TONY E A NASCAR

SÃO PAULO (uma boa) – Com a Indy em franco declínio, sem corrida em SP no ano que vem e talvez até sem transmissão de TV, o destino de Tony Kanaan deve ser a Nascar. O vencedor das 500 Milhas de Indianápolis deste ano está negociando e pode bater o martelo na semana que vem.

Ele ainda prefere ficar na Indy. Eu, sinceramente, acho que seria ótimo mudar de ares. A Nascar paga bem, é muito mais popular, é a Indy, infelizmente, vive um momento de muitas incertezas e corridas perigosas.

Comentários

  • Convenhamos, a Indy Racing League ainda tem que comer muito feijão com arroz para conseguir atingir o grau de popularidade que a Fórmula Indy teve na década de 1990. Pena que essa categoria acabou há alguns anos, sobrando apenas essa imitação criada em 1996 por Tony George só porque ele queria ser o manda-chuva maior da competição, por achar que, tendo o autódromo das 500 Milhas de Indianápolis, a prova mais famosa e importante do calendário, ele merecia ter mais poder que todo mundo no órgão colegiado da CART, entidade que dirigia a competição. A birrinha de George, promovendo uma competição contra a Fórmula Indy, no final, terminou como “batalha dos dois derrotados”: a F-Indy acabou, mas a IRL até hoje não conseguiu achar definitivamente o seu lugar. A Nascar, que já era mais popular que a Indy original no seu auge, agradeceu imensamente essa disputa fraticida movida por George, e hoje praticamente ocupa todo o espaço TOP da preferência do automobilismo americano: tem os maiores patrocinadores, maiores pilotos, circuitos, etc. A IRL fica com as sobras do mercado…

  • Tomara que ele saia dessa furada irrelevante chamada Indy e respire novos ares na NASCAR mesmo. Não pode continuar estagnado desse jeito a essa altura da carreira, apesar de ter levado Indianápolis.

  • Tony tem que se cuidar para não repetir o fiasco do Dario Franchitti, que saiu campeão da Indy, e foi muito, muito mal na NASCAR, sendo demitido da equipe e consequentemente da categoria no meio do campeonato, tendo que voltar para a Indy.

      • Tá bom que a F1 é superior a Indy, mas dizer que a Nascar é várzea é ser muito sem noção. A estrutura e money movimentados pela Nascar não devem tanto para a F1.Dos 10 pilotos mas bem pagos do mundo do automobilismo 5 são da Nascar (4 da Formula 1) e um piloto do meio do grid da Nascar (15º ou 20º) ganha mais que metade do grid da Formula 1 (que na verdade pagam pra correr). Ah já sei, se a Globo não passa não pode ser bom né. E povão….

      • Falou tudo. Pra essa galera, até a Estoque, com o Cacá ganhando porque é filho de figurão da Globo, é melhor ue a Nascar e os ovais da hora. Nem falo que seja povo… É gente alienada mesmo.

      • A Indy está numa fase muito ruim, mas a NASCAR é um sucesso, lógico que tem uns ovaiszinhos muito chatos, mas no geral tem competitividade, surpresas e emoções que a F1 não tem há muito tempo.
        Não caia na conversa do tio Bernie…

      • Com grids, em média, de 46 carros, coisa que NENHUMA categoria tem na atualidade, fora as provas de endurance mais famosas que misturam carros de diversas categorias.

  • Flávio,

    Você e o João Canalha eram o diferencial desta emissora pseudo moralista.

    Vocês são espontâneos, alegres, com um senso de humor diferenciado.
    Além de vocês, gosto do Lúcio.
    Achei sua demissão uma sacanagem.Tenho certeza que você toparia uma retratação ao vivo, um pedido de desculpas, A espn para mim se nivelou a globosta.

    Torço para o Santos, e tenho certeza que logo você irá estará contratado em outra emissora.

    Só te peço um favor : Não faça dupla com o NETO!!! rsrs…

    abs

  • Seria legal ver o Flávio Gomes apresentando um programa sobre esporte a motor, carros antigos, etc.

    Tá certo que ele não gosta muito de NASCAR, mas seria bacana vê-lo no FOX SPORTS comentando corridas e apresentando um programa

    • E qual o problema, eu lhe pergunto? So existe vida na Champions, por acaso? Sabe por que os ingleses sao considerados o povo que mais gosta de futebol no mundo? Por que eles tem por volta de seis divisoes nacionais, e em todas os estadios estao cheios (tudo bem que nas ultimas eles sao pra 7 mil pessoas em media, mas tem time de primeira no Brasil que nao leva isso de gente pra jogo nenhum…). Automobilismo e assim, tem pra todos os gostos, tambem, e se voce quer saber, corridas de NASCAR dao mais publico em media que as de Formula 1 (especialmente por causa dos GPs asiaticos). E nao ha corrida no mundo com maior publico na pista do que as 500 milhas de Indianapolis (quase meio milhao, ta bom pra voce?).

  • Prezado lusitano Flavio fumacinha Azul Gomes, que venha logo a FOX na sua vida, assim voce pode atualizar seu perfil ai do lado rsrs….tire logo que voce trabalha na ESPN, aqueles barrabotas nao merecem seu prestigio….abracos rubro verdes….

    • Seria muito legal ver o Tony correndo com o JJ, os Busch e o Kahne e as turma toda de lah, porem olha o drama o unico brasileiro na Indy sera o Helinho que jah tem 35, com a indefinicao na F!, pode ser que seja o unico brasileiro a carrer nas maiores categorias de monopostos e ainda sim aos 35 nao deve durar muito mais, a bandeira do Brasil esta sumindo nesse esporte…

      • Lembrando que o Helinho está consistente neste campeonato, com ótimas chances de levar o caneco este ano, é queridinho do Roger Penske que também tem uma equipe na NASCAR e facilmente poderia transferí-lo para lá, assim como fez com o Sam Hornish quando este faturou o caneco da IndyCar em 2006.

  • Hehe, conforme teorias conspiratórias, claro que você acha que ele deve ir para a Nascar. Você vai para a Fox Sports e vai comentar justamente a …Nascar! Já ta vendendo o peixe!!! Agora começe a fazer campanha pro Massa ficar na F-1 porque a Fox também vai transmitir ano que vem! Grande abraço.

  • A IndyCar falhou na tentativa nos últimos anos de recuperar os fãs perdidos no mercado americano. A começar pelo carro que não é atrativo (beleza do carro também conta e MUITO), a falta de algumas pistas clássicas como Road America ou Laguna Seca por exemplo entre outros.

    Não é porque agora a Indy não vem mais ao Brasil que eu estarei descendo o pau na categoria, mas a verdade tem que ser dita. A Indy tem que remar mais pra recuperar o mercado interno e externo. Enquanto ficar com esse carro horrível, tudo monomarca, só mudando motor e ainda assim só bi-marca com Honda e Chevrolet, deste jeito não irá a lugar algum. Faltam bons projetos de marketing também, faltam boas transmissões nos EUA e fora dos EUA, faltam alguns pilotos de peso também.

    Por isso, se você me perguntar hoje o que eu acho: Tony está certo em ir pra NASCAR.

  • Putz!!! Tomara …
    Seria ótimo ele na Nascar.
    Ele sabe se defender e também sabe dar, naquele empurra-empurra (para não dizer pancadaria) da Nascar.
    Uau! Não vai dar para perder nenhuma corrida com ele lá dentro!
    E, acho que ele vai se dar bem nessa. Os americanos gostam muito dele.
    Ele sempre foi “o cara”!

    • Ele é muito técnico em circuitos ovais e domina esse tipo de pista. Vai gastar algum tempo para aprender o carro, mas sabe como poucos como preservar equipamento e ficar longe de confusão e ainda ser muito rápido.

  • Flavio,
    não costumo me focar nas fofocas da internet, mas quando citou em um dos posts que foi demitido, relacionei com o ocorrido em Porto Alegre, e ao fato de não te-lo visto mais na espn.
    Jogar no Olímpico é complicado mesmo, a polícia de lá faz parte da torcida organizada dos caras, bate em jogadores e torcedores visitantes, é ridículo.
    E a espn (assim, em minúsculo, porque ficou muito pequena) deu um tiro no pé. Afinal já ouvi muitos de seus “lordes” chamar seus espectadores de idiotas, coisas piores, e nada acontecer.
    Fico puto ao ler seus comentários sobre o Corinthians, mas levo na esportiva, como deve ser. Esse mundo é cada vez mais hipócrita e chato mesmo.
    Boa sorte em seu futuro, e pelo que li, pode ser no Fox Sports. Que seja! Para você continuar falando de futebol, e ajudar e muito nas transmissões automobilísticas, porque é fraquinho demais o time e precisa de reforços.
    Sucesso e mantenha sempre sua acidez autêntica que é um diferencial na imprensa corporativista.
    Abraço!

    • Caro Talles,

      Em nada adentro a questão envolvendo o Flávio, a internet, o Grêmio e a ESPN.

      Apenas registro que entendo ser exagerado seu comentário.

      Em primeiro lugar porque nem se joga mais no Olímpico. O estádio gremista agora é a Arena do Grêmio. Da mesma forma, enquanto o Beira-Rio segue em obras, o Internacional manda seus jogos em um estádio menor, em uma cidade distante cerca de 60km de Porto Alegre.

      Sobre a polícia gaúcha fazer parte da torcida “dos caras” é complicado. A polícia aqui comete diversos exageros nas ruas e no acompanhamento de eventos de grande porte, como são os jogos de futebol, mas nada tem a ver com posições clubísticas.

      No próprio caso do jogo entre Grêmio e Portuguesa, a polícia somente entrou em campo depois de repetidos (não bastou um só) gestos do árbitro solicitando o reforço policial. Podemos discutir se o árbitro estava correto ou não (e se estava de má-fé ou não), mas daí a dizer que a polícia e seus eventualmente constatados exageros foram previamente pensados contra a Portuguesa me parece desproporcional e sem fundamento.

      Reflexo disso são alguns argumentos lançados em uma grande discussão que há aqui sobre a prestação de segurança pela Polícia Militar (no RS e em SC chamada “Brigada”), que ultimamente vem sendo debatida sob dois aspectos

      O primeiro deles é o fato de que a Brigada gaúcha tem históricos de abuso no policiamento ostensivo, e cito como exemplos dois casos famosos, um em meio à torcida do Internacional, em que vários torcedores colorados foram feridos, e outro no controle de acesso da torcida gremista (na época, aí sim, no estádio Olímpico) a um jogo entre Grêmio e Cruzeiro.

      O segundo aspecto é a discussão sobre a responsabilidade pela segurança em jogos de futebol. Sendo eventos privados e alheios ao poder público, o argumento em debate pro estas bandas é o de que caberia aos clubes arcar com as medidas necessárias à segurança. Veja: a polícia quer tirar o corpo fora (ou celebrar acordos com os clubes, em que obviamente a polícia receberá benefícios pecuniários, é verdade). Não são policiais e times integrados. São partes e classes distintas com interesses contrapostos.

      O futebol aqui é fundamentado em alguns valores um pouco diferentes do resto do país e o povo é bastante bairrista, mas dizer que a polícia é parte integrante das torcidas e age com a premissa de agredir adversários me parece um exagero que sequer serve para iniciar um debate, porque é quase um xingamento gratuito, uma reclamação movida pela comoção com um determinado fato.

      Por tratar a polícia daqui como a polícia “de lá”, presumo que você não seja gaúcho. Se tiver oportunidade, visite um estádio de Porto Alegre em dia de jogo.

      Certamente, terá uma experiência capaz de fazê-lo repensar.

      Um forte abraço

  • Olha, eu to confiando que a Indy vai se reerguer. E sinceramente, acho que a categoria deveria se focar nos ovais e na America do Norte, porque e isso que o povo estadunidense gosta. Esse negocio de Indy internacional, emulando Formula 1 com grid estrangeiro e correndo em mistos, bate de frente com a “toda ponderosa”, e ai eles perdem. Porque voce diz que as corridas estao muito perigosas? De fato, largar lado a lado no pos-bandeira amarela e maluquice, mas com esses novos carros (que sao mesmo feios pela TV, mas lindos de perto; estive na corrida em Baltimore, que alias estava cheia, e conferi), ninguem sobe em ninguem nem com engavetamento na primeira curva. Desculpa a falta de acento, mas o pc e gringo.

    • Amigo, a indy eh uma brincadeira de caipiras, de verdade se salva mesmo so as 500 milhas.. mesmo aqui a Nascar eh muito maior e tem muito mais divulgacao. Naoha comparacao possivel com a F1 em qualquer aspecto. Na Indy outro dia a pista atravessavessava um trilho de trem.. veja voce..

      • Ois eh Sergio, mas eu acho que se a Indy investisse e se organizasse mais,ela poderia ter um nivel bem refinado, com competicoes serias , teria provas alem dos USA,= Europa, Japao, Russia, America latina, etc…. Mas parece que eles querem ficar apenas brincando de piloto….. UMA PENA!!!!

      • E dai? A Indy nasceu como uma brincadeira entre mecanicos. A NASCAR nasceu como uma brincadeira entre mecanicos (e pior, usando carros modificados pra contrabando). Americano gosta e disso, e se o povo gosta, nesse caso, eu apoio. A Indy se perdeu quando resolveu ser mais que isso (infelizmente, proximo a epoca da chegada do Emerson na categoria), e ai bateu de frente com a F1 (que alias, nasceu das sobras de outras categorias, embora desde o comeco tutoreada pelas grandes empresas autmobilisticas).

      • Nos EUA o automobilismo é de raiz e segue fiel a esse formato. F1 começou na Europa, aonde temos diversos países e seguiu em expansão para mais países, mas continua manipulada por montadoras e um pequeno grupo de pessoas que às vezes excedem os limites do esporte para auferir resultados.

  • Fiquei chateado por sua saída da ESPN, aliás quem não erra ou errará ? Devia ter conversado contigo e tal, e bola pra frente. Li em alguns lugares que vc poderia ir para a FOX Sports é verdade ? nos avise, eu como vascaíno e também torcedor da LUSA em são paulo, nao fiquei muito triste ontem por causa da Lusinha.
    abs

    e nos avise sobre a Fox, fique com Deus.

    • Essa certamente e a variavel mais foda da coisa toda. Eu lembro quando o Gil de Ferran bateu o recorde de velocidade media em Fontana em 2000, vibrei que nem louco. Um ano antes, o Greg Moore tinha morrido na mesma pista. E logico que o troco e perigoso, mas a velocidade desses carros e a capacidade dos caras de guiar por 500 milhas nesse ritmo, se ultrapassando constantemente, era sensacional. Mas no mundo inteiro ninguem mais admite piloto morrer em corrida (exceto no Dakar, mas ai tambem, puta merda), e na Indy isso ainda acontecia ate 2011. Dai e complicado, as pessoas param de ver, mesmo.

  • Vão jogá-lo no muro muitas vezes por ser um “intruso”…. os primeiros anos do Montoya foram assim… algo como um “não é bem vindo aqui, não o queremos aqui, toma essa” e pow… muro… rsrsr
    Sorte ao Tony, torço muito por ele !

    • Não acredito nisso, ele conquistou o público americano e o respeito de outros pilotos de outras categorias após 18 anos seguidos correndo por lá, sempre com humildade e agindo como esportista, bem diferente do que o Montoya fez.

      Sinceramente acho que não cabe essa comparação aqui.

      Certamente vai gastar um tempo para “aprender” o carro e as manhas da categoria, mas pode sim conquistar um espacinho na categoria.

  • O cara foi campeão da categoria, ganhou as 500 milhas e é um dos pilotos com mais largadas na categoria.

    Acho que não dá para reclamar de nada né?!

    Para quem gosta de desafio, mudar de ares é um prato cheio. Para a Nascar então, é um PF de pedreiro!