EXISTE GP EM SP (8)

Bar da Dona Onça no paddock: ótima ideia

SÃO PAULO (até torresmo) – Uma das preocupações de jornalistas (do mundo todo, atesto) e bicos da F-1 em geral é com: horário de almoço. Nas equipes, bem entendido.

Há almoços muito concorridos no mundo inteiro, pode-se dizer que cada paddock tem uma característica muito particular e tal. Em alguns autódromos é bom comer nas praças de alimentação informais no meio do povo, como na Alemanha — Bratwurst feita na brasa com mostarda no pão, recomendo. Aqui no Brasil há escritórios nos fundos dos boxes, estrutura recente muito bem-vinda, onde se acomodam as equipes e há espaço suficiente para a montagem de cozinhas.

Almoçar na Ferrari era um hit anos atrás, por causa de Barrichello e Massa. Massa piloto, não massa comida. Mas se comia massa. A comida, não o piloto. A Red Bull, especialmente nas Europa, sempre foi muito concorrida. Nos anos 90, tão distantes, me aprazia almoçar na Renault, que tinha um cozinheiro italiano muito talentos. Ou no motorhome da Porsche, que fazia corridas preliminares e em todo GP sorteava um carro para algum sortudo ficar no fim de semana. Uma vez o Mariante, da “Folha”, ganhou. Mas ele não gostava de dirigir e eu que fiquei com o dito cujo.

O que chamamos genericamente de motorhome, aliás, já não é, faz tempo, um busão com uma tenda estendida para cobrir algumas mesas e receber comensais. A Red Bull monta um edifício de três andares com bares, área de descanso, mesa de ping-pong, sauna e o diabo a quatro. Essa moda começou muitos anos atrás quando a McLaren, em Ímola, primeira corrida europeia daquela temporada (não lembro qual, não perguntem), em vez de estacionar dois ônibus e montar um puxadinho entre eles ergueu uma estrutura que parecia subsede da Nasa.

Aquilo foi um “turning point”, como se diz no Oregon, não sei como vocês falam isso no Brasil, e depois daquela nave espacial da McLaren todo mundo se viu obrigado a levar para as corridas europeias motorhomes que consumiriam o orçamento de uma equipe inteira na Fórmula Indy. Tudo muito absurdo, exagerado, suntuoso e caro, como a F-1 sempre foi.

Voltemos ao almoço. Um rapaz veio me perguntar agora há pouco se eu sabia o horário do almoço na Mercedes, e não, eu não sabia, por que saberia?, apenas ponderei que como o treino era às 12h30, como está sendo neste momento, provavelmente o almoço na Mercedes, e nas outras equipes, deveria ser servido depois do treino, o que me pareceu razoável. Caso contrário teriam todos de almoçar, sei lá, às 11 da manhã, o que é cedo em qualquer circunstância para uma refeição.

E foi em meio a tais pensamentos gastronômicos que fui dar uma volta pelo paddock agora há pouco para ver e ser visto (tiram até fotos comigo, mas notei que pilotos das antigas andam me tratando com certa frieza patriótica, e foda-se), e junto com o inseparável Fábio Seixas nos deparamos com algo inusitado e, depois de colocada em prática a ideia fica fácil de dizer, perfeito: um boteco.

Como é que ninguém pensou nisso antes?

Atrás do box 20, que frequentei bastante nos tempos em que corria de DKW (hoje nossa equipe se aboleta no 14 ou no 15, dependendo do evento), montaram uma filial do Bar da Dona Onça, reputado estabelecimento instalado no térreo do Edifício Copan, no centro da cidade. Seus donos são também proprietários d’A Casa do Porco, premiado restaurante ali perto.

E é um boteco bem decorado, com belíssimas fotos de GPs do Brasil antigos nas paredes, latas e garrafas, iluminação estudada, uma linda DJ tocando música brasileira, mesas e cadeiras de madeira, guardanapos de papel, um balcão e uma bancada de petiscos com pastéis, mortadela, linguiça, torresmo, bolinhos de bacalhau, aquilo todo boteco precisa ter. E cerveja, que me pareceu gratuita porque bebemos e ninguém cobrou nada.

A F-1 tinha uma BAR, lembram? Hoje tem um boteco, ao menos aqui. Me parece justo trocar BAR por boteco. Espero que a ideia prospere.

Quanto ao almoço na Mercedes, já dispensei.

Subscribe
Notify of
guest

4 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcus
Marcus
1 ano atrás

“Mas se comia massa. A comida, não o piloto.”

Prometa pra gente que você nunca vai mudar, FG.

Sérgio Lima
Sérgio Lima
Reply to  Marcus
1 ano atrás

Essa foi massa…😂😂😂

Marcelo
Marcelo
Reply to  Marcus
1 ano atrás

Sensacional!!!!!

Marcus
Marcus
Reply to  Marcelo
1 ano atrás

Rindo feito bobo, lendo de novo.