MENU

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011 - 10:23F-1

TAJ MAHAL

SÃO PAULO (tá sol lá?) – Ontem a notícia foi espalhada pelo próprio piloto, hoje a Hispania confirmou. Narain Karthikeyan será titular do time em 2011, com apoio da montadora indiana Tata. Karthikeyan correu pela Jordan e andava pulando de galho em galhos nos últimos anos. Ressurge das cinzas graças ao GP que seu país vai realizar no dia 30 de outubro, se as obras ficarem prontas — e se ficaram na Coreia, vão ficar também na Índia.

A chefia da Hispania também informou agora há pouco que Bruno Senna está oficialmente fora do time para 2011. “Ô, Gomes, e a história do Bruno na Lotus que você jurou que já estava certa no fim do ano?”. Não sei, sinceramente. Ainda estou achando esse silêncio sênnico muito esquisito. De qualquer maneira, sair da Hispania não é algo propriamente para se lamentar.

133 comentários

  1. Rogério Bento Negrini disse:

    Bem Flávio, você tem passado boas informações para leus leitores. Acredito que Bruno Senna será piloto de testes da Force India para 2011………………………… Agora esse indiano na Hispania, acho que nem no grid estará em 2011 … Só se $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

  2. felipe disse:

    Sou contra pilotos, equipes e corridas que envolvam india.
    Um lugar que venera materia prima de um bom hamburger não merece meu respeito.

  3. RCRG72 disse:

    Caramba, O Bruno Senna é bom piloto. E é só isso. Sem moleza de patrocínio o tio fez o que fez na época que esteve na Toleman. Podia não ser um piloto completo em alguns quesitos, mas no quesito pilotagem o homem era foda. O Bruno, está na cara que não é. Não adianta escrever milhões de linhas que nunca vai ser. O tio ficaria, na minha opinião, o tempo todo na frente dos principais rivais de rabeira, pelo menos.

    O Bruno é bom piloto, e bom piloto o Barrichello também é. Mas tem pouca experiência para a idade que tem, devido ao hiato que teve sua carreira. Espero que vá mesmo para a Lotus(que não é do Tony Fernandes). Espero que mostre pelo menos a personalidade para ser campeão, porque na F1 o que mais importa mesmo é ter carro, vide o Damon Hill, que depois que o Adrian Newey consertou o projeto, que ficou capenga sem a eletrônica que havia até 1993, ajudou Hill a ser campeão.

    Viúva nova na area? Perguntar não ofende…

    • Gilles_Senna disse:

      É isso mesmo, o Bruno é apenas um bom piloto mas muito longe de ser um fora de série como o tio. Mas parece que há quem não compreenda isso, exigindo do piloto o impossível, esquecendo os 10 anos de paragem e os azares que teve desde que a Honda abandonou e o deixou sem volante para 2009. Para quem começou a carreira tão tarde seria essencial fazer muitos Kms. de testes antes da estreia. Mas por conta dos problemas que afetam a categoria o Bruno ainda só teve ocasião de fazer um único teste com um F1 decente e isso já foi há mais de 2 anos. Não há milagres, ele até tem potencial mas é evidente que não tem tido condições para evoluír e assim é difícil.

      Sim, o tio teria esmagado qualquer colega de equipa em qualquer carro, mesmo num carro horrível como foi o da HRT. Mas o Bruno Senna também teria feito bem melhor no confronto com os colegas com um carro um pouco melhor. A prova? Os seus melhores desempenhos foram precisamente quando o carro estava um pouco mais próximo dos rivais da Lotus e Virgin e a uns 5 ou 6 segundos dos melhores. Só quando o HRT estava a 7 ou 8 segundos dos melhores é que o Bruno (relativamente aos colegas) esteve claramente abaixo das expetativas. Isto quer dizer alguma coisa. Bastava ele ter um Virgin ou um Lotus para ter tido desempenhos bem melhores no confronto com os colegas. Mas isto já são pormenores que escapam à grande maioria dos observadores, como é normal. Ele até bateu os colegas durante o ano (12 – 6) mas parece-me óbvio que com um carro um pouco melhor teria feito melhor figura.

      Seja como for, a verdade é esta: o Bruno Senna não teve um carro que permita avaliar o seu verdadeiro potencial na F1. Só teve aquele teste com a Honda onde foi quase tão rápido como o Button e depois não teve a sorte de poder evoluír ou sequer mostrar aquilo que pode fazer.

  4. Daniel disse:

    Ai ai ai galileu, quem dera eu poder brincar de competir de debater com alguem. Você e esse gilles ai juntos não somam o meu QI. Eu não preciso debater nada, não tenho que impor minha opinião, só isso já diz que ela é mais valiosa do que a de vocês, que escrevem biblias tentando se justificar. Passar bem, mas sem chorar muito tá?

    • Gilles_Senna disse:

      Escrever muito não quer dizer que se queira impôr uma opinião. A minha intenção foi apenas relembrar fatos da carreira de Bruno Senna. Exige-se muito dele e com tudo o que tem acontecido nos últimos dois anos (abandono da Honda, perda da vaga na Brawn, falta de testes, um ano afastado dos monopostos e estreia com um carro miserável) ele quase teria de ter o talento do tio para conseguir ter sucesso.

      O talento também se trabalha e 10 anos de paragem (1994 – 2004) é demasiado. Mesmo assim poderia ter tido sucesso na F1 se tivesse entrado com a Brawn. No teste com a Honda mostrou potencial e grande margem de progressão. Não acredito que não pudesse ser pelo menos tão bom como um Button ou um Massa. Dei como exemplo Damon Hill, que teve uma evolução mais lenta nos fórmulas e um primeiro teste na F1 não tão bom como o Bruno. Além disso o piloto não teve culpa que os japoneses tivessem saído daquela forma, deixando o Ross Brawn sem possibilidades de fazer testes nesse Inverno de 2008/2009. Esse foi o fator decisivo que deu a Barrichello a oportunidade de continuar com a equipa Brawn e estragou a carreira do Bruno.

      No entanto, para o Brasil, as duas vitórias que o Barrichello obteve em 2009 não compensam as muitas vitórias que o Bruno Senna poderia alcançar na sua carreira se tivesse entrado na F1 com a Brawn!

  5. Batista Lara disse:

    Bruno fora da Hispania?? Lembrei de uma frase de um amigo…

    Antes zero do que nada!!!

    • galileu disse:

      mariomesquita, o cara que eu torcia se chama emerson fitipaldi, mas épreferivel ser viuva de um cara correto e que ajudou muita gente com projetos sociais que só vieram a tona depois da sua morte, do que ser “esposa” de um invejoso, sujo, trambiqueiro,mau carater, golpista quer mais adjetivos ou chega? desvio de dinheiro, batida do filho no muro, caixa de agua p,ara refrigerar freio e outras maracutaias mais.

  6. Daniel disse:

    Pelo visto ainda não acabaram a choradeira pró-Bruno Senna. Agora resolveram escrever bíblias para tentar colocar na cabeça dos mais sensatos que o cara é bom piloto. Ninguém vai ler esses testamentos não, desistam.

    • RCRG72 disse:

      Daniel, bom piloto ele é. Mas a F1 está com pelo menos a metade do grid cheia com bons pilotos. Rubinho é um bom piloto, que se atrapalha com a própria mente.

      O carro da HRT era muito ruim mesmo.

      Levando em consideração a história da carreira dele, ele teria que ser fora de série para se dar bem na F1.

      E ele não é. Mas daí a dizer que ele é ruim é muita falta de noção.

      O Gilles_Senna não escreveu besteira não. pode ler. Só acho que não vale a pena gastar dedo escrevendo tanto. A torcida brasileira é cruel. O tio do Bruno já dizia que para os brasileiros o que vale é título de campeão e mais nada.

    • Mario Mesquita disse:

      Cara, pelo amor de Deus! Não provoca as viuvas, senão vão postar mais mil comentários. Mesmo educados e bem informados, eles tem uma coisa em comum: A chatice e a persistência em convencer que o sacrossanto nome “Senna” pode vencer até se estiver no RG de um pangaré! Afe Maria…

    • galileu disse:

      eu li, e não acho que voce é tão sensato assim como dizes, e não reconhecer que as biblias escritas pelo giles_sena são a realidade, voce tentou debater com ele e perdeu feio, aliás voce não entendeu um texto simples que eu escrevi, como vai enten der um texto elaborado como o que acabas de criticar, by by passar bem so long

  7. sfgt disse:

    O “gilles_senna” fez comentários brilhantes e precisos. parabéns. realmente a situação do bruno é mujito difícil. eu se fosse ele, iria correr na Indy… correr na HRT é loucura… não sei como os seus assessores permitiram isso…não entendo a posição da Lotus tb… Trulli? é brincadeira… e, para finalizar, infelizmente, gostaria de enfatizar um fato que o gilles_senna relembrou muito bem… o Rubinho acabou com a carreira do Bruno, ao tomar, na última hora, a vaga na Brawn…sei que é cada um por si, mas não achei correto, até por respeito ao que o Ayrton fez por ele (rubinho)…

  8. galileu disse:

    o giles_sena fez otimos comentarios, com consistencia e colocou um pouco de verdde sobre o bruno, temos forçosamente que concordar com ele, quanto ao rtal de daniel… que mala

  9. Gilles_Senna disse:

    Uma vez que é praticamente impossível ficar como titular em 2011, Bruno Senna tem as seguintes opções:

    - Piloto de reserva de uma equipa de F1, eventualmente com a possibilidade de participar em treinos livres nos GP. Não havendo testes e não querendo voltar para a GP2, uma outra forma de não ficar parado seria correr nas LMS e Le Mans, como fez em 2009. Mas já sabe que um ano longe dos fórmulas tem sempre efeitos nefastos, pois fica-se longe dos holofotes e perde-se ritmo competitivo. Também é lógico que já dificilmente poderá vir a ser um grande piloto, como poderia ser se tivesse entrado na Brawn em 2009, pois já teria evoluído muito na F1 e com material de primeira. Em vez disso perdeu mais 2 anos longe de um carro decente na F1 – em 2009 perdeu ritmo, este ano recuperou ritmo, ficou a conhecer os circuitos do Mundial e evoluiu qualquer coisa, mas menos do que teria evoluído se tivesse tido um colega experiente e um carro decente, capaz de evoluír de forma evidente ao longo do ano. Não há milagres! Se vier a ter a oportunidade que merece arrisca-se a ser um segundo Damon Hill (que só foi campeão graças a um carro muito superior e um colega estreante), pois tem tido demasiados contratempos e azares para aspirar a ser um dos grandes da F1.

    - Piloto profissional numa outra categoria, abandonando a F1. Ir para a F Indy seria uma hipótese que lhe permitiria manter-se num campeonato de monolugares de alto nível. Querendo ficar na Europa e não fazendo muito sentido correr em fórmulas secundárias como a GP2, F2 ou a antiga F3000, tem na mesma a hipótese de regressar às LMS e Le Mans. Competições como o DTM, o campeonato FIA GT ou o Mundial de Turismo poderiam também ser opções mas neste caso iriam provavelmente comprometer de forma definitiva uma eventual oportunidade para regressar à F1.

    - Abandonar as competições, 30 anos depois do tio ter feito o mesmo. O jovem Ayrton Senna estava na F Ford inglesa quando viu que não conseguia progredir na carreira apenas com base no seu talento, decidindo abandonar as competições e voltar para o Brasil apesar de ter patrocínios suficientes para continuar a correr.

    Bruno Senna pode decidir abandonar por motivos idênticos. Teve azar com a altura em que chegou à F1 – abandono da Honda e falta de testes – e já não vê perspectivas de ter a oportunidade que merece com base no talento. A acesso à F1 tornou-se uma espécie de leilão para os pilotos novos, onde só entra quem tem grandes apoios financeiros. Além disso também passou a ser imprescindível ter o apoio de gente influente, com o factor idade ou nacionalidade a serem mais importantes do que o talento do piloto. Claro que pode sempre voltar atrás na sua decisão. Ao tio bastaram alguns meses, em 1981, para compreender que a sua vida eram as corridas. Já o próprio Bruno precisou de 10 anos para voltar às competições que abandonara na sequência do trágico desaparecimento do tio em Imola em 1994.

    Espero que ele continue e ainda possa vir a ter sucesso na F1! Seja como for, é nossa obrigação de adeptos fazer tudo para o ajudar. Apoiar um Bruno Senna vitorioso, que tivesse entrado na Brawn em 2009, seria muito fácil. Mas o verdadeiro adepto deve compreender que se deve apoiar nos bons e nos maus momentos, quer o carro seja competitivo ou não, quer fique na F1 ou não.

    Por mim vou estar sempre ao seu lado. Em Imola, depois daquela batida, aí sim, nada pude fazer para ajudar Ayrton Senna. Mas o Bruno é jovem e tem ainda uma longa carreira pela frente!

  10. Gilles_Senna disse:

    Bruno Senna sempre enfrentou o problema de ser muito comparado com o tio e essa comparação é um pau de dois bicos. Pode ajudar a subir na carreira (como ajudou o Hill e outros) mas também pode tornar-se muito nociva para a sua imagem, sobretudo tendo o azar de começar na F1 com um carro muito mau. Ele nunca poderia ter o talento do tio depois de ter estado 10 anos afastado das competições. É um mau clone, não há milagres! Seria até um descrédito para Ayrton Senna que alguém que esteve tanto tempo parado pudesse sequer aproximar-se daquilo que ele foi! É muito mais correto comparar Bruno Senna com Damon Hill. Além do que já disse (apelido famoso, início tardio da carreira, sem passar pelo karting e estreia com um carro muito mau – Brabham em 92) ainda encontro outra semelhança entre ambos: perderam o seu maior apoio bastante cedo. (Graham Hill em 1975 e Ayrton Senna em 1994)

    Com as mesmas oportunidades que o Hill teve o Bruno Senna poderia até fazer bem melhor. A prova? Teve uma evolução mais rápida nos monopostos e esteve bem melhor no primeiro teste na F1, onde foi quase tão rápido como o Button sem ter qualquer experiência.

    Dizer que o Bruno Senna não tem valor para estar na F1 é quase tão absurdo como dizer que Ayrton Senna não tinha valor para estar na Williams, pois não terminou nenhuma corrida e não marcou qualquer ponto!

    Infelizmente ambos tiveram muito azar (para o Ayrton foi muito pior, pelo menos o Bruno está vivo e de boa saúde depois do brutal azar que teve – abandono da Honda, falta de ocasião para fazer mais testes, perda da vaga na Brawn para o Rubinho em consequência desse fato e estreia com um carro ao nível de um GP2)

    Mas nada está perdido se o Bruno conseguir uma vaga como piloto de reserva e voltar para o GP2 para manter ritmo competitivo (uma vez que não há testes), voltando depois à F1 pela porta grande. A Honda até equaciona um regresso em 2013 e o Bruno terá 29 anos nessa altura. Damon Hill chegou à F1 com 32 anos e ainda foi campeão. Claro que o Hill tinha a vantagem de ser inglês (o país mais ligado à F1 e onde quase todas as equipas têm sede) e também não havia restrições aos testes na altura (fez milhares de Kms. de testes com a Williams antes de beneficiar do veto do Alain Prost ao Ayrton Senna para entrar na equipa na altura ideal…)

  11. paulo oliveira disse:

    O problema é que o rapaz é normal, não é um fora de serie como o tio foi. Tomou tempo até dos companheiros de equipe. Tchau pra ele.

    • Gilles_Senna disse:

      Não é um fora de série mas tem mais potencial do que Damon Hill, campeão em 1996. Nas fórmulas de promoção teve uma evolução mais rápida do que o Hill e foi bem melhor no primeiro teste na F1. Com as mesmas oportunidades faria certamente melhor do que o Hill, outro piloto de nome famoso que não fez carreira no karting…

      O Senna bateu claramente o Chandhok e o Yamamoto quando o HRT esteve mais perto dos Virgin e acabou por bater o Klien no final do ano. Só quando o carro esteve muito pior ainda é que fez pior figura. Em Singapura o HRT era o que Klien definiu como um carro de ralis. Na corrida fizeram tempos a 10 segundos dos melhores e foi só nessas alturas que o Senna fez pior figura. Não é sério avaliar um piloto com um carro tão mau como aquele!

    • galileu disse:

      vamos as correções tambem,teve,, seu, agora vamos tirar o chapeu para esse giles_sena, os comentarios são fantasticos, muito bem elaborados e com conhecimento de causa.

  12. Frank disse:

    Acho que o caminho mais correto seria fechar como piloto de teste de uma equipe de ponta , Maclaren, Red Bull, treinar algumas sextas durante o ano e fazer a Gp2 e pensar em F1 em 2012 ou no máximo 2013 e voltar para ser campeão.Anda em equipe de funbdo como esse ano é gastar dinheiro a toa.

    • Gilles_Senna disse:

      Sim, tem de ser piloto de reserva mas de uma equipa do meio do pelotão e complementar com GP2 para não perder ritmo (um passo atrás para dar 2 à frente).

      Só que um piloto que não tem carro para brilhar na estreia e ainda para mais já não é tão jovem como outros (nem inglês ou alemão, p.ex.) não tem a mínima chance de ser piloto de reserva de uma equipa como a McLaren ou a Red Bull.

      Vamos ser realistas, nesta fase até já seria bom ser piloto de reserva até na Virgin, embora seja bem mais seguro e interessante numa Lotus Renault ou numa Team Lotus. Espero que ele consiga mas creio que também é imprescindível voltar ao GP2 uma vez que não há testes. Alonso em 2002 e Massa em 2003 fizeram milhares de Kms. de testes, mas isso agora já não é possível. Se o Bruno ficar parado será muito mais difícil ter a oportunidade que merece pois todos os pilotos que estão na F1 como titulares estão sempre a evoluír em cada GP e no GP2 há sempre muitos jovens com potencial à espera de uma oportunidade para subir à categoria máxima.

      .

    • galileu disse:

      carissimo rcrg72, não te critiquei, meu comentario bate com o seu, ele abandonou a carreira depois da morte do tio, depois veio o pai, eu tambvem acho que o bs tem toda a chance de provar o que sabe em um carro, competitivo, não esse arremedo de F! que aí está, conheci esse carinha quando era criança na inauguração do kartodromo que o ayrton construiu na fazenda em avaré, terve uma corrida de kart o tio largou em ultimo, passou todo mundo, chegou no sobrinho e tomou uim calorão ´pra passar, não quiz ofender o seum comentario, desculpe

  13. RCRG72 disse:

    Não vou escrever aqui para dar uma de esperto. Mas a um tempo atrás eu disse que a carreira do Bruno Senna nas categorias de acesso a F1 foi muito fraca.

    Ah mas foi vice campeão da GP2 em 2008.

    Tudo bem, mas para piloto que não tem dinheiro de patrocínio jorrando pelo rabo a vontade, sua carreira foi fraca. Perdeu tempo demais com a indecisão de correr profissionalmente ou não. O resultado é este aí.

    O fato é que o Brasil fica dependendo de sobrenome, ao invés de fortalecer seu automobilismo para que apareçam bons pilotos em maior quantidade.

    • Gilles_Senna disse:

      O que prejudica o Bruno Senna é também a forma como a sua carreira tem sido gerida. Assim que a Honda abandonou o Bruno devia ter percebido que precisava de alguém influente para o ajudar numa situação de crise. Não percebo o porquê de não ter contratado o Gerhard Berger como manager, o austríaco ajudou-o no início e quando o Bruno mostrou um bom potencial nunca mais foi falado, nunca ajudou o Bruno.

      Claro que ele não devia ter ficado tanto tempo parado (10 anos) mas aí a família realmente não o ajudou. Tendo em conta o tempo de paragem, sem fazer carreira no karting, a carreira do Bruno até foi muito boa e após apenas 4 temporadas completas (2 na F3 e 2 no GP2) estava preparado para entrar na F1 por mérito. No segundo ano no GP2 só perdeu para um piloto que andava na categoria secundária há quase uma década, o que lhe deu uma enorme experiência (Pantano esteve na F3000 entre 2001 e 2003 e depois de estar na F1 esteve no GP2 entre 2005 e 2008. Tirou partido disso para ser campeão neste último ano mas o Bruno foi o melhor dos outros. Sem uma série de azares também ele teria chegado ao título.

      Depois teve um azar incrível: brilhou no teste com a Honda mas os japoneses abandonaram e a falta de ocasião para fazer mais testes fez com que perdesse a vaga na Brawn para o Rubinho. Mas o pior foi que o Ross Brawn andou a empatá-lo, dando-lhe esperanças de entrar na equipa que estava a formar, e quando escolheu o Rubens já não havia vagas credíveis no GP2. Foi por isso que entrou em 2010 com uma equipa como a HRT, pois não teve dinheiro para uma equipa melhor e claro que o fato de ter estado longe dos fórmulas não o ajudou.

      Mas ele tem um bom potencial e precisa apenas de um carro minimamente competitivo para o provar de forma inequívoca!. Não duvido que teria feito melhor do que o Petrov se tivesse entrado com a Renault!

    • galileu disse:

      voce está começando uma carreira no kart, de repentre perde o tio e idolo, se desestrutura, logo perde o pai em acidente de moto, fica varios anos sem correr de nada, resolve correr novamente, não tem um patrocinio forte, mas faz o que dá. entra na f1 por uma equip.e fraquissima, voce quer mais, ou faria melhor.

    • RCRG72 disse:

      Concordo com você Gilles_Senna, em parte. Na F1 o cara que não tem patrocínio tem que ser bom além da conta. Era o que o tio fazia.

      Mas ô galileu, não critiquei o Bruno Senna para você escrever perguntando se faria melhor. O fato de ter tido as fatalidades do tio e do pai conta, claro.

      Só descrevi a situação do Bruno. Teve carreira fraca prejudicada pelo afastamento. Não o chamei de covarde. Ou incompetente como muitos aqui. Não dá para saber o real potencial dele por causa desses fatores e da equipe ruim em que se meteu.

      É fato ou não que ele perdeu tempo na carreira?

  14. Thiago Azevedo disse:

    No fundo, no fundo, será que o Bruno Senna tem aquela convicção de dizer “pilotei um carro de F1 em 2010″?

    Embora ele tenha alinhado no grid durante todo o ano, aquele carro que ele guiou não é bem um F1.

    Tomara que ele se ajeite para 2011. Boa sorte.

    Entrar em equipes pequenas como essas pode ser uma barca furada, pois o que elas precisam, mesmo, é de dinheiro. Se o piloto não tem uma fonte inesgotável, não se assegura.

    • Gilles_Senna disse:

      O Bruno Senna apenas pode dizer que pilotou na F1. Mas não pode (ou não deve) dizer que pilotou um F1 na sua temporada de estreia. O único verdadeiro F1 que ele guiou foi o Honda, naquele teste no final de 2008. O HRT era um carro totalmente desiquilibrado e no Mónaco até os carros de GP2 eram mais rápidos. Em Singapura os tempos em corrida ficaram a 10 segundos dos melhores.

      O Lauda em 1972 ou o Alonso em 2001, esses sim, não pontuaram na estreia mas podem dizer que guiaram um F1 nas suas épocas de estreia. O March de 1972 até permitiu que o Peterson tenha terminado o GP da Alemanha (no antigo Nurburgring) em terceiro lugar. Já o Minardi de 2001 era mais fraco para os padrões da época e Alonso não conseguiu pontos, embora tenha brilhado alguma coisa. Mas tinha um carro que, consoante as pistas, estava entre 2,5 e 5 segundos dos melhores nas qualificações. O HRT, consoante as pistas, esteve a uma distância entre 5 segundos e 8 segundos dos melhores nas qualificações e foi muito mais desiquilibrado do que o Minardi de 2001.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>