MENU

domingo, 17 de maio de 2009 - 17:17Enigmas & desafios

ONDE É?

SÃO PAULO (não conto) – Essa aqui eu quero ver se vocês acertam… Onde estão o Corcel, a Rural, os Aero-Willys? Ótimo registro de 1969, enviado pelo Braulio Gerhardt. Única dica: essa cidade, há 40 anos, tinha 50 mil habitantes. Hoje, tem 400 mil.

50 comentários

  1. VICTOR FERREIRA disse:

    PETROPOLIS DEPOIS DA ESTRADA VELHA

  2. Plácido São Bernardo disse:

    É a cidade de Bayeux, na Paraíba. O Aeroporto de João Pessoa fica lá (assim como o de São Paulo é em Guarulhos).

  3. Braulio Gerhardt disse:

    Rafael Terazi e Guilherme,

    Em 1970, a população do MUNICÍPIO de Porto Velho era de 84 mil habitantes. A população da CIDADE de Porto Velho era de 47 mil habitantes.

    Naquela época, o então Território Federal de Rondônia tinha apenas dois municípios (Porto Velho e Guajará-Mirim). Dentro do município de Porto Velho, haviam vários distritos que anos mais tarde se tornariam cidades, como Ariquemes (onde eu moro), Ji-Paraná, Cacoal e Vilhena, esta última fica a 700 km de Porto Velho.

    Portanto, essa população de quase 90 mil habitantes referia-se ao município de Porto Velho, com todos os seus distritos, vilas, povoados e zona rural. A cidade propriamente dita, tinha pouco mais de 40 mil habitantes.

    Espero ter esclarecido a questão.

  4. Rafael Tezari disse:

    Estou em dúvida entre Santos e Franca.

    É uma das duas.

    Em 1969 a população de Porto velho era de quase 90 mil habitantes.

  5. Rodrigo Moraes,

    Não sou defensor fanatico dos automoveis Norte Americanos, sempre elegi os Europeus como os melhores, mas nenhum conhecedor pode deixar de considerar que os EUA fizeram carros de qualidade no passado. E se tradição e know how acumulados valem alguma coisa, fizeram isso muito antes dos Japorongos, meio século antes de alguns deles começarem a clonar projetos dos outros. Os gringos sempre produziram automoveis ao seu modo, super dimensionados, geralmente de mecânica mais simples em relação aos Europeus, mas que eram fáceis de manutenção e duravam a vida inteira. Entendo que por não abrirem mão dos carrões, não se adequarem aos padrões modernos e eficientes e errarem redondamente nas suas famosas pesquisas de marketing, perderam mercado e hoje buscam tecnologia de marcas estrangeiras. Atualmente os caras perdem na produtividade até para o Mexico, razão pela qual estão ‘de quatro’ pedindo ajuda ao governo.

    Mesmo assim, me perdoe, não posso comparar produtos similares entre Toyota e Jeep, pois não há mesmo termos de comparação. Estamos fando sobre qualidade e prá poder dar ‘banho’ nesse sentido, é preciso ter rodado muito antes pelo mundo inteiro. Não se constrói esse quesito somente com base na experiência dos pioneiros.

  6. Braulio Gerhardt disse:

    Lamentáveis os comentários preconceituosos de alguns blogueiros. Tem muita gente no Brasil precisando viajar mais e conhecer melhor o próprio país. Felizmente, aqui neste blog é uma minoria, pelo que eu pude perceber, uns 5% ou nem isso. Mas fora do mundo virtual, é bem mais que isso.

    Mas mudando um pouco o rumo da conversa, confesso que não esperava tantos acertos. Logo de cara, fiquei surpreso com o terceiro chute, o do José Carlos, porque Volta Redonda (que não tem nada a ver com Porto Velho) por acaso é a minha cidade natal. Então pensei “tem gente procurando pelo meu nome no Google”, eheh…

    Realmente os automóveis tinham grandes dificuldades pra chegar a Porto Velho até 1960, pois o acesso à cidade era feito somente pelo Rio Madeira, então os veículos chegavam lá pelo transporte fluvial. Para o transporte de passageiros, havia uma segunda opção, bem mais cara, que era o transporte aéreo.

    Em 1960, um sujeito fora de série chamado Juscelino Kubitschek abriu uma rodovia de Cuiabá a Porto Velho, com uma extensão de 1.500 km, em menos de 11 meses. A partir daí, ficou “menos difícil” chegar a Porto Velho. Mas os carros raramente chegavam rodando, o mais comum era que eles viessem sobre a carroceria de algum caminhão, esses sim, os verdadeiros heróis da conquista do Noroeste Brasileiro. Essa rodovia por vezes ficava intransitável, até que ela foi finalmente pavimentada, em 1984, logo após o então Território Federal de Rondônia ter sido elevado à categoria de Estado da Federação, em 1982. Então vejam que enquanto o Brasil ganhava o Monza, o Escort, o Santana e o Senna estreava na F1, Rondônia estava finalmente descobrindo o que era uma rodovia asfaltada. Foi nessa época que meus pais vieram pra Rondônia, e eu os agradeço muito por isso. E tenho enorme respeito a aqueles que vieram antes, quando tudo era muito mais difícil.

    De lá pra cá, a cidade não parou mais de crescer. Pra se ter uma idéia, esse lugar onde até pouco tempo atrás os veículos tinham dificuldades pra chegar, hoje possui uma frota superior a 100 mil veículos. Uma média de veículos por habitante superior a Belém e Manaus, as duas metrópoles da região Norte.

    Quem quiser ver algumas fotos mais atuais da cidade pode dar uma olhada no meu álbum no Flickr:

    http://www.flickr.com/photos/br364/sets/72157609943899281/

    Infelizmente não tenho nenhuma foto atual com o mesmo ângulo dessa de 1969. Mas vou providenciar…

  7. Alvaro disse:

    Incrivel mesmo era os carros conseguirem chegar até Porto Velho na década de 60, isso sim era um grande feito pra esses carros.

  8. Juka disse:

    É isso aí. Lembra Bauru, SP

  9. Rodrigo Duarte disse:

    Pegou pesado hein? Porto Velho é sacanagem, achei que nem carros existiam na década de 60 por lá, incrível. E impressionante como os blogueiros acertaram essa.

  10. Rodrigo Moraes disse:

    Zani (18/05/2009 – 00:56),

    Já mataram Porto Velho, mas eu queria falar sobre o jipe Toyota. Seu nome Bandeirante é praticamente uma tradução do seu nome original, Land Cruiser. Naquela época, havia o hábito de se colocar nomes nacionais nos veículos. Eu tenho um Willys e um Toyota. O Willys parece um brinquedo de cristal perto da robustez do Toyota. Desde aquele tempo já se desenhava o que ia acontecer: os “japorongos” dando um baile de qualidade nos americanos. Compare hoje a Toyota com a Jeep, é a mesma comparação que já cabia àquela época.

  11. Paulo Hüvös disse:

    Kudumundistão.

  12. Marcos Lauro disse:

    Nessa época ainda era Porto Novo…

  13. Polesitter disse:

    Fácil!!!
    FLORIPA!!!!!!

  14. disse:

    Porto Velho, e reformada. Esse santo google é o bicho.

  15. Léo Engelmann disse:

    Eu chutaria Itapetininga, interior paulista.

    Há uma agência de Correios lá que tem essa redondeza da foto.

  16. Ricardo Bigliazzi disse:

    Na duvida… ARCEBURGO – MG!!

    Ops… acho que não, pois nem hoje ela tem 50.000 habitantes!!

    Sei lá… espero a resposta certa.

    Abraços

    Imperador Ricardo Bigliazzi

  17. Carlos Braganholo disse:

    Franca/SP

  18. Marcus disse:

    Sei la, acho que é Santos, pq sempre foi populosa e hj ta mais ainda.

  19. fabio disse:

    Bauru e S.J.Rio Preto, duas sacadas ótimas, o Victor e o Eduardo palpitaram bem, mas, fico com a cidade de BAURU.

  20. victor disse:

    eu acho que e Los Angeles – California

  21. gilberto severo vargas disse:

    Mais do que confirmado, confluência das Avenidas 7 de Setembro com Presidente Dutra, em Porto Velho (RO)

  22. Dino Sauro disse:

    A cidade é Jundiaí! Podem apostar!

  23. Eduardo disse:

    Vamos ao chute…
    São José do Rio Preto….

  24. Victor disse:

    Lembra Bauru, interior de SP.

  25. Braulio Gerhardt disse:

    Ah, e 69nofimdomundo é sacanagem, hein…. eheh…

  26. Braulio Gerhardt disse:

    Pessoal, quem passou os dados estatísticos pro Flávio fui eu, então se houver algum erro, o erro foi meu, não dele.

    Mas não houve erro. A menos que um arredondamento seja considerado um erro. Se uma cidade tem quase 400 mil habitantes, não vejo porque não arredondar pra 400 mil.

    Outra coisa, não confundam a população da cidade com a população do município. Lembrem-se que há 40 anos atrás, a população urbana das cidades brasileiras era quase sempre menor que a população rural, portanto a população do município normalmente era bem maior que a população da cidade propriamente dita.

    E Flávio, obrigado por postar a foto. Valeu!

  27. A cidade eu não reconheço, mas a marca dos carros sim, e muito.
    O nome Willys é uma bonita e valiosa lembrança de um Brasil que se levantava com dificuldade tão imensa quanto é o seu territorio. E nele só dava Jeep e Rural rasgando o mato e levantando aquela poeira, que impregnava até o pensamento, em lugares praticamente intransponíveis. Depois vieram os Aero, um luxo, carros macios, confortáveis e gostosos de dirigir, acreditem. Até nas pistas a Willys marcou presença inesquecível com os Renault Gordini, 1093 e Interlagos Berlineta, que foram ‘escola’ para alguns dos melhores pilotos do mundo.
    Essa foto de 1969 mostra a predominância dessa marca que ainda era mantida no meio rural e em muitas cidades, já na era Ford-Willys. Eu diria que a Willys faz parte de nossa historia de forma especial e mereceria ser chamada de ‘Bandeirante do século XX’. Mas, esse título acabou sendo utilizado oportunamente, por outra marca num jipe japorongo, que funcionava com motor de caminhão MB, né?

  28. Adal Avin disse:

    Já que é para chutar, meu palpite é Jaboatão dos Guararapes, que, tendo a fábrica da Willys Nordeste montada lá, tinha o maior índice de Willys/habitante do Brasil.

  29. Rodrigo Moraes disse:

    Sorocaba.

  30. Setter disse:

    Joinville, Santa Catarina.

  31. Fábio Almeida disse:

    São José dos Campos, SP. Chuto a Av Nelson D’ávila.

  32. guilherme disse:

    Acho que o Clezio matou. É Porto Velho-RO mesmo, mas a estatística ta furada. Em 1970 Porto Velho tinha 85 mil habitantes e hoje ainda não chegou nos 400 mil (ta quase la)

  33. Anselmo Coyote disse:

    Montes Claros-MG.

  34. Clezio Soares da Fonseca disse:

    Porto Vellho – Ro vejam no endereço abaixo.
    Gustavo tô com você! Adoro esta cidade,lembranças da vida de
    carreteiro.
    http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/fotografias/GEBIS%20-%20RJ/00894.jpg

  35. Jose Rubens disse:

    Pará de Minas – MG, acho que já fui nesta cidade…..

  36. Willians disse:

    Estão em frente de uma agência postal da ECT!

  37. Fernando M.A. disse:

    Campo Grande ou Cuiabá… Nem sei se hoje elas tem 400.000 habitantes.
    Mas seria bom da próxima vez mudar o nome da foto “69nofimdomundo”, isso já é uma grande dica por si só.

  38. Rogério disse:

    Mogi das Cruzes…

    Vamos ver se acertei…

  39. jefferson luiz disse:

    Blumenau?

  40. Gustavo Souza disse:

    Parece ser Porto Velho, capital de Rondonia.

    Agora esse corcel 4 portas é charme, meu sonho é achar um desses em bom estado hoje em dia.

  41. Luis Paulo Orlando disse:

    Mauá, com certeza não é……tá muito organizada demais…

  42. JOSÉ CARLOS disse:

    VOU CHUTAR DO MEIO DE CAMPO…..

    VOLTA REDONDA – RIO DE JANEIRO…..FIZ O GOL?

  43. guilherme disse:

    Acho que a estatística populacional do Flavio ta meio maluca, mas seu for me basear por ela eu fico com Capapicuiba-SP

  44. Ricardo - OR disse:

    Sul de minas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *