MENU

sábado, 14 de abril de 2012 - 4:44Sem categoria

MAO AÍ (3)

SÃO PAULO (falei?) – Mas que bela pole, hein, Rosberguinho? Agradeça aos buraquinhos do Ross Brawn, com todo respeito. Andamos falando bastante deles, recentemente. Rosberg foi minha aposta para a pole assim que começou o treino. Pena que não tinha ninguém para apostar comigo, nem registrei em cartório. Achava que McLaren e Red Bull poderiam incomodar um pouco, até, mas que nada… O alemão imberbe, sorridente e delicado enfiou uma trolha de meio segundo em Hamilton e outra em Schumacher, sem dó. Fez uma volta só em 1min35s121 e foi desfilar seu sorriso kolynos pelo paddock enquanto os outros tentavam alguma coisa.

É a primeira pole da Mercedes desde 1955. Isso mesmo. A última foi de Fangio no GP da Itália. Chupa que a cana é doce. A primeira desde a volta da estrela de três pontas como equipe própria, em 2010. E a primeira de Rosberguinho, que tinha um segundo no grid da Malásia lá mesmo em 2010 como sua melhor posição de largada. Conseguiu a pole na sua 111ª corrida. Demorou pacas. Suspeito que tenha sido um dos pilotos, entre os que já largaram na pole, que mais tempo levou para lograr tal êxito. É o 95° na lista de laureados com a dita posição de honra em todos os tempos.

E como Hamilton, o segundo, caiu para sétimo porque trocou o câmbio, a primeira fila será toda da Mercedes, o que é um resultado e tanto. Schumacher parte em segundo, todo pimpão. Pela primeira vez na primeira fila desde o GP do Japão de 2006, quando ainda se vestia de vermelho. Mas isso não faz do time de Brackley favorito à vitória. Na corrida, o buraco do Ross Brawn é mais embaixo. A asa móvel só pode ser ativada uma vez, e isso se tiver alguém na frente para passar. A eficiência de seus tubos de PVC ao longo do carro cai bastante, nessas circunstâncias. Nos treinos, eles podem ser usados à farta. Lutar por um pódio é o que mais se aproxima da realidade para a Mercedes, o que já estará de bom tamanho. Se ganhar, ficarei surpreso e direi “oh”.

Teve coisa muito boa nessa classificação. Kobayashi, mítico, larga em terceiro, na segunda fila. Olha só o tamanho da bagaça: na sua história, a Sauber só tinha conseguido coisa parecida três vezes. Frentzen foi terceiro no grid no Japão em 1994 e Alesi fez dois segundos, em 1998 na Áustria e em 1999 na França. De lá para cá, nunca os fazedores de chocolate e relógios tinham obtido um resultado tão bom. Mito é mito.

Raikkonen ficou com o quinto tempo e larga em quarto. Morro de rir de quem achava que Kimi seria um vexame depois de dois anos na lama e no pó. Vou dizer um negócio: pode até ganhar a corrida. Também direi “oh”, mas ficarei menos surpreso do que com uma vitória da Mercedes. E se o fizer, vai comemorar com talagadas de schnapps e não vai ter puta pobre em Xangai. Apostinha do blogueiro: vai para o pódio. Button larga em quinto, Webber em sexto e Hamilton vem depois, seguido por Pérez, Alonso e Grosjean para fechar o top 10.

E aí entramos no purgatório da turma que ficou no Q2. Vettel, quem diria, foi um deles. Sua pior posição de largada desde o GP do Brasil de 2009, quando foi o 15° no grid. O que passa na Red Bull? Virou abóbora? Reagirá no campeonato? Sei não. É só a terceira corrida do ano, mas nota-se que se há um caminho para voltar a brigar na frente, este é longo e sinuoso. E Tiãozinho está de tromba. Mais umas duas provas e será possível dizer se ainda haverá alguma chance. Por enquanto, este campeonato está é com cara de McLaren.

Depois dele ficou Massa, que desta vez chegou um pouco mais perto do Q3, mas segue em sua sina de maus resultados que parece eterna. Maldonado e Senninha formam a sétima fila, separados por pentelhésimos. E o resto foi tudo normal, em duplinha: forceíndicos, tororrôssicos, caterhâmicos, marússios e hispânicos fechando o grid. Nas últimas seis filas, pois, parceiros de equipe lado a lado.

Choverá? Pode ser que sim, e aí muda tudo. Ano passado, Hamilton venceu a corrida com três paradas no seco e a prova teve ultrapassagens de balde. Será parecido neste ano, por conta da reta do tamanho da Grande Muralha que permite vácuo, asa móvel e freada forte para passar. Se a Mercedes conseguisse resolver o problema de desgaste de pneus, poderia sonhar com algo glorioso e retumbante, mas é pouco provável. Lewis, se não quiser abraçar o mundo na primeira volta, me parece ser o mais forte candidato à vitória, mesmo largando atrás de Button. Entre as surpresas possíveis para beliscar troféus estão Koba-mito e Pérez, o Ligeirinho, que só para para trocar pneus se for obrigado. Além de Kimi.

Vai ser uma corrida interessante.

82 comentários

  1. Duas frases na Fórmula 1 no GP da China neste fim de semana, de dois pilotos da Ferrari, são no mínimo interessantes para reflexão:

    “Temos um problema sério de velocidade final. Fiquei atrás de uma Force India por muitas voltas e não consegui ultrapassar porque ela era mais rápida, mesmo que eu estivesse usando a asa.” Felipe Massa.

    “Com a nossa velocidade, foi praticamente impossível ultrapassar na reta, então eu tive de inventar algumas manobras em outros pontos da pista.”

    Diante de um problema, há gente que diz que nada pode fazer, e há gente que tem criatividade, ousadia, audácia e inventa o caminho a seguir. A tênue diferença entre a regularidade e a genialidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>