LEGIÃO URBANA

RIO (verão é isso) – O Fabio Ferrera mandou a foto, e abro a exceção nesta seção porque aqui no Rio é duro ver carro antigo rodando — para quem não sabe, em “Legião…” só fotos de minha autoria são publicadas. E porque a foto é maravilhosa e essas mansões que parecem abandonadas me intrigam. A mensagem do Fabio:

Oi Flavio,
Boa tarde e obrigado por disponibilizar o contato para as fotos. Sou admirador de Mercedes-Benz antigas e de DKWs também. Tirei esta foto semana passada e me pareceu interessante por se tratar de um Puma dos primeiros em uma mansão aparentemente abandonada na avenida Niemeyer, atrás do Sheraton. Tempos de glória parecem ter sido vividos ali. Se tiver interesse em publicar fique à vontade. Fiquei curioso para saber o que aconteceu ali.

Todos nós. A casa é fantástica. O carro, idem. A maresia aí come tudo. Mas Puma é de fibra. Deve ter muita história por trás dessa foto.

pumasc

Comentários

  • Fantástico este registro! Show de bola!
    Posso imaginar várias cenas através desta foto: final da década de 70 início de 80, aquele camarada usando jeans, camisa estampada com alguns botões abertos, ao lado de uma gatinha também usando jeans, batinha, tamancos… (Puts… realmente fui longe em minha imaginação, kkkk…)
    Com certeza, este Puma vermelho fez seu dono tirar muita onda pelas ruas cariocas.
    Bacana mesmo este registro!

  • fico imaginando quantas histórias existem por trás dessa foto…..e olhem a cor desse puma……um verdadeiro desbunde….sei que o que vou dizer dessa foto é um batido lugar comum mas não importa, vou dizer assim mesmo: “….É uma daquelas fotos que falam por si mesmas….”

  • De fato a casa e o Puma existem e até podem ser vistos pelo Google Earth. Esta casa fica na Estrada do Vidigal, que corre por cima da Avenida Niemeyer e fica bem na frente do hotel Sheraton. A fibra pode não estragar, mas o chassis…. :-)

  • Pois é, fala-se tanto em MST, que invadem propriedade e tal. Se alguém invadir esta propriedade para morar como lidar com isso? Tambem fico intrigado com esses terrenos imensos abandonados por gerações.

    • Se o dono da casa segue pagando seu IPTU em dia, tecnicamente a casa não estará abandonada. Já terrenos (sem construção) ociosos podem ser submetidos ao IPTU progressivo a medida que o tempo passa o IPTU fica mais caro a ponto de inviabilizar o terreno, ou o dono vende, ou a dívida fica tão grande que o poder público desapropria. Aqui em Recife teremos esse instrumento a partir da promulgação no novo plano diretor, não sei como é no RJ.

    • A explicação para os imensos terrenos abandonados por gerações não é tão difícil de ser justificada.
      Para que proceda à partilha, após os falecimento do proprietário original, é necessário quitar à Fazenda Estadual um imposto chamado ITCD, Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação, cuja alíquota pode ser de até 8% sobre o valor de avaliação do imóvel, avaliação esta realizada pela própria Fazenda e que via de regra é várias vezes acima do real valor de mercado.
      Ainda, que este ITCD deve ser quitado à vista. Muitas vezes a família até possui um terreno que vale, por exemplo, 30 milhões de Reais, mas não tem disponíveis à vista os 2.400.000 para quitar o imposto. E assim não conclui a partilha… Às vezes as pessoas pensam que possuem um bem, mas na verdade são sócias do governo…