FUSCA DO DIA

SÃO PAULO (feito) – Olhando assim, parece um Fusca comum, não? Mas entendam, mortais… Não há um Fusca comum no mundo. Todos são especiais. E a história do blogueiro Carlos Eduardo é bem singela e legal. Como todo Fusca, singelo e legal.

Oi Flávio, tudo bem? Sou leitor diário do seu blog, acho que desde sua criação. Só leio, não comento, mas entro todos os dias. Estou te escrevendo para pedir para você fazer uma homenagem a um amigão nosso aqui, colocando a foto dele no blog, se você achar interessante. Um pouco da história dele:

Meu pai comprou em fevereiro de 1979, zero km, o único carro zero que teve na vida. Sempre muito cuidadoso, tratou desse carro como se fosse uma pessoa da família. Perdi as contas de quantas vezes vi meu pai enxugando ele depois de um dia chuvoso. Podia de ser de manhã, tarde, noite, madrugada, chegava em casa molhado, enxugava. Me irritava quando às vezes — eu menino/adolescente — meu pai me pedia para lavá-lo e, depois de limpo, vinha sempre a recomendação para enxugar por baixo dos paralamas. Só que todo esse cuidado, mesmo sem querer, contribuiu para que ele ficasse preservado mais do que o comum. Quando meu pai faleceu, em outubro do ano passado, eu e meu irmão assumimos o “controle” dele. Fizemos uma pequena restauração, procurando manter todas as características originais. Afinal, são “imensos” 63 mil km rodados. Se você achar legal colocar no blog, ficaremos todos muito felizes com isso.

Agora me dá licença que eu vou enxugar ele…

Comentários