FIM DE FEIRA (13)

F

SÃO PAULO (21°C, quase garoando) – Vamos lá, antes que fique tarde. Sebastian Vettel fez a 15ª pole no ano e mandou o recorde de Mansell para o espaço. Maior número de poles numa temporada. Nigel fez 14 em 16 GPs, em 1992. Vettel teve 19 corridas para tal e mandou 15. “É histórico”, falou. Sim, a gente sabe. Aliás, esse rapaz é cheio de fazer história.

A de hoje, fez em 1min11s918, com 0s181 de vantagem para Webber, el Desolado Canguru. E a Red Bull está na primeira fila em Interlagos e é grande favorita para ganhar a corrida de amanhã.

Vettel é uma figurinha. Meu irmão Julio, que está na cobertura com a rádio, testemunhou um negócio bem legal. Quando ele voltava ao escritório da equipe, depois de dar duzentas entrevistas, um repórter alemão derrubou seus papéis no chão e Tiãozinho parou, abaixou-se, recolheu tudo e entregou para o coitado.

Pilotos não costumam ser tão gentis.

Button e Hamilton estão em terceiro e quarto. Jenson deve fechar o campeonato como primeiro dos outros, com o segundo lugar. Cara de bons amigos não tinha Alonso, quinto. Disse que esperava mais. Ao seu lado, Rosberguinho, normal.

Massa ficou em sétimo. Não foi bem. Contou que só teve um jogo de pneus no Q3 e isso acabou prejudicando. Torce pela chuva, não entendi bem por quê. Felipe não é lá o maior especialista do mundo no molhado. Mas chuva, às vezes, vira tudo de cabeça para baixo. Talvez seja isso. No seco, em condições normais, suas chances de pódio, sonho de um fim de semana primaveril, inexistem. Ah, Massa vai ganhar um bolo daqui a pouco, pelo seu centésimo GP pela Ferrari.

Vettel tem 30 poles na carreira, metade delas obtidas neste ano. Hoje passou Fangio nas estatísticas e é o sexto maior frequentador da primeira posição do grid em todos os tempos. À sua frente, Schumacher (68), Senna (65), Clark (33), Prost (33) e Mansell (32).

Volto já. Enquanto isso, escrevam qualquer coisa aí nos comentários. E vocês que estiveram em Interlagos, contem tudo.

Sobre o Autor

Flavio Gomes

Flavio Gomes é jornalista, mas gosta mesmo é de dirigir (e pilotar) carros antigos.

38 Comentários

  • Números absolutos e números relativos. Na verdade, essa confusão toda é por causa de um bando de gente chata que fica tentando achar falhas para dizer que o recorde de alguém não vale e se achar mais inteligente.

    Mansell fez 14 poles em uma temporada e Vettel fez 15 nesta, ou seja, Vettel fez mais. Não importa se o percentual de Mansell foi maior, o que estão falando é que o alemão fez 15 e o inglês fez 14. Número absoluto. Nos EUA é comum ver números relativos, por exemplo na NBA. O jogador X teve 35% de aproveitamento nos seus arremessos de três pontos, e o jogador Y teve 33%, isso faz o jogador X ficar na frente no ranking de cestas de três na temporada, mas o jogador Y pode ter feito mais cestas de três do que X. O número de jogos é o mesmo para todos, mas um pode ter jogado mais tempo do que outro, aí alguém ia aparecer para dizer que o recorde não é válido.

    Se é assim, não podemos mais considerar os recordes de voltas na liderança, já que hoje em dia existem mais provas e consequentemente mais voltas. Não podemos considerar mais os recordes de vitórias, segundos lugares, terceiros, pódios, pois hoje em dia os pilotos correm mais provas no ano e em suas carreiras, além de que as carreiras de alguns são bem mais longas.

    Recordes de tempo de volta? Não valem mais também. Qual a graça de dizer que alguém bateu o tempo de volta de certa pista se os carros evoluem e ficam mais rápidos, além das mudanças de traçado?

    Vamos todos fazer continhas de matemática para achar o percentual de poles, número de voltas na liderança, vitórias, segundos lugares, terceiros em diante e pódios em relação ao número de corridas, vamos calcular o tempo da volta considerando a evolução dos carros e mudanças no traçado para saber quem realmente foi o mais rápido nas pistas e depois disso vamos refazer todos os rankings de todos os recordes, porque todos os recordes são falsos.

    Povinho enjoado esse.

  • Se é para contar, eu conto: não é que o maluco aqui decidiu ir na corrida de última hora? Minha esposa me viu aqui, assistindo aos treinos livres, meio triste e falou: por que você não vai e se dá um presente de aniversário? Troquei de roupa, peguei a máquina fotográfica e me mandei para lá de trem e não é que deu certo? Cheguei na bilheteria, entreguei o cartão de crédito e pedi o setor M. Entrei faltando 10 minutos para começar a qualificação e devo confessar que chorei um pouco quando vi os carros na pista. Sou apaixonado por esse negócio desde criança e antes dessa só tinha tido uma oportunidade de ver essa bagaça. Sei que quando chegar a fatura eu vou chorar denovo, mas no final das contas, nossa vida é feita de paixões e sonhos e hoje foi o dia de realizar um deles. Para quem quiser ver, fotos de hoje aqui.

  • Qdo vejo até a mídia internacional e sujeitos como Flávio Gomes, enaltecendo o “recorde” de Vettel, fico preocupado de verdado com minha normalidade.
    Por que eu não consigo aceitar que 15 de 19 é mais que 14 de 16 ??????
    Será que me faltam neurônios, ou neuro-transmissores (tem hífen?), tipo nor-socialina? Ou será que é apenas por que sou muito exatas e pouco humanas?
    No início pensei, sinceramente, que era só pra vender jornal! Mas tem muito gente séria (ou quase) repetindo isso.
    Devo ser o único doido mesmo. Vou ao psiquiatra.

    • Concordo.
      Não vejo porque desse recorde também. Provavelmente se o Mansell tivesse essas três corridas a mais na época, poderia ter 17 poles.
      Só lembrando: 15/19 = 78,95%, 14/16 = 87,50% e (14+3)/(16+3) = 89,47%.

    • Por um motivo simples, cara: são valores absolutos, não é aproveitamento proporcional. Se pensar em “aproveitamento em poles numa só temporada”, o Leão é imbatível, mas como se fala em números, não em razões, o Vettel é o cara da vez mesmo… :P

    • Você não consegue aceitar porque 15 de 19 realmente NÃO É mais do que 14 de 16, é menos. O porque de inflar e não relativizar estes números é incompreensível. Vettel é genial mesmo tendo em números relativos (mais significativos nestes casos), % para os mais lerdos, menos poles do que Mansell na mesma temporada e não precisa ser supervalorizado. O povo também foge um pouco da escola né?

    • Isso Vicente, depede do ponto de vista, estatisticamente vc está certo 14 em 16 são 87,5% e 15 em 19 são 78,9% então o primeiro é mais que o segundo, porém, em numeros absolutos 15 é mais que 14. O recorde é de maior número de ploes na mesma temporada, assim 15 é maior que 14. Se o recorde fosse de maior porcentagem ou de maior proporção de poles na mesma temporada vc estaria certo.

    • Não é não, camarada. É igual ao que a mídia faz com artilheiros de campeonatos. Um campeonato com 20 jogos é igual a um de 40! Estão transmitindo informação para idiotas! E alguns, muitos, embarcam e ficam repetindo nas discussões de botequim! Isso é que me irrita! Há cerca de 15 dias atrás em um restaurante ouvi numa mesa ao lado: “Hoje tem aquela luta que o Brasil vai parar para assistir!” Olhei para o lado e vi dois senhores, um deles com camisa do Fluminense, que nem devem saber o que é MMA (alguém sabe, aliás?) e já incorporados à agenda da mídia, a mesma que diz que Vetel é recordista e que quando alguém questiona pe chamado de chato… chato é ser idiota!!! Valeu!

  • Hoje eu pensei que o Vettel ia mudar de dedo na hora de apontar o nº 1, kkkkkkkkkkkkkk
    Depois de 15 orgasmos, a base de Viagra, tem mais é que dar um descanso pro perequito.

    E Massa, aproveita o bolo, os tapinhas nas costas, amanhã o bicho pega se vc é Hamilton se encontrar (na pista, é claro).

    • Amigo, infelizmente teremos que engolir os alemães por alguns anos ainda. O FG não tem culpa da falta de pilotos brasileiros com condições de serem elogiados mais frequentemente. Acho que o Schumy e o ettel são indiscutíveis, o Sutil de vez em quando, porém, bem frequentemente tem dado motivos para elogios. Assim segue a vida. Imagina o martírio dos Itaslianos, que já forma maior número no grid e hj contam com Trulli e Liusi? E os franceses que já tiveram Prost, Arnoux, Alesi e hj?
      É assim mesmo.

  • Não sei quanto tempo vou levar pra dar o braço a torcer. Acho de fato o Vettel o segundo melhor piloto, depois de Alonso. Mas sempre estou torcendo para o Hamilton e por isso me pego sempre menosprezando os resultados e record’s do Vettel. Acho que porque no fundo sinto que vai vir uma era maior que a do Schumacher e isso pode matar a F-1. Acho que a solução é banir os pilotos alemães durante um tempo pra F-1 ter um pouco mais de competitividade.

  • “Se o carro é fora de série, o piloto tem obrigação de tirar tudo dele, ainda mais sem rival com carro semelhante, Schumacher e Vettel conseguiram tirar tudo do carro, mas outros campeões no passado nem tanto”.

    Chupa Galvão…

    Cadê as 11 vitórias de Mansell com o carro “do outro mundo” em 92? Pelo que me lembro, assim como Vettel, Mansell não teve um único rival a altura, nem em treinos ou corridas. Curioso é que, com aquele super carro, Mansell nas últimas seis provas só conseguiu vencer uma(e não tem desculpas, ele saiu na pole nas últimas 5 corridas, vivia fazendo M.voltas, portanto, carro pra vencer ele tinha)…na média de pole/vitórias o “leão” ficou devendo, foram 14 poles e apenas 9 vitórias.

    Prost foi pior com o mesmo carro em 93, foram 13 poles, mas 7 vitórias, o francês sequer venceu uma corrida nas últimas 6 provas.

    Vettel já tem 15 poles e 11 vitórias, em termos de velocidade e precisão, deixa Mansell e Prost para trás…

    O carro é espetacular, mas Vettel se mostra oportunista, como foi Schumacher em 2002 e 2004.

    Sem o empecílio do reabastecimento, Vettel vai buscar fácil o recorde de 68 poles, não tem mais aquele problema do piloto pensar se vale a pena ou não sacrificar a pole pensando na corrida largando com o carro mais pesado, por isso, Schumacher demorou para superar o recorde de 65 poles. Era comum Schumacher largar mais pesado(sacrificando a pole), pensando mais na corrida, e o alemão tinha razão, foi aí que apareceu aquelas 3 voltas “voadoras” antes de parar nos boxes, com mais gasolina ficava mais tempo na pista. A dulpa Schumacher-R.Brawn eram “demônios” em estratégia de corrida.

    Vettel chega a Interlagos como Bicampeão, sendo que, sequer era campeão no último GP Brasil em 2010, já chega como “demolidor” de recordes, esse do Mansell já durava 19 anos, um recorde que eu achava difícil de ser batido, já era…

    Nos último 18 campeonatos(desde 1994), a Alemanha levou nada menos que metade dos títulos, 7 com Schumacher e 2 com Vettel(e vem mais Galvão). A Formula 1 tem novo “dono”, é a vez dos “schucrutes” se divertirem na F1. Parabéns aos alemães por não DORMIREM em berço esplêndido na era de ouro Schumacher, investiram em seus pilotos nas categorias de base, hoje tomam conta da festa.

    Será que na Alemanha os torcedores estão achando a Formula 1 muito chata?

    Isso é coisa de pacheco mau perdedor, reclama, mas sempre esta lá acompanhando as corridas…

  • Certamente, Vettel tornará-se o terceiro (em matéria de poles) nas estatísticas já no primeiro terço da temporada de 2012.Faltam só quatro para alcançar Clark…se continuar neste ritmo, supera o Schumacher em três temporadas, no mais tardar.
    Quanto à Massa, agora no final de 2011 ele GANHA bolo da Ferrari. No final de 2012 ele LEVA bolo da Ferrari…

  • Pelo que lembro, esse alemaozinho só tem 4 temporadas inteiras na F1, e falando-se em números, ele já está na metade dessas conquistas, em relação às estatísticas dos grandes campeões…tá certo que atualmente existem mais GP’s que no passado, mas também não é tanto assim… e ele deve ter, na teoria, mais 8 a 10 anos de F1…o cara é um fenômeno, na minha opinião!

  • A educação e bons modos realmente são muitos estranhos a maioria dos brasileiros. Por favor e obrigado denotam uma imagem perdedora e poucos usam. É normal quando alguém é somente educado as pessoas vejam um novo Deus da humildade … hehehehe… funny.

  • Schumacher teve um começo de carreira polêmico e, apesar da inegável genialidada, demorou
    para ser metabolizado por muitos.
    Vettel começa a carreira de supercampeão com tudo e ainda mais com a aura de um carisma avantajado.

  • Eu gostaría, realmente, que parassem de encher o saco com essa pole do Vettel. Não se compara com o feito do Mansell, simples e obviamente porque houveram mais etapas este ano. Mansell obteve a pole 87,5% das estapas, enquanto Vettel, 78,95%. Nas minhas contas, Mansell continua o recordista.

Por Flavio Gomes

Perfil


Flavio Gomes é jornalista, dublê de piloto, escritor e professor de Jornalismo. Por atuar em jornais, revistas, rádio, TV e internet, se encaixa no perfil do que se convencionou chamar de multimídia. “Um multimídia de araque”, diz ele. “Porque no fundo eu faço a mesma coisa em todo lugar: falo e escrevo.” Sua carreira começou em 1982 no extinto jornal esportivo “Popular da Tarde”. Passou pela “Folha de S.Paulo”, revistas “Placar”, "Quatro Rodas Clássicos" e “ESPN”, rádios Cultura, USP, Jovem Pan, Bandeirantes, Eldorado-ESPN e Estadão ESPN — as duas últimas entre 2007 e 2012, quando a emissora foi extinta. Foi colunista e repórter do “Lance!” de 1997 a 2010. Sua agência Warm Up fez a cobertura do Mundial de F-1 para mais de 120 jornais entre 1995 e 2011. De maio de 2005 a setembro de 2013 foi comentarista, apresentador e repórter da ESPN Brasil, apresentador e repórter da Rádio ESPN e da programação esportiva da rádio Capital AM de São Paulo. Em janeiro de 2014 passou a ser comentarista, repórter e apresentador dos canais Fox Sports no Brasil, onde ficou até dezembro de 2020. Na internet, criou o site “Warm Up” em 1996, que passou a se chamar “Grande Prêmio” no final de 1999, quando iniciou parceria com o iG que terminou em 2012. Em março daquele ano, o site foi transferido para o portal MSN, da Microsoft, onde permaneceu até outubro de 2014. Na sequência, o "Grande Prêmio" passou a ser parceiro do UOL até maio de 2019, quando se uniu ao Terra por um ano para, depois, alçar voo solo. Em novembro de 2015, Gomes voltou ao rádio para apresentar o "Esporte de Primeira" na Transamérica, onde ficou até o início de março de 2016. Em 2005, publicou “O Boto do Reno” pela editora LetraDelta. No final do mesmo ano, colocou este blog no ar. Desde 1992, escreve o anuário "AutoMotor Esporte", editado pelo global Reginaldo Leme. Ganhou quatro vezes o Prêmio Aceesp nas categorias repórter e apresentador de rádio e melhor blog esportivo. Tem também um romance publicado, "Dois cigarros", pela Gulliver (2018), e o livro de crônicas "Gerd, der Trabi" (Gulliver, 2019). É torcedor da Portuguesa, daqueles de arquibancada, e quando fala de carros começa sempre por sua verdadeira paixão: os DKWs e Volkswagens de sua pequena coleção, além de outras coisinhas fabricadas no Leste Europeu. É com eles que roda pelas ruas de São Paulo e do Rio, para onde se mudou em junho de 2017. Nas pistas, pilotou de 2003 a 2008 o intrépido DKW #96, que tinha até fã-clube (o carro, não o piloto). Por fim, tem uma estranha obsessão por veículos soviéticos. “A Lada foi a melhor marca que já passou pelo Brasil”, garante. Por isso, trocou, nas pistas, o DKW por um Laika batizado pelos blogueiros de Meianov. O carrinho se aposentou temporariamente no início de 2015, dando o lugar a um moderníssimo Voyage 1989. Este, por sua vez, mudou de dono em 2019 para permitir a volta do Meianov à ativa no começo de 2020.
ASSINE O RSS

Categorias

Arquivos

TAGS MAIS USADAS

Facebook

DIÁRIO DO BLOG

novembro 2011
D S T Q Q S S
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930