MENU

quarta-feira, 23 de outubro de 2019 - 18:06Dica do dia, Gomes

DICA DO DIA

RIO (novinho, novinho…) – O Romeo Nogueira, de Itajaí, mandou o vídeo. É um míni-documentário sobre as últimas horas de vida de Ayrton Senna. Não vi inteiro, porque estou meio apertado de tempo. Mas verei mais tarde. Detalhe pouco relevante, mas curioso. Eu apareço a 1min12s e 1min21s. São imagens da quinta-feira de Imola, quando Senna sempre dava uma entrevista à imprensa brasileira.

Já descrevi essa cena em vários textos. Lembrava bem da calça branca e do prato de macarrão com molho de tomate. Fiquei com aflição a entrevista toda, achando que Ayrton ia derrubar o molho na calça. Nas imagens pode-se ver também meu famoso gravadorzinho, que encontrei anos depois com algumas entrevistas de Senna daquele ano preservadas.

Assistam e me digam se o documentário é legal.

13 comentários

  1. Thiago Sabino disse:

    Muitas imagens repetidas, mas também muitas imagens inéditas….

  2. Britto disse:

    Sempre dá vontade de mexer no vídeo, fazer alguma coisa diferente que fizesse o futuro mudar…..

  3. CRSJ disse:

    Desde o seu primeiro contato com a Williams o Senna não foi feliz, pior ainda foi nas suas últimas 100 horas de vida em que o seu Inferno Astral já se encontrava além da conta naquele fim de semana trágico de San Marino 1994.

  4. Cowboy do Asfalto disse:

    Os bons e velhos tempos de disputas acirradas e onde não haviam “não-me-toques”…

  5. Romeo Nogueira disse:

    Valeu, Flavio. Quando vi as primeiras imagens logo te identifiquei, E lembrei da macarronada no almoço com a imprensa, em Imola, que você já tinha relatado aqui. Abs.

  6. Ricardo Bigliazzi disse:

    Quase 25 anos de reinado de pilotos Brazucas na F-1 de 70 a 94.

    A “Brazilian Storm” da Imprensa Brasileira devia ser bem conhecida no grid naquela época.

    Vc deve ter material para uns duzentos livros… hahaha

  7. Paulo Pinto disse:

    FG, a Renault e seus pilotos foram desclassificados no GP do Japão (STATSF1 FR).

  8. lupahp disse:

    nada mais do que já foi mostrado milhares de vezes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *