P8

SÃO PAULO (tenso) – Talvez tenha sido minha melhor posição na classificação geral de uma corrida, descontando as de 2008 que fiz em Londrina com o Corcel Pac Man. Mas com meus carrinhos exóticos, acho que nunca tinha terminado em oitavo na geral.

OK, no fim das contas, apenas 13 largaram, muita gente que tem carros melhores (e pilotos idem) não participou. E esse grid enxuto tem um pouco de minha culpa. Acho que fui um dos responsáveis pelo acidente na primeira largada, que acabou tirando o Fábio Steinbruch da última etapa do Paulista/2011 da Classic Cup.

Tenho uma ótima desculpa, mas como defendo a tese de que quase sempre um acidente em corrida pode ser evitado, assumo minha parcela de responsabilidade e caso o Fábio leia isso aqui, espero que me perdoe.

Ocorre que a direção de prova fez uma cagada fenomenal na primeira largada. Nós largamos com os carros em movimento e, basicamente, funciona assim: volta de apresentação com safety-car na ponta, no Café ele diminui, as luzes vermelhas ficam acesas lá na frente, no meio da reta, o safety-car se retira, e quando as luzes se apagam, largamos.

Mas hoje (ontem, já…) não foi assim. Quando apontamos no Café, não havia luz nenhuma acesa. Esqueceram das luzes vermelhas, que orientam nossa largada. E o maledeto do safety-car demorou uma eternidade para sair da frente do grid, fazendo-o bruscamente na entrada dos boxes. Quando saiu, continuávamos sem luzes. Os pilotos da frente aceleraram, hesitantes, e eu fiz o mesmo. Aí apareceram as luzes vermelhas, as pessoas começaram a frear, eu vinha de cano cheio, desviei de um Passat para não encher a traseira do cara e nessa guinada para a direita, procurando um espaço para não bater em ninguém e não ser atingido pelos que vinham atrás, acabei tocando na traseira do Dodginho do Fábio, que rodou e bateu forte no muro pelo lado de dentro. Creio que ele também vinha acelerando.

Pelo menos é o que depreendi desse acidente ao ver um vídeo rapidamente no autódromo. Meu carro também rodou 180 graus e bateu de traseira no muro. O Cirello, que largou no fundo do pelotão, conseguiu frear e não bateu em mim. Meu carro voltou a funcionar, voltei para a pista, bandeira vermelha, nova largada pouco depois e foi isso a corrida.

Para mim, meio abalado com o acidente (apesar de ficar me desculpando para mim mesmo pela cagada das luzes, que não se repetiu na segunda largada — nesta, ao apontar no Café, vi claramente o semáforo aceso, lá de longe), a prova foi razoavelmente divertida nas primeiras voltas. Passei em quinto no S do Senna, depois fui sendo ultrapassado pelos mais rápidos de sempre e tive um bom duelo com o José Azevedo, segurando o Fusca dele por umas boas três ou quatro voltas, até errar uma marcha na freada do Lago (entrou quinta, em vez de terceira), perder a posição e só recuperá-la no fim, porque ele quebrou.

Não me orgulho nem um pouco de minha tentativa de ganhar posições para aproveitar eventuais vacilos dos ponteiros naquela largada toda cagada, porque no fim isso resultou numa batida de um colega e é algo que me entristece muito. Felizmente o Fábio não se machucou. Mas, de novo, peço desculpas. Minha chateação impediu, inclusive, que eu curtisse mais a presença da minha grande turma de amigos do Canindé, chefiada pela presidenta Michelle Abílio (e o Paulo, a Ju, a Bel, o Alexandre e sua namorada, o Higino e mais um monte de gente), que foi a Interlagos ver a corrida. Espero que tenham gostado, apesar da minha gabolice.

O resultado da prova está aqui. Acho que minha melhor volta foi em 2min15s e alguma coisa. Não peguei a papeleta. Agora, não sei quando tem corrida de novo. O calendário de 2012 está meio confuso. Quando souber, aviso aqui.

Comentários

  • Caro Flavio
    Quem sou eu para discordar de voce pois voce pilotava
    Mas, eu estava na primeira fila, vi acender as luzes, abortei minha aceleração, o Dodginho passou voando pela minha esquerda, freiou, derrapou na areia com oleo, foi para o muro, bateu e voltou para a pista
    Voce o pegou qdo ele voltou, com seu capô voando na minha frente.
    Vi voce vindo, freiando e tentando ir para a direita mas eu estava lá, bloqueando a passagem

    Abraços

    Se ajudar, ele bateu sozinho e voce o pegou no ricocheteio!
    O resto concordo, uma puta zona que pr sorte escapamos ilesos

    • Eu assisti a largada na mureta, exatamente em cima da onde o meianov bateu… e tive a mesma impressão do Marcelo Chamma. Ele rodou sozinho. Isso deu pra ver, se depois ele bateu em você, não vi, porque no susto, me afastei da mureta.
      Fique com a consciência tranquila, portanto.
      Afora isso, a corrida foi divertidíssima. Você esqueceu de relatar uma escapadinha que deu no pinheirinho, acho que na penúltima volta…
      Como sempre, levei mais um niveiro pra assistir a corrida. Ele ficou totalmente apaixonado pelo meianov. Acho que tirou umas cinquenta fotos.
      Acho que vou abrir um fã clube. Pro carro, não pra você…

      Abraços

  • Aaaattt Laaassst! O MIghty MEDIANUEV teve um piloto que merece, da vero, “quentak”! O resultado nao surpreende tanto a blogaiada de fé, mesmo com os ja lamentados percalços! Congrat’s Gomov! Vai ter punição? eheheheh

  • Uma confusão na largada foi responsável pela morte de Ronnie Peterson no GP de Monza 1978. Pra quem nunca viu o vídeo, as cenas são chocantes!

    F1 1978 Monza Ronnie Peterson fatal crash(video longo)
    http://www.youtube.com/watch?v=aHb8xHfs0e8

    Ronnie Peterson Fatal Crash(acidente com zoom)
    http://www.youtube.com/watch?v=1wk7uSuWPkE

    Ronnie Peterson Monza Italy 1978(cenas do funeral)
    http://www.youtube.com/watch?v=wGq-fLNz7YA&feature=related

    E pra quem vive choramingando da Ferrari nos tempos de Rubinho, nesse GP de Monza Peterson foi obrigado por Chapman a largar com o modelo antigo(era uma forma de favorecer Andretti), o reserva-titular só Mario poderia usar! Se Champam liberasse esse carro, Peterson poderia largar mais a frente escapando do acidente. Bom lembrar quem, Peterson tinha condições de ser campeão em 78, mas Chapman proibiu o sueco de disputar o título desde a PRIMEIRA CORRIDA, mas era comum ver Peterson “colado” em Andretti em vários GPs esse ano.

    Foi exatamente nesta corrida que estreou na F-1 o semáforo, em substituição ao antigo método de largada em que se baixava uma bandeira com as cores do país-sede do GP. No entanto, o diretor da prova, Gianni Restelli, atrapalhou-se com a novidade: antes que os carros das últimas filas do grid houvessem parado, foi acionada a luz verde. Os pilotos que vinham de trás, portanto, arrancaram em maior velocidade, o que fez com que todos os carros chegassem juntos ao ponto em que a reta se estreitava(funil), antes da Chicane Goodyear. Alguns carros se tocaram, e o Lotus de Ronnie Peterson foi jogado para fora da pista, de encontro ao guard-rail. O choque danificou seriamente a parte dianteira do Lotus e rompeu os tanques de combustível, causando um grande incêndio. Peterson foi tirado do carro com graves ferimentos nas pernas, por bombeiros e outros pilotos, e foi internado. Os primeiros procedimentos médicos no atendimento incluíram a amputação do pé esquerdo do piloto. No dia seguinte, ele faleceu, vítima de embolia causada pelas fraturas.

    Nas entrevistas dos pilotos após a prova, o inglês James Hunt declarou que, pelo som que emitia no momento da largada, o antigo Lotus reserva que Peterson estava usando parecia ter problemas e não acelerar devidamente, o que teria contribuído para o desastre. No mesmo acidente foi seriamente ferido o piloto italiano Vittorio Brambilla, atingido na cabeça por uma roda solta de um dos carros envolvidos (provavelmente de Scheckter), e alguns meses depois outro piloto italiano, Riccardo Patrese, foi colocado em sursis pela FIA, sob a acusação de ter sido elemento culposo do acidente. Por conta da confusão ocorrida com o uso do semáforo no GP da Itália, determinou-se que a largada só poderia ser dada depois que um fiscal atravessasse o grid com uma bandeira na mão, sinalizando que todos os carros haviam parado.

    Curiosamente também em Monza em 79, Enzo Ferrari deu ORDENS para Villeneuve não atacar Scheckter na corrida, o canadense também tinha condições de ser campeão, mas foi impedido pelo jogo de equipe que favorecia o sulafricano. Os títulos de 78/79 já tinham dono e ninguém ficou satanizando Lotus e Ferrari por isso, vários pilotos europeus(e também não europeus) fizeram jogo de equipe e ninguém ficava na choradeira. Só foi dar CONFUSÃO quando teve brasileiro no rolo, AUT/02 e ALE 2010.

    São vários os casos de jogo de equipe na F1, Fangio sempre pegou carro “emprestado” dos companheiros nas corridas em duplas ou trincas. O jogo de equipe era liberado na década de 50, o problema é que, Fangio nunca emprestava seu carro, sempre era ele o favorecido, isso também se chama privilégio. O argentino sempre foi o primeiro piloto pelas equipes por onde passou, e quando começou na F1 teve apoio do governo da Argentina! Maldonado começou na F1 com apoio do Hugo Chaves e a pachecada fez o maior “carnaval” por isso, curiosamente Rubinho perdeu vaga na Wiliams por causa de um piloto “pagante”, dessa vez ninguém reclamou(tirando a forte torcida do Rubinho, que aliás, ficou roxa de raiva).

    Quem diria, justo o sobrinho seria o pagante da vez, mas Bruno(até aqui) sempre dependeu disso pra sem manter no grid.

    • Marcelo:como é dificil se ler alguma coisa que presta.A maioria da turma é nova,cria da dupla galvão-reginaldo,por isso mesmo tendenciosos.voce conta 2 fatos importantes que já escrevi aqui e quase ninguem sabe.Parabens pela contribuição mas a maioria vai continuar de antolhos!!!!!!!!!!

  • Culpa da organização. No briefing de domingo ou sábado avisaram que as luzes estavam com problema?
    Na largada da FV sábado assisti na plataforma ao lado da sinaleira. Não acendeu, na indecisão uns aceleraram e ouros recolheram.
    Lógico que não iriam dar queima de largada, pois a grade de horários estava apertada.
    Aproveitando. Está na hora de Interlagos contar com uma ambulância UTI nas provas, além da de resgate normal. Qualquer prova de motocross pirata no interior tem, evita de se socorrer o piloto ao postinho médico ( já que hospital não existe montado em provas regionais), e no transporte um atendimento adequado e rápido. A JP Salva poderia providenciar, ou os organizadores montarem um esquema com os bombeiros, afinal realizam resgates com profissionalismo e usariam como up grade.

  • Nós adoramos (principalmente os meninos)!!!. Meu primo ficou apaixonado pela Brasília 71 e meu irmão já pensa em trocar o Celta por um 147. Eu já marquei a Auto Escola e vou correr de kart. Daqui uns anos vou correr a Classic Cup de Kombi. :P

    • Também quero correr de Kombi, já tenho até um desenho da minha que tentei publicar aqui, mas o Flavio censurou com medo da concorrência. Agora, com relação a essa categoria, é sem dúvida a melhor do campeonato paulista pena que a mídia não a favoreça, deveria ser incluída como atração turísca como fazem com as feiras de artesanato, onde poderia ter até as barraquinhas dos brechós de peças antigas.

  • Olá Flávio,
    Eu vi tudo de uma posição privilegiada, na torre de controle. Infelizmente não filmei porque achei que só com o celular não ficaria boa a qualidade dali. Não acho que você teve culpa mesmo, já que vários pilotos aceleraram por demorar a perceber o cancelamento da largada (inclusive o Doginho).
    Percebi o atraso da saída do safety-car e inclusive ouvi alguém gritando algo do tipo “sai logo daí” para ele. Em seguida o diretor da prova também gritando “negativo, negativo, negativo….” indicando que a largada não valeria.
    Nessa hora procurei pelo 69 pra ver como as coisas aconteceriam e vi o toque. Todo mundo estava embolado demais e acho que dificilmente você conseguiria escapar de bater em alguém naquela situação. No meio daquele bolo não tinha muito o que fazer.
    Abs
    José Luiz

  • Flavio, na minha opinião o cara (ir)responsável pelas luzes não deveria te-las acendido em vermelho naquela altura em que todos já estavam acelerando após a saída do pace car, só podia dar nisso mesmo…