MENU

segunda-feira, 4 de março de 2013 - 23:25Automobilismo brasileiro

NA PAULISTA

SÃO PAULO (vale, claro) – A exposição Velocult, com as Mil Milhas como tema, está no Conjunto Nacional, na Paulista, até 18 de março. Tem uns painéis legais com as histórias de cada edição, alguns troféus, miniaturas e vários carros. O Paulo Soláriz que organiza.

Dos carros expostos, creio que apenas dois realmente disputaram a prova de verdade, a carretera #18 do Camillo e a Berlineta #22 da Willys. Tenho dúvidas quanto a um Karmann-Ghia Dacon, pode ser que tenha corrido, também, se for mesmo um original, e não réplica. Mas não tem importância, o que vale é a homenagem, e qualquer coisa que leve as corridas ao povo, ou o povo às corridas, tem meu total apoio.

Fiz alguns cliques lá hoje e escolhi três. Um da carretera do Lobo do Canindé, o carro da minha vida quando eu era criança, outra do belíssimo troféu, o mais lindo de todos os tempos, e mais uma de um protótipo com carroceria de Interlagos que, segundo a plaqueta, vai correr com a gente na Classic Cup este ano. O Chiquinho Lameirão que fez. Não sei de onde tiraram isso. Seria legal, porque é bonito e lembra carro antigo, mas não atende ao nosso regulamento. Tem chassi tubular, suspensão de F-3… O melhor seria colocar esse carro na Força Livre. Seria bacana.

15 comentários

  1. Marcelo 750K2 Pinho disse:

    Camarada (tovarish) Flávio, preciso do seu email para te enviar matérias interessantes sobre o mundo do automobilsmo, em especial os antigos e os de corrida de qualquer época.

  2. Marcelo 750 K2 Pinho disse:

    Gostei demais da idéia de se replicar os Interlagos, se possível com uma mecanica atual.
    Preciso do seu email para te enviar assuntos que talvez te interessem, como a f[ábrica dos Lorenas GT do Fernando Lapagesse.
    Outra muito legal, tem um americano repliocando o Lincoln Futura de 1956 e també, o Batmobile 1966, que foi a continuação do Futura. Estas réplicas custam a bagatela de 200 mil USD.
    Um abraço e aguardo o seu email, camarada Flávio.

  3. marcio gimenez lopes disse:

    A antiga carreteira n° 8 depois 82 de José Gimenez Lopes e Chico Landi,foi a coisa mais linda que eu já vi,Sem efeitos mirabolantes.E só perdeu uma mil milhas por ter sido desclassificado ao ter uma lanterna trazeira queimada.Vendida ao Camilo, se transformou na 18.

  4. Adriano Oliveira disse:

    Trabalho em um banco que fica na frente do Conjunto Nacional. Me lembrei da exposição e fui hoje. O Maverick do Luis Pereira é maravilhoso. Mas quando vi a carreteira do Cristófaro… Amigo quase chorei! Nunca tinha visto ela ao vivo, só em foto. E ela ainda tá suja, como se ela tivesse acabado de correr.
    Quando vou a exposições de carros antigos eu tenho uma regra – nunca toco nos carros. Acho um desrespeito com o dono, pois ele tem um trabalho danado para restaurar ou manter o carro, e por isso acho que somente ele pode encostar no carro. Mas não resisti. Toquei na carreteira, com o maior respeito encostei naquela maravilha. Acho que nunca mais vou vê-la novamente, por isso reverenciei aquele belo conjunto que tanto fez pelo nosso automobilismo.

  5. John McClane disse:

    No Shopping Analia Franco, está em exposição o Lola com que Mario Andretti disputou as 500 milhas de 1990 – o carro já era lindo na TV. Ao vivo, é mais ainda.

  6. Ricardo Bigliazzi disse:

    Eu visitei a esposição no domingo… acho que o Maveric da Holywood é uma replica, a minha memoria lembra de um carro bem mais parrudo do que o apresentado na mostra.

    Agora; esse Trofeo das 1000 Milhas Brasileiras é ESPETACULAR!!! Feito num tempo que o Brasil (e Interlagos “sem estar capado”) formavam os melhores pilotos do Mundo.

    Queria saber quem foi o corno do prefeito que capou Interlagos… fez um trabalho de merda não salvando o traçado original e sagrado do Autodromo.

    Imperador

  7. Renato disse:

    Tinha de ter exposição assim em Interlagos em final de semana de GP Brasil.

  8. DOuglas disse:

    Flavio acontece todo ano? Lembro de algo parecido no mesmo local ano passado…

  9. Nelson disse:

    Tudo que se relaciona a corridas eu gosto, principalmente em se tratando de berlinetas. A idéia foi boa mas não gostei da pintura, acho que o formato do carro não vai muito bem com “saia e blusa”,principalmente com branco, mas o resto valeu.

    • Hilario Alencar disse:

      Gostaria de saber quem fez essa réplica, detalhes dela, chassis, suspensão, carroceria. COnsegui achar que foi o Denisio Casarini, mas não tenho certeza se foi esse ou a réplica oficial da Wyllis pilotada pelo Bird Clemente. O Flavio disse que essa réplica aí em cima pertenceria ao Chiquinho Lameirão, sobre isso naõ encontrei nada. Adoraria ter uma replica do Interlagos com chassis e suspensão modernas. Gostaria muito de saber onde foi feito esse, ficou lindo de morrer…

  10. José Morelli disse:

    Poxa, raríssimo ein! Raro ver exposições que valorizam a História do rico e glorioso automobilismo brasileiro. Muito bom saber disso! Espero que as pessoas saibam dar o devido valor.

    Vendo esse troféu das Mil Milhas, ele tem uma “aura” de Borg Warner Trophy mesmo, a semelhança chega até a fazer os olhos brilharem. Aliás, o Troféu foi feito com esse intuito inclusive, parecer um troféu como da Indianapolis 500, o objetivo dessa corrida era de envolver uma tradição deste calibre e esse objetivo foi atingindo, por muitas décadas, pena que hoje não é visto desta forma.

    E a mídia no geral, leia-se Rede Globo e empresas que orbitam, são extremamente estúpidas (no sentido coletivo e individual) ao não saberem o potencial que eventos “première” tradicionais poderiam trazer às mesmas, em tudo, vendas, patrocínios, audência e etc. Benefícios diretos e indiretos de longo e médio prazo.

    Você vai aos EUA e vê o que anualmente uma Indianapolis 500 consegue mobilizar, você fica atônito! Quer dizer, meio milhão de seres humanos num Autódromo (aliás com poucas arquibancadas cobertas) mais outros milhões de telespectadores nos EUA e no resto do Mundo vendo aquilo, você não queira imaginar o lucro do pessoal envolvido. Não acreditar nas Mil Milhas e não transformá-la num produto cultural e tradicional de São Paulo e do Brasil é estupidez….e das grossas. Mas se falta gente competente no Brasil pra fazer o Campeonato Brasileiro Série A de futebol numa coisa maior do que ele já é (e acredite, dava pra fazer o Brasileiro ter tanto prestígio quanto a Barclays Premiere League ou Liga espanhola, não fazem porque não querem ou não sabem fazer), então o que dirá de Automobilismo….sonhos….apenas sonhos….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *