O QUE FAZER COM ESSE CARRO?

SÃO PAULO (para discutir) – Acabo de receber mensagem do Jason Vôngoli, com observações importantes sobre o Tucker resgatado do museu de Caçapava. Volto depois, para a gente refletir sobre o tema.

Olha aí as fotos do Tucker 48 de Caçapava, camarada. O carro ainda não foi lavado. Nas ruínas do museu, o Tucker estava sobre cavaletes — no novo galpão está no chão, com pneus arriados (mau sinal. Alguém com um mínimo de sensibilidade automotiva teria dado uma paradinha com o caminhão prancha no posto e enchido os pneus). Visualmente, o maior problema do carro, chassi # 1035, é a falta do “cyclops eye” (farol central que acompanhava as curvas), a ferrugem e um vidro quebrado. Mas um olhar mais atento percebe que esse carro já foi muito modificado. Nota-se que o painel completo é de Cadillac Série 62, ano 1947 — nada a ver com Tucker. O volante, a barra de direção, o seletor de câmbio automático e o pedal de freio são do mesmo Cadillac — isso indica que a mecânica completa foi trocada em algum lugar do passado! Em uma das fotos do carro na prancha, acho que vi até um feixe de molas na traseira, como o do Cadillac, reforçando essa história da transformação. A suspensão do Tucker era bem diferente. Saiu o motor Franklin seis cilindros boxer montado bem no meio do eixo traseiro, e entrou um V8 dianteiro. A tampa do tanque adaptada no para-lama traseiro é outro indício da adaptação. O motor original está no museu de Bebedouro.

Pois é. Evidentemente, esse carro, que não sei como, nem quando chegou ao Brasil (essa é a grande história, na verdade), foi mutilado ao longo dos anos. Mas ainda assim é um dos 51 Tuckers fabricados em 1948, seu único ano oficial de produção. O que é incrível é que todos eles têm destino conhecido. Quase todos sobreviveram, e o brasileiro é seguramente um dos mais maltratados pelo tempo e pelos homens. O que, a esta altura, importa pouco. A pergunta é: o que fazer com esse carro? Restaurá-lo? De que jeito? Não há peças de Tucker à venda no Mercado Livre. Uma restauração teria de ser necessariamente artesanal. OK, algo possível de fazer, porque o que não falta é referência visual de Tucker, além dos carros originais que estão em mãos de colecionadores.

Mas quanto custaria isso? Uma fortuna que Caçapava (a quem o acervo do museu foi doado) não tem, e nem deve gastar com algo supérfluo, numa cidade que, como todas, tem lá seus problemas para resolver.

Eu acho que uma boa lavagem, higienização e polimento bastariam. A preservação desse Tucker no estado em que está, desde que não se deteriore mais, é um retrato de uma história trágica, mas interessante — a da vida e do museu de Robert Lee. Ele nunca voltará a ser original. Pode-se “levantá-lo”, claro, com repintura, tapeçaria, confecção de instrumentos, cromados, etc. Mas pode-se, igualmente, mantê-lo como uma peça de arqueologia, como uma ânfora egípcia encontrada quebrada em escavações, cujos pedaços jamais serão recuperados.

Mas, ainda assim, uma ânfora egípcia.

Comentários

  • Ola grande Flavio!! Como vai, bem???Faz tempo que não nos falamos. Sobre o Tucker quero ter o prazer de te contar que depois de um trabalho de investigação que durou cerca de 1 ano, ja tenho toda a linha do tempo do carro, com muitas revelações perturbadoras, e te adianto que essa mutilação do carro que mistura um Caddy 47 62 series…não foi feita por Lee nem pelo proprietário anterior, nem pelo outro, ou pelo outro, mas acredite… foi quando o carro tinha apenas 5 ou 6 anos de “vida”…. Em um trabalho investigativo e solitário rodei mais de 2 mil km e fiz mais de 120 chamadas telefônicas o que me levou a encontrar vivos 4 dos 5 proprietários (ou seus descendentes) anteriores a Roberto Lee e Eduardo André Matarazo… Tudo isso vai estar na próxima revista. Assim que sair te envio!Grande abraço!!

  • Felizmente, conheço este processo da pref. de Caçapava bem de perto, estive ao lado de alguns carros recentemene, e posso garantir que alguns é só lavar, ouso dizer que uma simples revisão e se bater na cheve pode ligar.
    Sobre o nosso TUCKER, está no chão e sem cavaletes sim, eu pessoalmente fui convidado por um dos responsáveis (o qual não posso dizer quem), em ajudar na verificação mecanica e nos destravamentos das rodas, pelo que mais de 30 anos “sepultado” o deixou travado, Posso garantir que as rodas serão consertadas, os pneus trocados, e o que desrespeito a sua restauração, lógicamente sera 1º limpo e higienizado, será sim feita uma restauração na parte visual com referecias do TUCKER CLUB, dos EUA, onde eu pessoalmente estou entrando em contato, pois ja tenho informações que eles poderão disponibilizar algumas peças, como ja comentado acima, é verdade que o carro sofreu mutações, mas seus aspectos visuais se mantiveram, e ainda preserva um grande valor Histórico, sobre o motor que está em Bebedouro, já é outra historia, mas que renderá assunto, pois gostariamos de recolocar a mecanica original, valorizando ainda mais este carro, sobre os demais carros, todos terão o mesmo cuidado lavados polidos uma boa parte, e os que merecerão ser restaurados serão, como no caso do famoso MAVERICK, que a ford doou ao museu e que foi vandalizado, da pra acreditar que é um carro quase zero?…. enfim….. vamos trabalhar, a prefeitura está com ótimas intenções, ja temos alguns patrocinadores que nos ajudarão nesta empreitada, e muito em breve o local do antigo museu será também totalmente reformado, onde os carros voltarão para seu local de origem, valorizando ainda mais a região…. é só aguardarem, e aos especuladores, só resta esperar….

  • Discordo completamente daqueles que estão sugerindo que o carro devia ser leiloado (de preferência), para um gringo qualquer que o restaure por completo. Para começar, este carro, mesmo judiado, é uma preciosidade única, é facil falar para se desfazer que algo quando não se tem. Depois, será que o Tucker é tão enigmático ao ponto de que somente no exterior ele pode ser recuperado? Vários carros antigos (muito deles considerados raríssimos) que estão no Brasil sempre estiveram em perfeito estado de conservação quando foram adquiridos pelos seus proprietários? O que vai precisar é sem dúvida muita informação, dinheiro (infelizmente, não tem como escapar) e sobretudo: tempo e paciència, querer recuperar este carro em curto prazo aí sim, vai ser uma trágedia. Para encerrar, na minha opinião, o poder público tem sim, capacidade de manter um museu de veículos. Como exemplo, (desculpe gente, não é querer ser bairrista, mas para ter certeza na informação vou citar os de SP) temos o museu da CMTC, o do Corpo de Bombeiros, com um acervo enorme, e até a Policia Militar e a Policia Civil, entre outros.

  • Boa Noite Flavio .. sempre acompanho suas reportagens ja postei comentarios antes em outras reportagens !!.. gosto de seu trabalho .

    Foi eu quem retirou o Tucker do buraco que estava após décadas de abandono , pois quero que entenda que o carro estava num lugar bem inadequado .. pois então , além dos pneus a camara de ar estão todas podres ,, se vc observar nas fotos verá que o pneu do Tucker quando estava em cima do caminhão , ainda estava todos murchos ,, depois vc falou que o pneu poderia ser pelo menos passado num posto e enchido ,… correto ??

    veja a foto no galpão novo e verá que o pneu de tras esta cheio … pois então … fiz tudo isso que vc falou .. só que o pneu da frente esvasiou no caminho , a camara de ar estava podre ..

    e essa foto foi exatamente na hora que tirei o carro da plataforma ,, portanto não tem como o carro sair do caminhão e cair direto no cavalete .. quero que saiba também que estou fazendo um trabalho que a trinta anos muita gente só falou e não fez nada !!! estou fazendo isso com muito carinho , minha equipe se emocionou quando adentramos no interior abandonado do museu , e todos se dedicaram muito pra retirar não só o Tucker , mas todos os 40 carros ,,, ( não são só 27 como estão falando )…
    Sou colecionador a mais de 20 anos ,, e acho que ja tenho um pouco de conhecimento automotivo … possuo 30 carros antigos ,, cuido pessoalmente deles !!!

    Fiquei ofendido com seu comentário , não quero nenhum reconhecimento , mas pelo menos respeito com o trabalho aqui executado … levei 4 dias de trabalho muito árduo até chegar no Tucker , tinha mais de 20 carros empilhado na frente dele … acho que foi até isso que impediu que alguém ja tivesse roubado esse carro !!

    Estamos trabalhando agora pra deixar esse e todos carros , em condições de apresentação Pública ,, e restauração … nem Pensar !! isso sim é idéia de quem não tem conheciento … ou acham que se acha pç de Tucker na Feira do Sambódromo !!!

    Se quiseres informações de como se encontra o acervo , como vai ser feito a revitalisação do museu Roberto Lee… esteri a inteira disposição … a propósito o pneu do Tucker foi consertado nno mesmo dia que retirei o carro !!

    Forte Abraço .
    Marcelo Blellato

    • Não precisa ficar nervoso. Se ler o blog com atenção, verá que não fiz comentário algum sobre pneus vazios. Foram os leitores, talvez. Colecionadores são muito melindrosos. No mais, parabéns pelo trabalho. Estamos todos, admiradores de carros antigos, felizes com o possível desfecho dessa história de terror que é a trajetória do museu nos últimos 35 anos. Ninguém está falando mal. Ao contrário.

  • De acordo com a Wikipedia, o 1046 tb foi descaracterizado em sua mecânica. Que mantenham o “nosso” – afinal, agora não é do povo brasileiro? – Tucker em sua mecânica de Caddy. Apenas uma restauração estética e que o ponha em condições de rodar novamente.

    • Concordo! Gostaria muito de ver esse carro pessoalmente, não me importa nem um pouco se vai ser modificado ou original! Ouço falar desse carro há tantos anos e ao mesmo tempo desejo vê-lo há tantos anos que simplesmente ver o carro já é tudo! Infelizmente esse carro conheceu um Brasil aonde as pessoas davam pouca importância à originalidade e a visão de antigomobilismo era algo bem distante (não estou me referindo ao saudoso Roberto Lee e sim à quem ordenou as mudanças), mas compreendo e imagino a dificuldade de encontrar peças para esse carro assim que começou a envelhcer.

      Afinal, temos de lembrar que produziram apenas 51 unidades e que não havia concessionárias Tucker em cada esquina…se bobear nos EUA (na época) já não devia ser fácil arrumar as peças, que dirá instruções de como reproduzi-las. Só que lá, diferente daqui, carro sempre foi muito abundante e barato. Alguém poderia ser dar ao luxo de ter o Tucker e caso o motor quebrasse, poderia simplesmente comprar um Ford novo e usar, e deixar o Tucker na garagem aguardando as peças. Aqui o dono tinha de se virar e por o carro pra rodar, o destino talvez fosse pior. Ao menos o carro ainda existe, muitos já teriam virado picadinho….conheço alguns carros que foram salvos por pouco disso. E sei da história de muitos que morreram no machado… :(

  • Flavião, dá uma olhada de novo no link:

    http://www.streetcustoms.com.br/revistas-carros/noticias/tucker-1035-de-roberto-lee-sera-restaurado.html.

    Uma pessoa chamada Marcelo diz ser o coordenador do trabalho de restauração do Tucker. Entre seus comentários, ele diz que o painal não é de Cadillac, mas sim de Buick. Acho que vale a pena entrar em contato com ele para todos sabermos mais dessa história, ao invés de ficarmos discutindo o assunto sem sabermos o que é verdade e o que não é. Abração!

  • Ao Roger, desculpe pelas palavras não sabia de detalhes da operação, da seriedade do projeto, minha preocupação era o Tucker acabar de uma vez desaparecendo, a primeira vez que vi uma materia sobre este carro foi em uma revista da quatro rodas a muitos anos atras, dizia que ele estava no museu de Caçapava, para mim na minha mente ele estava muito bem cuidado e seguro no museu e esta estoria toda de abandono me deixou muito decepcionado .

  • Se eles quiserem podem me doar, gostaria muito de montar um carro desse com calma eu levaria de três a seis anos para deixá-lo inteiro. Não sou rico, trabalho e sei que com a determinação que possuo eu consigo montar esse carro. Sr. Flavio Gomes não poderia intermediar a doação por favor?
    Obrigado.

  • Olá pessoal, eu sou residente do Municipio de Caçapava e este Tucker escontrava-se no Museu do automóvel desta.Pelo que me lembre, este Tucker que está em Caçapava veio com o próprio Preston Tucker nos idos dos anos 50, onde este trouxe esse carro para ver se ele conseguia angariar fundos para um novo empreendimento automobilistico, só que agora no Brasil e o carro chegou a desfilar pelas ruas de São Paulo e do Rio de Janeiro.Vale lembrar que o PrestonTucker morreu no Rio de Janeiro em 1956.

  • Você não preferiria rebaixar a suspensão, colocar pneus de perfil extra baixo, maçanetas e capa do retrovisor cromadas, gancho para engate de reboque, TV no painel e pendurar uns dadinhos bregas no retrovisor?

  • Pelo que pesquisei e li a muito tempo atras, esse foi um exemplar que o proprio Preston Tucker , trouxe para o brasil na decada de 50 para tentar realavancar o projeto, ele faleceu de cancer em 1955 no Rio de Janeiro se não me engano. ate aonde eu sei esse carro tem o motor do Helicoptero Bell 5.8 litros, como o proprio Preston Tucker trabalhou na Cadillac, pode ser que o carro tenha algumas similaridade de peças e projetos do Cadillac

  • Minha piniao é que seja colocado em leilao, para que alguem com um “pouquinho”de dinheiro possa restaurá-lo e dar-lhe a dignidade que merece, independente da cidade ou pais que possa ficar em exposição. pois a arte é um patrimonio da humanidade.

  • Se não me engano, o fabricante desse carro sofreu o diabo nas mãos das grandes corporações, principalmente pelas inovações que o projeto trazia. Por pouco (talvez falta de visão) o governo Vargas deixou de abrigar uma fábrica do Tucker no Brasil. Isso seria um salto tecnológico, junto com a CSN. A importância histórica desse carro já valeria sua restauração. Talvez vc pudesse fazer uma campanha para isso, hein?

  • Não é prá isso que existe a iniciativa privada? É só buscar uma grande montadora ou uma Nestlé, ou uma Petrobrás da vida prá financiar a reconstrução. O que falta é vontade mesmo. Se conheço bem a prefeitura da cidade em que resido, daqui a alguns anos o Tucker só poderá ser visto em fotos antigas.

  • Tudo vai depender de quanto o prefeito da cidade vai ganhar Flavio, se algum colecionador emitir notas com 50% de agio e repassar uns 30% a ele a restauração vai ate os EUA buscar peças, a proposito, quem esta cuidando desse acervo, o secretario de cultura da cidade, tem problemas ate o fio do cabelo com desvios e recebimentos:
    http://www.correiodovale.com.br

  • Putz… com certeza o carro já veio assim dos EUA (assim = adulterado).

    Para se colocar o motor Cadillac V8 na frente, deve ter sido modificada a frente, chassi, suspensão, túnel da carroceria (se tiver, claro) e uma carvalhada de gambiarras (iguais as que vemos em Fiats com motor de opala 6CC que tem no Youtube).

    Seria capaz de apostar que os componentes mecânicos e de acabamento deste carro foram retirados para completar algum outro Torpedo carente das mesmas… o resto veio para o Brasil :D

    Infelizmente, “andar” com esse carro, mesmo que estivesse 100% restaurado originalmente, ninguem iria mesmo! A idéia da limpeza, pintura, maquiagem, depilação e escova progressiva é muito boa, pois o carro ficaria em exposição e encheria os olhos de quem nunca viu um de perto (como eu), assim como aquele Chevrolet que está na entrada do Posto Graal na Bandeirantes.

    • Certeza errada, amiguinho.
      O carro veio original (trazido para promoção da marca) e, anos depois, algum brasileiro o transformou em “Tuckerlac” por absoluta falta de peças.
      Vale lembrar que, nos anos 60, essas banheiras americanas eram vendidas por troco de bala. Só mesmo um Roberto Lee para antever o valor que viriam a ter.

  • Na minha opinião deve sim ser restaurado inclusive com as cores original!, E deve sim ficar em Caçapava! agora o dinheiro deveria vir de patrocínio de uma gigante(shell,santander, redbull etc) acho tb que temos mão de obra capacitada para o serviço aqui no Brasil(seria um grande orgulho) Se conseguirmos resusitar o Tucker seria uma grande conquista para amenizar as outras perdas. Com tantos apaixonados no Brasil seria facil fiscalizar e conseguir informações e peças(motor, rádio,etc). Vamos Lá prefeitura mostrar que o desafio eh possivel! Basta contratar alguem que queira trabalhar no levantamento dos recursos junto com a iniciativa privada. Acho sinceramente que é possivel reproduzir chassis, suspensões, painel,etc, pois este carro merece! a memória do senhor Lee tambem!
    Quem terá sido o cagão que teve a triste ideia de enxertar um exemplar deste, pois desde antigamente é sabido que se tratava de um carro rarissimo! Ha cagão se te pego, eu te castro pra tu ver o que é bom pra tosse!, seu imbecil!!!!
    Haa e de quebra tambem seria interessante restaurar o chassis e a mecanica de caddy para tambem ser exposto!
    Vamos lá macacada temos muito serviços pela frente! quanto maior o trabalho, maior a satisfação e a alegria de ver tudo pronto.
    Bebedouro bem que poderia seder o motor original em troca de outro franklin réplica made in usa!
    Senhor sale in favor devolver o rádio(e nào diga que já foi vendido!)

  • essa mutilação nãodá nem para comentar, será que não existe nos estados unidos alguem vivo da familia que poderia ajudar na recuperação deste veiculo, talvez tenham sobrado algumas peças no acervo da familia?,,hipoteses

  • O que mais me impressionou é que o vidro traseiro parece ter sido quebrado há pouco tempo: algums espírito de porco que entrou lá fez o favor de jogar uma pedra, sem ter a menor noção que estava quebrando uma peça insubstituível (talvez se tivesse conhecimento disso teria quebrado todos os outros para aparecer mais).
    É lastimável.

  • Não sei se ajuda muito, mas tem separei 2 Links sendo um do Club do Tucker nos EUA, e outro de um Tucker todo original com fotos. Tem uma parte do site do Club para forum, eu peguei de um cara que fala da reforma de um usando parts do Buick e do Ford 48, não li tudo mas tem colecionadores falando sobre restauro e outras coisas.
    Espero que ajude

    The Official Tucker Club Of America
    http://www.tuckerclub.org/index.php

    http://www.tuckerclub.org/bbs3/viewtopic.php?f=3&t=1405

    Fotos Tucker 1948
    http://www.laubly.com/1948tucker.htm

  • Pessoal, nao sou colecionador (ainda sou novo pra isso) mas admiro muito carros antigos. Eu penso que esse é um carro muito muito raro, e que merece uma restauracao completa. Poder publico fora, acho que isso eh ponto pacifico. Entao, a primeira alternativa seria buscar um patricinio privado. Alternativa 2, leiloar pra um colecionador brasileiro, com a condicao que este se comprometa a restaurar o carro por completo e expo-lo pra visitacao pelo menos x vezes ao mes. Alternativa 3, leiloar pros americanos pra restauracao completa com a condicao de que o carro fique exposto em um museu de uma grande cidade (NY, Miami, etc). A quarta opcao seria fazer o que o Flavio sugeriu.
    Abraco a todos.

  • Acho que se for para deixar assim, preferia que fosse a leilão, e o valor arrecadado revertido para outros veículos do acervo, que estejam em melhores condições.

    Por ser tão raro, acho injusto deixá-lo nesse perrengue…

    Mesmo se cair nas mãos de colecionadores internacionais (que irão restaurá-lo com certeza), acho melhor do que ficar assim.
    Desde que oque restou dele seja vendido por um valor justo, e não por peso de sucata.

    • José, estive hoje vendo os carros do acervo. Pessoas sérias estão envolvidas com o projeto, inclusive uma prefeitura.

      O pessoal daqui está fazendo o possível e temos que lembrar que o carro foi resgatado a 10 dias. Vi o orgulho das pessoas que envolvidas com essa recuperação dos carros de dentro de um museu abandonado para um lugar melhor. Desde os vigias até as pessoas que foram retirar os carros do museu.

      Muita gente daqui brigou para conseguir resgatar isso e colocar o nome da cidade novamente no circuito de carros antigos. O clube poderia restaurar o carro e deixa-lo no museu da cidade não ?

  • Eu acho realmente que a única salvação pra esse carro é vendê-lo para algum Tuckermaníaco endinheirado. Só um antigomobilista de coração, para trazê-lo de volta à vida. Como os caras falaram abaixo, deixar na mão do poder público é o mesmo que nada.

    Eu prefereria ver ele brilhando no exterior ou na mão de um apaixonado do que largado desse jeito numa garagem velha.

  • Se o motor original ainda existe, com certeza vale a pena restaurar com o máximo de originalidade possível.
    Não deve ser fácil nem barato.
    Alguém teria que patrocinar. Quem sabe não aparece algum empresário entusiasta?

  • Camarada

    Esquece esse carro como Tucker

    Hoje ele é um chassi Cadillac, mecanica Cadillac, parede corta fogo e painel Cadillac, que foi vestido com a carroceria do tucker, mas foi todo cortado e soldado ao extremo, tal e qual um fusca com motor V8 dianteiro.

    Sobrou a aparencia externa de um Tucker.

    Nem adianta pedir o motor de volta pois seria mais gambiarra ainda tentar coloca-lo de volta.

    Mas ainda assim é um carro único no mundo, deixem-no pois como esta, um misto de Cadillac e Tucker.

    • Aí está o trabalho para um belo levantamento histórico/investigativo!
      Dá um belo capítulo de livro. Bobear dá Trabalho de Conclusão de Curso de Jornalismo ou história ou uma dissertação de mestrado.

    • Um carro deste tipo e com este grau de raridade pode e deve ser restaurado sim. Já vi coisa bem pior ser restaurada e hoje admirada como o máximo dos máximos.
      Existe o caso clássico de um Mercedes SSKL, se não me engano, que tinha pegado fogo e depois ficou abandonado em um canto qualquer e hoje está todo pimpão como diz o Flávio em um museu. Se não me engano no próprio Museu da Mercedes.

    • Em tempo, um chassi com a ajuda de fotos, ou desenhos e medidas pode ser facilmente refeito. Aqui no Brasil a DANA e a Maxxion fazem chassis muito bons e podem muito bem ajudar. Quanto ao resto conheço funileiros que fazem verdadeiros milagres e um já foi citado aqui.

  • Lá por 2003 a foto do Tucker etacionado na frente do Copa foi postada no site http://www.rioquepassou.com.br/2003/12/21/1358/

    Certamente algum gênio da “mexanica” fez possivelmente nos anos 60 um transplante de carroceria. Cortou-se um Caddie na parede corta-fogo e possivelmente assoalho e soldou-se a carroceria do Tucker, o chassis certamente é do Caddie. Como bem falou Jasão, o chassis original, e o painel, assoalho e parede corta-fogo do Tucker foram para o espaço jogados em algum canto até apodrecer ou ser vendida como sucata, o destino da mecânica é bem conhecido. Mas concordo com o FG gastar dinheiro público para restaurar o carro é perda de tempo, ele é um moribundo, infelizmente. Mas acho que não faltariam patrocinadores interessados

  • Boa tarde Flavio,

    na boa, não sei nem porqu você está gastando tanto tempo com este museu.
    Passou para a mão do poder público ? Já era !
    Os herdeiros doaram isto aí porque não tinha mais jeito, provavelmente por força de algum acordo judiciario qualquer.
    Ninguém vai fazer nada ! Haja visto o que acontece, por exemplo com as ferrovias e o belíssimo acervo que se dispõem aqui pelo Interior. Sorocaba, onde eu moro teria condições de fazer um museu ferroviario de deixar gringo babando, mas sabe o que os palermas estão fazendo na antiga estação central ? Uma pinacoteca !!!! Isso mesmo uma Pinacoteca !!!!
    E querem fazer um Jardim Botânico também !!!!!
    Nem do nosso Zôo e do Horto conseguem cuidar direito !
    Amigo colocou o Poder Público no meio. Já era !!!!! Esqueça !!!!
    Primeiro, não existe dinheiro, ou melhor não querem gastar com isto.
    Segundo, não existe Interesse de verdade.
    Terceiro, Concursos Públicos e Obras são muito mais interessantes, pois trazem votos. Quarto, o povo não se interessa por cultura, ou o que você espera de uma país onde se vende meia duzia de revistas e livros, quando se toma por base a população ? Quando muito neguinho vai no cinema, no mais é novela e revista de fofoca, rico compra Caras e humilde Ana Maria.
    O que aconteceu com o museu da Ulbra, porque não estatizaram aquilo e mantiveram funcionando ?
    O que aconteceu com o Nasser !? Deixaram ele lá naquela garagem meia boca ou ele teve que encostar os carros nas casas de amigos ?
    Este carro é restaurável e deveria ser restaurado sim, mas por alguém bom e se Caçapava quiser, tem condições de ficar mundialmente conhecida como uma meca do automobilismo, mas para isto tem que querer, conhecer, saber como e ser competente, senão, fecha tudo de novo com cimento e larga lá que doi menos.
    Em tempo o Brasil possui também belos exemplos de como fazer as coisas, exemplo o Galaxie do JK, mas estes infelizmente são minoria e por trás estão funcionarios publicos de carreira e pessoas competentes e não politicos !

  • Esse Tucker pertenceu ao próprio Preston Tucker quando ele se mudou pra cá o que faz com que o exemplar brasileiro seja único do mundo. Um privilégio, um orgulho. Também sou favorável deixar como está, com marcas do próprio Preston Tucker. Esse exemplar deveria ser considerado patrimônio cultural da cidade. Se estiver exposto, vou aí só pra ver este exemplar único.

  • Esse carro possui a mecânica original em Bebedouro. A história desse carro é a que o Eduardo Matarazzo e o Roberto Lee intercambiavam carros entre os museus de Bebedouro e Caçapava e quando o Lee foi assassinado os herdeiros do Lee reclamaram o carro para eles, uma vez que o carro estava lá no Museu. Por outro lado, a Patricia Matarazzo também reclamava a propriedade do automóvel, pois segundo ela os dois haviam trocado o Tucker e o carro seria do falecido pai. Quanto as peças do Tucker ainda se pode encontrá-las nos EUA com a devida buscar, uma vez que a fábrica estava pronta para produzir muito mais que os 51 carros. Dessa forma a restauração completa e original é possível dado um preço a ser pago. Diferente de uma ânfora egípcia que necessita de uma parte ímpar para ser completada, o Tucker pode ser restaurado desde que haja boa vontade das partes envolvidas, uma parceria do poder púublico com a iniciativa privada e muito trabalho
    abraços
    José Eduardo

    • Não acho que o poder público deva gastar um centavo nisso. O carro foi negligenciado pelo “poder privado” por anos. Acho que os Matarazzo e os Lee têm dinheiro suficiente para restaurar o carro, se quiserem. Ou algum mecenas. Ou patrocinadores. Mas o poder público tem coisa mais importante para gastar. Já está fazendo muito de assumir as ruínas do museu. Que se dependesse do “poder privado”, poderia virar sucata.

    • José Eduardo,

      Reaver o motor Franklin que está em Bebedouro não bastaria, uma vez que o Tucker de Caçapava não tem mais o chassi original (o que está no carro foi “emprestado” por um Cadillac 1947, com motor dianteiro portanto).

      Assim, o único jeito de fazer uma restauração de verdade, como você sugere, é achando um chassi completo original.

      Fácil, não?

    • Acredito que, se a prefeitura leiloasse esse carro, um bom número de colecionadores se interessariam pelo automóvel e, com certeza, não seria para virar sucata. Quanto aos proprietários de ambos os museus, pode-se dizer que não há interesse nesse meio, diferentemente de seus patriarcas. Não podemos condenar todos nós, colecionadores, pelos erros de um determinado grupo que considero nem gostarem de carros. Concordo que a prefeitura não deva gastar nada para restaurar esses carros.
      Um abraço

    • Olá Jason
      Andei dando uma olhada no The Tucker Automobile of America. Esse assunto ferve no forum a cada postagem, inclusive com fotos. Alguns membros estão interessados em ajudar na restauração do veículo, outros estão interessados em levar o carro de volta para lá e restaurá-lo. Nunca disse que a restauração do Tucker seria fácil, afinal de contas é um Tucker. Não duvido que se houvesse um leilão o carro não seria arrematado por algum colecionador estrangeiro. Se é possível restaurar? Eu diria que sim. Se é fácil? Com certeza não, mas a cada encontro que vou e participo vejo coisas consideradas impossíveis até então. e não se assustem se um dia esse caro for exportado como tantos outros.

    • andei pesquisando, um senhor comprou três Tuckers, e precisou trocar o motor de todos eles, e depois de muito pesquisar ele achou os três motores e mais um de reserva, um deles com transmissão, lógico tudo isso nos E.U.A., mas deixa claro que é possivel restaurar, este carro precisa apenas de algo que ele não tem à muito tempo: um dono

  • Sobre esse comemorado ocorrido, acho que isso é bom e ruim ao mesmo tempo, bom por ter resgatado um dos mais importantes acervos de carros antigos no Brasil, mas ruim pela iniciativa publica ficar responsável por algo, que temos que concordar não de responsabilidade publica, eu acredito que se a prefeitura usasse o que restou do prédio e leiloasse cada carro teria mais proveito para todos pois assim os carros teriam os cuidados que precisão e o governo gastaria onde deveria

  • Seria interessante entregar esse carro ao “Seu Matinha” aquele milagreiro salvador de carros antigos no interior de SP. Ele poderia dar um jeito nesse Tucker, nem que ele mesmo fabrique as peças que o carro precisa. Pois achar peças pra esse carrinho, só indo aos Steites, acho.

    Com certeza em Caçapava ninguém vai se matar para deixar esse carro nos trincs. Deixar como está? eu acho uma pena. Melhor vender para quem possa cuidar dele de verdade, então. Acho que Roberto Lee preferiria assim, ver o carro brilhando, mesmo que na mão de outro.

    • Esse Tucker foi presente do ex sogro de Roberto Lee…com a condição de que ganharia sem o motor frankilin, que ate hoje esta no museu Matarazzo em um cavalete.
      Condição esta que Roberto Lee aceitou e levou o carro para sua fazenda em Caçapava

  • parece que o carro foi importado pelo representante, e acabou ficando por aqui. Como ele passou na mão do Matarzzo, cujo museu tem o motor original, grande chance do estupro ter sido feito por ele. mais aqui :
    http://www.autodata.com.br/modules/revista.php?m=reportagens&recid=4733
    http://www.afraudedoseculo.com.br/tucker.htm
    http://autodiario.blogspot.com/2007/01/tucker-o-final-real-no-o-alternativo.html
    http://antigosverdeamarelo.blogspot.com/2010/11/publicidade-do-tucker-no-brasil-1948.html

    incluindo fotos publicitárias e a famosa foto em Copacabana,.

  • uma restauração básica, apenas para preservar as linhas mestres externas já seriam o suficiente; 99% das pessoas não conseguria identificar o interior mudado mesmo.

    Não se venderia a idéia como tucker totalmente original, mas como uma sólida lembrança do que foi o carro e sublinhando sua exêntrica raridade.

    Já seria auspicioso…deixar assim, largado como uma bola murcha e gasta, é falta de respeito com uma das mais fabulosas histórias da indústria automobilística mundial.

    • Acho que vou pela mesma linha.
      Uma levantada e um belo relato da história do carro não seria algo oneroso. Se algum colecionador se interessar, a prefeitura poderia discutir o que fazer.
      Deixar como está não iria causar boa impressão, não exaltaria aspectos históricos, nem angariaria simpatias para carros antigos, ao menos para a maioria das pessoas. Se for o caso, uma retrospectiva fotográfica.

  • Flavio, interessante seu paralelo com a ânfora egípcia, obviamente é algo q deve ser preservado, mesmo q desse modo…
    Mas acho q boa parte poderia ser refeita, voltando sua mecânica ao formato inicial, mesmo q não com as peças originais, para mostrar como era a idéia de Tucker.
    Tb imagino (sonho) q poderia haver uma parceria com restauradores, de clubes ou não, para adotar os carros de um museu… Assim, muitos carros teriam garantia de manutenção e a cidade só cuidaria de manter o local, um custo bem menos oneroso…

  • Como não se sabe come nem quando chegou ao Brasil, só uma pertguntinha sem importancia, não poderia ser uma réplica que alguem um dia tentou fazer?
    Afinal de motor traseiro para motor dianteiro, mais painel, suspençaõ, teriam sido trocados porque? O que teria motivado essas trocas?

    • Não é réplica, pois tem o número de chassi informado…
      As trocas são pura e simplesmente (creio eu) pq não existe peças de reposiçao para esses carros… foram produzidos 51 e mais nada… ai fica fácil arrancar td e trocar por outro conjunto… obviamente a pessoa q fez isso não tinha idéia da raridade q possuia em mãos…

    • Marcio,

      O Preston Tucker chegou a montar um escritório de representação no Brasil. Depois, cogitou até uma fábrica. O carro # 1035 chegou aqui nessa época – existe até uma conhecida foto do bicho parado em frente ao Copacabana Palace nos idos de 1951, por aí…

      Nos Estados Unidos ele ganhou a (má) fama de captar grandes somas para seus planos automotivos grandiosos, sem nunca concretizar o prometido. Com dinheiro de investidores, comprou uma das maiores fábricas do mundo (que fizera motores para o bombardeiro B-29 durante a guerra) e tudo o que conseguiu montar foram 51 carros, artesanalmente e a toque de caixa.

      Preston Tucker ainda passou uma temporada no Brasil, atrás de dinheiro para fazer um kit car chamado Carioca. Acabou morrendo de câncer, em 1956.

      Quando o Roberto Lee comprou o Tucker # 1035, no começo dos anos 70, o carro já estava sem o motor Franklin original (que foi parar no museu do Eduardo Matarazzo, em Bebedouro). Pelo visto, antes disso, alguém adaptara um chassi completo de Cadillac 1947, para manter o bicho rodando.