MENU

quarta-feira, 18 de junho de 2014 - 11:13F-1

MAIS DE MICHAEL

RIO (vamos ao Maraca)Schumacher tem “momentos de consciência”, segundo o hospital de Lausanne, para onde foi transferido. O que não quer dizer que consiga falar. O grau de comunicação é sutil e limitado a movimentos dos olhos. As coisas não mudaram muito em relação às últimas semanas.

Vai ser uma longa recuperação. Toda sorte do mundo a ele. Keep fighting.

10 comentários

  1. Alfredo Ramos disse:

    O quadro de Michael não conta nesse momento. O que conta é a milagrosa reviravolta desse campeão, que continua nos impressionando com mais uma vitória.

    Força Schumi!

  2. Marcelo disse:

    Schumacher foi transferido com sobrenome falso. O trajeto de uma unidade de saúde para a outra foi de cerca de 200 km, e Schumacher teria viajado lúcido e se comunicando por movimentos de cabeça. A transferência de Michael Schumacher do hospital de Grenoble, na França, para a cidade suíça de Lausanne aconteceu em sigilo absoluto, incluindo um sobrenome falso para despistar os curiosos. A informação é do jornal Blick, que ainda disse que o ex-piloto foi transferido de ambulância, e não de helicóptero. A equipe médica e os motoristas responsáveis por transportar Schumacher teriam sido obrigados a entregar seus celulares para evitar que vídeos e fotos do heptacampeão fossem divulgados. A identidade do paciente só foi revelada no momento em que ele foi colocado na ambulância.

    “Schumacher teria viajado lúcido e se comunicando por movimentos de cabeça?”

    Se isso foi realmente testemunhado pelo motorista, é uma grande notícia! Após o grave acidente, o alemão chegou clinicamente morto no hospital, devia estar em ‘Glasgow 3’ , o mais baixo desta escala. O helicóptero que socorreu Schumacher foi obrigado a fazer um pouso de emergência logo após sua decolagem da pista de esqui de Meribel. O motivo: dentro do veículo, o ex-piloto havia sofrido um colapso(parada cardíaca) e os médicos tiveram de entubá-lo para evitar que ele morresse antes mesmo de chegar ao primeiro hospital.

    Profissionais que atuam na área da Saúde são fora de série!

    Continue lutando Schummy!!!

  3. Chico Camargo disse:

    Força Shumi, estamos com você. Vida longa ao campeão!

  4. Marcelo disse:

    “grau de comunicação é sutil e limitado a movimentos dos olhos”

    Parece pouco, mas pelo gravíssimo acidente já é uma grande vitória, quantas vezes ressuscitaram Schumacher nos últimos meses? O mundo tem que comemorar porque outras pessoas vão ser salvas com o mesmo tratamento. Por outro lado, vem um drama, até onde Schumacher entende o que ocorreu?

    A síndrome de locked-in, ou síndrome do cativeiro, ocorre quando existe uma lesão extensa das conexões neurais entre o cérebro e os movimentos do corpo, porém com absoluta preservação das estruturas cerebrais responsáveis pela manutenção da consciência. Dessa forma, a despeito do paciente estar absolutamente consciente, ele é incapaz de demonstrar essa consciência. As maneiras com as quais conseguimos demonstrar que estamos conscientes envolvem a realização de um movimento ou um som voluntariamente ou sob comando, mas pacientes em locked-in não conseguem realizar esses movimentos. Pode, então, parecer que estão em coma, exceto por um pequeno detalhe que fornece ao examinador a pista de que o paciente está consciente e responsivo a estímulos: a movimentação vertical dos olhos. Devido a uma particularidade anatômica, as lesões cerebrais que levam ao locked-in ocorrem em um local que preserva o comando voluntário para a movimentação vertical dos olhos. Dessa forma, o paciente não consegue mover os olhos na horizontal, não consegue emitir sons, não consegue mover braços, pernas, face, boca ou língua, mas consegue demonstrar que está consciente pela movimentação vertical dos olhos. É um estado em que o paciente está “preso” dentro dele próprio.

    É uma síndrome rara?

    A síndrome em si é rara por dois motivos. Primeiramente porque é necessário que haja uma lesão com características muito específicas no sistema nervoso, o que não é comum. Além disso, como as causas que levam a essa síndrome são patologias muito graves, frequentemente o paciente não sobrevive a ponto de ficar nessa condição médica por muito tempo.

    Batalha de Schumacher ainda é delicada e muito longa, pode levar anos pra recuperar parte dos movimentos. Que o alemão consiga superar esse que é o maior obstáculo da sua vida. Esqueçam aquele herói(ou vilão das pista), Schumacher também é filho, irmão e pai de família. Fora das pistas os heptacampeão é conhecido pela generosidade. Somadas as doações elas chegam a 160 milhões de dólares, incluindo ajuda para construção de escolas, assistência à crianças com HIV e vítimas de catástrofes naturais.

    Foto de Schumacher com a imagem da Virgem Maria:
    http://blog.opovo.com.br/ancoradouro/wp-content/uploads/sites/2/2014/01/Michael-Schumacher2-625×390.jpg

  5. Gus disse:

    Existem situações em que o cérebro “estaciona” em uma determinada situação (tumor local que foi extraído totalmente por exemplo), e não existem prognósticos de melhora….é daquele jeito e deu.
    Mas no caso do alemão, ele evoluiu de um estágio para outro, não – em tese – perdeu parte do cérebro em uma cirurgia. Então, creio que a evolução haverá, devagar, mas haverá.

    Força Michael!

  6. Salvador Costa disse:

    Keep fighting. A long way home.

  7. Rids disse:

    Li que o hospital suiço de Vaud é percursor da eutanásia na Europa. O que não quer dizer que tenha deixado de ser um hospital e, portanto, lugar de cura.

  8. Fernando Monteiro disse:

    Realmente é como você disse Flávio, teremos muitas informações desencontradas sobre o estado de Schumacher. Muita gente vai falar muita coisa à respeito da mesma coisa. O ex-médico-chefe da F1, Gary Hartstein nos “jogou um balde de água fria” ao trazer seu ponto de vista sobre toda essa situação. O que vale mesmo é que Schumacher se recupere, não importa em nada se o caminho for longo ou não.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *