CONTRA A CAMISA DE FORÇA

SÃO PAULO (soltem a franga) – A última da F-1 é que é possível que no ano que vem fique determinado que serão obrigatórios dois pit stops para todos, e que cada jogo de pneu só possa ser usado da seguinte forma: os duros, por não mais do que 50% da distância da corrida; os macios, por não mais do que 30% da distância total da prova.

Calma, não fiquem nervosos. A primeira impressão que se tem é que, assim, os pilotos só poderão percorrer 80% de um GP, o que significaria que ninguém terminaria uma prova sequer no ano que vem. Afinal, se o cara pode usar pneu duro em 50% e macio em 30%, fazer o que nos 20% faltantes? Correr a pé?

Até que não seria má ideia. Mas suponho que se esteja falando de cada jogo de pneus, e não de cada tipo. Um exemplo: numa prova de 70 voltas, um jogo de duros pode ser usado no máximo por 35 voltas; sendo assim, sobram 35 voltas que devem ser percorridas com dois jogos de pneus macios, mas nenhum deles pode ser usado por mais de 30% do total, ou 21 voltas.

Sendo bem didático: com dois pit stops obrigatórios, cada piloto vai usar três jogos de pneus. Nunca corrida de 70 voltas, ele pode usar o pneu duro em 35 voltas (50%), um jogo de macios por, digamos, 18 voltas (25,7%), e outro por 17 voltas (24,3%). Ou, nos extremos: 35 voltas com um jogo de pneus duros (50%), um macio por 21 voltas (30%) e outro por 14 voltas (20%).

As estratégias, dessa maneira, vão ser bem limitadas pelo número de voltas que cada piloto pode percorrer com cada jogo de pneus e ninguém vai poder brincar muito com táticas diferenciadas (detesto a palavra), do tipo parar uma única vez, ou três.

Não gosto disso, acho mais uma bobagem, até porque hoje em dia, com a esmagadora maioria dos pilotos, as estratégias já são parecidíssimas em todas as corridas, e raramente se vê alguém fazendo algo diferente. Nesta temporada, Sauber, Lotus e Force India tiveram comportamento um pouco fora da curva em uma ou outra pista, mas na média foi tudo mais ou menos a mesma coisa. Para quê, então, tirar das equipes e pilotos uma mínima chance de fazer algo diferente?

Minhas sugestões para melhorar as corridas são menos matemáticas e mais simples e, certamente, efetivas. Eu começaria proibindo o rádio. Comunicação, só por placas de box e, no máximo, um botão para o piloto avisar que na volta seguinte vai para o box trocar pneu — de modo que a equipe possa se preparar no pit-lane. Isso levaria a uma obrigatória simplificação dos comandos no volante e a um maior peso do piloto nas escolhas que deve fazer durante uma corrida, como hora de fazer um pit stop, mudar o mapeamento do motor para economizar combustível, mexer em balanço de freio, sentir o desgaste da borracha para dosar o pé nas saídas de curva etc. e tal.

Só com isso, muita coisa se resolveria. E caberia aos engenheiros a definição de estratégias prévias, o estudo de todos os dados possíveis durante os treinos junto com os pilotos (o rádio seria permitido nos treinos, na minha F-1 ideal, para otimizar o trabalho de acerto dos carros), a eficiência na comunicação via placas de box e estaria garantida uma certa pureza das corridas. Ou, em outras palavras: a partir do apagar das luzes vermelhas, estaria tudo, ou quase tudo, nas mãos dos pilotos.

O problema é que minhas sugestões nunca são aceitas!

Subscribe
Notify of
guest

70 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ulisses
Ulisses
10 anos atrás

O impossível parece estar por acontecer!
A F1 ficar ainda mais chata do que está!

Banana Joe
Banana Joe
10 anos atrás

Esse tipo de xaropice é que tira o interesse da F1.
Tudo conforme regras e regulamentos.
Pneu 1, parada 2, regulagem 3, abre asa, fecha asa, pneu 2 , não pode mexer em nada agora, estratégia de box e blá, blá, blá…
Porque não limitar de alguma forma o desempenho (pra equilibrar um pouco mais os carros) e soltar a moçada pra acelerar?????????

Renan
Renan
10 anos atrás

A ideia do radio é boa!!
mas precisa liberar o desenvolvimento do motor, sem limitação de giros!!
antigamente sempre tinha uns carros parando, hoje 95% acabam a corrida!!
o cara abre 30 pontos no campeonato e ta sempre de boa, afinal não ficar sem terminar nenhuma corrida!!

Diego
Diego
10 anos atrás

Flavio, deveriam limitar a telemetria, isso é um saco, os ajustes devem ser feitos pelos pilotos.

Marcelo Pacheco #49
Marcelo Pacheco #49
10 anos atrás

a F1 tem regrinhas demais desse tipo, acho uma palhaçada… como a da asa móvel só se estiver a tantos segundos de distancia num determinado ponto da pista bla bla bla… nao tem mais o que inventar mesmo.

Paulo Pinto
10 anos atrás

Não proíbam os rádios, por favor! Eu ainda quero ouvir: “Felipe, Valtteri está mais rápido que você.”

Huáhuáhuáhuá!

wilchaia
wilchaia
10 anos atrás

poxa gostei das suas sugestoes.. de vez em quando voce acerta uma hein??? hehehe

Martinho
Martinho
10 anos atrás

Concordo, e acrescento que a eficiência dos freios deveria ser reduzida, facilitando as ultrapassagens

perna quebrada
perna quebrada
10 anos atrás

Fazem tudo isso, aí a Red Bull, faz um puta carro e o Vettel enraba todo mundo em duas voltas e garante a vitória.

Mas tirar o rádio num ano em que o Alonso “chiliquenta” e o Kimi “fuck you” vão estar na mesma equipe é acabar com a melhor parte da corrida.

A. Vandalay
A. Vandalay
10 anos atrás

Ah, a F1 tá um puta saco. É muita regrinha, muita limitação.

Que deixassem os caras fazer “o que quiserem”, como na década de 70 e 80. Tem que ser engenheiro aeronáutico hoje em dia, pra notar qualquer diferença ou inovação entre os carros.

Huller Moreno
10 anos atrás

Aí dariam um jeito de instalarem whatsapp nos volantes. Os pilotos digitariam mensagem de texto em quanto dirigiam, e isso não seria um bom exemplo. rs

Danillo Leite
Danillo Leite
10 anos atrás

Meu problema não é a tecnologia, ou formato de qualificação, é a rotina de procissão decorrente da falta de alternativas as equipes possuem. A F1 deveria adotar elementos de estratégia que a F-Indy tem por consequência.

Para mim deveria retornar o abastecimento, mas com um tanque menor, com 40 a 50 quilos de combustível. Pelas estimativas que eu ouvi, o carro teria que fazer umas 3 paradas nessas condições, sendo que a última com 90% a 95% de corrida (dependendo da pista), é mais ou menos as condições em que as estratégias da F-Indy são feitas nos circuitos mistos (3 paradas, mas se tiver muito Pace Car pode-se fazer apenas 2). Outra mudança seria limitar os mecânicos durante o pit-stop a 8 pessoas (1 para cada pneu, 2 no abastecimento e 1 em cada macaco), duvido ter paradas de menos de 5 segundos e erros de parada. Pit lane com limite de 60 Km/h, para que a tão comentada “perda total’ seja perto de 30 segundos.
Devo adicionar a isso o uso de pneus, as equipes deveriam ter 3 jogos, todos mais consistentes durante a sua vida útil; um iria durar mais de um tanque, para a estratégia conservadora de corrida; outro resistiria bem no limite, mas um bom piloto seria capaz de andar com ele usado tão rápido quanto em um novo, mudando todo o cenário da corrida; e um de qualificação/opção na parada final faltando 5 voltas. É claro que a obrigatoriedade do uso de um específico jogo de pneu estaria descartada.

Alan
Alan
10 anos atrás

Eu acho que tudo tem que ser opcional: cada equipe e seus pilotos decidem quantos pit stops devem fazer, quais pneus usarão e se devem ou não reabastecer, se vai usar rádio ou placa para se comunicar.

Celio Ferreira
Celio Ferreira
10 anos atrás

NÃO ADIANTA INVENTAR , HORNER , ADRIAN , E SEBASTIAN, VÃO LEVAR DE NOVO
OS TITULOSDFA F1 , 2014;

Ron
Ron
10 anos atrás

Esse povo não tem juízo, não? Vai ficar todo mundo com a mesma estratégia?
Só falta agora dizerem que todo mundo deve entrar nos boxes nas mesmas voltas (metade do grid numa volta e depois o resto na seguinte).

Rafael Chinini
Rafael Chinini
10 anos atrás

ridícula essa idéia.
essas idéias de forçar a F1 ficar legal, deixa ela justamente mais chata! parece programa do governo que não repete ninguém! ficam disfarçando o problema ao invés de arrumar.

problema de aviso somente com placas, é que você cagar na tecnologia, que tanto correram atrás pra facilitar, vai dificultar uma coisa que pode ser importante até pra segurança.

eu acho é que tinha que fazer pneus super rápidos que fizesse duas paradas no mesmo tempo que se faz 1 com o duro. ou quase isso, e talvez tirar obrigatoriedade.
essa coisa de usar mesmo pneu do treino tb, é um saco!

Rafael Chinini
Rafael Chinini
Reply to  Rafael Chinini
10 anos atrás

e outra coisa.
imagina pro público
“só pode usar 35% do pneu, agora tem que usar 20%” vai ficar super fácil acompanhar e ficar calculando! super atrativo!

konnyaro
konnyaro
10 anos atrás

Elementar meu caro Kamarada Gomez, os 20% que faltam simplesmente seriam percorridos com os pneus da largada.
Vou dar um desconto, pois toda pessoa formada em humanas são fraquinhas em cálculo, do mesmo modo que eu, que sou de exatas, não consigo entender as regras da Língua Portuguesa.

gustavo maia
gustavo maia
10 anos atrás

Tem que lembrar que de quando em quando, surgem notícias esdrúxulas, que parecem até plantadas pelo Bernie, acerca da F1. Como aquela de molhar a pista para simular chuva, que apareceu um tempo atrás. A temporada acabou, as cédulas contadas, os pilotos novos vão pingando, os carros novos em fevereiro, então tem que surgir notícia.

p.s.: Flávio, o copyright no fim do blog aponta 1998-2011. não precisa atualizar?

Delano Braga Santos
Delano Braga Santos
10 anos atrás

Bem Flávio Gomes concordo com sua análise,

Na minha opinião sobre os pneus só daria certo em termos de disputa caso os compostos duros forem feitos com desenhos de “ranhuras”, enquanto os macios “slick”. Aí nesse caso o resultado teria grandes alterações nas posições,porque cada carro teria um tipo de acerto diferente e seria melhor com ranhuras, enquanto outros levariam vantagem com pneus lisos.

Minhas sugestões da F1 2014

-Diminuir número de mecânicos na troca de pneus como é feito nos pit stops da GP2.

-Novo formato de classificação

Primeira parte 30 minutos: cada piloto tem direito há oito voltas rápidas durante o tempo. Os classificados da próxima fase serão o piloto com o melhor tempo e os demais que ficarem até 55% do tempo da melhor volta e 60% em caso de treinos com chuva, quem não conseguir a porcentagem limite larga naquela posição (caso trocar o motor perde 10 posições, câmbio descarta duas melhores voltas). Intervalo de cinco minutos, os classificados colocam um jogo de pneus supermácios para duas voltas e acrescenta 10 litros/Kg de gasolina. Na parte final o último classificado tenta em duas voltas melhorar sua marca, e assim sucessivamente até o piloto com melhor marca, caso ninguém superar seu tempo ele nem precisa ir a pista e assim ele confirma sua pole.

-Mudança na pontuação

1º) 20 pontos;
2º) 17;
3º) 14;
4º) 12;
5º) 10;
6º) 8;
7º) 6;
8º) 4;
9º) 2;
10º) 1.

Detalhe: O vencedor recebe um ponto extra em caso de vencer e ter feito a pole, liderar metade das voltas ou mais e caso ele terminar com a mehor volta da corrida. Aumentando assim 20 para 23 pontos.

4º) Criar um campeonato de motores em 2015 para atrair novas montadoras.

5º) Voltar a ter corridas extra campeonato em dezembro para as seis piores equipes com apenas um carro em pistas históricas na Europa que não estão no calendário, parte dos valores da venda dos ingressos pela metade do preço imposto nas corridas será revertido no orçamento destas equipes para pagar contas e dívidas dos funcionários.

O problema é que também as minhas sugestões nunca serão aceitas!

Paulo Travaglini
Paulo Travaglini
Reply to  Delano Braga Santos
10 anos atrás

Ainda bem.

lucius
lucius
10 anos atrás

Falo isso a anos, pensava que fosse a coisa melhor proibir o radio, pecado seria ficar sem a xingaçao do Kimi…

Dasvi
Dasvi
10 anos atrás

eu colocaria a lei da baliza nos boxes, o cara não poderia estacionar de primeira na medida que entra no boxe, o correto é passar e entrar de ré, fazendo a baliza…. ( e não precisa dar seta, porque não estamos na rua, estamos na F1)

Paulo Pinto
Reply to  Dasvi
10 anos atrás

E o uso obrigatório de setas e buzina para as ultrapassagens…

Leonardo Costa
Leonardo Costa
Reply to  Paulo Pinto
10 anos atrás

Sempre pela esquerda e onde a faixa não for contínua.

Seinfeld
Seinfeld
10 anos atrás

Esse ‘povo’ que fica dando palpite sobre o que a F1 deveria TIRAR para ficar “tão boa” quanto na década de 70 (teve um que reclamou até da eficiência dos freios atuais e tantas outras “ideías”), achando que hoje é tudo muito FÁCIL para o piloto, deveria procurar no youtube, no google, nos depoimentos de pilotos da década de 70 e 80, seja lá onde for e constatem comó a F1 ideal “retrô” que vcs sonham para o século XXI, QUANTOS PILOTOS MORRERAM naquelas condições!!

Perguntem ao Emerson Fittipaldi, ao Nelson Piquet, ao Niki Lauda, ao Jackie Stewart, etc , quantos colegas eles viram morrer na pista por problemas nos freios, nos pneus, no câmbio (que diferença hoje faria tirar as ‘borboletas’ e colocar o manual???)

Pimenta no …. alheio é refresco né?

Uma coisa são as ‘regrinhas’ chatas dos cartolas da F1, como essa palhaçada de parada obrigatória 2 vezes na corrida. (Se bem que que com pneus podres da Pirelli, se fossem GARANTIDAS só duas paradas e o piloto pudesse escolher de no mínimo 3 opções ‘livres’, tudo bem, não fugiria muito da realidade atual).

Coisa bem diferente e “andar pra trás’ na qualidade, durabilidade e confiança de peças/mecanismos como freios, câmbio, asa, pneus…Seria irresponsabilidade, nó mínimo.

Corrida, disputa, ultrapassagens estamos vendo sim e todo mundo quer.

Só que tem gente que quer ver o circo pegando fogo. Sede de sangue.

Que vá assistir o MMA, UFC ou qualquer outra ogrice.

Peter Perfeito
Peter Perfeito
10 anos atrás

Também concordo com a idéia do FG de eliminar o uso do rádio durante as corridas.

E discordo das obrigatórias 2 paradas nos boxes durante a corrida. Por que não, por exemplo, pneus MELHORES E MAIS RESISTENTES???

O grande problema é que os ‘cartolas’ da F1, que criam estas regrinhas (tão bestas quanto ‘chuvas artificiais’ em algumas partes da pista – Bernie Ecclestone), acham que assim a F1 atrai mais expectadores e interesses comerciais por tornar-se mais ‘emocionante’.

Mas a F1, não é um “jogo” que se cria regras diferentes todo ano. Não queremos “jogo”. Queremos corridas. Com regras de segurança sim, mas sem invenções marketeiras.

Senão, vamos acabar criando a regra (RIDÍCULA E INJUSTA COM O PILOTO COMPETENTE) de ter 2 ou 3 bandeiras amarelas por corrida “para dar emoção”.

Ou parar a corrida no meio e dar uma relargada…

Tá na hora de surgirem novas lideranças na F1, na FOM…Ex-pilotos INTELIGENTES para comandar a categoria. Não se contentar apenas com “homenagens” para o cargo de ‘comissário de prova convidado’ de uma ou outra corrida.

Um bom cara de ‘business’ para substituir Ecclestone e um ex-piloto INTELIGENTE e com moral no ‘circo’ para ser o “chefe”, colocar ordem na casa e sem idéias ‘espalhafatosas’.

Nilton Lopes
Nilton Lopes
10 anos atrás

Muito simples e muito boa a ideia da proibição do rádio.

Mario Gasparotto
Mario Gasparotto
10 anos atrás

Concordo com a retirada dos rádios nas corridas e mais liberdade das equipes nas escolhas dos pneus. Se engessarem as paradas de boxes deste jeito, a Fórmula 1 vai ser mais chata do que dançar com a irmã.

Maurício A.
Maurício A.
10 anos atrás

Se a ideia do rádio fosse aceita, deveria ser colocado um adendo para que ela se iniciasse apenas quando o Kimi se aposentasse. Uma das melhores coisas este ano foram as pérolas dele com a equipe.

JP
JP
10 anos atrás

Daqui a pouco vão inventar uma regra proibindo ultrapassagens depois da primeira volta. Caminha pra isso essa m…

Carlos Moraes
Carlos Moraes
10 anos atrás

Putz,
Se a TV já vai mal com a F1 nos moldes de hoje. Imagina com essa confusão. Se já vai complicar para quem já entende alguma coisa, imagina que esta vendo por acaso ou ficou um tempo sem acompanhar. Bagunça total.

charles
charles
10 anos atrás

Concordo com você FG, aliás, sempre concordo com você, a F1 deveria ser mais “crua”, deveria haver mais atitudes à serem tomadas pelos pilotos, os caras recebem tudo de bandeja pelo rádio, e pior, queria ouvir neguinho chorão reclamar para o companheiro deixar ele passar. Será que a equipe teria coragem de escrever nas placas que tal piloto estava mais rápido e assim o companheiro deveria abrir passagem? Acho pouco provável. Gostaria de ver o vice forever reclamar.

Adepto
Adepto
10 anos atrás

Câmbio manual de manopla resolveria muita coisa!!!

José Augusto Rocha Filho
José Augusto Rocha Filho
Reply to  Adepto
10 anos atrás

Mudaria o quê? Todos naturalmente se adptariam.

Diego
Diego
Reply to  José Augusto Rocha Filho
10 anos atrás

Pode ter certeza que sim. E adaptação rápida.

Até parece que esses caras só sabem dirigir carro com esse tipo de câmbio, que se entregarem um Fusca para o Vettel ele não saberá o que fazer.

Tem que ser muito ranzinza para menosprezar a pilotagem desses caras. E parece que é o que mais existe entre os “fãs”.

Leonardo
Leonardo
10 anos atrás

Cada dia me dá mais vergonha dessas idéias brilhantes….acho que o prazer desses caras é inventar essas cagadas e depois morrer de rir ao constatar que ninguém deixou de assistir as corridas. Somos todos idiotas e cúmplices dessas idéias estapafúrdias que estragam a categoria, por não darmos nenhuma resposta em audiência. Na minha opinião, não deveria haver engessamento nenhum da estratégia, deveria haver pneus que resistissem toda a corrida, e outros mais macios e rápidos, assim a equipe escolheria a melhor opção. Para mim deveria haver também dois fabricantes .

Paulo F.
Paulo F.
10 anos atrás

Um tipo só de pneu para o campeonato todo. E menores que os atuais também. Claro que mantem-se os pneus de chuva. E mais de um fabricante se possível.
Usa em Monaco, em Spa, em Interlagos em Dubai e onde mais o tio Bernie quizer que tenha corrida.
Fim do rádio também (acaba com os “is faster then you”). Volta das placas como nos gloriosos dias do John Cooper.

Andre
Andre
10 anos atrás

Deve ser um pedido da Pirelli.. Assim as borrachas nao comem are o ponto onde os pneus comecam a estourar e delaminar..

Filipe
Filipe
10 anos atrás

F1 já era. Foda-se, legal mesmo é o WEC

EduardoRS
EduardoRS
10 anos atrás

Um vez tinha pneu tipo A, B, C, e D, o piloto escolhia qual queria usar e acabou. Era só voltar isso.

E concordo, tinha que proibir rádio. Mas não tinha que ter nem botãozinho no carro pro piloto avisar que estava entrando. O piloto entra quando a equipe botar “PIT” na placa, ou quando der na telha dele, e a equipe que se vire. Se quiserem recuperar a popularidade, precisam simplificar as coisas.

Rogério Magalhães
Rogério Magalhães
10 anos atrás

Se tirar o rádio, o Luciano Burti vai perder o emprego de “escuta” na Globo, hahahahaha…

Brincadeira a parte, é muita frescura ficar a FIA inventando regras que engessam a competição. Esse negócio de contar quantas voltas pode dar com cada pneu é tosco, aliás, nem deveria ter esse negócio de pneu duro e mole, deveria ser um composto só e aí o cabra faz quantas paradas quiser ou precisar.

Tem horas que esse povo precisa aprender a fazer o simples, como era antigamente…

Flavio Monteiro
Flavio Monteiro
10 anos atrás

A F1 fica cada vez mais sem graça. No mesmo caminho do resto do Mundo, de maneira geral.

Corrida de carro, para mim, tem que começar e terminar na bandeirada. O ideal, portanto, seria corridas de verdade, sem trocas de pneus e/ou paradas obrigatórias. Este negócio de “estratégia de parada no box” é ridículo. Pior ainda é a tal “ultrapassagem no box”!!! VSF

Flavio Monteiro
Flavio Monteiro
Reply to  Flavio Monteiro
10 anos atrás

“seriam”

Andre Marques
Andre Marques
10 anos atrás

mas falando sério, esses caras conseguem mesmo enxergar o que está escrito, passando a 320 Km/h no retão?

Evandro Schueda
Evandro Schueda
10 anos atrás

Saudades do tempo em que os pilotos chegavam a variar os pneus até no mesmo eixo…conforme a pista faziam a salada adequada e pé na tábua…abastecer ou não era uma decisão normal e pra ultrapassar era no braço mesmo nem que fizesse a curva de lado – os carros permitiam isso, hoje em dia se perder a down force você vai visitar São Pedro mais cedo, gostei da idéia do rádio, assim voltaria aquela procissão das placas e valeria a concentração do piloto (Piquet chegou a contar quantos cigarros o Colin Chapman fumou durante uma corrida), resumindo deixar o comando da máquina no piloto faria renascer ótimos pegas….

RenatoS.
RenatoS.
10 anos atrás

Na boa, discordo do lance do rádio. Ele tem sido vital para o nosso divertimento. Taí o Kimi que não me deixa mentir.

Peter Perfeito
Peter Perfeito
Reply to  RenatoS.
10 anos atrás

O Kimi seria um dos primeiros a assinar para proibirem o rádio durante as corridas.

Mateus
Mateus
10 anos atrás

Acho que deveria ter pneus de classificação para o Q1 e todo mundo largar com 1 pneu só e novo, pra igualar mais as coisas

Nelson
Nelson
10 anos atrás

Não adianta Flavio. Se pode complicar,porque facilitar. A idéia é ótima, os pilotos com mais visão global da corrida teriam mais vantagens. O problema é que tudo agora quanto mais “fresco” melhor.

Davi de Oliveira
Davi de Oliveira
10 anos atrás

outra sugestão pra melhorar a F1 Flávio seria colocar o reabastecimento de volta, acho ridículo parar hj em dia só pra trocar pneu. fora os carros q ficam mais pesados, e com isso o piloto tem q ser mais conservador do q arrojado, pois ele não pode levar o carro no limite conseguir os resultados.
o q vc acha?

David Santos
David Santos
10 anos atrás

Acharia uma boa idéia se os médios não se escangalhassem como nesta temporada. A Pirelli teria de entregar uma composição (falo dos pneus médios) que pelo menos mantivessem um desempenho linear em torno de 19 voltas e que estes pneus fossem em torno de 1 segundo mais rápidos que os duros para que os pilotos pudessem andar em ritmo classificatório quando tivessem com eles. E que eles parassem com esta palhaçada de pneus farofa também. To cansado de corridas serem definidas por causa do fator-pneu… pow! Quero ver sim as equipes ganhando devido aos engenhos bem elaborados e por pura velocidade destes carros e seus pilotos. Esta é a essência da F1.

Marcio Rezende
Marcio Rezende
10 anos atrás

Concordo com você. Mas creio que se aprovada este medida a próxima vai ser estabelecer câmbio automático padrão em todos os carros e depois impor motor único e daí uma pintura única para todos os carros…
Saudades da época em que quem comandava os carros era o piloto, não tinha rádio mandando deixar passar ou diminuir a velocidade. Pilotos como Piquet, Mansel, Vileneuve, Arnoux, Alesi entre outros, nunca se estabeleceriam na F1 atual e é por isso que está tão chata, tudo muito artificial.

Lucas S.A.
Lucas S.A.
Reply to  Marcio Rezende
10 anos atrás

Puro saudosismo esse seu texto. Isso sempre existiu na F1, antigamente se usava as placas pra mandar passar/entregar.

Marcio Rezende
Marcio Rezende
Reply to  Lucas S.A.
10 anos atrás

É certo Lucas, mas sem tantos comandos eletrônicos, quem comandava o carro era o piloto, o engenheiro tinha pouca interferência durante a corrida e sem dúvida, era muito mais divertido.

Filipe
Filipe
10 anos atrás

Criaram uma série de artifícios para aumentar o número de ultrapassagens nas corridas: Asa móvel, Kers, pneus de pau e etc.

Na minha opinião bastaria seria reduzir a eficiência dos freios.

Os freios se tornaram tão modernos e eficientes, que o piloto freia praticamente dentro da curva. Isso dificulta muito as ultrapassagens, pois deixou de existir a disputa para ver quem freia por último. Hoje em dia freiam todos juntos, quase dentro da curva.

Norson Botrel
Reply to  Filipe
10 anos atrás

Faz sentido.

Adepto
Adepto
Reply to  Filipe
10 anos atrás

O problema que isso iria de encontro com a Segurança. Nesse quesito, nada muda!

Peter Perfeito
Peter Perfeito
Reply to  Filipe
10 anos atrás

Fácil é sugerir SENTADO NO SOFÁ diminuir a eficiência dos freios de carro que chegam numa curva de fim de reta quase a 300Km/h.

Freio é SEGURANÇA!

Tá querendo trabalhar na FIA?

Santa estupidez!

Filipe
Filipe
Reply to  Peter Perfeito
10 anos atrás

Reduzir a eficiência dos freios não significa eliminá-la. As equipes não teriam que usar os freios de um carro de passeio sem ABS.

Hoje em dia a 200 km/h os pilotos freiam a 50 ou 60 metros da curva. Com a essa redução, eles passariam a frear a 100, 150 metros. É apenas uma questão de adaptação, aumentando a disputa para ver quem freia por último, algo que a gente quase não vê hoje em dia.

Uma cena como essa (http://www.youtube.com/watch?v=AgrWsd5QXF0&hd=1) nos dias atuais é praticamente impossível.

Os engenheiros são capazes de criar um freio que mantenha a segurança dos pilotos, mas que seja menos eficiente. Isso não significa necessariamente aumentar o risco. Ao contrário, os pilotos se tornariam até mais cautelosos, visto que teria que frear antes.

Um exemplo disso é que em 1998 afim de reduzir a velocidade dos carros, FIA determinou que os pneus tivessem ranhuras ou sulcos, reduzindo drasticamente a aderência dos carros, causando assim uma perda de velocidade.

Será que reduzir a aderência dos pneus não gera o mesmo nível de insegurança que a redução da eficiência dos freios?

P.S: Não querido, não estou querendo trabalhar na FIA. Graças a Deus já tenho meu emprego.

Se você não percebeu, este é um espaço de debate. Você não é obrigado a concordar com o que eu escrevo, assim como não sou obrigado a concordar com o que você escreve. Mas uma coisa é fundamental: RESPEITO. É bom para saúde e conserva os dentes na boca.

P.S. 2: Parafraseando um grande comentarista da F1: “Santa estupidez!” (PERFEITO, 2013).

André França
André França
Reply to  Filipe
10 anos atrás

Sou mais partir pra um rumo que a muito tempo o Barrichelo já falou: diminuir a dependência da aerodimâmica e aumentar o “grip” mecânico. Diminui efeito da asa, aumenta a tala do pneu. Assim, fica mais fácil “pegar o vácuo” e passar no fim da reta…

Squa
Squa
Reply to  Filipe
10 anos atrás

Filipe, concordo com vc. Alguns gênios não entendem que diminuir a eficiência dos freios não influencia tanto na segurança, é a mesma coisa que diminuir a aderência dos pneus, diminuir downforce diminuindo a asa. O piloto simplesmente teria que frear antes. Hoje um carro de F-Indy chega na mesma velocidade e não tem tanta eficiência nos freios.
Ainda nessa de linha aumentar a competitividade, eu diminuiria o numero máximo de mecânicos nos pit-stops, tipo um por roda mais um pra cada macaco, e só.

Mauro Batera
Mauro Batera
10 anos atrás

Eu sou contra esta obrigatoriedade de utilizar dois compostos diferentes.

O negócio é deixar cada piloto determinar se quer tentar ou não fazer uma corrida inteira sem trocar os pneus.

Aí, o pau ia comer solto dentro da pista, e com certeza as equipes médias e pequenas iriam aparecer mais na ponta da tabela ao final de muitas etapas.

Abraço!

Helio "Chico Bento" Silveira
Helio "Chico Bento" Silveira
10 anos atrás

Quer uma sugestão que, ao meu ver, resolveria e muito diversas questões numa tacada só? retirar todas as asas dos carros. Voltar, em termos, aos charutos de antigamente, onde o ajuste mecânico, portanto eficiência da equipe de engenharia e box e a qualidade do piloto seriam determinantes. Aí nem precisa determinar pit stop, DRS, essas coisas.

Mas, como voce diz, nunca aceitarao minhas sugestoes.

Luciano M
Luciano M
10 anos atrás

Flavio Gomes para presidente da FIA JÀ !!!!
O fato é que concordo com você em gênero, número e grau.
O que torna o esporte legal é justamente o fator surpresa, ou seja, o imprevisível. Sem comunicação de rádio, quem sabe acabassem também com esse negócio de jogo de equipe, que é uma porcaria para o esporte. Acho que é por isso a Classic Cup é tão legal. A equipe ajuda no acerto do veículo, mas a partir da hora em que vem a luz verde, aí é por conta do piloto, quem tem ao seu lado para auxiliá-lo apenas a própria coragem, reflexo e inteligência. Parabéns pelo post.