MENU

quarta-feira, 9 de julho de 2008 - 16:54Indústria automobilística

É ÓBVIO?

SÃO PAULO (para mim, sim) – Gordon Murray, lembram dele? Pois é, vira e mexe alguém me pergunta sobre o destino do gênio roqueiro da Brabham e da McLaren, intimamente ligado a alguns dos títulos mundiais de Senna e Piquet. Ele ficou por anos na McLaren Cars e agora tem uma empresa própria, a Gordon Murray Design, que acaba de lançar um projeto de carro urbano chamado T.25. Pequeno, econômico e “verde”, não-poluente, como relata a notícia enviada pelo Renato Feijão.

Míni-carros (com hífen?) estão longe de ser uma novidade. Há centenas de exemplos no passado, mas eles nunca emplacaram, nem na grave crise do petróleo nos anos 70, porque nunca ninguém levou a sério o fato de que, um dia, o petróleo vai acabar — e, se não acabar, acaba com o mundo antes.

Os americanos estão sentindo na pele agora os efeitos de sua opção pelas barcaças gastonas que rodam por ruas e estradas do país. As vendas de SUVs e similares despencam e nunca se venderam tantos compactos como agora, porque a gasolina está cada vez mais cara.

Murray não chega a ser um visionário por apostar nos carrinhos, muita gente já fez isso antes, mas um cara como ele investir tempo e dinheiro em tal projeto é algo para se pensar. Eu, por exemplo, sempre achei que as grandes cidades deveriam ser habitadas exclusivamente por romisetas.

19 comentários

  1. DINO disse:

    Admiro o cara pela sua criatividade.O maclarem gt pode não ser o mais bonito mas com certeza é o mais leve.de todos os supercarros.

  2. edu pereira disse:

    e eu por DKW 2T

  3. petrafan disse:

    motores dois tempos em navios são vantajosos em termos de menor número de peças móveis, menor peso e mais, digamos assim, força por ciclo – uma explosão a cada 2 voltas.

  4. Brar Soler disse:

    Os navios transatlânticos usam motor dois tempos. Boa coisa não deve ser. Mas como ninguém vê eles por aí, ninguém fala nada.

  5. Stephan disse:

    Ja vi Gordon Murray nas epocas de Piquet na Brabham.
    Muitos dos blogueirpos sabem que moro nos EUA e trabalho na Segway.
    A para nao falar muito so pido que voces vejam o conceito Flextreme da General Motors que foi lancado no salo de Frankfurt no ano passado (Opel Flextreme) e no salao de Detroit com a Saturn.
    O carro é 100 % eletrico e de sua traseira estao equipados 2 Segway PT para a soluçao urbana.
    Agora QUEM DISSE que os Americanos nao estao fazendo nada???
    Nao sou gringo e nao defendo ninguem, so ponho uma posiçao aqui para demonstrar que nao é bem assim.

  6. vitão disse:

    O Murray tem um gênio em engenharia difícil de encontrar hoje em dia . Li uma entrevista em que ele contava do detalhamento do projeto do F-1, com o objetivo de fazer o carro superleve, e como , por exemplo, ele trocou o imã dos autofalantes de ferro por um de alumínio, feitos artesenalmente numa pequena empresa na Inglaterra, e economizou mais ou menos 1 kg. O carro todo foi construído assim. Depois, no projeto do SLR, ele se chateou porque toda semana vinha um big shot the Sttutgat e dizia :
    – preciso falar com o responsável pela suspensão.
    E o GM respondia :
    – Acho que sou eu .
    -depois preciso do responsável pela segurança passiva.
    -Acho que sou eu .
    – Depois preciso falar com o responsável pelo sistema de freios.
    -Acho que sou eu .
    E assim ia. Para quem estava acostumado a ser independente e tomar as decisões, deve ser duro integrar-se numa estrutura corporativa. Além do que a independência do GM destoava do sistema MErcedes, e incomodava muito.
    O mundo burocrata parece conspirar contra os gênios.

  7. Walter Campos disse:

    A revista 4R, a pouco meses atrás publicou uma interessante matéria sobre mini carros, acredito que produzidos na França,
    Carros bonitos, incluive um modelo conversível,
    São divididos em duas categorias, até a velocidade máxima de 45 km/h não precisa de habilitação para conduzí-lo, a outra categoria a velocidade máxima é de 95 km/h e necessita habilitação.
    Informa a reportagem, que a categoria 45 é muito utilizada por pessoas que tiveram a habilitação cassada ou suspença e que na França ocorre em torno de 80.000 por ano.

  8. Claudio Ceregatti disse:

    Tenho um milhão de coisas a dizer sobre Obvio!, mini carros urbanos, A. Campos, R. Machado, Lotus, Porsche e Motores Xingu.
    Mas não posso.

  9. Antonio Jose disse:

    Desculpem, o dobro de vagas. E, Porque há interesses.

  10. Antonio Jose disse:

    É claro! Romi-Isettas modernas, os famosos City-Cars (tudo com hífen) são a unica solução a curto prazo para os grandes centros urbanos. Quando será que nossos administradores e fabricantes cabeças de pudim vão perceber que um carro desses representa o bobro de vagas nas ruas e nos estacionamentos? Sem falar na economia de combustíveis e de manutenção que eles oferecem. Por que não temos ainda esse tipo de alternativa? Por que há interesses que não permitem, não é?

  11. petrafan disse:

    no tempo do combustível barato, os brasileiros também andavam em barcaças. não tão grandes, mas barcaças de qualquer forma. aero wyllis/rural, opala 6 cilindros, maverick 6 e 8 cilindros, galaxie/landau/ltd, dodges v8, todos fazendo entre 3,5 e 6 km/l com gasolina na cidade. e o próprio fusca 1300 não passava muito dos 8 km/l na mesma condição.
    a vida é assim mesmo. uma época a gente vai de gasolina, outra de álcool, uma época a gente come no Mac, outra no Almanara…

  12. Nilton Marcelino disse:

    Na próxima sexta (dia11) vai sair uma matéria com uma entrevista do Murray no jornal “A Federação”
    F.11-4023-1198
    email: [email protected]
    O entrevistador é o internauta Wilton Storm, que sempre acompanha o blog do Flávio. Tive a honra de conhecê-lo na noite da pizza em S. Vicente
    Abraço à todos

  13. pedro arnaldo disse:

    Acredito que os sinais apontam para um futuro aonde seram viabilizados e popularizados automóveis menores, melhores(inteligentes com combustível não poluente) e uso muito mais consequente. O tempo dos petroleros esta chegando ao fim, não por opção das pessoas, mas por imposição do meio ambiente.

  14. jose carlos disse:

    apesar do momento economico nao venha a trazer futuro real ao projeto ainda sou mais confiante ao projeto do anisio campos que e mais realista e tem umprototipo que ja roda apesar que o fornecedor do power train nao existir mais
    anisio campos criou um mini 828 que era uma solucao urbana de alto nivel para uso urbano
    gordon murray pode entender de f1 em mini sou mais o nosso anisio malzoni campos
    jc sete lagoas

  15. Antonio Álvaro disse:

    Olá Flávio,
    Como a Romi-Isetta tem aparecido bastante, acho que você gostará de ver um projeto feito aqui em Santa Bárbara. O laboratório de pesquisas SCPM da Unimep construiu a Romi-Isetta virtual. O link é: http://www.unimep.br/feau/scpm/romi_isetta.htm

  16. reginaldo nat rock disse:

    O cara viaja muuuito. Começa até pelo logo da empresa, com uma silhueta feminina com uma bela bunda sugerida. Enfim, é um dos caras que mais entendem da bagaça. A noticia é legal mas está muito ainda no condicional… E nem um desenho um tantinho mais realistico da idéia em germinação ele mostra. O rascunhão ai, te leva prum monte de soluções aparentadas. Alias, duvido muito em solução inovadora. Ninguém faz milagre num caixotinho com essa dimensão. De todos que vi, o da Honda aparenta ser o melhor no conceito mini carro.

  17. disse:

    FG, essa idéia foi sinistra…grandes cidades só com romisettas rodando…seria o bixo…na “maior” das hipoteses uns 147’s

    a vida em são paulo seria tão boa !

  18. Jean disse:

    Ferdinand Porsche já pensava em um carro econômico no início da década de 1930 quando criou o que viria a ser o Fusca… e agora estamos voltando às origens: carros pequenos, econômicos e bonitinhos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *