RÁDIO BLOG

Seria tão bom se Tim Maia ainda fosse vivo…

Comentários

  • a hisotira desta musica é controversa….tem varias versões, tim perdeu um filho atropelado, mas anos depois da musica ser lançada

    o bom do tim é de 1970 a 1977 ( até o album em ingles lançado somente em 1978, mas que foi gravado logo após ter saido da cultura racional no final de 1975)

    bom, na minha opinião evidentemente….depois ele lançava um lp com um ou dois mega sucessos e enchia o resto com os mela-cueca!

  • esse éo cara qiue hoje fgaz muita falta na musica brasileira, tim, voce morou na nossa estoria, viveu e morreu enm nossas vidas…. e nós gostavamos tamto de voce e não sabemos até agora por que voce se foi.
    aquele seu sobrinho que te imita, não chega nem aos seus pés pretensioso e fanfarrão.

  • Esse cara faz muita falta mesmo. Sempre me pergunto a mesma coisa: – Porque gente deste nível vai embora cedo demais??? Tudo bem, que a lista não é taõ grande, mas são pessoas que se foram, que deveriam estar por aqui e por muito tempo ainda. Obrigado Tim, pelos seus feitos. Obrigado Flávio, pela lembrança.

  • Interessante é a história dessa música. Sempre achei que fosse uma daquelas letras de marido bandonado, etc…. Qual o que! Chego no cemitério Jardim da Saudade em Alcântara – Niterói e me deparo com a letra em uma parede, em relêvo de bronze. Lá mesmo fiquei sabendo que foi feita por um pai que perdeu a filha em um acidente de carro. O Tim Maia, ou seus arranjadores a colocaram neste ritmo. Mas é legal.

    • Na verdade, quem perdeu a filha num acidente de carro foi o Tim Maia, o Edson Trindade nunca perdeu filha, o que se diz é que ele pode ter feito a letra em homenagem ao amigo, ou coisa assim, mas nada disso é confirmado na história.

      O fato é que a letra fala a morte de alguém querido “viveu morreu na minha história” e não tem referência a abandono de corno não, é só uma impressão de quem não presta atenção.

    • Essa música eu tenho certeza que foi feita em homenagem ao irmão do Tim Maia que pelo que consta foi ativista político e teria desaparecido. quem me contou?
      A minha memória !!!!!! Lembro como s efosse hoje lá pelos idos de 1985 o Tim Maia no ” Perdidos na noite” do falecido Faustão- aquilo que aparece na Globo nas tardes de domingo é um clone do original, não tem outra explicação – ele mesmo disse que essa múisica seria em homenagem ao seu irmão que “foi procurar alguma coisa e até hoje estamos procurando ele” (sic) , mas também pode ser mentira, pois o Tim Maia assim como o João Saldanha tinham licença para mentir, mentir não…. inventar a verdade…..

      De qualquer jeito dei uma pesquisada e achei esse site que dá uma explicação mais plausível sobre a música e sendo o autro amigo e parceiro do Tim Maia o depoimento que ouvi no programa também não está invalidado, de qualquer forma tenho certeza que essa história de filha do autor morta em acidente de transito é lenda da internet, aí vai o link e logo a baixo a transcrição do comentário:

      http://www.partidaechegada.com/2007/11/gostava-tanto-de-voc.html

      Ao contrário do que insinua o texto, pode não se tratar de mais uma história de um homem abandonado pela mulher que amava. Circula pela internet a informação de que o autor queria homenagear a filha, falecida. Todavia, não há informação concreta de que o compositor Edson Trindade, falecido em 05/02/1993, tivesse perdido alguma filha, ao contrário de Tim Maia (Sebastião Rodrigues Maia), que perdeu uma filha quando esta tinha 15 anos, num acidente de carro.

      Embora só viesse a ser gravada em 1973, no LP “Tim Maia”, “Gostava Tanto de Você” é do final dos anos 50. A música fez muito sucesso já naquele ano. O compositor Edson Trindade era amigo de Tim Maia desde 1957 quando participaram juntos do conjunto de rock “Os sputnicks” e, em 1958, do conjunto “The snakes”, junto com Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Arlênio Gomes.

      Logo, a história de que a letra da música homenageia a filha falecida do autor pode ser mais uma das muitas lendas que circulam na rede de computadores. A única hipótese possível é de que Trindade, que figura como único autor, tenha composto letra e música especialmente para homenagear a filha do amigo cantor. O texto aqui vale apenas como referência e homenagem, já que é lançado este mês, pela Editora Objetiva, a biografia do músico (“Vale Tudo – O som e a fúria de Tim Maia”, de Nelson Motta). Veja vídeo da entrevista com o jornalista e produtor musical.

  • MAIS TUDO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    acabei de ler sua biografia , exelente!! esse era um verdadeiro artista que amava o que fazia e fazia do seu jeito, acho que era meio Nelson Piquet e James Hunt pra facilitar a comparação!

  • O Tim Maia era um inconformado por natureza e questionador nato. De uma inteligência ímpar e uma rapidez de raciocínio muito acima do normal era capaz de deixar qualquer interlocutor de calça curta. Lamentavelmente as drogas – ou o excesso delas – ceifaram sua vida precocemente.
    Sem dúvida alguma é daqueles personagens que se encaixa na frase de Darcy Ribeiro sem nenhum traço de modéstia proferiu um dia:

    “Sou grande , deveria ser eterno”

  • Boa camarada;

    Tim que saudades de sua espontaneidade suas loucuras seu senso de humor suas mentiras e verdades.
    A biografia escrita por seu amigo Nelson Motta mostra o Tim de toda as maneiras, recomendo!

    O mundo ficou mais chato sem você Tim!

    ”mais grave, retorno, retorno”