo até chegar em terceiro dentro de um cansaço só dele.
    Verstappen que está azarado correu com um carro comprometido nem parecendo ser um Red Bull, e sim uma Haas.
    A Alpine que é derivada da Renault vence pela primeira vez assim como Ocon ganhando a liderança como um bilhete premiado depois do erro tático do Hamilton com sua Mercedes, depois foi só vencer essa corrida liderando até o final segurando o assédio do Vettel.
    O Alonso também da Alpine foi bem chegando em quinto tendo um duelo com Hamilton numa nostalgia lembrando a rivalidade de 2007 na McLaren.
    A Williams acaba pontuando com seus dois carros depois de um bom tempo, com isso sai do zero deixando a lanterna para zerada Haas.
    Vettel que correu bem com sua Aston Martin chegando em segundo acabou desclassificado pelo combustível mínimo em seu carro, vamos ver se ele recupera na apelação.

  • Corridaça na…… Hungria!
    Quem diria isso em qualquer tempo atrás?

    Mazepin X Raikonen nos boxes !!!
    E o Latiffi, hein?
    Mancada da Aston Martin, deviam dar um ultimato a Vetel: ou você passa, abre e economiza, ou desiste e se concentra em chegar no final.
    Hamilton pilota demais, mas torço pra que não abra muita vantagem, chega de mesmice. O campeonato está muito bom com a disputa apertada.
    Parabéns Ocon, dê metade do salário pro Alonso esse mês! “It’s so dangerous at that speed, man” kkkkkkkkkkk
    Leclerc e Norris sacaneados, estão pilotando muito, fariam uma prova muito boa, certamente.
    Não acho que a Mercedes vai trocar, mas não da mais né? (Se bem que tem o copo meio cheio: ele foi o grande responsável pela troca na ponta do campeonato de construtores kkkk)

  • Quando o Rosberg resolveu se aposentar depois de ser campeão, eu disse para mim mesmo: “pensei que já tinha visto de tudo na F-1”. Quando o Hamilton largou sozinho, eu disse de novo. Então uma coisa é 200% certa: nunca diga que você já viu de tudo na F-1. Dá para fazer uma piada (sem graça) com a largada solitária do Hamilton: o safety car também largou com ele…

    Essa corrida foi tão maluca que há muito para se comentar, mas vou reduzir a coisa toda com só um comentário, e de outra pessoa. Faço minhas as palavras da Mariana Becker, que disse na volta 29:

    “Eu não sei o que é mais absurdo: o Verstappen que não consegue passar o Ricciardo e o Ricciardo que não consegue ultrapassar o Russell”.

  • Boa noite Flávio,

    Esta corrida entrou para minha lista de melhores corridas já vistas.
    Porém, fiquei na dúvida ! Qual a diferença entre as duas ultrapassagens abaixo ? E por que o bibelot azul não tomou um gancho ?
    Os analistas dirão que Verstappen tinha um carro muito mais rápido e que iria passar de qualquer maneira. Mas, respondo, que Hamilton também tinha um carro melhor no final da corrida da Bélgica e que iria passar, com toda certeza.

    Verstappen vs. Schumacher (Hungria 2021)
    https://www.youtube.com/watch?v=S5eqnOX6GlI

    Raikonnen vs Hamilton (Spa 2008)
    https://www.youtube.com/watch?v=7njqB0G0-aE

    Forte abraço.

  • Que carrerón de Fernando Alonso, que carrerón madre de Dios!

    Esse eh o velho que tantos criticam e diziam que ia ser igual a volta do Schumacher.

    Uma pena Alonso ter 2 títulos. Ele é muito maior do que seus números sugerem.

  • O Bottas acabou de garantir sua renovação de contrato. Tirou os inimigos da corrida e deixou o chefe do jeito que precisa. Já passou da hora da RB deixar de ser bunda mole e botar os outros três carros pra destruir os carros pretos, já que eles não pensam meia vez antes de destruir os da RB. Se quiser vencer é assim. Os anglo-germanicos sabem disso.

  • Hoje a moeda caiu em pé rs. Corrida maravilhosa! Don Alonso, uma aula de pilotagem hoje. Herr Vettel, na minha modesta opinião foi brilhante, apesar de perder no tapetão o segundo lugar. Infante Sainz, torço muito para ganhar uma corrida, meece muito. Mr. Hamilton, que agora aprendeu a desestabilizar os adversários, guiou o fino hoje. Ansioso pela próxima corrida, na “casa” do Max, que é nascido na Bélgica.

  • Prezado Flávio, maravilhoso GP, mesmo, mas duas coisas, sendo a primeira uma pergunta: se Lewis tivesse também entrado nos boxes na segunda largada, qual seria o procedimento da direção de prova, já que optou pela composição do grid e esse estaria vazio? Acenderia as luzes vermelhas e as apagaria, mesmo sem ninguém alinhado? A segunda: Esteban deve sua vitória também a Kimi. Ao sair dos boxes, o finlandês entrou involuntariamente na frente de Lewis e atrapalhou uma tentativa (que seria, a meu ver, bem sucedida) de ultrapassagem do inglês sobre Fernando, logo no início da disputa entre os dois. Lewis claramente teve de tirar o pé, pois Kimi ocupou o mesmo espaço da trajetória do heptacampeão, que, não fosse por isso, chegaria no mínimo emparelhado com o espanhol na primeira curva, teria completado a ultrapassagem ali mesmo e certamente chegaria aos dois primeiros ainda com tempo para conquistar suas posições. Mas, como se não ganha corridas, muitos e muitos parabéns para Esteban e muitas e muitas vaias para a desclassificação de Sebastian, para os torcedores sem noção do garoto-enxaqueca, para seu chefe-enxaqueca mau perdedor e para os governantes húngaro e, principalmente, brasileiro.

  • Toto foi pedir desculpas? Rapaz, deixa essa turma fresca da Red Bull para lá. A Red Bull se transformou numa equipe mimimi. O mimado holandês conseguiu contaminar a equipe com o seu chororô. Bora, Hamilton!!

  • Bottas mais uma vez honrando o sobrenome: fêz uma Merdda fenomenal na largada. . .
    Vettel acabou desclassificado, apesar da afirmação do time, não aceita pela FIA, de que havia até mais que o volume mínimo regulamentar.
    Premonição do alemão, quando afirmou estar pronto para enfrentar as consequências?
    Alonso então, que deu um presentaço para Ocon.
    Finalizando, Hungaroring não tem meio termo, ou é espetacular, ou sonolenta.

  • A culpa da largada única do HAM foi minha. Assisti essa parte da corrida na TV do quarto, quando a que dá sorte é a TV da sala. Foi eu passar para a sala, HAM ficou em terceito. Agora, para segundo. Perdão Comandante HAM, na próxima assisto toda a corrida na sala.

    PS: Tenho que confessar que foi culpa minha o Palmeiras ter sido campeão da Libertadores. Eu levantei para mijar quando estavam checando o último gol do River (que foi anulado). Mil perdões tb.

  • O circuito húngaro é terrível. Um zigue zague chatissimo. Mas não fosse assim, o Hamilton teria vencido porque se recuperaria com mais facilidade. Ou seja, o Pavoroso traçado húngaro foi fundamental pra vitória do Ocon.

  • Ótima corrida! O mais legal é que além da primeira vitória do Ocon, Hamilton e Alonso fizerem uma corridaça. O Vettel também foi muito bem tanto na pista como fora da pista! Muito legal.

  • Muito interessante o que aconteceu na largada de um carro só. Foi uma aplicação da teoria dos jogos.
    A Mercedes fez a decisão certa por não trocar os pneus do carro do Hamilton – não havia necessidade de arriscar ir de seco tão cedo dado que ele havia mais a perder. Para os outros carros fazia sentido fazer a aposta e trocar o pneu logo de cara.
    O problema é que se todos os adversários arriscam trocam o pneu, esta decisão se torna a “aposta segura” e o risco agora vai para o único carro que manteve os pneus inalterados. Individualmente, a decisão da Mercedes era a correta, mas como coletivamente todos os outros fizeram a decisão ruim, mesa virou e a decisão da Mercedes se tornou a decisão ruim! E o resultando foi o Hamilton ter perdido uma vitória facílima.

    Teoria dos jogos é coisa de louco… não é a toa que esta “descoberta” rendeu um prêmio Nobel em Economia.

  • De Prost em 1981 até Ocon em 2021, quantos pilotos vi vencer pela primeira vez… De cabeça Alboreto, Patrese, De Angelis, K Rosberg, Lauda (no retorno), Tambay, Senna, Mansell, Berger, D. Hill, M Schumacher, J. Villeneuve, Coulthard, Hakkinen, Herbert, Irvine, Alesi, Barrichello, R Schumacher, Montoya, Alonso, Trulli, Raikkonen, Button, Hamilton, Massa, Kubica, Kovalainen, Webber, Fisichella, Frentzen, Vettel, Riccardo,
    N. Rosberg, Bottas, LeClerc, Gasly, Perez e Ocon. Perdão se esqueci alguém. Mas sempre uma nova emoção.