Gira mondo, gira (segunda)

SÃO PAULO (segue o cortejo) – Chocante a notícia da morte do garoto Elk Jr., kartista de 15 anos. Morto pelo pai, junto com um irmão e uma irmã. O pai se matou depois. Dor interminável.

No Líbano, o Hizbollah vai pagar US$ 12 mil para cada família desabrigada. Bush vai mandar US$ 230 milhões para ajudar a reconstruir o país. Tudo é grana.

Na Índia, abriram um restaurante que se chama Hitler’s Cross.

Provocações o tempo todo.

Comentários

  • Qual o problema chamar Hitler’s Cross? Stalin e Fidel mataram milhares tambem, e são reverenciados até por colecionadores de carros antigos. Os judeus matam palestinos desde sempre e estão sempre tomando o que não lhes pertence.
    Se fosse Stalin’s Cross os hipócritas de plantão ficariam caladinhos por conveniência.

  • Ééée….não é fácil não…depressão é um problema terrivel….Tive um parente que só não se matou pq ficava monitorado 24 hrs por dia…levou 3 anos em tratamento…hj tá super bem, graças aos medicamentos adequados e um fantastico psiquiatra que soube conduzir a recuperação….Lamentável o desfecho desse pai….a lamentar mais ainda pelas crianças….para a mãe, não será facil daqui pra frente não….E com relação as antas da India…eles que aguardem…logo logo…o IV reich vai pro espaço. Vai virar noticia….

  • Na carta, o pai dizia que estava falindo e chegou a reclamar da falta de patrocínios para o kart do garoto. Não é justificativa, longe disso, mas vê-se que o suicida também era incomodado pelos preços extorsivos do kart…

  • Total desapego à vida. Insanidade.
    Eu estava na granja na ultima prova do paulista. Muito provavelmente o barulho do zero que eu ouvi de dentro do box era desse garoto comemorando o feito.
    Como pode o pai dar cabo dessa alegria de viver??? Sem explicação mesmo.

    Restaurante com o nome do adolfão é provocação garantida.
    Se aquilo explodir algum dia é besteira se perguntar porque ou quem foi.
    Cutucar a onça com vara curta é risco de contra-ataque.
    Que assuma a responsa quem inventou essa.

  • É, o Hezbollah (muito me espanta ainda não ter aparecido um grupo de axé com esse nome) faz aquilo que os traficantes faziam há uns anos atrás. Cuida da população que o Governo não tem condições (ou vontade, ou capacidade) de fazer.
    Quanto ao restaurante, no comments.