MONTE REAL (1)

Alonso, o mais rápido: tempos pouco importantes

SÃO PAULO (perdemos tempo) – O primeiro dia de treinos para o GP do Canadá não serviu para muita coisa. Com clima muito instável, períodos de chuva se alternando com um sol tímido entre nuvens, a pista do circuito Gilles Villeneuve ficou a maior parte do tempo molhada, com parcos minutos de asfalto seco. Assim, não houve embate no cronômetro entre as principais equipes. Os tempos de voltas registrados em Montreal não foram representativos. Para se ter uma ideia, Lando Norris, da McLaren, ficou com a última colocação no segundo treino livre. E Fernando Alonso fechou o dia na frente, sem que isso trouxesse sequer um sorriso ao rosto do espanhol da Aston Martin.

Na primeira sessão, mal tinha dado para andar. Havia caído granizo de manhã, e os fiscais ainda tentavam tirar o excesso de água da pista quando começou a sessão, sem que os carros pudessem andar. Durante meia hora os boxes ficaram fechados. Na meia hora restante em que daria para completar umas voltinhas, andou-se pouco porque a pista estava muito úmida. Nos últimos minutos um solzinho besta até apareceu. O treino acabou com pista quase seca, mas pouquíssimo tempo para equipes e pilotos entenderem alguma coisa.

Assim que a luz verde se acendeu na saída dos boxes no segundo treino livre, começou a pingar novamente. Mesmo assim os pilotos, esperançosos, foram para a pista com pneus slicks.

A chuva era fraca, mas não permitia nenhum ato de heroísmo. Todos voltaram aos boxes ao perceber que estava molhado, e ficaram esperando dentro das garagens enquanto seus engenheiros decidiam o que fazer. Só Hamilton e Gasly fecharam voltas com slicks, fazendo tempos que não queriam dizer nada.

Mas como Gasly ficou andando sozinho e em determinado momento contou à Alpine, pelo rádio, que a chuva estava parando, outros carros resolveram experimentar o asfalto mezzo seco, mezzo molhado. E com slicks. Foi todo mundo para a pista outra vez.

Faltando 36 minutos para terminar a sessão, Verstappen parou nos boxes, pediu para os mecânicos pegarem ventiladores e saiu do carro, dizendo que estava sentido cheiro de queimado. Tirou o capacete e deu a impressão de que o dia, para ele, estava encerrado. Mais um fim de semana começando mal para a Red Bull, lembrando as dificuldades de Ímola.

A chuva tinha parado e todos tentavam aproveitar o asfalto seco para fazer o que se faz num treino: treinar. Isso porque a previsão para amanhã e domingo é de um tempo parecido com o de hoje: frio, instável, com momentos fugidios de sol e céu azul.

Mas não durou muito, a calmaria. A chuva ia e voltava e, a 25 minutos do encerramento, estavam todos os carros novamente nos boxes e o povo nas arquibancadas molhando os bonés. Porque a pista não estava seca o bastante para o uso de pneus slicks, nem molhada o suficiente para os intermediários. E, como se sabe, há uma quantidade limitada de pneus para cada carro por fim de semana. Não vale a pena gastar nenhum jogo à toa.

Chuva e sol, casamento de espanhol: no caso, de monegasco…

Naquele momento, Alonso liderava a folha de tempos com 1min15s810. Russell, Stroll, Leclerc e Ricciardo ocupavam as cinco primeiras posições. Verstappen estava em 18º. E não voltaria mesmo à pista. Nos boxes, a Red Bull desmontava seu carro, com uma barreira humana de 11 mecânicos postados na porta da garagem — para impedir que imagens das entranhas do RB20 viessem ao mundo. A informação cedida pela equipe: problema num dos sistemas de recuperação de energia que alimenta as baterias do automóvel.

Faltando 18 minutos para o fim, Alonso, Stroll, Ocon e Norris deixaram os boxes com pneus intermediários. A pista estava definitivamente molhada. Os tempos não cairiam. E a sessão acabou. O resultado na folha de tempos não tinha qualquer relevância. O que vale é amanhã.

Então, vamos esperar amanhã.

Os tempos do segundo treino: Norris em último

AZAR – O australiano Jack Doohan, escalado para o primeiro treino livre para o lugar de Esteban Ocon, deu muito azar. Por causa da chuva, andou muito pouco. Foi praga de Ocon – castigado pela equipe depois de bater em Gasly em Mônaco.

ELOGIOS – Sainz tem ficado bravo com as especulações, mas o entorno é que alimenta a boataria. James Vowles, chefe da Williams, voltou a elogiar o espanhol. “Um piloto extraordinário, qualquer equipe gostaria de tê-lo”, disse. Mas ainda acho que vai acabar na Sauber/Audi. Espera-se que antes do GP da Espanha, marcado para o próximo dia 23, algo será anunciado.

2026 – As regras de 2026 apresentadas ontem não agradaram muito. A sensação é de que os carros ficarão rápidos nas retas, mas muito lentos nas curvas – por causa dos 30% a menos de pressão aerodinâmica e 55% a menos de arrasto. “Entendemos os objetivos e concordamos com eles, mas as regras estão longe de alcançá-los”, disse Andrea Stella, da McLaren. “Isso é só um rascunho.” E teve quem fez previsões pessimistas. “Esses carros serão pouca coisa mais rápidos que um F-1. E aqui estamos no topo do esporte”, falou Vowles, da Williams. “Além do mais, não vamos conseguir tirar 30 kg dos carros”, reclamou Pat Fry, da mesma equipe.

PRAZO – A FIA tem até o dia 30 de junho para aprovar as regras no Conselho Mundial. Pelo Código Desportivo Internacional da entidade, regras que impactam o design técnico dos carros e seu desempenho de modo significativo precisam ser aprovadas um ano e meio antes de entrarem em vigor. Para ampliar esse prazo – ou seja, deixar para aprovar depois de junho, diante das reclamações e dúvidas suscitadas –, é preciso que todas as equipes concordem de forma unânime. E tem gente que já falou que não quer deixar para aprovar as regras depois. Portanto não há unanimidade. Mas a FIA, alegando “circunstâncias excepcionais”, acredita que pode ampliar o prazo contando apenas com maioria simples na votação. A coisa está confusa.

ENCONTRO – E por conta da confusão, as equipes devem se reunir amanhã de manhã no autódromo para alinhar suas posições.

Subscribe
Notify of
guest

4 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Luis Henrique
Luis Henrique
11 dias atrás

Treino é treino corrida é corrida. e
no Gran Pix du Cannada pode ter zebras nas primeiras filas da larga e no resultado final na banderada! Fiquemos atentos então!¿

Emerson Moraes
Emerson Moraes
11 dias atrás

lido !!

lagebeer
lagebeer
11 dias atrás

Adrian Newey saiu mas deixou enterrado uma cabeça de burro nos quintais de Milton Keynes

Edson
Edson
12 dias atrás

Tomara que o tempo continue instável amanhã na hora da classificação para dar uma bagunçada no grid.