Que seja a última

SÃO PAULO (quebrando promessa) – Quando criei este blog, prometi a mim mesmo que jamais falaria de futebol neste espaço. Brinquei uma única vez, quando a Portuguesa ganhou do Corinthians. Punto e basta, como se diz na Itália.

Mas é impossível, trabalhando com esporte, ficar à margem do que aconteceu agora há pouco no Pacaembu.

Há uma única atitude aceitável nesse caso, que tem de partir da Conmebol: banir o Corinthians de qualquer competição sul-americana por um longo tempo. É só assim que esses torcedores (e não foram poucos) que derrubaram o alambrado e enfrentaram a polícia como animais acabarão, um dia, igualmente banidos das arquibancadas por aqueles torcedores de bem, que são imensa maioria.

Foi o que aconteceu com o Liverpool em 1985, depois da tragédia de Heysel. Aliás, com o futebol inglês inteiro. O país todo pagou pela selvageria dos hooligans porque seus clubes foram proibidos de disputar competições continentais pela Uefa. Naquela ocasião, não foram todos os torcedores do Liverpool que massacraram os da Juve na Bélgica, matando 39 pessoas. Mas todos eles pagaram pelo que uma minoria fez. E nunca mais isso se repetiu. Hoje a paz reina na Inglaterra, o Liverpool é o atual campeão europeu e o Arsenal decide o título deste ano no dia 17. Nos estádios ingleses, não há mais alambrados.

Repito, e é o que direi na TV amanhã: a única medida aceitável é banir o Corinthians das competições sul-americanas por cinco, dez, vinte anos. A torcida corintiana se orgulha de seu tamanho e fidelidade, e costuma dizer que o Corinthians é uma torcida que tem um time, e não o contrário. Pois essa torcida, que se comporta dessa forma, não pode disputar nada se não souber perder.

Tirei meu filho da sala na hora da invasão. Aquilo é pior do que filme de terror.

Comentários

  • Olá

    Concordo em punir a torcida do Timão. Não se deve punir o clube. Joga-se partidas de competições sulamericanas com portões fechados. Ou então, pune-se também a torcida do São Paulo, que ano passado quebrou metade da Paulista. Depredaram patrimônio público (assim como fizeram os corintianos) e também o patrimônio de gente que tinha ali seu único sustento. nada de dois pesos e duas medidas. Corintiano como sou, reconheço que o Timão tem os investimentos que tem devido ao seu imenso “mercado consumidor”. mas este não tem o direito de fazer o que bem entende.

    abraços.

  • Pelo que eu li nesses últimos comentários a cidade de SP é falida, pois se tem gente que defende essa barbárie não tem moral de reclamar de políticos e justiça depois, pois são tão marginais quanto os caras de torcida bandida. Nunca mais reclamem de nada nesse espaço, a culpa é toda de vocês.

  • É melhor você não comentar mais nada sobre futebol.
    O que se vê na Inglaterra, que é país de primeiro mundo, não tem nada a ver com o que se viu aqui.
    Deixe quem entende de futebol comentar assuntos relativos ao futebol.
    Quem decide é a Conmenbol; O Corinthians é muito maior que o interêsse de meia dúzia de pessoas que vivem às custas de sua fama, glória e de sua torcida, que se não é a maior é a segunda maior do país.
    Aquela reação foi uma reação orquestrada por baderneiros que devem ser banidos dos estádios.
    A Instituição corinthians não patrocina estas pessoas.

  • Um banimento por pelo menos três anos seria o ideal. Não entendo como a sociedade da cidade de São Paulo ainda não se mobilizou contra esses caras. Está na hora de sair nas ruas para pedir que as autoridades sejam menos permissas com a criminalidade.