CIAO, BERTONE

SÃO PAULO (só derrota mesmo) – Leio que a Bertone pediu falência. Em março tocamos no assunto. Era iminente, a não ser que alguém comprasse a empresa. De suas pranchetas só saíram maravilhas, como essa BMW Spicup, um carro-conceito de 1969 que passou anos desaparecido, depois de comprado por um holandês (outro dia foi leiloado).

Como escreveu o mestre Roberto Nasser, não há mais espaço no mundo para carros especiais. Nem para a arte pura no design. Nem para um monte de coisa.

bertonebmw

Comentários

  • os Automóveis em geral , para geração anterior
    eram como sonhos a circular pelas ruas e estradas,
    “design” personalizados , cada um com a sua característica própria,
    seu conceito próprio, uma beleza diferente uma da outra , criações
    diversas para um objetivo único , encantar e seduzir , e isto bertone
    sabia e tinha conhecimento.
    infelizmente para a geração atual , o automóvel é um simples objeto,
    algo que se usa para transporte , que vez ou outra torna -se estorvo,
    inimigo , acabou o encanto , o automóvel esta morrendo, é triste.

  • Olá Flavio Gomes, a tempos venho pensando sobre a atual fase do automobilismo brasileiro e me pergunto porque nada está sendo feito em relação a maior promessa recente do esporte a motor, Felipe Fraga.
    Quetionamos os motivos da má fase do automobilismo e cocluímos sobre falta de estrutura, falta seriedade da CBA, etc.
    Aí aparece uma jóia dessa e ninguém faz nada? Me desculpe mas um muleque (muleke) que coloca corredores experientes (ex pilotos de F1) no bolso na primeira temporada da mais renomada categoria do automobilismo brasileiro não merece mais?
    Não estou fazendo propaganda não sou parente nem nada, mas para mim tem focinho de porco, pé de porco orelha de porco ou é porco ou é feijoada…abraços.
    Você o considera uma grande promessa? Sabe algo sobre monopostos?

  • Eu era um apaixonado por automóveis na minha adolescência. Assinei Quatro Rodas de 1997 á 1998 e ficava ansioso no começo do mês esperando o Correios entregar minha revista. Mas hoje, sei lá, perdeu a magia, tem modelos demais nas ruas, muitas versões, novidade toda semana, nossa perdeu a graça. Me lembro quando foi lançado o corsa Wind, parecia coisa de outro planeta; o palio também, mesmo o ED era muito inovador. De duas uma, ou acostumamos com a inovação ou não existe mais inovação no setor automobilístico.

  • Nem a marca compraram? Incrível, é a melhor proposta para uma empresa tipo montadora chinesa genérica colocar qualidade junto a seus produtos! Ou alguém que necessite um deptº de design comprar um off-the-shelf.
    Vai fazer falta a empresa de Nuccio Bertone!

  • O mundo está perdendo a personalidade juntamente com os talentos e feitos diferenciados. Seria o maldito conceito de globalização e lucros fáceis pela standartização? E vira um círculo vicioso com o empobrecimento da cultura contemporânea…Poucos criam mas todos copiam…Carros, roupas, óculos, ideias, filmes, comportamentos, etc, etc….Tudo indo para o saco….Ser genial e ter talento ainda será considerado crime….E aí, voltaremos à idade das trevas, comandada pelas grandes corporações. E minha mente, que vislumbrava um futuro promissor, morre de vergonha e tédio, pela atualidade canhestra.

  • Pena. Carros assim, ou os antigos mais simples e acessíveis e não menos encantadores no design como um Fusca, um Citroen 2CV, entre outros, são coisas que cada vez mais são apreciadas por puros entusiastas mesmo. Carros novos são iguais smartphones novos. Quase descartáveis. Acho, por exemplo, que quem compra um SUV branco pq foi uma moda, não pode falar que gosta de carro de verdade. Minha opinião. Abs a todos.

  • A arte nem sempre pode ser explicada, mas poderá sempre ser sentida e apreciada. Bertone se enquadra na pequena galeria dos gênios do design que conciliaram forma e função com rara inspiração, Neste mundo de 2014 este tipo de transcendência não é valorizada e às vezes nem mesmo conhecida. O século XX teve vários pecados, mas o século XXI se superou na falta de sensibilidade e de qualidade no que tange ao que é produzido e valorizado pelo senso comum. Ainda existirá esperança para o belo e para o que realmente encanta os corações humanos?